sábado, setembro 29, 2007

ENTRE O CÉU E A TERRA...E A MAR



Para o fim de semana, não tenho nada a acrescentar, excepto que chove... e eu gosto de ver e ouvir a chuva cair na terra...e o céu misturar-se com o mar...

E deixo-vos com este rosa choque...

sexta-feira, setembro 28, 2007

É PRECISO RESGATAR A MULHER SELVAGEM

Ó minha Mãe Selvagem, põe um feitiço.
Na minha boca, uma praga e no meu coração
palavras mágicas.

Abre-me a cortina da tua Sabedoria Eterna
E deixa que numa dança envolvente, no meu ventre,
Eu diga bem alto aquilo que a minha alma sente!

Se for preciso rasga o meu peito com as tuas garras!
E como a grande parteira dos tempos
Faz com que dele nasça a palavra ardilosa
Que cure e traga as mulheres que de ti se perderam
E voltem à tua casa, ó Feiticeira poderosa.

Deixa que busque e encontre mulheres feridas de morte,
Como cadelas abandonadas e as jovens violadas,
As velhas solitárias e desprezadas, as mães maltratadas,
Por bestas e ogres...

Ó minha Mãe Selvagem, antes que prossiga a viagem,
Eu preciso da marca do teu poder na minha fronte...

Grava bem a ferro e a fogo o sinal da tua força indómita!
Dá-me Asas ou uma vassoura para correr os ares...
E garras iguais às tuas para fazer imperar a tua vontade!

rlp - variação de um poema não publicado


UMA DEUSA GATA



Uma gata ou uma mulher com cabeça de gata simbolizava a deusa Bastet e representava os poderes benéficos do Sol. Seu centro de culto era Bubástis, cujo nome em egípcio — Per Bast — significa a casa de Bastet. Em seu templo naquela cidade a deusa-gata era adorada desde o Antigo Império e suas efígies eram bastante numerosas, existindo, hoje, muitos exemplares delas pelo mundo. Quando os reis líbios da XXII dinastia fizeram de Bubástis sua capital, por volta de 944 a.C., o culto da deusa tornou-se particularmente desenvolvido

bastit a deusa gata...


(...)

Ah! Era dourada a sua imagem e, como os teus

os seus olhos brilhavam doces na alvorada...



Outras vezes íamos ver Shekmit, evocar a deusa Bastit,

a quem me ensinavas a amar nas noites de luar.

E como a gata do templo, tu dançavas e esvoaçando as tuas vestes

deixavam antever o teu corpo nu de estátua.

E eu extasiada pela tua visão, não sabia se eras tu

ou a própria deusa incarnada quem para mim dançava.



Nesse tempo era feliz !

Amava a vida e a terra ainda era sagrada.



rosa leonor pedro

IN antes do verbo era o útero

SHEKMET


"Eu queimo e solto fogo
e arremesso dardos dos meus olhos
Eu estouro e rujo
minhas arestas são afiadas
e eu corto fundo
minha energia é forte e fogosa
e meu desagrado
tem de ser manifestado.
Embora algumas vezes eu seja gentil
posso ser muito emotiva.
Uma vez provocada
sou difícil de descartar.
Sou sempre adequada
sempre necessária.
Não tente livrar-se de mim.
Preciso ser reconhecida e ouvida.
EU SOU A RAIVA."

IN paginas.terra.com.br
DEDICADA Á CRISTINA...

EI-LA A DEUSA LEÃO

Cristina deixou um novo comentário na sua mensagem "FORÇA JULIANA!!!":
Temos (as mulheres) ou não temos poder?
Temos.(umas têm consciência disso, a maioria não)
Servimo-nos ou não desse poder?
Servimos.(isto é algumas, as que têm consciência que têm poder)
E servimo-nos dele sempre como a doce Bastet?
Ou quando a injustiça e a afronta é grande, somos Shekmet?

