terça-feira, dezembro 31, 2002

O ÊXTASE...é tudo o que vos desejo...

"O êxtase ocupa o lugar dos prazeres dispersos e externos da mente (...)
ou atrai para ela todos os outros deleites e transforma, através de uma maravilhosa alquimia,
os sentimentos da mente e do coração."


SRI AUROBINDO



A DÁDIVA DO AMOR

"É bem sabido que as emoções da alma afectam o corpo e dão origem a grandes mudanças significativas e abrangentes no estado de saúde. As emoções da alma devem ser vigiadas, regularmente examinadas e mantidas em equilíbrio."

MAIMÓNIDES, sábio judeu do século XII


"Não há correntes como o ódio (...)
Ao insistires nos defeitos do teu irmão,
multiplicas os teus.
Estás longe de chegar ao fim da viagem."


- BUDA

"Ó TU QUE PROCURAS, FICA SABENDO QUE O CAMINHO
DA VERDADE ESTÁ DENTRO DE TI."


- Sufi Sheik Badrutin

NÃO HÁ NADA DE NOVO SOBRE A TERRA NEM O ANO "NOVO"...

domingo, dezembro 29, 2002



Tradución de "Cada Noite" de Rosalia de Castro

Cada noche llorando yo pensaba
que esta noche tan larga no fuera,
que durase y durase mientras
la noche de las penas me envuelve luchadora..
.

Más la luz insolente del día,
constante y traidora,
cada amanecer penetraba radiante de gloria
hasta el lecho donde me había tendido con mis congojas.


Desde entonces he buscado las tinieblas
más negras y profundas,
y las he buscado en vano,
porque siempre tras la noche encontraba la aurora...


Sólo en mí misma buscando en lo oscuro
y entrando, entrando en la sombra,
vi la noche que nuncha se acaba en mi alma,
en mi alma sola.


TODAS AS ROSAS DO MUNDO PARA TI, hoje...



e mais uma...

Duas almas que tarde se encontraram,
Como as nossas, meu bem, e tantas mais,
Porque modo se tornaram tão iguais
Se em tão diversos meios se criaram?
(...)
Há bem pouco prendemos nossas vidas,
Já cuidas de meu bem como teu bem,
Já meu mal de agora vais sofrendo:

E as nossas almas tão parecidas,
Como essas duas lágrimas que vêm
Por tuas faces de âmbar escorrendo
.

"Nada" de Júlio Dantas

"Artwork courtesy of and copyright by Daniel B. Holeman, who invites you to visit his Visionary Art Gallery web site:"


VEJA: "Awaken Visions"

"Sei agora quando será a manhã derradeira – quando a luz não afugentar mais a noite e o Amor – quando o sono for eterno e um sonho só inesgotável.
(...)
...tudo aquilo que o contacto do amor santificou escorre dissolvido, por ocultas vias, para a região do Além e aí se mistura, como os aromas, com os seres amados para sempre adormecidos."


NOVALIS

sábado, dezembro 28, 2002

ONTEM EU LI OS JORNAIS...



“PARLAMENTO EUROPEU UNE ESFORÇOS
PARA ELIMINAR A MUTILAÇÃO FEMININA.”


Diz Emma Bonino - Euro-deputadada:

“A MUTILAÇÃO GENITAL FEMININA MUTILA-NOS A TODOS”

“O inimigo mais feroz das mulheres tem sido a Tradição, juntamente com o seu inseparável aliado: a Religião.”

Diz ela ainda: “com a ajuda da informação, a educação e a participação das massas, os homens e as mulheres vão conseguir derrotar a ignorância e a violência que a acompanha. Se esperarmos pelo dia em que vivermos em democracia sem pobreza e sem analfabetismo, adiamos tudo para a eternidade.”

Na delegação portuguesa saliento a declaração final na entrevista do jornal, penso que o Público – li o Publico e o Independente e misturei tudo - Helena T. Marques:
“É muito bonito pôr toda a gente a falar dos direitos das mulheres, mas, na prática, nada acontece”...


Nós portuguesas sabemos como é que é...Sim “a gente” já sabe que os políticos só falam para eles ou elas, entre si como no teatro...



UM NOVO FILME “ALUCINANTE”:

E, aproveito para acrescentar eu, no lado oposto da “castração” da mulher, está, como maior inimigo da mulher, o CINEMA, na difusão de uma pseudo liberdade da mesma. A exemplo, o filme:


“A VIOLAÇÃO” (DA MULHER CLARO!)

...Quantas mais mulheres serão, “irreversivelmente” violadas, no mundo inteiro,
por este pretenso erotismo DIVULGADO E CRIADO pela máquina infernal do cinema
ao serviço da prostituição do verdadeiro SER MULHER?...
O cinema que cultua propaga a nudez da mulher como violação...

Quantas mentes serão deformadas e atraídas para este tipo de relações psicóticas e sádicas
que arrastam multidões no nosso mundo “civilizado” ?




Enquanto isso BAGDAD prepara-se para ser violada por outra máquina infernal, a da guerra, ao serviço de um novo HITLER...

sexta-feira, dezembro 27, 2002



ROSALIA DE CASTRO

Yo no sé lo que busco eternamente
en la tierra, en el aire y en el cielo;
yo no sé lo que busco, pero es algo
que perdí no sé cuando y que no encuentro,
aun cuando sueñe que invisible habita
en todo cuanto toco y cuanto veo.

Felicidad, no he de volver a hallarte
en la tierra, en el aire, ni en el cielo,
¡aun cuando sé que existes
y no eres un vano sueño!

***

A través del follaje perenne
Que oír deja rumores extraños,
Y entre un mar de ondulante verdura,
Amorosa mansión de los pájaros,
Desde mis ventanas veo
El templo que quise tanto.

El templo que tanto quise...
Pues no sé decir ya si le quiero,
Que en el rudo vaivén que sin tregua
Se agitan mis pensamientos,
Dudo si el rencor adusto
Vive unido al amor en mi pecho.


