quinta-feira, outubro 31, 2002





A REALIDADE DE CONSENSO...

" A realidade de consenso é muito sedutora, porque passas uma vida inteira imerso nela; e, como a conheces muito bem, ela já não te prega surpresas: tens sempre a certeza de que «o pior acontece» e suspiras de alívio quando «o pior acontece» primeiro ao vizinho do que a ti. Nota quantos engarrafamentos ocorrem nas auto-estradas, não pelos acidentes em si mesmos, mas por causa dos mirones que querem constatar e aperceber-se da gravidade do desastre.
Existe, evidentemente, quem tenha interesse em que te mantenhas emaranhado nessa realidade. No entanto, cada vez mais frequentemente encontrarás pessoas empenhadas em construir uma realidade alternativa à do consenso, baseada na alegria e no amor, em vez de no medo - essa emoção que lhes serve de bitola para avaliar até que ponto uma coisa é boa ou má.
Esta realidade alternativa também está à tua volta. Trata-se de um novo conjunto de energias - de fre-quências muito mais elevadas – com as quais, depois de assimiladas, podes entrar em ressonância.

Antes, porém, tens de deixar de contactar, por empatia e telepatia, com quem está atascado na energia «medo», porque a energia dessas pessoas vai tentar entrar em ressonância com os teus campos de uma forma muito natural e imparcial, não porque elas queiram «contaminar-te»... mas porque é assim que a energia funciona!

Existem muitas razões que podem levar os teus campos a ressoar com a realidade de consenso do statu quo. A primeira é que nasceste nela; enquanto bebé, possuías campos limpos (excepto no que toca àquilo que o teu eu-espírito lá tinha posto. Nota como os bebés estão sempre entusiasmados pelo ESPÍRITO, ainda que estejam a chorar!). Nessa altura da tua vida eras como um esponja, pronta para absorver tudo o que aparecesse no caminho. E - a verdade seja dita! – fizeste isso muitíssimo bem!
Através dessa absorção podes ter recolhido, por exemplo, as seguintes «impressões»:

«Devo trabalhar duramente para conseguir vencer na vida.»
«Sou um macho provedor; sou uma mulher dependente.»
«O amor é caprichoso; não caias nas suas armadilhas.»
«Se não fores o primeiro, não serás nada.»
«Isto é demasiado bom para ser duradouro.»



A lista é interminável. Trata-se de uma colecção de formas de pensamento completamente ultrapassa-das que repescas no «agora» e projectas sobre os acontecimentos futuros. Aprendeste isto com os teus pais, parentes e amigos, nas escolas... todos eles infectados, evidentemente.

Portanto, sempre que contactas com o campo de alguém que esteja a transmitir numa frequência – seja ela positiva ou negativa - que poderás ressoar, tu captas essa vibração, amplifica-la e devolve-la à pessoa que a emite como uma espécie de retro-alimentação; logo depois recebes de retorno uma dose ainda mais poderosa, voltas a amplificar e a devolver... e assim sucessivamente.
É como o som de um alto-falante que se retro-alimenta do som do microfone, e assim sucessivamente.
Bom, e tudo isto ocorre antes que te apercebas, sequer, se a retro-alimentação é positiva ou negativa. Se te for útil, permite-a; mas se a sentires como perniciosa, recusa-a prontamente, pois poderá arruinar a harmonia desse dia, sem que nada tenhas feito para que tal sucedesse... excepto manteres-te dentro des-sa parcela da realidade de consenso planetária. Portanto, livra-te dessa vibração pesada que impede que te sintonizes com a «estação» favorita chamada ESPÍRITO."

(...)

SERAPHYS



MANDRÁGORA
(de 13/12 a 5/1)

Símbolo da magia, essa flor tem uma forma
que lembra a silhueta de um
corpo humano. É fonte de uma substância
capaz de induzir a transes
hipnóticos, ou estados alterados de
consciência, muito úteis à prática de
magia. As pessoas que nascem sob o signo de
Mandrágora são espiritualmente
elevadas e estão sempre em busca do sentido
mais profundo da vida e da
existência. Não gostam da rotina, do senso
comum, da mediocridade. Têm uma
natureza intensa e apaixonada, ainda que
aparentem uma certa frieza e façam
questão de impor algum distanciamento às
pessoas em geral. É preciso
conhece-las bem para saber lhes dar o devido
valor.



El amor es una compañía

" El amor es una compañía, ya no sé andar solo por los caminos,
porque ya no puedo andar solo.
Un pensamiento visible me hace andar más a prisa y ver menos,
y al mismo tiempo gustar de ir viendo todo.
Aun la ausencia de ella es una cosa que está conmigo,
y yo gusto tanto de ella que no sé cómo desearla.
Si no la veo, la imagino y soy fuerte como los arboles altos,
pero si la veo tiemblo, no sé qué se ha hecho de lo que siento en ausencia de ella.
Todo yo soy cualquier fuerza que me abandona.
Toda la realidad me mira como un girasol con la cara de ella en el medio. "


Fernando Pessoa

quarta-feira, outubro 30, 2002

"A Magia provém da união do Feminino

com o Princípio Transpessoal"
.


in "A Grande Mãe" de Erick Neumenm


A mulher Livre

"A mulher não tem que se tornar igual a ninguém. Ela tem de pertencer-se.
Ela deve libertar-se da imagem que lhe é imposta por uma sociedade dominada pelos valores masculinos.
Ela deve, sobretudo não fazer do homem o modelo da sua libertação.
Será assim que ela vai criar uma sociedade nova.
Quanto ao homem, que ele contribua para libertar a mulher, primeiro e antes de tudo aceitando o sua parte feminina nele próprio. Reconhecendo os valores femininos que em si mesmo esperam expandir-se assim como no mundo.
A fim de que possamos juntos construir uma sociedade nova.
Esta civilização, não se realizará jamais se nós não permitirmos às mulheres de a criar.
O Porvir é das mulheres, porque elas interrogam-se pelos olhos das crianças."



''Si les femmes s'unissent dans le but sublime de régénérer l'humanité,
elles gagneront l'estime des hommes.
De nouveau, ils seront obligés de les respecter, de les admirer,
de les estimer, et d'être inspirés par elles...
L'époque qui vient sera celle de l'amour : cela signifie que ce sera l'époque de la femme.''
*

Omraam Mikhaël AIVANHOV,
(propos recueillis par Claydne BRELET IN Question de, numéro 20.)


«O MON COEUR DE MA MERE

TU EST LE KA DE MES TRANSFORMATIONS»





O NOSSO VERDADEIRO EU

(...) O “eu” é o portador do nome que assiste, impotente, ao julgamento do seu coração. O Nome é o verbo aparente da personalidade humana terrestre; ele devia ser a expressão do seu Ka e da sua natureza, se ele estivesse correctamente atribuído. Ele é sempre a fórmula mágica que conserva a sua imagem na memória dos seres.
Ele é a veste do eu egoísta; é por isso, que quando este eu egoísta se apaga diante do homem consciente do seu fim altruísta, nós modificamos o seu nome para o pôr em harmonia com o seu Ser e a sua função verdadeira.

- Porquê que é que a alma - pássaro (BA) fica à parte na cena do julgamento?
- A alma divina é neutra, impassível e indiferente a esta história pessoal.

Se o homem não cultivou a afinidade do seu KA por esta alma, se ele não estabeleceu, por um apelo constante ao seu ser espiritual, a relação que é a sua consciência recíproca, a alma volta para a sua pátria, e o seu ser unificado não se poderá realizar."


A alma tem de se ligar ao Espírito, não só através da oração (o Nome verdadeiro),
como dessa consciência recíproca.


In HER-BAK “Disciple”, de Schwaller de Lubicz.






“E, eternos viajantes sem ideal
Salvo nunca parar, dentro de nós,
Consigamos a viagem sempre nada
Outros eternamente, e sempre sós;
Nossa própria viagem é viagem e estrada”.


Fernando Pessoa (e ele disse)


GUERRA

"A pior das instituições gregárias chama-se exército. Odeio-o.
Considero digno de desprezo um homem que sente prazer em
desfilar em parada ao som de uma marcha militar. Um homem
assim não merece um cérebro humano, já que uma simples medula
espinal lhe é suficiente. Deveríamos fazer desaparecer o mais
rapidamente possível este cancro da civilização. Odeio violen-
tamente o heroísmo a pedido, a violência gratuita e o naciona-
lismo idiota. "A guerra é a coisa mais desprezível que existe.
Preferia deixar-me assassinar a participar nessa ignomínia."


Albert Einstein (início anos 30)

A POLÍTICA

"Muito do que é de forma limitada designada como "política" parece basear-se num desejo de certeza mesmo à custa da honestidade, de uma análise que, uma vez feita, não precisa de voltar a ser examinada. Tal é o beco sem saída - para a mulher - em que se tornou o marxismo nos nossos dias."

"E onde quer que a política se tenha exteriorizado, a sensação é, de facto, a de um beco sem saída, divorciada do dia-a-dia das vidas da mulher ou do homem, limitada a uma gíria de elite, a um enclave, definida por pequenas seitas que alimentamos erros uma das outras."


( Adrienne Riche)

"Se as mulheres se unissem no fim sublime de regenerar a humanidade,
elas ganhariam a estima dos homens.
De novo eles seriam obrigados a respeitá-las e a admirá-las,
a estimá-las, e a serem inspirados por elas...
A época que está a chegar será a do amor: isso significa que será a época da mulher."