Shekmet a poderosa, é justa.
Só castiga os que merecem ser castigados.
Com palavras ou com pensamentos e se preciso com acções.
Ai de quem afrontar:

Andei a colar cartazes com a declaração dos direitos dos animais. Sei que alguns animais os vão ler, nomeadamente aqueles que encurralaram 10 gatos.
E vai valer tudo: palavras, pensamentos e acções.

Queira desculpar Rosa se as minhas ideias têm uma pitada de agressividade.
Não quero de modo algum que perturbem ou reduzam em nada, a Harmonia e a consequente Paz.

Espreitei a Lealdade Feminina. Gostei e aquelas ideias não são em nada malucas.

Bom dia Mulheres e Deusas(e Guerreiras?)

Abraço carinhoso e eterno como a Mãe

Cristina:
Não a achei nada agressiva e gostei muito da evocação a Bastit e Shekemit...as duas faces da Deusa da Natureza e da Mulher. A mulher deve usar as suas faces em tempo certo e fazer justiça. Ela é ainda Maat a deusa da equanimidade de cujo símbolo a justiça dos homens se serviu mas estes vendando-lhe os olhos...justamente o que fizeram às mulheres. Por isso a sua justiça é falsa e absurda. Falta-lhe a dimensão do coração o único que pode julgar com verdadeira justiça!

a nostalgia da natureza

A LUA ONTEM AINDA ESTAVA MAGNÍFICA...
Tenho pena de não ter a antiga liberdade de pernoitar ao luar...de não ter essa liberdade de estar sózinha de noite na praia mesmo em frente da casa por medo sei lá de quê...Tanta suposta liberdade na violência e na agressividade, na porngrafia, na exposição absurda das coisas supérfulas, mas as coisas pequenas do sentir e do ser, no desfrutar da vida e da natureza ser quase impossível...se calhar, não só para uma mulher. Mas que estranho seria uma senhora andar na noite na praia sòzinha ao luar!...

Que saudades eu tenho dos tempos idos e dos templos pagãos e das deusas e da sua soberania...
Que saudades eu tenho da Natureza Mãe e da liberdade de me banhar no mar livre e encontrar um golfinho...
Posso dizer que os homens continuam escravos de si mesmos na sua ignorância e violência, mas digo que as mulheres foram escravas até de escravos, e hoje ainda sujeitas às perseguições abusos e violência masculina...
Será que ainda existem lugares de paz e de confiança na Terra? Sem ser, claro, os espaços fechados e isolados de turismo, falsos paraísos, onde as pessoas se refugiam durante as férias das prisões do trabalho e da cidade, da rotina. Onde os indígenas e indigentes não entram e são afastados por guardas armados?

Que liberdade é a nossa apenas garantida pela polícia? Onde chegamos nós? Para onde vamos...

quinta-feira, setembro 27, 2007




Oh
brilha para dentro de mim
Acende teus luzeiros em meus olhos
Ergue teus braços oh prenhe de tudo
Oh vaso
Oh via láctea de nos amamentares com teu leite
de sombra
Oh úbere e pródiga
Aleita tua ninhada faminta
Grande fera luzidia
Grande mito
Grande deus/a* antigo/a
Oh urna onde todos dormimos

ANA HATHERLY
* no poema está deus e eu espero que a autora me perdoe...

a inveja do útero e...dos seios!

Juliana deixou um novo comentário na sua mensagem

É infelizmente uma evidência da inveja do útero... a inveja do pênis obviamente só existe na cabeça dos homens, assim como a inveja do útero, do poder de gerar a vida através de si mesma... uma coisa que nenhuma evolução científica pode alterar... as mulheres podem gerar vida sem a presença física do homem, basta um único espermatozóide, mas os machos nunca poderão prescindir do útero de uma fêmea...