NOTA Á MARGEM...

Desde há dias, invadiu-me uma estranha nostalgia da Galiza...uma saudade dessa terra que nunca pisei e que me fala de memórias que nunca consciencializei... Neste amor ódio entre Espanha e Portugal ficou no meio a Galiza e a antiga língua lírica galega ou portuguesa, cuja fala me lembra uma origem que foi a mesma e a loucura das lutas por terras e definições de mapas traçados à custa de guerras e violações...Eu sinto que a Galiza é parte de Portugal ou Portugal é parte da Galiza, não só pela língua antiga, mas pela SAUDADE que nos une de um mesmo território sagrado que é memória da adoração da Terra inteira e da Deusa Mãe!

E POR ISSO RECORDO, diria com entranhada saudade...


ROSALIA DE CASTRO - POETISA GALEGA

"Nació en Santiago de Compostela, hija de una mujer soltera de buena familia y de un seminarista. Su nodriza le enseñó la lengua gallega y le hizo conocer la poesía popular en esa lengua. En Madrid, ciudad donde se trasladó por razones familiares en 1856, conoce a Manuel Murguía, con el que se casó dos años más tarde y quien la puso en contacto con Bécquer y su círculo. En 1857 publicó su primer libro poético, La Flor, al que siguieron Cantares gallegos, de 1863, y Follas Novas, de 1880, ambos en gallego. Su obra principal, En las orillas del Sar, se publicó en castellano en 1884. Tuvo seis hijos, pero su matrimonio no parece que fuera feliz. Su salud fue delicada y su temperamento claramente depresivo. Desde 1874 vivió en Galicia, y murió en 1885 en Padrón, La Coruña.

Con Cantares gallegos se situó como precursora, junto a Curros Enríquez y Pondal, del Rexurdimento cultural de Galicia. El libro tiene reminiscencias de la antigua lírica gallego-portuguesa, especialmente de la popular, con notables innovaciones métricas, y protesta contra el centralismo castellano y la vida miserable del campesino gallego que le obliga a emigrar. Por su parte, en Follas Novas, ve el mundo como adversidad, y la existencia humana como dolor, con toques intimistas. Algunos críticos lo consideran el mejor de toda la poesía gallega"
(...)
"Esa misma lengua gallega que había dado lugar al resplandor de los inmortales trovadores galaico-portugueses o a las memorables Cantigas del buen rey Alfonso X el Sabio, en cuya ilustradísima corte el gallego era ejercido por autores de las naciones más diversas como la más refinada de las lenguas literarias, se vio sumido -junto con su sociedad y su cultura- en un sometimiendo que se propuso eliminarlos de raíz, en todos los niveles. (Sin sospechar que, muchos siglos después, una autoridad tan innegable como Menéndez y Pelayo iba a reconocer abiertamente, sin duda alguna, que "No se puede desconocer que el primitivo instrumento del lirismo peninsular, no fue la lengua castellana, ni la catalana tampoco, sino la lengua que, indiferentemente para el caso (en aquella época eran la misma), podemos llamar gallega o portuguesa.")


quinta-feira, dezembro 26, 2002



"Então foi o meu beijo que te abriu a visão do mundo"?

"A visão do mundo traduz-se pela integração dos dois princípios opostos que Kundry (iniciadora...) e Amfortas representavam: matéria e espírito, inconsciente obscuro e consciência iluminada. Kundry é o rosto do instinto, o instinto sem a razão destrói. O equilíbrio surge quando, reconhecendo ambos, o herói é capaz de os integrar (de os transformar). Kundry, de tentadora, passará a serva, e Amfortas de rei a súbdito: uma e outro propiciando a individuação.

Com o reino das trevas se abre o reino da luz. Com o crepúsculo dos deuses se tece a aurora do homem, que, através de Parcifal, se permite inserir de novo no mito do andrógino no tempo que é de wagner, e é o nosso: o temp, ou o temp/espaço, do inconsciente eterno."


in "LITERATURA E ALQUIMIA"

De Y.K.Centeno




ADORAR

"Adoração! Isto é: AD-OR-AR! Tornar DOURADO! E levar ao OURO o ser. E isto está aqui! Não é uma coisa teórica. Existem, até, tratados sobre o assunto! Eu estou-me a lembrar de Rumi e de Kabyr, mas especialmente de Rumi, o poeta místico do Islão esotérico.
E este campo, da adoração, este levar até ao ponto em que eu não aspiro apenas, mas Adoro, eu começo a entrar nos coros Angélicos do plano Espiritual. A Aspiração é um acto viril, de atravessar para além do conhecido. A Adoração é um acto feminino de saber-se única e exclusivamente Câmara de revelação do Divino. Como a câmara fotográfica. A Adoração é esta autoconsciência. Consciência de si, como uma câmara de revelação do Divino."


Encontros de Belém - André

ROSAS...para a Galiza

Abride, as frescas rosas;
brilade, os caraveles;
do seu jardim os árvores, vesti-vos
cas lindas folhas verdes;
parra que um tempo sombra nos prestaches,
a cubrir-vos de pámpanos volvede.
Natureza fermosa,
a mesma eternamente,
di-lhe aos mortais, de novo aos loucos di-lhe
que eles nomais perecem!


ROSALIA CASTRO - poetisa galega do século XIX



Eu não sei muitas coisas, é verdade.
Apenas falo do que tenho visto.
E já vi:
que o berço do homem o embalam com histórias,
que os gritos de angústia do homem os afogam com histórias,
que o pranto do homem o tapam com histórias,
que os ossos do homem os enterram com histórias
e que o medo do homem...inventou todas as histórias.
Sei muito poucas coisas, é verdade,
mas adormeceram-me com todas as histórias...
e sei todas as histórias.


LÉON FELIPE (1884-1968)
(tradução de José Bento)

quarta-feira, dezembro 25, 2002

A...