*
Tradução e nota final.


segunda-feira, outubro 28, 2002




SALVÉ ANDRÓGINO...

" O andrógino não tenta submergir as diferenças, pois reconhece que as polaridades existem no tempo linear,
mas que são ilusórias quando o tempo é concebido como cíclico e eterno.
O andrógino aceita os paradoxos, e os vive, sabendo que, como criatura finita,
muitas vezes não poderá ver além das aparentes contradições que nos assediam a cada passo.
Portanto o andrógino pode viver o presente imediato sem perder o senso de eternidade.
O andrógino pode também ter como centro um determinado lugar e, no entanto,
saber que esse lugar é um mero grão de pó num planeta que rodopia no espaço" (...)


in "Androginia"June Singer

Lo que se ha perdido

" Lo que se ha perdido, lo que se debería haber perdido,
lo que se ha conseguido y ha satisfecho por error,
lo que amamos y perdimos y, después de perderlo, vimos,
amándolo por haberlo tenido, que no lo habíamos amado;
lo que creíamos que pensábamos cuando sentíamos;
lo que era un recuerdo y creíamos que era una emoción;
y el mar en todo, llegando allá, rumoroso y fresco,
del gran fondo de toda la noche, a agitarse fino en la playa,
en el decurso nocturno de mi paseo a la orilla del mar. "


Dedicado a uma alma delicada...

Sossega, coração! Não desesperes!
Talvez um dia, para além dos dias,
Encontres o que queres porque o queres.
Então, livre de falsas nostalgias,
Atingirás a perfeição de seres.
Mas pobre sonho o que só quer não tê-lo!
Pobre esperença a de existir somente!
Como quem passa a mão pelo cabelo
E em si mesmo se sente diferente,
Como faz mal ao sonho o concebê-lo!

Sossega, coração, contudo! Dorme!
O sossego não quer razão nem causa.
Quer só a noite plácida e enorme,
A grande, universal, solente pausa
Antes que tudo em tudo se transforme


Fernando Pessoa

"BLOGANDO PESSOA"

sexta-feira, outubro 25, 2002

O CAPUCHINHO DOIRADO E A VELHA LOBA - Uma só mulher...



"LA LOBA, a velha, Aquela Que Sabe, está dentro de nós. Ela viceja na mais profunda alma-psique das mulheres, a antiga e vital Mulher Selvagem. A história de LA LOBA descreve a sua casa como aquele lugar no tempo no qual o espírito das mulheres e o espírito dos lobos se encontravam - o lugar onde a mente e os instintos se misturam, onde a vida profunda da mulher embasa sua vida rotinaeira. É o ponto onde o Eu e o Tu se beijam, o lugar onde as mulheres correm com os lobos.

Essa velha está entre os universos da racionalidade e do mito. Ela é a articulação com a qual esses dois mundos giram. Esse espaço entre os mundos é aquele lugar inexplicável que todas reconhecemos uma vez que passamos por ele, porém suas nuances se esvaem e têm a forma alterada se quisermos definí-las, a não ser quando recorremos à poesia, à música, à dança...ou às histórias."

"MULHERES CORRENDO COM OS LOBOS"
Clarissa Pinkpla Estés

"Enquanto o homem continuar a ser destruidor impiedoso dos seres animados dos planos inferiores,
não conhecerá a saúde nem a paz.
Enquanto os homens massacrarem os animais, eles se matarão uns aos outros.
Aquele que semeia a morte e o sofrimento não pode colher a alegria e o amor."


Pythagoras

Tirado do"TRIO DE GATAS"
NAS MARGENS ALTAS
DESPONTAM GRÃOS DE OIRO...


Safo - Fragmentos




MANUAL PARA A ASCENÇÃO

(...)
"Os corpos físicos dos seres humanos são entidades milagrosas, com consciência própria, que se auto-regulam de uma forma extraordinária. E tu passas a vida arquitectando a consciência de acordo com as opiniões, tuas e alheias, acerca do teu corpo físico. De facto, através da ressonância, os pensamentos e as emoções que tu manténs acerca de ti mesmo possuem um enorme impacto sobre a consciência do teu corpo: o medo da doença ou da morte pode, literalmente, programá-lo para que adoeça. Estes processos são responsáveis pela corrupção do ADN (o que, com frequência, gera o cancro) e das condições normalmente atribuídas ao envelhecimento. Escusado será dizer que, ao invés, pensamentos de saúde e de bem-estar programam o corpo físico para que desencadeie os seus próprios mecanismos de cura.

Estas explicações só muito ao de leve afloram a complexidade do que realmente se passa; se te explicasse como procedes para assegurar o crescimento do teu corpo, ficarias totalmente assombrado! Mas trata-se apenas de informações básicas, à guisa de curso, cuja intenção é mostrar que o corpo físico é, na realidade, energia ordenada de ondas estacionárias... apesar de parecer um contínuo sólido de partículas sub-atómicas, átomos, moléculas e órgãos que se vão organizando até formarem o corpo completo.
Neste processo, cada unidade de energia está plenamente consciente do seu papel e colabora gostosa-mente na estrutura daquilo que, de acordo com a tua noção de realidade, conheces como corpo físico.
Talvez fiques surpreendido por teres aprendido que os corpos físicos são conscientes; não me refiro, todavia, àquilo que costumas entender por consciência. O corpo sabe, por exemplo, o que deve fazer para que o coração bata, para que a digestão seja feita, para que se possa curar a si mesmo; também conhece os ciclos da lua, dos planetas e das estrelas, e constantemente se serve e se adapta a eles. Todavia, como é composto da energia consciente que foi «colhida» do imenso campo planetário... convém dizer que o planeta e o ESPÍRITO desempenharam um papel muito mais preponderante no teu nascimento do que os teus pais biológicos!





O que consideras ser a tua consciência é, realmente, uma mistura de vários tipos distintos de consciência, o que não impede que formem a unidade subjacente à tua existência:

· a consciência sub-atómica, que conhece os imensos campos cósmicos e nos quais interage com as outras consciências sub-atómicas;

· a consciência celular, baseada na matriz do ADN, que contém a gravação das experiências da tua vida, dos teus pensamentos e das tuas emoções;

· a consciência do corpo, isto é, a consciência celular relacionada com algumas ideias próprias, apesar de o corpo físico depender bastante das crenças que o corpo mental tem em relação à sua própria imagem;

· a consciência das emoções que fluem em cada momento, sobrepostas às emoções do passado... às quais te aferras em vez de as deixares partir;

· a consciência dos pensamentos e das crenças com estruturas a realidade; consciencializa-te, porém, de que uma crença não passa de uma opinião acerca da realidade;

· a consciência espiritual, intuição ou conhecimento directo. Este tipo de consciência está relacionado com o que tem sido denominado frequentemente como Mente Universal, mas, na verdade, per-tence a uma matriz oculta a partir da qual a realidade flui. É este tipo de consciência que contém, entre outras coisas, os arquétipos da tua espécie – os aspectos heróicos da humanidade. Através desta «interface» com a realidade física, tu podes aceder a outros tempos, outros lugares e outras dimensões.

A maior parte da energia que entra na composição do teu corpo físico provém da assimilação dos alimentos que ingeres; este processo, porém, está a ser gradualmente abandonado porque a energia está a deixar de ser «assimilada» para passar a ser, progressivamente, «projectada».
Vejamos como isto funciona: em vez da energia das proteínas, dos amidos e dos outros componentes da comida ingerida, os níveis do ESPÍRITO do teu ser já começaram a projectar unidades de energia conscientes para dentro do teu campo físico, cuja missão é fabricar e reparar as estruturas celulares, ou seja, fazer o que, até aqui, era a função da energia «assimilada». Na verdade, o eu-espírito de cada um de vós está a «reformatar», sistematicamente, as células do corpo físico para que passem a ser alimentadas pela energia «projectada», em vez de pela «assimilada».
Resta acrescentar que esta energia «projectada» provém da que está por detrás da radiação conhecida como luz solar. Portanto... tu já começaste a formar aquilo que é conhecido como Corpo de Luz!
Cada vez mais o corpo físico se alimentará de energia, em vez dos nutrientes físicos, contidos no invó-lucro celular. Uma das consequências desta alteração é que a frequência das células, e do corpo em geral, está a elevar-se.
(...)


SERAPHYS

quinta-feira, outubro 24, 2002




SEM COMENTÁRIOS...

De vez em quando penso em qual é realmente o meu objectivo em manter este Blog.
Primeiro que tudo, em Portugal, têm pouco impacto estes diários virtuais e penso que neste universo tão vertiginoso de comunicação fácil não interessa a ninguém aprofundar as coisas do ser e tenho registado que quando mais qualidade e essência - penso eu - têm as coisas que aqui escrevo, menor é o interesse ou as visitas. Depois, sendo o maior número de visitantes brasileiros, mais interessados nestas coisas da alma e do espírito, pouco ou nada circunstancialmente temos em comum, para além da língua e a viva simpatia por poetas e escritores.


Então porque continuo todos os dias a escrever as minhas frases e poemas preferidos? Porque sei que existem uns tantos seres fiéis de “Mulheres & Deusas”, embora ajam poucas deusas e as mulheres se interessem muito mais por homens do que por elas próprias em geral...
De qualquer modo continuo a apostar na qualidade e não na quantidade...