Enquanto que as outras mulheres, as médicas e as enfermeiras, não lhes podemos atribuir essa mesma inveja do útero... aqui o problema é da falta de consciência da mulher de si mesma, e das outras mulheres, suas irmãs... é a falta da LEALDADE FEMININA e do amor fraternal que em tempos uniu as mulheres numa rede de solidariedade, hoje subjugados por valores patriarcais, que desvalorizam tudo que é feminino, até o ato mais do que sagrado de dar a luz a um novo ser...

LEALDADE FEMININA JÁ!!!

Nesta linha Juliana, essa inveja do ùtero ou o ódio inconsciente à fêmea previligiada, leva muitos médicos a tirar o útero à mulher sem qualquer problema de consciência muitas vezes, só para prevenir contra o cancro...
Quando as mulheres têm maior incidência de cancro que os homens, para além do seu sofrimento inerente ao facto de serem sistematicamente desvalorizadas e sobrecarregadas, pelas atrocidades que a medicina e a ciência, usando-a como cobaia, desprezando o seu corpo e a sua natureza complexa...

Não é só "a estética" o que mutila o corpo da mulher a seu pedido (sacrificam-se as mulheres ao bisturi pelo conceito de beleza vigente e valor reduzido à sua aparência) influenciando-as através da propaganda médica e outras, mas as invenções das pílulas de toda a ordem que afectam a natureza e os ciclos lunares da mulher. A sociedade patriarcal e falocrática faz tudo para anular a mulher no seu potencial. Agora é a vacina a jovens mulheres para evitar o cancro e nós não sonhamos o mal que essa vacina nos faz...e a outra, já permitida nos EUA, é para acabar com a menstruação para tornar mulher mais "limpa" e menos chata...

Essa vacina para mim é mais um meio químico com fins ocultos (que los hai hai...eh! Cristina) a fim de CALAR A VOZ DO ÚTERO!!!

Claro a mulher que é um autómato e um fantoche do homem cai na armadilha e tudo o que se pretende "politica e socialemnte é ACABAR com a Deusa e a Bruxa que há em cada uma de nós e nada como começar bem cedo através do medo do cancro nas jovens mulheres...é preciso alertar as mulheres deste horror...e não permitir que as nossas filhas e irmãs e sobrinhas optem pela sua destruição.

É preciso acabar com o poder interior da mulher reduzindo-a a uma marioneta! Nada melhor do que esvaziá-las das suas entranhas a começar pelo Útero!

A CONSCIÊNCIA DO FEMININO ESSENCIAL É URGENTE E ESSE É O NOSSO COMBATE: LUTAR interiormente PELA NOSSA CONSCIÊNCIA DE DEUSAS E MULHERES, PELO SAGRADO FEMININO!
Não é contra ninguém mas por nós e em nós que a revolução se opera alquimicamente, e devemos faze-la por todas as mulheres que sofrem e foram e são maltratadas no mundo inteiro! rlp

terça-feira, setembro 25, 2007

curiosidades virtuais...

FICHA DE AUTOR


CHU YONG, ROSA LEONOR

Títulos digitalizados:
Desarrollo y evolución de la cirugía laparascópica en el Instituto de Salud del Niño (2004)
Correo electrónico:
rchy@123.com

Ao fazer pesquisa através do meu nome encontrei coisas curiosas como uma espanhola? que tem um apelido chinês? e se chama como eu rosa leonor...

Também encontrei um "poema" meio pornográfico que me parece ser dedicado...(Rosa Leonor pela verdura...) e não sei o que terá irritado tanto em Mulheres & Deusas o homenzinho que escreveu isto...só que no fim não posso garantir que afinal não seja dedicado à Chu Yong...rosa leonor! Também escritora, e pelo que me parece especialista em cirurgia...Também encontrei alguns senhores com o apelido de rosa leonor...portanto quanto ao dito poema que é uma variação pornográfica de Camões também pode estar a ser dedicado a qualquer destes nomes...
Eu, por mim juro que não o conheço nem lhe fiz mal nenhum!!!
(e também não tenho a mania da perseguição...)