BOA SORTE GALIZA

OFERTA e HOMENAGEM

Galiza, terra irmã de Portugal,
Que a divina Saudade transfigura,
A tua alma é rosa matinal,
Onde uma lágrima da Deusa fulgura.
Terra da nossa infância virginal,
Altar da Rosalia e da Ternura,
Dedico-te estes versos, que, uma vez,
Compus, em alto cerro montanhês.


TEIXEIRA DE PASCOAES

OCCULTISM OR A STATIC DRAME


Os acontecimentos são homens. As circunstâncias são gente. Uma batalha, um jantar, um olhar, um beijo - cada uma destas coisas, porque é uma coisa, é um ente, uma pessoa de certa maneira de carne e osso.

Nós próprios, os homens, não passamos de acontecimentos, lentos relativamente a outros, compostos de células, e cada célula é um acontecimento entre os elementos que a compõem ...e, assim, até ao infinito interior.
Tudo é separado e tudo é uno. Todos os acontecimentos fundem-se no grande acontecimento chamado Universo.

Nada existe, tudo acontece. É a Deus que acontece tudo.

O erro interior a todas as hipóteses de como é que o manifestado se abaixa até manifestar-se, ou então manifestando-se, não encontra maneira de se manifestar senão abaixando-se - esse erro é o de meter elementos morais num problema inteiramente metafísico.


- Amanhã continuo porque hoje toda a gente comeu muito e não consegue ler "TEXTOS FILOSÓFICOS" de Fernando Pessoa...

Nota à margem:

"Os acontecimentos são homens" - nesse tempo não havia mulheres ou antes, as mulheres, como não pensavam não existiam de acordo com outro filósofo: "penso logo existo"...



E A VOZ DE ELEONOR, etérea chama,
As trevas dissolvendo assim falou:


"Sou aquela que é amada e que não ama,
Porque meu ser é eterno e virginal.
Eu vivo além do amor e da tristeza,
E destes belos montes solitários,
E da amplidão que envolve a Natureza:
O fluido mar, onde as estrelas nadam...

(...)

E que importa a distância que separa
Teus lábios dos meus? E que importa
Que eu seja luz eterna e sempre clara
E tu sombra carnal e transitória?
Que tu vivas, além, num outro mundo,
Se nos prende, amoroso, o fio astral
Que prende o olhar à estrela eo mar profundo
À sede que o sol tem das nossas lágrimas?

"Sou aquela que é amada; mas não amo,
Porque o amor odeia o que é eterno;
E as suas labaredas se alimentam
Do que é mudança, tempestade, inferno!"


(...)

TEIXEIRA DE PASCOAES - Marânus -
O grande poeta português quase esquecido...

terça-feira, dezembro 24, 2002




"CABE ÀS MULHERES REDESCOBRIR O FEMININO,
DAR À LUZ UMA ALMA NOVA,
CAPAZ DE ASSUMIR A SUA DIMENSÃO CÓSMICA"


Antónia de Sousa






segunda-feira, dezembro 23, 2002



"No fundo, o homem religioso é um hedonista. O instinto religioso de modo geral é um instinto de prazer, de ter tudo resolvido na vida. Deter-se só perante a Verdade é doloroso para o homem. A realidade é muda e fria."

in "TEXTOS FILOSÓFICOS" de Fernando Pessoa

ESCREVO OU NÃO ESCREVO, EIS A QUESTÃO...

Estava eu aqui a pensar em como me falta paciência para este mundo consumista e hipócrita que se exacerba sempre em ocasiões especiais...Como se a necessidade de recorrer à mentira para encobrir a falsidade das coisas se tornasse mais intensa...

NATAL...o mês mais triste do ano, em que se acentuam as diferenças e os males do mundo e nem o nascimento nem a morte de um Ser dito Excepcional, mudou a sua face ou alterou a consciência dos homens ao longo dos milénios, pois o ódio e a guerra e a destruição do Mundo está mais evidente do que nunca sob o espectro da guerra sempre iminente entre Impérios e Ditaduras...

Mas, mais grave ainda, para mim, é a alienação da própria humanidade nos seus festejos e na sua superficialidade...

A nossa "evolução" como Planeta é a aposta na técnica e em armas sofisticadas, em armadas e exércitos, em que se gastam milhões de dólares só num foguete de "precisão" enquanto milhões de seres morrem à fome e sem abrigo...
Sei que este lamento é tão velho como o mundo e que devia ser positiva e não estar sempre a apontar para a "caca do cão"...



Mas eu não gosto deste mundo, nem destes homens, dos políticos e dos ideólogos...e fico a pensar na Galiza com as praias e o mar cheio de Crude...por um "Prestige" de m...e não consigo pôr-me a olhar para as estrelas do céu ou para as estrelas da ficção...

ENQUANTO O MAR LÁ NO FUNDO VAI MORRENDO COM O NOSSO LIXO...E VAIDADES!!!

Odeio todo este cinema e teatro de falsidades...toda esta vã glória de mandar matar...

Sim, sei bem que não devia escrever aqui estas coisas porque toda a gente gosta de se distrair das tristes realidades e fingir que tudo vai bem e a vida corre ao sabor do nosso egoísmo. Neste caso o que vos dou como conselho é nunca mais me lerem...



P.S.
Mas se me quiserem ler mais, comprem a "ESPAÇO & DESIGN" de Natal e leiam o meu artigo em "CANTATAS EM DÓ MENOR",
sobre o Prestige dos homens...

domingo, dezembro 22, 2002



NA ALMA RESIDE O MISTÉRIO

"A primeira função do homem poeta é a descoberta do verdadeiro significado do seu eu. O poeta tem de se conhecer a si mesmo, tem de desvendar a sua alma "inteira". Não é do eu individual que se trata, nesta procura, (os que ficam por aí são os limitados autores a que Rimbaud chama "egoístas", que não ultrapassam o domínio do ego) trata-se da imensidade da alma, de por a descoberto e percorrer os seus mais longínquos limites, os mais profundos conteúdos, nem que para isso haja que a desregrar, desiquilibrar, tornar mesmo monstruosa. Ser "vidente", fazer-se "vidente" de todas as maneiras, para chegar a ser conhecedor de si mesmo, da "alma universal". Na alma reside o mistério. E vale a pena pagar todos os preços, mesmo o do crime, mesmo o da loucura, para se chegar a ele. Desvendar o mistério é chegar ao "desconhecido", e poder contemplá-lo e exprimi-lo é a suprema realização. O além ("là-bas") é o verdadeiro domínio do poeta, e a formalização dos conteúdos desse além a sua verdadeira missão." (...)