Enfim, escrevo como se criasse uma página literária a meu gosto, com as coisas que gostaria de encontrar e ler noutros Blogues, embora encontre Blogues muito interessantes. Eu, porém, não falo de mim, nem do que me acontece no dia a dia que é irrelevante e mutável. Ás vezes uma crítica social a que não resisto ou mesmo uma asneira política, mas o meu interesse verdadeiro é só no SER MULHER.
Foco-me mais no meu ser interior; dou lugar à alma e ao espírito e aposto numa Nova Consciência da Mulher. É só por isso que continuo, mesmo que tivesse só uma leitora!


Seja como for, esta Página é quase um Culto da Mulher-Deusa...
Para quem quiser ser fiel...




MULHER SELVAGEM

Quando aceitamos a nossa própria beleza selvagem, ela fica em perspectiva, e nós deixamos de ser incomodadas pela sua percepção, mas também não renunciaríamos a ela nem negariamos a sua existência. (...)

Para as mulheres, essa procura e essa descoberta se baseiam na misteriosa paixão que as mulheres têm pelo selvagem, pelo que lhes é inato. Estivemos chamando o objecto desse anseio de Mulher Selvagem...mas, mesmo quando as mulheres não a conhecem pelo nome, mesmo quando não sabem onde ela reside, elas se esforçam para alcançá-la: elas a amam do fundo do coração. Elas anseiam por ela, e esse anseio é tanto motivação quanto locomoção. É esse desejo intenso que nos faz procurar a Mulher Selvagem e encontrá-la. Não é tão difícil quanto se poderia imaginar a princípio, pois a Mulher Selvagem também está procurando por nós. (...)

"MULHERES QUE CORREM COM OS LOBOS"
de Clarissa Pinkola Estés


NOTA: Elaine, não consegui abrir o programa que me enviou nem ver o seu gatinho...

quarta-feira, outubro 23, 2002



"O FRUTO PROIBIDO"...

"Trago no rastro flores e suavidade de borboletas. Devaneios, volitando em estado ainda letárgico,
mas pronta para os próximos trezentos e sessenta e cinco dias do Ano Novo que hoje começa para mim.
Revolução Solar dirigida pelos espíritos do vento, imortalizando a delicadeza e a vontade de seguir em frente,
cheia de vida.Renasço em mais uma primavera."


Tirado do Blog da Analu – Lemniscata

Analu, obrigada por testar meus "coments"; eles são registados, mas o que acontece é que eu nunca sei se tenho ou não visitas, pois os números não aparecem...SÓ adivinhando...

BRISA

Era o fulgor do vazio e as corolas transparentes.
Era o anjo do ar, impoderável leveza.
O mais claro delírio, ondulação ardente.
Sombras, pedras, águas e as mais volúveis folhas
um só rosto formavam de fragrantes pupilas.
Pela brisa corria um sossegado amor
e o mar ardia com monótona veemência.
E tudo era um só corpo, a mais leve linguagem.


in "Facilidade do Ar"de António Ramos Rosa



" L’âme, au moment de la mort, fait les mêmes expériences que font les initiés aux Grands Mystères. "

" Les grands événements de l'histoire humaine, au fond, manquent singulièrement d'importance. En dernière analyse, la chose vraiment essentielle est la vie de l'individu. Voilà ce qui fait l'histoire: voilà le véritable creuset des grandes informations… dans nos vies les plus intimes, les plus subjectives, nous ne sommes pas seulement les témoins passifs de notre époque, ceux qui la subissent, mais aussi ceux qui la font. "

Carl G. Jung, La Civilisation en mouve


"Que ninguém se orgulhe de amar. Deveis respirar o Amor tão natural e livremente como respirais o ar para dentro e para fora dos vossos pulmões, pois o Amor não precisa de ninguém que o exalte. O Amor exaltara o coração que considerar digno de si.
O Amor não é uma virtude. O Amor é uma necessidade ; mais necessidade é do que o pão e a água, mais do que a luz e o ar."


Mikhail Naimy

Roubado no "Paraíso Perdido"...

terça-feira, outubro 22, 2002



O CORPO SEM ROSTO

Ela arqueia-se sem nome, no desespero
de um nome. Eu não quero ver
senão a ausência do seu rosto
destruído pela torrente como uma lâmpada.
O corpo é um fruto de areia, pedra e vento,
construção musical desagregada
que na cinzenta trama é o próprio desejo
mostrando a garganta e os joelhos.
Mas no sexo de réptil há uma lama solar
e o corpo explora o corpo na nula identidade
até que um tecto se forme como uma onda imóvel.


in "FACILIDADE DO AR" - de António Ramos Rosa


Ah, como tudo é incerto. E no entanto dentro da Ordem. Não sei sequer o que vou te escrever na frase seguinte.
A última verdade a gente nunca diz. Quem sabe da verdade que venha então. E fale.
Ouviremos contritos.


A coragem de viver: deixo oculto o que precisa ser oculto e precisa irradiar-se em segredo.

Calo-me.

Porque não sei qual é o meu segredo. Conta-me o teu, ensina-me sobre o segredo de cada um de nós. Não é segredo difamante. É apenas esse isto: segredo.
.
E não tem fórmulas.

in "ÁGUA VIVA" - CLARISSE LISPECTOR



Anarquísmo

" La noche y el caos forman parte de mi.
Me remonto al silencio de las estrellas.
Soy el efecto de una causa del tiempo,
del Universo [quizás lo excedo].
Para encontrarme, debo buscarme entre las flores,
los pájaros, los campos y las ciudades,
en los actos, las palabras y los pensamientos de los hombres,
en la noche del sol y las ruinas olvidadas de mundos hoy desaparecidos.
Cuanto más crezco, menos soy.
Cuando más me encuentro, más me pierdo.
Cuanto más me pruebo, más veo que soy flor
y pájaro y estrella y universo.
Cuanto más me defino, menos límites tengo.
Lo desbordo todo. En el fondo soy lo mismo que Dios.
Mi presencia actual contiene las edades anteriores a la vida,
los tiempos más viejos que la tierra,
los huecos del espacio antes de que el mundo fuera. "


Fernando Pessoa em espanhol...para as minhas amigas do México e da Argentina...
e amigos espanhois!



Salvación

" Se fuga la isla
Y la muchacha vuelve a escalar el viento
y a descubrir la muerte del pájaro profeta
Ahora
es el fuego sometido
Ahora
es la carne
la hoja
la piedra
perdidos en la fuente del tormento
como el navegante en el horror de la civilación
que purifica la caída de la noche
Ahora
la muchacha halla la máscara del infinito
y rompe el muro de la poesía. "


de Alejandra Pizarnik (Argentina, 1936-1972)

e ainda da mesma autora



Sortilegios


" Y las damas vestidas de rojo para mi dolor y con mi dolor insumidas en mi soplo, agazapadas como fetos de escorpiones en el lado más interno de mi nuca, las madres de rojo que me aspiran el único calor que me doy con mi corazón que apenas pudo nunca latir, a mí que siempre tuve que aprender sola cómo se hace para beber y comer y respirar y a mí que nadie me enseño a llorar y nadie me enseñará ni siquiera las grandes damas adheridas a la entretela de mi respiración con babas rojizas y velos flotantes de sangre, mi sangre, la mía sola, la que yo me procuré y ahora vienen a beber de mí luego de haber matado al rey que flota en el río y mueve los ojos y sonríe pero está muerto y cuando alguien está muerto, muerto está por más que sonría y las grandes, las trágicas damas de rojo han matado al que se va río abajo y yo me quedo como rehén en perpetua posesión."

segunda-feira, outubro 21, 2002

LADY GODIVA



A ALQUIMIA DO AMOR

A alquimia do amor permite descobrir as várias faces da Anima. Anima que é, segundo Jung, a mulher que se tem dentro (no caso dos homens; no caso da mulher falar-se-à de Animus).É a personificação feminina do seu inconsciente. A personificação de todas as tendências psicológicas femininas na psique do homem, tais como a receptividade ao irracional, a capacidade para o amor, o sentimento da natureza, e a relação com o mundo inconsciente.

A ANIMA

A Anima surge frequentemente como bruxa ou sacerdotiza - alguém que se relaciona com as forças ocultas do outro mundo. A sua caracterização, benéfica ou maléfica, depende em grande parte da mão que o homem teve. É pela mãe
que esta forma interior se vem modelar. As sereias gregas, a Lorelei germânica, conservam o aspecto nefasto que a Anima pode
ter, levando o homem à sua própria destruição.



in A ALQUIMIA DO AMOR de Y.K.Centeno

DUALIDADE

"Enquanto que existimos no nosso corpo terreno, estamos sujeitos à lei da Natureza que é dualidade; e esta dualidade cria a afinidade entre os complementos separados.
Esta dualidade, que é a base e o mal inicial da Natureza, é também a base da nossa experiência terrestre cuja finalidade é ultrapassar esta mesma Natureza na procura do retorno à Unidade.
Ela é a base da nossa cultura de consciência, uma vez que lhe damos a possibilidade da escolha entre as qualidades opostas, entre o que é real ou relativo, bom ou máu para a nossa consciência actual.



A dualidade sendo a causa da sexualidade -- portanto, a afinidade entre os complementos -- é a causa do desejo que o ser humano chama amor. O erro está em confundir amor, desejo e necessidade (...)


"TOUTE CONNAISSANCE CONÇUE PAR LE COUER MONTE EN SURFACE D'ELLE-MÊME COMME LA CRÈME SUR LE LAIT, SANS AUCUN EFFORT DE PENSÉE: CECI EST LA VRAI CONNAISSANCE INTUITIVE".