O PODER DO AMOR...E DAS MÃES!


(...)
"A Economia Feminista tem não só conseguido tratar um conjunto de novos temas para a teoria económica como o trabalho doméstico ou os cuidados prestados aos mais novos e mais velhos, como também tem reconfigurado conceitos antes consensuais entre os economistas. Ao dar visibilidade ao papel das mulheres na economia, esta corrente serve um claro propósito político emancipatório. E já deu resultados. Domínios tão importantes, como são as políticas de desenvolvimento, integram hoje explicitamente as questões de género.
Finalmente, como exemplos (aleatórios) desta corrente, temos economistas como Julie Nelson, Nancy Folbre ou o Nobel da Economia Amartya Sen.
Para saber mais vale a pena passar por aqui.
Publicada por Nuno Teles em: http://ladroesdebicicletas.blogspot.com/
Sem dúvida que as mulheres têm mais noção de uma economia humana e universal do que os homens...
Pudessem As Mães governar o Mundo e veriamos a diferença...
Duas coisas lhes garanto: não haveria guerra nem fome...

"Tudo pelo futuro e nada a esconder"


"Gretkowska e mais seis apoiantes do seu partido mostram que não temem o clima de caça às bruxas (e bruxos). Já vi coisas mais elaboradas. Mas a loucura que tomou conta do poder na Polónia merece isto mesmo. Elas têm 3% nas sondagens, mas os polacos ficam a saber que são livres e querem continuar a se-lo."
in ARRASTÃO
Vencer seja o que for, desta maneira não...estes são certamente os atributos únicos que nos concederam os homens, e admito que as mulheres na Polónia queiram lutar com as armas que a sociedade comunista lhes legou...mas não é por aí que as mulheres vão chegar ao SEU Poder, o Poder da Deusa...
Não que o corpo não seja sagrado e que a nudez tenha alguma coisa de irrepreensível, mas não é como meros objectos sexuais que lá chegaremos.
Espero que este não seja o futuro das mulheres na Polónia nem em nenhuma parte do mundo. Porque o corpo da mulher só por si, sem Alma, e sem a Consciência plena da sua totalidade e o Amor inerente ao seu Ser profundo, não será nunca a imagem verdadeira de si própria.
Só a Mulher Inteira, Senhora de si mesma e consciente do seu poder intrínseco poderá conquistar o lugar que lhe foi usurpado pelo poder patriarcal.
Só a dimensão do Sagrado Feminino poderá dar à Mulher o dignidade que perdeu ao longo de séculos de exploração, abuso e descrédito.
Estas mulheres não vão mais longe do que qualquer mulher o foi dentro dos sistemas falocráticos...Sujeição ao poder e submissão ao homem e aos seus valores.
A dessacralização do corpo da mulher, o abuso da sua imagem e do seu corpo nu pelos Cinema e Media em geral está na origem da violência sobre a mulher.

calam-nos...


Igaci disse...

Rosa, em todas as esferas o que se quer é calar a mulher. Privá-la do diálogo, do questionamento, mantendo-a dócil em seu lugar. Na moda, calam-nos com a preocupação exagerada com a vaidade e o corpo incutindo desde cedo que o nosso maior bem é o nosso físico.


Calam-nos nos dizendo que somos misteriosas, impenetráveis, insondáveis, adjetivos que só servem para nos caracterizar como diferentes e impossíveis de se entender: "Não adianta saber o que querem as mulheres, pois são misteriosas..."

Calam-nos quando nosso corpo é mostrado em revistas, em vídeos e em todo lugar como mero pedaço de carne.

Calam-nos quando renegam os nossos processos naturais, nosso ciclos que são sujos, fedidos e que a todo custo tem que ser escondido e só mencionado quando precisam vender desodorantes íntimos, absorventes ou drogas.