Y.K:Centeno


REPUBLICO ESTE TEXTO QUE ME PARECEU APROPRIADO PARA A ÉPOCA...


Se eu pudesse ou soubesse... Se houvesse uma maneira de descobrir ou inventar uma BOMBA DA PAZ!!!!

SE EU PUDESSE COLAR AO MEU PEITO UMA BOMBA QUE AO REBENTAR ESPALHASSE RAIOS DE AMOR E LIBERDADE, COMPREENSÃO E AFECTO, UM QUALQUER PÓ MÁGICO QUE FIZESSE COM QUE OS HOMENS EM VEZ DE SE ODIAREM E MATAREM UNS AOS OUTROS ...SE AMASSEM E VISSEM COM OLHOS IGUAIS, TODOS DEUSES, TODOS CONTENDO ESSA CENTELHA DIVINA...e caminhar para ela...

Sim, se essa centelha divina se espalhasse na terra em vez de ódio e guerra...

E aqui eu cheguei ao espectro de tudo isto, o diabo...são DIABOS OS HOMENS QUE SE MATAM EM NOME DE DEUS?
Mas é dessa ideia absurda de um DEUS não sei onde que nascem todos os ódios e demónios e diferenças e as raças se andam a matar há milhares de anos em toda a terra... cada um com o seu deus e o seu ódio e a sua guerra.

E se Deus fosse cada um de nós... se Deus fosse cada ser humano que matamos odiamos e desprezamos a cada passo?
Não há dúvida que somos todos CEGOS e SURDOS...tão cegos que matámos os Mestres que seguimos ainda cegamente...
E nem mesmo depois de Um Homem ter sido crucificado (E TANTOS OUTROS MORTOS) por acreditar na PAZ e no AMOR e ter sido exemplo de tanta doçura e compaixão, ele próprio traído, e depois, mais uma vez em seu nome, novos inimigos, novos crimes e chacinas destruiram ao longo da história milhares de irmãos.

Enquanto olharmos o "outro" como nosso inimigo, não conhecemos Deus.
Porque o Deus que inventámos é a maior blasfémia contra a Humanidade...
Em nome de um deus destruimos o Planeta...
Em milhares de anos nenhuma religião nos salvou.


ENQUANTO BUCH ESPERA QUE O NATAL PASSE PARA ATACAR O IRAQUE...
NÓS CANTAMOS TODOS EM CORO O "GINGOBELL"...

terça-feira, dezembro 17, 2002

DE NOVO ME ENCONTRO SEM PC.
PROBLEMAS DE DISCO RÍGIDO...

VOLTAREI LOGO QUE POSSA...

ESTOU SEM NOTÍCIAS E TODO O CORREIO FICA ATRAZADO...

segunda-feira, dezembro 16, 2002




Para ti:

“Toda a fadiga inresignada é audácia possível, fulminante.”

Maria Velho da Costa



O LIVRO DE LILITH


“As forças de Eva, mãe de todos os viventes, e de Lilith, espírito da Noite e do Ar, evidenciam-se no conflito das mulheres entre, de um lado, dar à luz e cuidar dos filhos e, de outro, entre as necessidades de gerar e de nutrir ideias e obras. As mulheres que combinam maternidade e carreira profissional envolvem-se num acto contínuo de malabarismo, que requer sincronia e equilíbrio. À medida que tenta dar conta das necessidades de seus filhos, de seu trabalho e de si mesma, a mulher pode, inesperadamente, sentir-se invadida pelo furor assassino de Lilith. Isso ocorre, na maioria das vezes, quando a própria mãe não está conseguindo arcar com seus deveres de mãe. Ou seja quando está cansada, machucada ou doente, ou então quando o lado Lilith de sua natureza sofre a ameaça de ser acorrentado ou enjaulado por necessidades dos outros ou pelos conceitos patriarcais.”
(...)

Bárbara Black Koltuv




“A ESCRAVIDÃO QUE SE EXIGE À MULHER,
DA QUAL EU NÃO ME LIBERTO”


TENHO EM CIMA DE MIM
O PESO DE UM PAÍS


SOMOS UM POVO TRISTE.
EXEMPLO DISSO AS NOSSAS PROCISSÕES
O NOSSO CARNAVAL.


ESTE PAÍS
EM QUE OS REIS ANDAM NUS
E NINGUÉM É CAPAZ DE DIZER NADA!


In “Reflexões” de Y.K.Centeno





“No século XXI estamos a equiparar-nos muito bem ao nazismo. A mim pelo menos isso parece-me de forma sensível. A minha sensibilidade está a sentir o mundo como tendo um novo nazismo. Parece-me que Bush é um novo Hitler. Eu sinto-o como tal.”

MARIA JOÃO PIRES – Pianista portuguesa de craveira internacional que tem um projecto de educação pela Arte, em entrevista, neste sábado, ao DNA.


“NASCER É FORÇAR A TAMPA DE UM SEPULCRO.
A PALAVRA MÃE SIGNIFICA TERRA.
O CORPO DA MULHER É MAIS FEITO DE TERRA DO QUE O DO HOMEM.
O HOMEM É PEDRA E FOGO INCANDESCÊNCIA SOLAR,
ESPECTRO A ARDER.” ( O BAILADO)


Teixeira de Pascoais




“Ao lado e à margem do que sentes por mim”

Livro de Ana Maria Gonçalves acabado de editar no Brasil, Baia.