"L'OUVERTURE DU CHEMIN" DE ISHA SCHWALLER DE LUBICZ


domingo, outubro 20, 2002

"La perfection de l'œuvre spirituelle est l'exacte correspondance entre l'intérieur et l'extérieur."

Fernando Pessoa



NOSSAS ALMAS E NÓS

"O arquétipo da PARCERIA ESPIRITUAL - parceria entre semelhantes com o propósito de crescimento espiritual - está se desenvolvendo dentro da nossa espécie; ele reflete a jornada consciente de humanos multissensoriais no sentido de uma força autêntica - força que se manifesta DENTRO - e não fora."

"Força é energia que se forma pelas intenções da alma. É Luz, moldada pelas intenções de amor, compaixão, guiada pela sabedoria."

Corinne

«A SOLIDÃO E O AMOR»


(...)
Na origem do impulso para a comunicação amorosa estaria, pois, uma consciência da cisão intrínseca do ser humano, da separação dentro de si e em relação aos outros. O corpo é o primeiro sintoma de incomunicabilidade, o corpo é a forma exterior da interior forma hermética do ser humano. Os corpos são entidades, como os seres que transportam e, se por um lado são reflexo, por outro são aquela superfície em que tudo se reflecte. Por isso o corpo é o ponto de partida para o amor. Talvez cessando o corpo também o cesse, mas entretanto tem de ser considerado como o instrumento mais causador da nossa solidão, portanto, o mais imediatamente capaz de nos permitir ultrapassá-la.

(...)

O sexo é a matriz do nexo. O amor pressupõe de facto uma iniciação: o reconhecimento da cisão e a sua ultrapassagem. A Iniciação interessa a todos: homens, mulheres, pessoa, pessoas, espírito, solidão, amor, cisão, fusão: apenas aspiração ao absoluto da comunhão perfeita, impulso para a superação do eu pessoal no eu impessoal superior.

(...)

IN «AS NOVE INCURSÕES» de Ana Hatherly

sábado, outubro 19, 2002


"EXISTE NO FASCÍNIO DO NU FEMININO UM ASPECTO DE VERTIGEM SEMELHANTE AQUELE QUE É PROVOCADO PELO VAZIO, PELO SEM-FUNDO - COM O SÍMBOLO DE v~wn, SUBSTÂNCIA PRIMEIRA DA CRIAÇÃO E DA AMBIGUIDADE DO SER NÃO-SER. ESTA CARACTERÍSTICA PERTENCE UNICAMENTE AO NU FEMININO"

in "Metafísica do sexo"- J.E.



“Ó! Não fujas, gritei, porque a natureza morre contigo”.

GERARD DE NERVAL

Ó Deusa Branca,
Senhora das fontes e dos lagos,
esquecida nas brumas do tempo,
chamo-te do mais recôndito do meu ser,
em cada célula um apelo, no meu corpo,
em cada átomo.
Não sei porque te envolve esse véu diáfano,
que te esconde na penumbra dos meus sonhos,
onde às vezes por piedade me sorris
ou me tocas com teu manto que te esconde de mim .
Outras vezes,
afagas-me o rosto com uma pena das tuas asas
e foges para longe.
Queria amar-te mais se eu pudesse
e trazer-te para bem perto ...
Pedir-te Senhora, nunca me esqueças...
Tu és a razão única da minha vida,
tu és a minha essência e cada nervo.
A carne, o sangue e o tecido,
cada fibra do meu ser te pertence!


in "ANTES DO VERBO ERA O ÚTERO"



POESIA DO ANTIGO EGIPTO

(...)
...Sete dias e eu sem a ver.
A minha doença cresce:
tenho pesados todos os membros!
Já nem me reconheço.
O alto sacerdote não é medicina, o exorcisismo é inútil:
esta é uma doença sem explicação.
Eu disse: Ela fará com que eu viva,
o seu nome fará com que eu me erga...
As suas mensagens são a vida do meu coração
chegando e partindo.
Mas a minha amada é a melhor medicina,
mais do que qualquer mezinha ou remédio.
A minha saúde está em vê-la aparecer...
Ficarei curado mal a veja.
Abra ela os meus olhos
e os meus membros retomarão a vida;
Basta que me fale e a minha força voltará.
Abraçá-la fará desaparecer todos os vestígios da minha doença...
Há sete dias que ela me abandonou...





(...) "Quando se ama não se ri; talvez se sorria apenas...Durante o espasmo está-se sério como na morte."

"Para além da seriedade, o acto sexual comporta um grau de concentração particularmente elevado, mesmo que seja frequentemente uma forma de concentração involuntária, imposta ao amante pelo próprio desenvolvimento do processo. Por este motivo, tudo o que o possa distrair pode ter sobre ele um efeito imediato eroticamente ou até psicologicamente inibitório. Emotiva e figurativamente é isto o que, no acto sexual, implica o "dom" de um ser o outro, mesmo quando tem a o carácter de uma união fortuita e sem continuidade.
Essas características, essa seriedade, essa concentração, são reflexos do sentido mais profundo do acto de amor e do mistério que encerra."


in "Metafíca do Sexo" de Julius Evola

quinta-feira, outubro 17, 2002



Nossa Senhora
Das coisas impossiveis que procuramos em vão,
Dos sonhos que vêm ter connosco ao crepúsculo, à janela,
dos propósitos que nos acariciam
Nos grandes terraços dos hotéis cosmopolitas
Ao som europeu das músicas e das vozes longe e perto,
E que doem por sabermos que nunca os realizaremos...
Vem e embala-nos,
vem e afaga-nos,
Beija-nos suavemete na fronte,
Tão levemente na fronte que não saibamos que nos beijam
Senão por uma diferença na alma.
E um vago soluço partindo melodiosamente
Do antiquíssimo de nós
Onde têm raizes todas essas árvores de maravilha
Cujos frutos são os sonhos que afagamos e amamos
Porque os sabemos fora de relação com o que há na vida.



Vem, dolorosa,
Mater-Dolorosa das Angústias dos Tímidos,
Turris-Erbúrnea das Tristezas dos Desesperados,
Mão fresca sobre a testa em febre dos Humildes,
Sabor de água sobre os lábios secos dos Cansados.
Vem, lá do fundo
Do horizonte lívido


excertos da "ODE À NOITE" de Fernando Pessoa


OS OMBROS SUPORTAM O MUNDO

Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que se não diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco.
Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
Ficaste sozinho, a luz apagou-se,
Mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
És todo certeza, já não sabes sofrer.
E nada esperas de teus amigos.
Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?
Teus ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais do que a mão de uma criança.
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue
e nem todos se libertaram ainda.
Alguns, achando bárbaro o espectáculo
prefeririam (os delicados) morrer.
Chegou um tempo em que não adianta morrer.
Chegou o tempo em que a vida é uma ordem.
A vida apenas, sem mistificação.


CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
(1902-1987)


Poema enviado de Londres,
por uma amiga que se junta á homenagem do grande poeta brasileiro.





Y yo todas las rosas te daria...


MADRE


Madre que acune mi vivir dolido,
que me vele esta noche de tal frio,
que com mano piedosa el hilo mío...



Que me lleve consigo, adormecido,
mientras cruzo el parje más sombrío...
Y que me lave el alma en ese rio...



Mi orgullo varonil podria dar
y aun mi ciencia daría muy sereno
por mi débil niñez recuperar.



Y tranquilo, feliz, dócil seria,
se pudiera dormir sobre tu seno,
si tú fueras, amada, madre mia!



ANTERO DE QUENTAL

DOIS GRANDES POETAS A ACOMPANHAR O POETA BRASILEIRO
NUMA ODE Á LINGUA MÃE...

DRUMMONT - CENTENÁRIO




Além da Terra, além do Céu


Além da Terra, além do Céu,
no trampolim do sem-fim das estrelas,
no rastro dos astros,
na magnólia das nebulosas.
Além, muito além do sistema solar,
até onde alcançam o pensamento e o coração,
vamos!
vamos conjugar
o verbo fundamental essencial,
o verbo transcendente, acima das gramáticas
e do medo e da moeda e da política,
o verbo sempreamar,
o verbo pluriamar,
razão de ser e de viver.





NOSSO TEMPO

(...)

Escuta o horrível emprego do dia
em todos os países de fala humana,
a falsificação das palavras pingando nos jornais,
o mundo irreal dos cartórios onde a propriedade é um bolo com flores,
os bancos triturando suavemente o pescoço do açucar,
a constelação das formigas e usurários,
a má poesia, o mau romance,
os frágeis que se entregam à proteção do basilisco,
o homem feio, de mortal feiúra,
passeeando de bote
num sinistro crepúsculo de sábado.


(...)

O poeta
declina de toda responsabilidade
na marcha do mundo capitalista
e com suas palavras, intuições, símbolos e outras armas
promete ajudar
a destruí-lo
como uma pedreira, uma floresta,
um verme.

quarta-feira, outubro 16, 2002



"Los sesenta (espléndidos) años de una mujer que sabe cambiar"

“A Energia V espalha-se pelo mundo...”

"RESPOSTA" a um Artigo e entrevista do Diário de Notícias a Jane Fonda em 26 de Setembro.