Calam-nos quando reinvindicamos divisão dos trabalhos domésticos, e por ousarmos levantar a voz, somos acusadas de loucas, de histéricas em constante estado de tpm.

Calam-nos em nossa espiritualidade, pois em todas as religiões somos meras coadjuvantes e seguidoras, nunca as líderes, as guias ou as mestras...

Calam-nos com a violência sobre os nossos corpos e a impunidade dos agressores.

Calam-nos em todas as esferas e de todo jeito.


E só mesmo a nossa união e conscientização do ser feminino é que nos libertará disso tudo. Como disse a Juliana, uma grande fraternidade de mulheres irmãs e unidas pelo amor e amizade.

Um grande abraço, Igaci.
Pois é Igaci, quem me dera acreditar que um dia as mulheres formarão UMA GRANDE UNIDADE...Sonho com isso, e talvez ainda possa ter esse prazer de ver um dia essa força das mulheres com Voz activa e a construir um novo mundo...rl

A DESUMANIZAÇÃO DOS MÉDICOS...

A POSIÇÃO ABSURDA A QUE A MULHER É EXPOSTA:
SÓ PARA CONFORTO DOS MÉDICOS...

(...) "esta é mais uma situação em que se faz o possivel por "calar" a independencia da mulher... numa altura em que mais que nunca, por ela e pela nova vida que vem por ela, importava que viesse bem, com uma mãe tranquila e dona das suas sensaçoes e do meio que a rodeia.
Mas no execravel parto de maternidade muitissimas vezes é rigorosamente o oposto que se passa...

Como sempre digo, a posiçao antinatural da foto, que dificulta o trabalho da mãe e compromete o bem estar do bebe apenas é confortáve p/ medicos e enfermeiros...

Pode ser uma posiçao aceitavel p/ um exame genecologico, mas nunca para um parto!(http://www.paisefilhos.iol.pt/artigo.php?div_id=3627&id=785644)Marian

(...)
o jornal de hoje (sic. noticias - 21h) trazem a noticia de uma parturiente que morreu após dois dias em trabalho de parto!

Um trabalho de parto de 2 dias é uma mortandade...

E estranho especialmente para uma não-prímipara -já era mae de 2 filhos.

Segundo o pai, ele foi o parteiro já que as enfermeiras apenas se passeavam enquanto ele lá esteve entre as 18/22h...

Torço para que seja feita justiça. São muitas as mulheres que morrem vitima de incompetencia medica na hora de dar à luz...

Oxalá me engane mas pelo extracto social que me pareceu pertencerem, este deve ser mais um homicidio por negligencia profissional que fica sem castigo.

A par de profissionais de competencia -e sentimentos exemplares, a classe medica precisa de ser expurgada de maus profissionais a todos os niveis que quando chega a hora de matar têm a cobertura -sempre, da Ordem.

A mesma Ordem que aplica sanções e suspensões ridículas face à extensão de danos praticados...

Até quando estas mortes inuteis e até quando estes procedimentos impunes?

««««««««««««
O Aborto A PEDIDO da mulher era crime, mas a negligência médica e a desumanidade das enfermeiras é natural...