Ana Maria Gonçalves
Salvador, Bahia, 2002
312 páginas
Formato 11,5 x 16cm
Preço: R$ 20,00 (mais o frete)


Vendas através dos sites:"UDIGRUDI" E "ENTRE LIVROS"

domingo, dezembro 15, 2002

O FIM DE PORTUGAL?
OU O COMEÇO?


Fala-se no Fim de Portugal como entidade histórica, porque os pseudo valores de identidade estão a desaparecer com a crise económica e os ideais caducas ao nível do pensamento racional. Falam porque se vergam aos interesses económicos da União Europeia e da América e não percebem que outros valores se levantam...

Falam as sumidades de um fim cultural e identidade própria porque não sabem da nossa verdadeira identidade nem dos verdadeiros valores que nos insuflam o sentido de SER e que só os poetas e os visionários sabem interpretar ou podem vislumbrar...


"E este povo não resolve o seu problema de identidade, este povo não ganha clareza, enquanto funcionar apenas como uma entidade sócio-política! Enquanto o diálogo entre os seres estiver no nível reivindicatório! No nível entre classes, no nível... eu não sei!... Nem vamos entrar por aí. A situação, nesta zona do mundo, resolve-se quando as pessoas baixarem os brinquedos, pousarem os brinquedos e mergulharem realmente na bacia Psíquica, na bacia da Alma desta região!... E, aí, Portugal é um Sol! Deixa de ser uma Lua, que é o que ele tem sido, e passa a ser um Sol! Isto é, Portugal é Lua, no plano físico, no plano emocional, no plano mental, no plano intuitivo... ele é Lua nisto tudo. Portugal é Sol no plano Espiritual! É aí que se encontra o Vórtice Irradiador! Por mais que eu invente nos outros níveis, não funciona. Porque, não foi para isso, que a Engenharia Planetária gerou esta região e gerou este país."


André - Encontros de Belém

OFERTA

Galiza, terra irmã de Portugal,
Que a divina Saudade transfigura,
A tua alma é rosa matinal,
Onde uma lágrima da Deusa fulgura.
Terra da nossa infância virginal,
Altar da Rosália e da Ternura,
Dedico-te estes versos, que, uma vez,
Compus, em alto cerro montanhês.


TEIXEIRA DE PASCOAIS

Nota: espero que o poeta, lá do Alto, me perdoe a substituição do termo deus por deusa...

e para lhe dar voz, continuo com ele, cinquenta anos depois da sua morte...




(...)

Um sonho de que é feito? E a nossa imagem
Que tem na luz, um lívido recorte?
E a sombra que na água projectamos?
E o nosso espectro erguido além da morte?


E as saudades e as dores que sofremos?
E a voz e o som? E o os olhos que nos fita
Quando, à noit, dormindo, percorremos:
Não sei que misterioso e fundo abismos
.


NOSSA SENHORA DA SAUDADE ...


PORTUGAL NÃO MORRE SE ACORDAREM OS POETAS
CUJAS ALMAS NOS SEGUEM...
SE ACORDAREM O FEMININO NA ADORAÇÃO
QUE É A NOSSA ORIGEM E TERRA MÃE





Senhora da manhã vitoriosa
E também do crepúsculo vencido,
Ó Senhora da noite misteriosa
Por quem acordo, nas trevas, confundido.

Perfil de luz! Imagem religiosa!
Ó dor de amor! Ó sol e luar dorido!
Corpo, que é alma escrava e dolorosa,
Alma, que é corpo e redimedo.
Mulher perfeita em sonho e realidade.

Aparição divina da Saudade...
Ó Eva, toda em flor e deslumbrada!
Casamento da lágrima e do riso;
O céu e a terra, o inferno e o paraíso,
Beijo rezado e oração beijada.


TEIXEIRA DE PASCOAIS

ADORAÇÃO

(...) "E, Isto, foi levado para vários pontos e, em Portugal, ou melhor, nesta zona que hoje é Península Ibérica, foi colocado no quinto plano. No plano da Adoração. Um plano em relação ao qual nós não saberemos nada, enquanto uma partícula de Adoração não for vibrada por nós. Eu não falo do quarto plano, que é o intuitivo, que é onde nós chegamos com a Aspiração. E não falo do mental e do emocional, que é onde nós chegamos com disciplina. Com disciplina, tu arrumas o mental e arrumas o emocional. Ensinas o mental e o emocional a dançar com o que vem do Alto. Para isso serve a disciplina: para aprender a dançar. E a Aspiração leva-te até ao fim do intuitivo. A Aspiração torna-te silencioso e aprumado como uma flecha. Leva-te além do mental, como nós o conhecemos. A Aspiração leva-te ali: à beira, ao fim do intuitivo. Ao ponto mais profundo do intuitivo. A Aspiração constante. Cultivada constantemente.

Mas a Adoração é a única forma de penetrar no Mundo do Fogo que é o plano Espiritual, Monádico e Divino! Só a Adoração permite a passagem! A Adoração é isso. A Adoração ao que é adorável.

Quando tu tens um toque, em que há um feeling, em que há um sentimento que reúne tudo o que tu experimentaste na Terra, e transcende, e brilha, e tu dizes: eu quero ser aquilo! Então, as portas da Adoração estão a começar a ser conhecidas. E só pela Adoração, é que nós saímos do processo meramente intuitivo. Que é de receber inspiração, receber inspiração, receber inspiração... e quanto mais inspiração um indivíduo recebe, menos ele sabe o que fazer com ela. (Que é o que acontece nestas conferências.) Tu passas do nível intuitivo e do nível mental lúcido, para o nível Espiritual, não por conferência!... por Adoração!