Parecerá mal erguer uma voz dissonante perante uma “energia” que se pretende benéfica e revolucionária para a mulher, mas a mim parece-me que contrapor uma energia feminina a uma masculina e retirando o eufemismo, talvez não seja muito salutar confrontar o símbolo fálico com o “yoni” - para utilizar o termo indu - que evoca o princípio da sexualidade feminina e que na sua mística integra os dois símbolos como complementos de uma realização espiritual sagrada enquanto que o ocidente trata estes termos de forma dessacralizada e até aberrante e dar ênfase aos órgãos genitais seja do homem seja da mulher, parece-me um erro crasso. Principalmente porque o poder da mulher não está na vagina como afirma o movimento, mas no Útero e é esse útero e a Voz do Útero que confere à mulher a sabedoria e a receptividade do universo e não o lugar da sexualidade em si ou do prazer ou o que lhe queiram mais atribuir, mas que sem a consciência profunda do seu Ser a Mulher inteira, não chegará a ela e, portanto não chegará a nenhum lado e será apenas a contrapartida do outro e sempre em luta para se afirmar o que contraria a sua passividade criativa de receber e dar e não lutar de igual para igual com as mesmas armas em riste...

A mulher sendo ela própria e consciente dos seus dons inatos não tem que afirmar nem a sua sexualidade nem o seu sexo! Portanto esta luta de artistas americanas que continuam a fazer plásticas e praticar aeróbia 26 horas por dia e cortam costelas para Ter a cintura fina de adolescentes aos sessenta anos, para conquistar “o falo” dos homens, por mais percursos activistas e feministas revolucionárias que sejam, não me convencem. Sou radical com as mulheres que defendem algo para elas e continuam a querer agradar aos homens e ao seu esteriotipo...
As mulheres têm que se consciencializar da totalidade do seu ser e começar por integrar as três mulheres - a saber: a mãe a velha e a nova, aceitando na integra as suas etapas da vida respeitar a sua essência e não somente a sua vagina, como diz o artigo. Devem formar um coro de almas e de corações, unidas entre todas as idades e escalões sociais, rácicos e diferentes sexualidades, em diferentes culturas e países. Acho completamente absurdo sobrevalorisar o sexo seja da mulher seja do homem!
Os crimes e violações que as mulheres sofrem, não são porque se oculta o seu sexo e porque este seja mal conotado, bem pelo contrário, é pela exposição desonrosa e gratuita do seu corpo objecto e porque a mulher perdeu as suas principais referências nas sociedades pré-históricas em que o culta da Deusa e da Natureza era seu apanágio, o que restou às mulheres nas sociedades contadas e estudadas pelos homens é a sua anulação enquanto ser com um poder ancestral oculto e uma divindade negada pelos patriarcas das religiões que dividem o mundo e que fizeram da mulher o seu primeiro bode expiatório e escrava
!



Para mim o Dia V é ainda uma caricatura e uma armadilha do mundo falocrático que se afirma muito por baixo...Poderia dizer até antes isso que nada, mas sei que este caminho mais uma vez nos desvia do essencial e escamoteia as verdadeiras causas porque lutar! Se os homens dominam com o falo e violam as mulheres e as espancam como machos, considerando-se os mais fortes e são dominadores, não me parece que seja afirmando e escrevendo “diálogos da vagina” que as mulheres se imporão na sua liberdade e verdade superior. As mulheres não são as suas vaginas...Porque essa foi a atribuição que o macho lhe deu como buraco onde despeja os seus testículos quando quer, sendo a mulher uma espécie de penico multi-usos, mas reivindicar um poder da vagina...parece-me igual ao poder fálico...Poder por poder, de “igual para igual” ao nível do animal. Porque à mulher verdadeira interessa é ser um Ser humano inteiro e não dividido, é o seu coração que é importante e não porque “tem a forma dos seus órgãos” - que obsessão sexual! - mas do bater do universo e é a Voz das suas entranhas que lhe dá a percepção da terra e da lua e que lhe vem do Útero, insisto, e que lhe dá essa sua Sabedoria milenar de curar e tratar e também obviamente dar prazer porque essa é a maneira mais feliz de libertar e curar as almas adormecidas dos seres deformados por séculos de perseguição à natureza e aos corpos como pura expressão das almas e da terra em uníssono com o céu, na sua função mais sagrada de mediadora das forças cósmico-telúricas, papel que lhe foi roubado pelas religiões patriarcais e que ela à força de perseguições e mortes esqueceu. Mas que agora as mulheres venham reivindicar o “poder da vagina”, contrapondo-o ao poder do falo, para mim é triste...Pois a energia feminina de que se precisa não é a sexual em que foi explorada e de facto denegrida durante milénios, mas essencialmente da sua alma e do seu coração.
O poder da Mulher é muito maior que um simples aparelho genital...Pobres mulheres que continuam a fazer rir os homens que as vêm cair sempre nas suas armadilhas e teias, sem que elas se apercebam das suas contradições e enganos
.

Rosa Leonor Pedro

terça-feira, outubro 15, 2002




O MUNDO NOVO ou o céu na Terra


Estamos entre dois mundos... Um mundo velho que se esvai em convulsões e agonia, que mata os seus filhos, que dilacera. Estamos no fim de um mundo que era só razão e excluía sentimentos e intuição e em que a luta das mulheres quase que foi em vão...Houve desvios culturais na história da humanidade que a prejudicaram mais directamente na falta de verticalidade e dignidade a que foi sujeita, mas que prejudicou directamente também os seus filhos... O homem tem de recuar na sua força e prepotência, tem de abandonar a sua arrogância e violência e aprender a amar e respeitar a mulher. Porque sem a mulher no seu papel mais elevado de ser individual antes de ser amante ou mãe, nunca a humanidade se vai libertar da sua escravidão. Porque a Mãe da humanidade está dividida em duas metades uma contra a outra no mundo inteiro. Uma dualidade perpetuada por valores de superioridade e inferioridade cabendo à mulher sempre o papel inferior e negativo...
Os homens quiseram assumir a paternidade do mundo, mas só geraram a divisão e o ódio entre irmãos...
Dividiram terras, países bens e mulheres!
Este é o velho mundo do amor e do ódio sempre em alternância e sem descanso.
Todas a escravidão exercida pelo homem começou com a escravidão da mulher e porque a Mãe faltou, votada ao silêncio e ao descrédito, os homens destruíram o mundo pela guerra. A mulher sofreu tanto ao longo destes milhares de anos que nada poderá justificar, nem a razão nem o pecado, nada justifica esse sacrifício inaudito. Apenas a loucura e prepotência dos homens que não viram que o seu poder era usado em cima do sacrifício da própria Mãe e que eles seriam as SUAS vítimas mais próximas. E se houve um crucificado nesta história que tão mal nos foi contada, não foi Cristo, mas a Mulher!


Todo a face do mal deste velho mundo em estertor, dividido em duas metades, foi projectado na mulher. A mulher foi a cobaia e o bode expiatório de todos os homens, mesmo dos escravos e é preciso que isso fique claro de uma vez por todas, pois só depois de se compreender este erro crasso contra uma metade da humanidade, em que ainda compactuamos todos, homens e mulheres, o mundo chegará a um novo consenso e atingirá uma nova consciência. Essa Consciência nada tem a ver com a velha consciência da moral e dos costumes, nem com a ordem patriarcal vigente neste podre mundo, mas com uma consciência alargada e não linear. Com uma nova visão do mundo e da mulher, um novo mundo qque se aproxima.
O universo dos homens foi a razão, o intelecto: análise e separação. O universo das mulheres é a intuição, o sentimento: percepção e síntese. Estes dois mundos têm de se encontrar e cruzar dentro de cada ser.


Cabe à mulher o papel de mediadora uma vez liberta das suas peias e de posse do seu dom de iniciadora, tanto do amor do filho como do amante, pois a mulher é iniciada por natureza e essa é a sua função: Amar e Ser igual a si mesma.





A ROSA AZUL DO IMPOSSIVEL...

Parar a guerra e o ódio entre os homens...


"MAS SE A DEUSA DOS TEMPOS PRIMORDIAIS FOI PARTICULARMENTE VENERADA EM TODO O PRÓXIMO ORIENTE, O CRISTIANISMO E SOBRETUDO O ISLÃO EXPULSARAM-NA VERGONHOSAMENTE DAÍ."

IN "A GRANDE DEUSA" de Jean markale

CABE ÀS MULHERES ERGUER A ROSA AZUL DO IMPOSSÍVEL E TRANSFORMAR O MUNDO IMPEDINDO A GUERRA...



A BELEZA DA COR...


MULHER.BR


Mulher, negra e pobre - A tripla discriminação

"Além mal pagas, as mulheres negras ainda têm que enfrentar três tipos de discriminação no trabalho: a de gênero, a de raça e a social. Entenda-se por preconceito social aquele que afeta pessoas pobres, situação na qual se encontra grande parte dos negros brasileiros"

Brancas e negras e pobres, as mulheres de todo o mundo sobrem de abusos e descriminações..