sábado, setembro 22, 2007

A MULHER FILÓSOFA


A AVIDEZ DO OUTRO
“A avidez do “outro” podia ser a forma mais benévola de mencionar a inveja. E chama mais a atenção o termo “outro” do que avidez, que é o substantivo, o sujeito. O que aqui se destaca adquirindo uma especial substantividade, é a referência ao “outro”.
(...)
A avidez pelo outro podia ser igualmente a definição do amor. Sem que possa ser nota distintiva o tormento produzido pela inveja, porque o amor, segundo as queixas dos que padecem, é tormento em sumo grau e, como a inveja, tormento que se alimenta a si próprio. Amor e inveja são processos da alma humana em padecer não produz qualquer atenuação; o padecer é o seu alimento.
A mesma definição, “avidez do outro”, parece adequar-se a este par de contrários que são inveja e o amor. A ambivalência do mundo do sagrado torna-se manifesta como sempre. E esta ambivalência é que precisa ser interpretada.
A avidez é própria de algo que precisa de crescer, crescer ou transformar-se, deixar de ser o que é; algo que se encontra num grau transitório, algo que é esboço do ser. Não sente avidez aquilo que tem entidade e repouso. A avidez é o chamamento no que ainda não atingiu o ser, e tende de alguma forma a adquiri-lo.
(...)
Avidez do “outro”, comunidade de amor e inveja, pelo menos num primeiro sentido, pois muito cedo no amor “o outro” se transforma em um. A inveja, em contrapartida, mantém obstinadamente a alteridade, sem permitir-lhe que toque na pureza do um.
E ao manter o outro, cresce a avidez que chega ao frenesim. O possuído pela inveja não pode renunciar a esse outro. Não há dúvida que no mais íntimo da sua vida, algo acontece que o mantém ligado a esse outro, estranho e mais eu que o seu próprio eu. Não se verá o invejoso a si mesmo a viver nele?
(...)
Mas a diferença entre a inveja e o amor parece estar na visão: o amor vê o outro como um; a inveja, como a que poderia ser tanto um como outro.”

In O HOMEM E O DIVINO - Maria Zambrano

««««««««««««««««
Tenho a acrescentar duas coisas:

Uma: não me parece que a inveja seja um oposto do amor, se do amor consistir o desejo...

Desejo que em francês do latim, quer dizer inveja - envie - com algumas nuances entre invejar desejar e ter ciúmes de ...

A outra: que a filósofa diga "O Homem e o Divino" e não diga O Ser Humano e o Divino...

MÁSCARA DE FERRO

CRIAÇÃO de CARLOS DIEZ defile de Primavera-Verão de 2008...
Palavras para quê perante esta evidência, de um desejo inconsciente de mais um qualquer estilista gay, que usa e abusa da imagem da mulher para a calar...ou deformar, consoante o seu complexo pessoal, da sua inveja (não do pénis, claro) ou do seu ódio particular à mulher...

Só isso explica a vontade tácita de amordaçar a mulher simbolicamente...e não é isto que mais ou menos ainda todos os homens querem?

Estes e outros "pequenos" pormenores da Moda, a que a própria mulher deformada e alienada do significado da sua própria vida e natureza, que persegue a fama e o sucesso no mundo dos homens que lhes és óbviamente hostil, obedece fielmente a estes padrões que veiculam por todo o lado...de forma subtil e "artistica", na moda, na publicidade e nos Midea em geral.

Assim, porque não há-de o homem quando se enfurece ou lhe apetece, deitar água a ferver à cara da mulher, espancar as irmãs ou apunhalar a garganta da namorada? Isto só para falar de Portugal nestes últimos dias...

Porque em África o processo de "animalizar a mulher" e a destruir é mutilá-la logo no início da puberdade, ou mesmo mais cedo...

"Tudo começa quando uma rapariguinha se aproxima da maturidade: é drogada e submetida a mutilações na presença do grupo familiar. A operação é praticada por uma mulher mais velha com a ajuda de uma lâmina de bambu. Consiste no corte do hímen à entrada da vagina e separação dos lábios, expondo completamente o clítoris. De sublinhar que o peso da tradição é tal que as mulheres têm dificuldade em relacionar a excisão com as suas consequências para a saúde e a reprodução, afirma a fonte..."*

Mulheres assim já não constituem qualquer perigo para os homens da selva...

quinta-feira, setembro 20, 2007

HOJE SINTO-ME ASSIM...

TRISTE, poi não sei como é que vou deixar a minha gatinha (nem onde)
durante a viagem ao Egipto...
Acho que ela já está a ficar inquieta quando eu saio...
Como não posso por agora um foto dela, encontrei este olhos que me olham assim...