Adoração! Isto é: AD-OR-AR! Tornar DOURADO! E levar ao OURO o ser. E isto está aqui! Não é uma coisa teórica. Existem, até, tratados sobre o assunto! Eu estou-me a lembrar de Rumi e de Kabyr, mas especialmente de Rumi, o poeta místico do Islão esotérico.
E este campo, da adoração, este levar até ao ponto em que eu não aspiro apenas, mas Adoro, eu começo a entrar nos coros Angélicos do plano Espiritual. A Aspiração é um acto viril, de atravessar para além do conhecido. A Adoração é um acto feminino de saber-se única e exclusivamente Câmara de revelação do Divino. Como a câmara fotográfica. A Adoração é esta autoconsciência. Consciência de si, como uma câmara de revelação do Divino."


Encontros de Belém - André


sábado, dezembro 14, 2002



TAMZIG - A NUDEZ

"Pertencia ao ensinamento dos Mistérios, o simbolismo da travessia das sete esferas planetárias, no decorrer da qual a alma se desprende pouco a pouco das diferentes determinações ou condicionalidades a elas ligadas, e concebidas como outras tantas vestes ou roupagens a retirar, até atingir o estado da "nudez" completa do ser absoluto e simples, que só se encontra a si próprio quando se situa para além dos "sete". Plotino recorda, justamente, neste contexto, aqueles que ascendem degrau por degrau aos Mistérios sagrados, ao mesmo tempo que vão despindo as suas vestes e avançam nus; e, no sofismo, fala-se de tamzig, a laceração da roupa durante o êxtase." (...)


in "A METAFÍSICA DO SEXO " de Julius Evola

VIDA

"Vida não é um corpo, cujo coração bate e o sangue circula. Isso não é considerado Vida, do ponto de vista Cósmico! Vida não é percepção, nem é experiência, nem é a experiência vital. Vida é tu saberes, tu experimentares o que está além de qualquer explicação. De qualquer forma. De qualquer suporte. Vida é este Leite Divino, que é vertido sobre o nosso ser, constantemente. Ou melhor: que poderia ser vertido sobre o nosso ser, constantemente.

E, estar Vivo, aos olhos da Lei Cósmica Superior, implica, simplesmente, o Ser pulsar a sua consciência, além de qualquer suporte que ele utilize. Significa o Ser pulsar a sua consciência, além do imediato. Estar Vivo significa saber, por osmose, por união, a quem nós pertencemos. Isso significa beber disto, desta realidade, pela taça do coração. Estar Vivo é beber da taça do coração. Abaixo desta taça, nós podemos falar de semi-vida, de para-vida, de quase-vida, de pro-vida... Mas, ESTAR VIVO, do ponto de vista Cósmico Superior, é beber desta Taça, é beber deste Leite, é comungar deste Pacto com o Divino. Todo irradiante!"


Excerto dos "Encontros de Belém " - por André

sexta-feira, dezembro 13, 2002



"No coração dos amantes que bebem a lia, ateiam-se os desejos ardentes.
No foro interior dos sábios de coração triste, há refutações (...)"


RUMI


Nota à margem...

Hoje, dia de “greve geral”, fiquei em casa e fui dar uma volta na pequena Baia de pescadores em Paço d’ Arcos, onde agora vivo (desde há treze dias...) para ver o mar e reparei com tristeza na cegueira dos homens...Fizeram um Repucho de água a sair do mar de modo que quem vem na marginal vê esse estupendo aparato, mas quem passa ou anda na praia e olha o mar o que vê a seus pés é só lixo...Lixo de toda a espécie que vem dar à praia e a areia repleta de objectos, os mais variados, nomeadamente plásticos e toda a espécie de detritos...
Perguntei-me a mim mesma quanto custaria a manutenção desse aparato exibicionista em comparação com a limpeza regular da pequena praia...

Pensei no Crude lá nas praias da Galiza e no “Prestige” dos homens (só se for da sua estupidez!)...E ainda no mais grave que é esta estranha alienação da humanidade, que por ganância de dinheiro e para dar nas vistas, dá prioridade ao supérfluo e deixa o essencial por limpar.

E assim vai o mundo, em que se constróiem “objectos” insólitos ainda que belos, mas deixa-se a praia e a areia e o próprio mar lá no fundo, como no fundo das nossas consciências citadinas, cheias de lixo e imundície...

Apetecia-me rezar e pedir perdão à Grande Mãe Natureza por tanta insanidade...


Paço d’ Arcos, 10 de Dezembro de 2002

quinta-feira, dezembro 12, 2002



E, quando tu te encontras abatido, se é o caso, pede ao teu Eu Superior para mostrar a Rosa do teu coração. Para mostrar o compasso de abertura em que se encontra o teu Ser Psíquico. Em que se encontra a força da Alma, abrindo-se nas trevas da velha história, tal como Ela se encontra saturada no nosso código genético antigo. Pede isto! Pede para ver a abertura da Flor! Pede para veres-te a ti mesmo como o Pai te Vê! Pede este olhar! Pede a lavagem do antigo olhar e pede este dom! Pede o dom de te veres como o Outro te Vê! E aceita. Aceita essa travessia que a Energia Pura, vinda dos níveis superiores de consciência está realizando em nós. Como nós temos dito, torna-te plástico ao ponto de que, cada traço que a Energia produza dentro de ti, não seja apagado. Não seja dissipado.



PORTUGAL SOL

Este Raio, como nós temos dito, está preparando doze pontos no planeta, que são os doze principais ancoradores da sua Energia. Isto é, esta Energia Superior, ao mesmo tempo que se prepara, num grau, para beijar, para sobrevoar, para transformar toda a humanidade, Ela começa por doze epicentros em todo o planeta. Isto é, o Cristo, ao chegar à atmosfera, porque vocês não esperam que venha um Ser, uma Mónada... não é assim... O que vem é o próprio Divino, sob a forma de um Raio! O que é um Raio? É uma Mónada que liga planos entre si. Um Raio é o próprio Uno, projectando-se para fora do seio da transcendência e cavalgando ao longo dos planos, até ancorar na dimensão onde Ele pretende actuar. Um Raio é isto. É uma acção dinâmica, pura, do Divino. Não é uma ideia. Não é uma identidade. Não é um ser, no sentido comum. Um Raio é uma ejecção do Divino. E é tremendamente dinâmico.
E este Factor, esta nova Presença do Divino na Terra, que teve que se recolher, porque a lente da consciência colectiva não permitia a sua presença, (Ele teve que se recolher e retornar em grande parte...) deixou uns fios, como nós temos visto. As escolas de Mistério são pequeninos fios que ele deixou. Mas o Divino não existe para escolas de Mistério! O Divino existe para a transformação planetária! Para a tracção do Planeta até à Luz!