"A GRANDE DEUSA DA ANTIGUIDADE NÃO É, COMO VEIO A SE TORNAR MAIS TARDE, SOMENTE INFERIOR E TERRA -MÃE, MAS SIM TAMBÉM A SENHORA DO SUPERIOR E DO CÉU, ESPECIALMENTE DO CÉU NOCTURNO, REPRESENTANTE DO DESTINO. SUA "PRESENÇA" GRANDIOSA, COM OS BRAÇOS LEVANTADOS OU ERGUIDOS EM FORMA CIRCULAR, BEM COMO A IMPONÊNCIA DO SEU POSICIONAMENTO FRONTAL, REVELAM QUE ELA JAMAIS SE DIRIGE COMO SUPLICANTE PARA O ALTO; TRATA-SE, ANTES, DE UMA EPIFANIA DA SUA OMNIPOTÊNCIA, QUE INCLUI A EFICAZ MAGIA SUPERIOR DO DESTINO, E QUE A TORNA PODEROSA PARA OS SEUS"

"A Grande Mãe" de Erich Neumann

segunda-feira, outubro 14, 2002

CONTINUO SEM ACESSO AOS COMENTÁRIOS...


Meu ser vive na Noite e no Desejo.
Minha alma é uma lembrança que há em mim


Fernando Pessoa



"FERNANDO PESSOA POR CONHECER"


"...e o Bébé deve escrever-me sempre, mesmo que eu não escreva, que é sempre e eu estou triste, e sou maluco, e ninguém gosta de mim, e também porque é que havia de gostar, e isso mesmo, e torna tudo ao princípio, e parece que ainda lhe telefono hoje, e gostava de lhe dar um beijo na boca, com exatidão e gulodice e comer-lhe a boca e comer os beijinhos que tivesse lá escondidos e encostar-me ao seu ombro e escorregar para a ternura dos pombinhos, e pedir-lhe desculpa, e a desculpa ser a fingir, e tornar muitas vezes, e ponto final até recomeçar, e porque é que a Ofelinha gosta de um meliante e de um cevado e de um javardo e de um indivíduo com ventas de contador de gaz e expressão geral de não estar ali mas na pia da casa ao lado, e exactamente, e enfim, e vou acabar porque estou doido, e estive sempre, e é de nascença, que é como quem diz desde que nasci, e eu gostava que a Bébé fosse uma boneca minha, e eu fazia como uma criança, despia-a, e o papel acaba aqui mesmo, e isto parece impossível de ser escrito por um ente humano, mas é escrito por mim Fernando "


AQUELE peso em mim - meu coração


AS MULHERES

Todas as mulheres sofrem estigmas na pele a partir de qualquer diferença, tendo como referência quase sempre a sua sexualidade, que encarada com mero objecto de prazer ou procriação, a define à partida, por um acto ou uma função, e não como ser individual e inteiro, corpo alma e coração! As mulheres estão tão divididas (pelos homens ao longo da história) dentro e fora de de si que nem se apercebem que não têm uma identidade independente da sua sexualidade. Vivem em função de maridos, filhos, amantes ou do prazer, seu ou do outro. E quando já não servem como objecto são capacho dos netos ou adoecem com cancro da mama ou do útero. Entregam-se à depressão se o marido ou o amante as deixam, abandonando-se a si próprias à espera da morte sem nenhuma esperança; ou então fazem operações estéticas, põem silicone no rosto, convencem-se de que não envelhecerão nunca, recusam a mudança e fingem um prazer que não encontram, tornando-se grotescas ou histéricas.

É urgente a Mulher ACORDAR para a beleza que tem dentro de si, para a grandeza do espírito que as anima sempre e para a sua alma que a espera! E só tem que aceitar a mudança e as suas idades, naturalmente na jovem na mãe e na velha e sorrir para si mesma de cada vez que se olha ao espelho! E em vez do rosto cheio de rugas e dos cabelos todos brancos, ver a alma que lhe sorri nos seus próprios olhos – os olhos esses nunca envelhecem... Prova de que a alma é eterna, como a beleza interna da mulher. E isto é comum a todas as mulheres, sejam elas gordas, feias, tortas ou marrecas, sejam elas lindas de morrer...
É com essas mulheres que eu estou.



O PROFANO

"Hoje em dia, tudo se tornou profano. As funções do princípio feminino, dar nascimento e alimentar, perderam o seu carácter mágico e sagrado; o corpo da mulher tornou-se profano.

Em certas épocas, o erotismo era de essência sagrada: os atributos da dupla função do princípio feminino – o ventre e os seios – eram ao mesmo tempo desejados e respeitados como atributos sagrados.
As relações de ligação com a Natureza são a imagem das relações que temos com a mulher – veículo privilegiado do princípio feminino. A nossa civilização já não respeita a Natureza da mesma maneira que já não respeita a mulher, o princípio feminino e os valores que ela veicula."


"CABE ÀS MULHERES REDESCOBRIR O FEMININO,
DAR À LUZ UMA ALMA NOVA,
CAPAZ DE ASSUMIR A SUA DIMENSÃO CÓSMICA"


Antónia de Sousa

domingo, outubro 13, 2002



MISTÉRIOS SAGRADOS


"Chegou, talvez, o momento de considerar o sentido que apresenta a nudez da mulher divina no seu aspecto de "Durga" e que está em oposição àquele por nós examinado da nudez do arquétipo demétrio-maternal, princípio de fecundidade. É o nu abissal afrodisíaco. A dança dos sete véus, uma das suas expressões simbólico-rituais mais fortes e sugestivas está ligada na sua origem a uma dança sagrada. Pertencia ao ensinamento dos Mistérios, o simbolismo da travessia das sete esferas planetárias, no decorrer da qual a alma se desprende pouco a pouco das diferentes determinações ou condicionalidades a elas ligadas, e concebidas como outras tantas vestes ou roupagens a retirar, até atingir o estado da "nudez" completa do ser absoluto e simples, que só se encontra a si próprio quando se situa para além dos "sete". Plotino recorda, justamente, neste contexto, aqueles que ascendem degrau por degrau aos Mistérios sagrados, ao mesmo tempo que vão despindo as suas vestes e avançamnus; e, no sofismo, fala-se de tamzig, a laceração da roupa durante o êxtase. (...)

in "A METAFÍSICA DO SEXO " de Julius Evola


ISIS

"Eu transferi o meu pensamento para a eterna Isis, a mãe e a esposa sagrada; todas as minhas aspirações, todas as minhas orações se confundem nesse nome mágico; eu sentia-me reviver nela, e, por vezes, ela aparecia-me sob a figura de Venus antiga, por vezes, também, nos traços da Virgem dos cristãos. (...) Parecia-me que a deusa me aparecia, dizendo-me: Eu sou a mesma Maria, a mesma que tua mãe, a mesma também que sob todas as formas tu sempre amaste. Em cada uma das tuas provações, eu deixei uma das máscaras com que cubro os meus traços, e dentro em breve verás como eu sou” .


in "Aurélia" de Gèrard de Nerval



Reveladora dos Mistérios

(...) "A mulher divina no gnosticismo é essencialmente, Sofia, entidade de múltiplos aspectos e nomes. Identificada por vezes ao próprio Espírito Santo, é também, segundo os seus diversos atributos, a Mãe universal, a Mãe do Vivos ou Mãe resplandecente, o Poder do Alto, "A da Mão Esquerda" (em oposição ao Cristo, considerado seu esposo e "O da Mão Direita"), a Luxuriosa, a Matriz, a Virgem, a Esposa do Macho, a Reveladora dos Mistérios, a Santa Pomba do Espírito, a Mãe Celeste, a Extraviada, Helena (isto é Selenia, a Lua); foi concebida como a Psique do mundo e o aspecto feminino do Logos. Na "Grande Revelação" de Simão o gnóstico, o tema da díade e do andrógino é dado em termos que merecem ser referidos aqui:" Este é o que foi, que é o que será, o poder macho-fêmea assim como o poder preexistente ilimitado que não tem começo nem fim, porque existe na Unidade. Foi através deste poder ilimitado que o pensamento, escondido na Unidade, agiu primeiro, tornando-se dois... Sucedeu assim que aquilo que através dele se manifestou, embora um, é de facto dois, macho e fêmea, contendo a fêmea em si próprio".

In " A Metafísica do Sexo" de Julius Evola


ISHTAR

Oye mi ruego, Istar,
Luna de los Amantes.

De quien no sabe dar
enséñame a recibirlo todo.

De quien no sabe abrir-se
hasme llenar...

sexta-feira, outubro 11, 2002

ABULAFIA ´Hayye ha'Olan ha-Ba -




in "O Pêndulo de Foucaut"


"Que as tuas vestes sejam cândidas...
se for de noite, acende muitas luzes, até que tudo brilhe...
Agora começa a combinar algumas letras e combina-as
até que o teu coração aqueça.
Tem cuidado com o movimento das letras e
com o que poderás produzir ao misturá-las.
E quando sentires que o teu coração está quente,
quando vires que através da combinação das letras
apanhas coisa que não poderias saber sòzinho
ou com o auxílio da tradição,
quando estiveres pronto a receber o influxo da potência divina que penetra em ti,
emprega então toda a profundidade do teu pensamento
a imaginar no teu coração
o Nome e os seus Anjos superiores,
como se fossem seres humanos que estivessem ao teu lado."




MISTÉRIO

“A Mulher é sempre um mistério insondável que atrai e mete mede ao mesmo tempo que dá vida e se torna devoradora, e que os moralistas cristãos se apressaram muitas vezes a identificar com o diabo, pelo menos com a ideia pueril que se tinha deste. Este mistério foi sentido pelos homens da pré-história, visto que os escultores e gravadores do paliolítico se abstiveram cuidadosamente de desenhar o seu rosto. Quem é essa Deusa dos tempos Primordiais, que tem sexo, mas não tem rosto? Será o eterno feminino tão caro aos poetas? (...)


de Jean Markale - “A GRANDE DEUSA“ - LIVRO VIVAMENTE ACONSELHADO!



Yin e Yang

“Quando as energias deixam de estar representadas ou de serem canais ”apropriados”, o cerne andrógino que todos nós seres humanos pssuímos poderá vir à tona e proporcionar-nos uma nova desenvoltura de estar no mundo e de estar connosco mesmos. A transferência de energia entre as constelações de contrários – seja entre o racional e o mitológico, o ego e o animus-anima, o Yin e o Yang, ou qualquer que seja a designação que usarmos para as energias Feminina e Masculina _ ou seja, deslocamento de energias outrora consideradas separada, irá ocorrer tão ràpidamente, tão suavemente, que a oscilaçao será pràticamente indiscernível. Teremos uma situação dinâmicano microcosmos, e as energias irão impulsionar activamente o organismo humano. Porém, visto da perspectiva do ser humano como um macrocosmos, haverá uma aparência de equilíbrio. Sem qualquer sentimento de disjunção, podemos ser ao mesmo tempo ternos e firmes, flexíveis e fortes, ambíguos e precisos, capazes de acalentar e de orientar, de doar e de receber. (...) Numa interacção andrógina, o indivíduo está ciente do funcionamento simultâneo do aspecto intuitivo (pelo qual é capaz de de apreender conjuntos inteiros) e do aspecto sensível (em que cada diminuto elemento de uma situação é vista em sua relação com a totalidade)”.


in “ Androgina: Rumo a uma Nova teoria da Sexualidade” de June Singer

quinta-feira, outubro 10, 2002



Eu hoje tinha pensado não deixar nada novo aqui para dar destaque a Baghdad, mas a Claudinha me escreveu e fez-me notar a ausência dos gatos...Portanto para ela a imagem e obrigada pelo seu interesse. Escreva Sempre!!!
Continuo sem saber dos coments...


Os livros de que tiro excertos ou citações e coloco o título no fim, são livros que destaco como de maior importância para um aprofundar da consciência da mulher, e como já me pediram conselhos de livros estes são mais dois livros extremamente importantes.

“O PACTO SEM CONHECIMENTO”

(...)" Embora possamos ter respostas diferentes em dias diferentes, há uma resposta que é constante na vida de todas as mulheres. Embora detestemos admitir o facto, na esmagadora maioria das vezes o pacto mais infeliz das nossas vidas é o que fazemos quando nos privamos da nossa vida de conhecimento profundo em troca de uma vida que é muito mais frágil; quando renunciamos aos nossos dentes, nossas garras, nossos sentidos, nosso faro; quando entregamos nossa natureza selvagem em troca da promessa de algo que parece rico mas que se revela vazio. (...)

A iniciação da mulher começa com o pacto infeliz que ela fez há muito quando ainda estava entorpecida. Ao escolher aquilo que a atraiu como sendo riqueza, ela cedeu, em troca seu domínio sobre algumas partes, e muitas vezes sobre todas as partes, da sua vida instintiva, criativa e cheia de paixão. Esse entorpecimento psíquico feminino é um estado próximo do sonambulismo. Durante sua vigência, andamos, conversamos e estamos dormindo. Amamos e trabalhamos, mas as nossas escolhas revelam a verdade acerca da nossa condição. Os aspectos voluptuosos, curiosos, incendiários e bons da nossa natureza não estão em pleno funcionamento"..
(...)

“MULHERES CORRENDO COM OS LOBOS”

de Clarissa Pinkola Estés



APRENDER

“Aprendi, através da minha escrita, que os meus pensamentos têm ordem, e inteligência, e que estão todos relacionados com o meu bem estar. Mais que isso, os meus pensamentos estão profundamente ligados ao meu ser sensitivo. Aprendi a usar as palavras para exprimir, criar, e explorar todos os relacionamentos e emoções que dão sentido à minha vida."

“CORPO DE MULHER SABEDORIA DE MULHER"

de Christiane Northrup


PORQUÊ "MULHERES & DEUSAS"? E GATOS...

Porque a mulher moderna se encontra separada da sua essência divina...
Porque a mulher moderna ignora a sua capacidade de mediadora das forças cósmicas e telúricas e esqueceu a sua origem de Deusa nas diferentes facetas a que a sua idade corresponde.
Porque a mulher perdeu a Chave dos Mistérios...
A mulher encontra-se alienada de uma parte importantíssima de si mesma e age de acordo com um modelo restrito que a sociedade patriarcal lhe impôs. Porque social e psicologicamente está presa a padrões e referência de utilização do seu ser ao serviço das instituições que a põem à margem se ela não lhes obedecer ou não servir os seus interesses! E se transgredir torna-se marginal ou converte-se na “prostituta” ou no mínimo na “cabra”... Todas as mulheres estão sujeitas a estes padrões, mesmo aquelas que se julgam libertas adoptando o modelo dos homens, o que ainda é mais grave. Raras são as mulheres com consciência de uma identidade própria.
A mulher tem de encontrar a sua essência na sua feminilidade radical e na integração da deusa que há em si. Só quando a mulher unir as duas partes de si e não mais aceitar a divisão do seu ser em duas, a amante e a esposa, a adúltera e a fiel, e a sua sexualidade se tornar sagrada tal como o seu corpo que é dádiva e nunca mais for “possuída” ou aceitar ser “vendida” (ou comprada)!


quarta-feira, outubro 09, 2002



SAVOIR, VOULOIR,OSER, SE TAIRE ET AIMER... AIMER.... AIMER...



BAGHDAD

"Como muitos já sabem James Twyman foi convidado, pela segunda vez (a 1ª foi
em 1998) para fazer um concerto pela paz em Baghdad, no dia 12 de Outubro.
Milhões de pessoas em todo o mundo acham que a guerra não é uma solução
adequada para resolver o conflito com Saddam Hussein, ou qualquer outro
conflito internacional. Ele acredita que, se milhões de pessoas em todo o
mundo estiverem unidas, ao mesmo tempo, rezando pela paz, a ameaça de guerra
poderá ser afastada, tal como aconteceu com a vigília de 1998. A vigília
deste ano está a ser paralelamente coordenada com um outro evento chamado
Dança da Terra, uma iniciativa para a paz a decorrer em 106 cidades de todo
o mundo. (Para mais informações sobre esta iniciativa procurar em
EarthDance.org.) Mais de um quarto de milhão de pessoas se juntará em cada
uma destas cidades, no dia 12 de Outubro às 13.00h, hora de Nova Iorque,
(18.00h em Portugal) e rezará a seguinte oração:


Nós somos uma família global,
todas as cores, todas as raças, um mundo unido.
Nós dançamos pela Paz e pela cura do nosso planeta Terra.
Paz para todas as nações.
Paz para todas as comunidades.
Paz para nós mesmos.
Que os nossos corações se unam.
Através da nossa diversidade nós reconhecemos a nossa unidade.
Através da nossa compaixão nós reconhecemos a Paz
O nosso Amor contém o Poder para transformar o mundo.
Deixemos que Ele o transforme...
AGORA!!.


Nós pedimo-vos que façam o mesmo. Depois de rezares esta oração alto, quer
sozinho quer em grupo, SENTE a presença da Paz no Iraque e em todo o mundo.
Este sentimento é a chave para criar Paz. Os cientistas provaram que as
nossas emoções influenciam acontecimentos e até o tempo, e nós queremos
produzir uma onda de Paz que tocará os líderes dos nossos países, assim como
todas as pessoas de todo o mundo.

REZEM A ORAÇÃO, E DEPOIS CRIEM O SENTIMENTO DE PAZ ÀS 13.00H, HORA DE N.
IORQUE, NO DIA 12 DE OUTUBRO.


Eu estarei com um grupo de pessoas em Baghdad e lá, conscientemente,
ancorarei estas orações para a Terra.

James diz que se manterá em contacto connosco e, mais uma vez, pede para nos
juntarmos a ele, no sentido de mudarmos o mundo com o poder da oração
colectiva.

Pela Paz
James Twyman

CONTINUO SEM ACESSO AOS COMENTÁRIOS...
LAMENTO NÃO PODER RESPONDER A QUALQUER POSSÍVEL CONTACTO...


NO ENTANTO, TEREI O MAIOR PRAZER EM RESPONDER POR E-MAIL A QUALQUER QUESTÃO
QUE PORVENTURA ME QUEIRAM COLOCAR.


" Naître consiste à sortir de la mère et mourrir serait en fait retourner en sa mère. Alors de quelle mère s'agit-il? N'est-ce pas le centre, l'omphalos en tant que mère cosmo-tellurique: conjunction subtil de forces dont toute matière vivante est issue?"

in L'HOMME ET SON DOUBLE de Etinne Guillé



LUZ CENTRAL

(...)
"Porque deve haver uma ordem onde a morte não entra.Deve existir um tempo em que TERRA não seja o HORROR que me feriu o corpo e o espírito e que TU curaste purificando TUDO,desencantando os rios até tocar a veia, o corpo rigoroso da vida real. Onde só os gestos puros, só puros ritmos se podem pertencer. E só olhos sem angústia nem pecado se podem confundir com a limpidez da água.
A alma - ela é o eixo.
Ela é a água que subsiste e que fica sempre entre o Corpo e o Espírito.
Do acto à Natureza, do calor ao frio, de Shiva a Shatki vai a distância dum campo de batalha ou a Vida, o Centro Solar incestuoso que pelo poder do Amor inversa a aparência do Cosmos.
Sove e Coagula. "A alma sexo do homem" (Cesariny). A Obra é restituir ao sexo as potências da Alma.É restituir a Alma à Inteligência Divina à Unidade Incoercível. Os olhos do coração vêem o Sangue em cada pedra a oração Macha e Fêmea, seca e húmida, de ouro e de prata, da trans-substanciação universal."