E este Factor, este Raio, ao se aproximar da Terra, Ele sofre uma defracção em doze Energias. Nem sequer sabemos se são exactamente os doze Raios como um todo. Ele sofre uma defracção em doze pontos. E essas Energias estão preparando Embaixadas! Quando as pessoas dizem, “Vamos fazer um centro Espiritual em Portugal!” Não se faz Centro Espiritual em Portugal! Portugal é um Centro Espiritual! Do Norte ao Sul!
E este povo não resolve o seu problema de identidade, este povo não ganha clareza, enquanto funcionar apenas como uma entidade sócio-política! Enquanto o diálogo entre os seres estiver no nível reivindicatório! No nível entre classes, no nível... eu não sei!... Nem vamos entrar por aí. A situação, nesta zona do mundo, resolve-se quando as pessoas baixarem os brinquedos, pousarem os brinquedos e mergulharem realmente na bacia Psíquica, na bacia da Alma desta região!... E, aí, Portugal é um Sol! Deixa de ser uma Lua, que é o que ele tem sido, e passa a ser um Sol! Isto é, Portugal é Lua, no plano físico, no plano emocional, no plano mental, no plano intuitivo... ele é Lua nisto tudo. Portugal é Sol no plano Espiritual! É aí que se encontra o Vórtice Irradiador! Por mais que eu invente nos outros níveis, não funciona. Porque, não foi para isso, que a Engenharia Planetária gerou esta região e gerou este país.




Esta zona foi gerada para irradiar a partir do Espiritual! Do Espiritual para baixo, Portugal é passivo. Do causal para cima, no plano Espiritual, existe um Sol, que faz ressonância com o grande Sol do Peru, do lago Titicaca, na Bolívia. Há um Sol colocado nos planos profundos deste país e que funciona como um cone e que abrange, no primeiro nível de acção, toda a região central de Portugal. Toda a região central está dentro desse Coração, desse Íman, desse Magneto! E depois, por camadas sucessivas de acção, cada vez mais indirecta, até ao extremo Norte e ao extremo Sul, incluindo uma boa parte do Atlântico. O ser lúcido, que está trabalhando nesta zona do mundo, tem como serviço, unir-se à parte dele que está nessa quinta dimensão, ao seu Espírito, à sua Energia Pura! Sem nome. Sem forma. Sem embalagem. Sem título. Sem currículo. Sem workshop. Sem… É com a Energia Pura que ele tem que fazer o contacto!
E uma vez aí, à medida que Eles vão ligando vários núcleos que já estão fazendo este trabalho no país inteiro, o Sol, que está no quinto plano (reparem: não é uma coisa que eu possa ir lá fotografar... está no quinto plano...), esse Sol, que é a Identidade Espiritual, é Entidade Pura, que rege a membrana telepática desta zona do mundo e que deverá fecundá-la na sua descida progressiva nos próximos anos, e fazer com que essa membrana, esse tímpano telepático que Portugal guarda, (vejam como passámos da luz para o acústico...), comece a soar para todo o Planeta! Comece a produzir uma ondulação que se espalha por toda a mente colectiva!



Mas o Sol, isto é, o que este país é nos Planos Internos, está lá no quinto nível. E é como um gongo, meu irmão! É um Espelho! Um Espelho que reflecte directamente a tal Vida Supraplanetária! É um Espelho que reflecte, directamente, essa Ave livre de condicionamentos, que é a Grande Vida! É um Espelho, cuja fulgurância, nós não concebemos ainda. E esse Espelho que está nesse quinto plano, Ele é um fecundador da membrana telepática, que está no plano intuitivo - no quarto, preparando-se para se plasmar na consciência colectiva.

Há os países programados, aquilo a que se pode chamar um país encomendado. Portugal é um país encomendado, por Bernardo Claraval. Bernardo Claraval, fundador da ordem dos Templários escreveu uma carta a D. Afonso Henriques e disse: Olha, vê lá se fazes um país aí, porque nós precisamos de um país aí, daqui a uns séculos... então vai fazendo um país aí... A carta existe. Bernardo Claraval encomendou o país a D. Afonso Henriques. Para o bem e para o mal, não sei...
E esse Sol é um dos Vórtices de iluminação que se encontravam visíveis nos Templos de Ascensão da Atlântida. Na Atlântida, existiam eco-sistemas energéticos no coração das cidades, onde era possível assistir à Ascensão daqueles que viveram o processo Atlante integralmente, antes de haver uma corrupção do processo. E, o que era guardado no coração desses eco-sistemas energéticos, é aquilo a que se chama, em alguns ambientes, a Chama da Ascensão. Uma Presença Energética, capaz de inverter a polaridade da matéria densa, da matéria subtil e da matéria mental. E fundir tudo isso em Luz. Transformar tudo isso em Luz.



Esta realidade, a Chama da Ascensão, existia em vários pontos do Planeta. E era regida por uma Ordem específica. E quando se deu o colapso, que não nos interessa propriamente estudar, porque é um assunto esgotado, num certo sentido, certos Grandes Seres trouxeram esses Sóis, esses Discos, para pontos, outros, do Planeta. E como esses Discos são como saltos quânticos autoconscientes, saltos quânticos governados pela consciência intrínseca desses Sóis (vocês podem chamar-lhes um buraco azul. Há os buracos negros... - é como um buraco azul, um Vórtice de Ascensão.), esses Sóis foram levados para outras regiões do Planeta e guardados. Alguns forma levados para o Egipto, para Luxor. Outros foram levados para o Peru, outros foram levados para o Tibete, outros foram para o Espaço, outros foram entregues de novo à Confederação Intergaláctica e assim sucessivamente.