HERNESTO SAMPAIO

A OBRA...

"O andrógino não tenta submergir as diferenças, pois reconhece que as polaridades existem no tempo linear,
mas que são ilusórias quando o tempo é concebido como cíclico e eterno.
O andrógino aceita os paradoxos, e os vive, sabendo que, como criatura finita,
muitas vezes não poderá ver além das aparentes contradições que nos assediam a cada passo.
Portanto o andrógino pode viver o presente imediato sem perder o senso de eternidade.
O andrógino pode também ter como centro um determinado lugar e, no entanto,
saber que esse lugar é um mero grão de pó num planeta que rodopia no espaço" (...)


- June Singer "Androginia"

A PALAVRA...

"A palavra também é destino, pois ela anuncia aquilo que foi decidido pelos poderes; além disso, a maldição e a benção dependem dos rituais mágicos que estão sob o domínio das mulheres. Aquilo que mais tarde passamos a chamar de poesia teve origem na fórmula dos sortilégios e nos cânticos mágicos que emergem espontaneamente das profundezas do inconsciente de onde trazem à tona suas formas características; seu próprio ritmo, além do vigor e da sensualidade peculiares de sua imagem" (...)

in "A Grande Mãe"


A MULHER

"A mulher é, assim, a vidente primordial, a Senhora das águas disseminadoras da sabedoria, oriundas das profundezas; das Fontes murmurantes e das nascentes, pois "o om pronunciamento primordial da vidência é a linguagem da água".Não obstante, a mulher também conhece o sussurro das árvores e todos os sinais da natureza, a cuja vida está tão fortemente ligada. O rumor das águas das profundezas é somente um aspecto externo do murmúrio interior do próprio inconsciente, que nela se eleva espiritualmente como água a um gêiser.
Ela é o centro da magia, do cântico mágico e enfim da poesia, pois a situação extática da vidente resulta de ela ser dominada por um espírito que irrompe dentro dela, o qual se pronuncia a partir dela , ou melhor, que nela se denuncia e se manifesta, em forma de invocação rítmica e intensa. Ela é a fonte de onde Odin obteve as runas da sabedoria, bem como a Musa, a origem das palavras que fluem do âmago do poeta e sua anima inspiradora.
Como força inspiradora ela pode se manifestar isoladamente, na forma tríplice que já conhecemos, e ainda num contexto plural indeterminado. As Cárites, as ninfas, as sereias, as musas, as três graças, as moiras e outras inúmeras figuras, são as forças melodiosas, dançantes e proféticas dessa mulher inspiradora e inspirada na qual o masculino, muito mais distante das origens, busca sabedoria quando impelido pela necessidade. E vezes e vezes seguidas, encontramos essa mulher mântica ligada aos símbolos do caldeirão e da caverna, da noite e da lua.
Com efeito, o caldeirão não é o só vaso da vida e da morte, da renovação e do renascimento, mas também da magia e da inspiração. O caráter de transformação que lhe é inerente passa pela decomposição e pela morte, para chegar à intensificação extática e ao nascimento do espírito eloquente, o qual conduz sob inspiração extática à palavra, ao cântico e à profecia, como sintomas do renascimento."

(...)

ERICH NEUMAN in "A GRANDE MÃE"

segunda-feira, outubro 07, 2002

"LA TENDRESSE HUMAINE
NE PEUT S' EXPRIMER QUE PAR UN SEUL GESTE:
CELUI D'OUVRIR ET DE REFERMER LES BRAS"




“É impossível pensarmos nas adjurações da sabedoria alquímica que introduzia igualmente a fisiologia no coração do conhecimento:
Não aprender, mas sofrer. Ou uma formulação latina análoga Non cogitat Qui non experitur “


Marguerite Yourcenar (in Mishima ou a visão do vazio)


Enche o meu peito, num encanto mago,
O frémito das coisas dolorosas...
Sobe as urzes queimadas nascem rosas...
Nos meus olhos as lágrimas apago...


FLORBELA ESPANCA




Prayer Rose...

HINO A ASTARTEIA

Mãe inexaurível, incorruptível, criadora, a primeira nascida,
por ti mesma engendrada, de ti concebida,
só de ti provinda e que em ti te congratulas, Astarteia!


Ó perpetuamente fecunda, ó virgem e de tudo nutriz,
casta e lasciva, pura e fruidora, inefável, nocturna,
suave, respiradora do fogo, do mar espuma!


Tu que em segredo concebes a graça, tu que unes,
tu que amas, tu que invades com desejo furioso
as raças multiplicadas dos animais selvagens
e os sexos acasalados pelas florestas,


Ó irresistível Astarteia, escuta-me,
arrebata-me, possui-me, ó lua!
E todos os anos, treze vezes, arranca
às minhas entranhas a libação do sangue!



"As canções de Bilitis" de Pierre Louis



A METAFÍSICA DO SEXO

Assim o "significado superior do amor sexual, que não deve ser identificado ao instinto de reprodução, é o de ajudar tanto o homem , como a mulher, a integrar-se interiormente (na alma e no espírito) na imagem humana completa, isto é, na imagem divina original".
Esta imagem andrógina, tornada incorporal após a queda, deve incarnar-se , fixar-se e estabilizar-se nos amantes de modo que "os dois se não reproduzam unicamente num terceiro ser, a criança, mantendo-se contudo iguais a si próprios, tais como eram (não regenerados) mas que ambos renasçam interiormente como filhos do divino"
Julius Evola

sábado, outubro 05, 2002


"l'écho assourdi d'une symphonie oubliée résonne à nouveau en notre mémoire"

in "L'ENERGIE DES PYRAMIDES ET L'HOMME" - Étienne Guillé


"MAS SE A DEUSA DOS TEMPOS PRIMORDIAIS FOI PARTICULARMENTE VENERADA EM TODO O PRÓXIMO ORIENTE, O CRISTIANISMO E SOBRETUDO O ISLÃO EXPULSARAM-NA VERGONHOSAMENTE DAÍ."



Quando evoco a Deusa ou falo da Mulher exaustivamente não é a apologia de uma sexualidade que eu faço directa ou indirectamente e para que não restem dúvidas, quero sublinhá-lo bem aqui.
Eu falo e defendo uma essência comum a TODAS as mulheres independentemente das suas preferências sexuais.
Falo da ESSÊNCIA e da BELEZA da Mulher eterna ou do ETERNO FEMININO.
Pretendo a reconstrução do Templo da Deusa na Nova Era.
Esse Templo Sagrado, não tem pilares que o sustentem nem altares ou padres...
É no Centro do Coração e na Consciência de um novo SER, homem-mulher . O Indivíduo - aquele que não pode ser dividido!
Para isso é urgente a integração do Feminino por excelência, no interior e no exterior... Em todo o mundo!


"O neófito tem mais chances de alcançar um determinado modo de ser - por exemplo, tornar-se homem ou mulher - se antes se tornar simbòlicamente uma totalidade. Para o raciocínio mítico, um modo particular de ser é necessáriamente precedido de um modo TOTAL de ser. O andrógino é considerado superior aos dois sexos justamente porque encarna a totalidade e , portanto a perfeição." M.Eliade



A GRANDE DEUSA

"A humanidade experimentou até ao presente dois tipos de civilização, a civilização do cálice e a civilização da espada(...). A civilização do cálice representa os cerca de dezassei mil anos da pré-história em que a noção de deus era feminina. Esses tempos da Grande Deusa mãe são ainda muito desconhecidos (...), todavia as provas arqueológicas abundam."

Não obstante, ainda nos ficou alguma coisa: primeiramente, a famosa procura do Graal, tentativa desesperada para obter o cálice e a espada, busca apaixonada do cálice pelo homem;depois o misterioso jogo de cartas (les tarots) para adivinhar o futuro, onde duas civilizações do cálice e da espada se prolongamatravés de duas outras, que virão depois; finalmente e sobretudo, o testemunho que as representações femininas do Paleólitico Superior nos trazem, antes da inversão da polaridade que fez passar a humanidade da idade do ouro à idade do ferro"
(...)

in A GRANDE DEUSA Mitos e Santuários de JEAN MARKALE

JEAN MARKALE, historiador, professor durante vinte e cinco anos, dedicou-se posteriormente à investigação da mitologia celta e do Círculo do Rei Artur




ASTARTEIA

As sacerdotisas de Astarteia amam-se ao erguer da lua;
depois se levantam e vão banhar-se, num pequeno lago de prata bordejado.

Com seus dedos recurvos penteiam os cabelos
e as suas mãos, tintas de púrpura, assim juntas a seus cachos negros
parecem ramos de coral num mar flutuante e sombrio.

Nunca arrancam os pelos, para que o triângulo da deusa
lhes assinale o ventre como um templo;
mas tingem-se com pincéis e profundamente se perfumam.

As sacerdotisas de Astarteia amam-se ao cair da lua;
e depois, em salas atapetadas onde no alto uma lâmpada de ouro brilha,
fortuitamente se retiram e vão dormir.


in "AS CANÇÕES DE BILITIS" de Pierre Louys