Um dos Discos principais foi guardado nos Planos Ocultos da Península Ibérica. Não nos preocupamos, aqui, com questões geográficas, porque nós não sabemos qual era a Geografia da altura. Mas em termos de coordenadas Norte-Sul, Este-Oeste, há uma longitude e uma latitude. E um dos Discos principais, uma das entidades Regentes da conexão entre a Terra e o Cosmos, - não é um Mestre, eu não estou a falar de um Mestre, não estamos a falar de uma Hierarquia, não estamos a falar de sacerdotes, não estamos a falar de guias Espirituais, nós estamos a falar de um salto quântico pilotado de um buraco azul. Estamos a falar da Chama Viva do Divino. Aquilo a que as lendas judaicas chamam a Shekhina. A Presença Divina.


Encontros de Belém - André

quarta-feira, dezembro 11, 2002



UM ANO DEPOIS...

Depois de tantos dias em mudanças e sem Internet, regresso hoje, precisamente um ano depois, como por acaso, na nova casa acabada de instalar a NetCabo, nem há cerca de uma hora...

Aqui estou de novo e com muitas saudades de toda a gente com quem troquei impressões e mensagens e muito especialmente agradecida à Ana Maria Gonçalves que faz hoje um ano me apresentou esta página para eu expandir os meus sonhos e ideias...

Obrigada Ana e obrigada Brasil, pois é do Brasil que mais recebo carinho e interesse.


Que melhor recomeçar do que com um "Fausto" de Pessoa?

Em diálogo sobre o AMOR...



Maria:

Amo como o amor ama.
Não sei razão para amar-te mais que amar-te.
Que queres que digas mais que te amo,
Se o que quero dizer-te é que te amo?
Não procures no meu coração...

Quando te falo dói-me que me respondas
Ao que te digo e não ao meu amor.
Quando há amor a gente não conversa:
Ama-se, e falas-me para se sentir
Posso ouvir-te dizes tu que me amas,
Sem que mo digas, se eu sentir que me amas.
Mas tu dizes palavras com sentido,
E esqueces-te de mim: mesmo que fales
Só de mim, não te lembras que eu te amo.
Ah, não me perguntes nada, antes me fala
De tal maneira, que, se eu fosse surda,
Te ouvisse todo o meu coração.

Se te vejo não sei quem sou; eu amo.
Se me falta, (...)


In “FAUSTO, FERNANDO, FRAGMENTOS...”


E AINDA PESSOA...

Ah, tudo é símbolo e anologia!
O vento que passa, a noite que esfria
São outra coisa que a noite e o vento –
Sombras de vida e de pensamento.

Tudo o que vemos é outra coisa.
A maré vasta, a maré ansiosa,
É o eco de outra maré que está
Onde é real o mundo que há.

Tudo o que temos é esquecimento,
A noite fria, o passar do vento,
São sombras de mãos cujos gestos são
A realidade desta ilusão.


Fernando Pessoa



"A CONSCIÊNCIA DA CONSCIÊNCIA"...


A CONSCIÊNCIA TEM FUNDAMENTALMENTE DOIS ASPECTOS:
UM É O RESULTADO DE COMPARAÇÕES,
O OUTRO É O RESULTADO DA IDENTIFICAÇÃO;
UMA É ORGÂNICA OU CEREBRAL, A OUTRA VITAL OU FUNCIONAL.


(...) Quando queremos passar do saber clássico (esta esclerose do génio) ao pensamento fecundo não nos basta a mecânica cerebral. Quando antes dizíamos, que devemos dirigirmo-nos necessariamente ao que constitui a verdadeira Magia, a Evocação, que há acordo ou desacordo na conecção das noções e das memórias, recorríamos a outro poder em nós mesmos, o que procede da nossa consciência inata, fonte do sentido da Harmonia. Este poder será, se for efectivo, a causa do Génio, do Pensamento criador, no sentido em que ultrapassa o conhecido, o classificado.

Não é esta consciência uma via nova, imposta ao decadente mundo actual, a que incita a arte a destruir o Ídolo de ontem para tentar a expressão irracional?
Busca-se a concordância de elementos de “sensações” esquecendo a sua conecção racional – desejando-se levar por inércia do hábito adquirido. Criam-se meios, imagens, formas que “evocam” um sentimento, uma emoção e provocam uma reacção vital. E a Arte é o arauto da mentalidade de uma época, o porta voz da tendência íntima.


A Inteligência do Coração, que estabelece a relação da Consciência inata com a observação do facto, é a Identificação.

Identificação significa viver com e no feito observado, sermos nós próprio o feito, experimentar e actuar, sofrer, alegrar-se com ele. Esta é a “Consciência Simpática” e não uma consciência subjectiva que a lógica pretende opor à Consciência objectiva. Sem dúvida, presta-se a confusões: a consciência cerebral se inscreve de maneira cerebral como acabamos de dizer e a Consciência inata inscreve-se na natureza dos organismos, ou seja, que o móbil da sua função é o impulso da sua necessidade, a Ideia o princípio de Harmonia. No ser humano, no animal superior, isto cria a emotividade.

Quanto maior é a sensibilidade emotiva, melhor se pode expressar a Consciência inata. Se o feito observado provoca uma “sensação”, uma reacção tipo egocêntrico, com que estamos ante a consciência subjectiva. Se o feito é observado por uma pessoa em estado de neutralidade, um estado impessoal, estamos diante da Consciência simpática. Daí todos estes problemas se resolvem numa cultura que implique um desprender-se do egoísmo e do domínio da parte mental ( do filme cerebral).

(...)

in “ESOTERISMO E SIMBOLISMO”

De: R.A. SCHWALLER DE LUBICZ




Durante este periodo verifiquei que a leitura foi assídua e fiquei feliz com isso...

Acho que depois de UM ANO e treze mil visitantes estou de parabéns!!! Não acham???