"GATO QUE ME FITAS COM OLHOS DE VIDA,
(...) "guarda-me" LÁ NO FUNDO" (F.Pessoa)

...mudamos de cor como um caleidoscópio...
ou como um arco - íris ao sabor do sentir...

Também sou capaz de subjectivides...

Cristina, Marien e Juliana:

Obrigada pelos conselhos e disponibilidade. Na verdade parte-se -me o coração de me afastar tantos dias deste ser tão íntimo, tão mais íntimo que qualquer pessoa...Sinto e sei por um qualquer mistério que os gatos estão em permanente telepatia ou fusão energética connosco pois essa é a sua natureza e função. Se os humanos soubessem o quanto estes seres felinos e majestosos são preciosos nas suas vidas, na sua cura, na sua serenidade...eles seriam venerados como o eram no Egipto...
rl

É BONITA É FEIA, tem rugas ...JÁ É VELHA


Uma velha senhora anónima, pensando...
Anónimo deixou um novo comentário na sua mensagem "Como as mulheres são tratadas pelos Midea...":


Será porque são encaradas básicamente em termos de utilitarismo sexual?! e não por sua actuação social?Incrivelmente, há pessoas do género feminino em destaque na politica que são avaliadas p/ homens - e umas quantas mulheres escravizadas a um certo pensar misógeno, em termos de: é bonita, é feia, tem rugas, "já" é velha...(mas "já" é velha, para quê?!) e a verdade é que os homens regra geral nao são avaliados deste modo infinitamente imbecil...
Noutro plano social, há uns anos atrás as maiores atacantes da Camila do badalado trio carlos/diana/camila eram mulheres... e o maior e mais violento argumento que usavam, comportamentos morais à parte, era: "a Camila é feíssima!!!"Deixei uma quantas criaturas gagas de indignaçao quando respondia a esses comentarios de ocasiao: "óptimo, ele tambem! ficam adequados e equilibrados e no seu estilo fazem um casal estéctico". Aí viravam-se para a parte moral sempre com a conta toda do lado da Camila ,of course! mas aí, eu demarcava-me. Pura e simplesmente não tinha nada com isso.

A surpresa absoluta que muitas/os demonstraram por eu julgar da beleza (algo evidentemente extremamente subjectivo) do Carlos em plano de igualdade com Camila, nunca me esquecerá. Hoje em dia já se fala da beleza masculina com algum a vontade mas anos atras parcia ocorrer a poucos...Marian

A MULHER e as rugas...


Anónimo deixou um novo comentário na sua mensagem "Como as mulheres são tratadas pelos Midea...":

Ridicularizam e julgam para colocar a mulher no seu lugar. Debocham para deixar claro que ela não tem capacidade para reinvindicar estar ali e julgam para questionar quem ela pensa que é para desejar estar ali. Se há uma coisa que o patriarcado faz e fez bem, foi educar a mulher para acreditar que ela é apenas uma mulher. E quando alguma se destaca, todos os olhares se voltam para ela, para que todas nós sntamos o quão estranho é ver uma mulher naquela posição. Ela é então autopsiada publicamente: ampliam os seus supostos defeitos e dissipam suas qualidades.

Tudo com muito bom humor ou com uma aura de imparcialidade como se estivessem apenas analisando uma pessoa e tentando abafar uma mulher.

Um grande abraço, Igaci

MULHERES PASSIVAS E CORDATAS...


Anónimo deixou um novo comentário na sua mensagem "Como as mulheres são tratadas pelos Midea...":

Somente quando uma mulher se torna uma ameaça ao poder masculino ela se torna alvo fácil de tudo e mais alguma coisa... Se ela é uma boa menina, bem casada e de respeito, submissa fiel, deprimida e sem auto-estima ela é uma santa... se ela é uma boa menina, safada e carente, deprimida e sem auto-estima, ela é uma puta... as duas esaão na midia, nas novelas, no cinema, essas são usadas pela ideologia patriarcal, quer sejam muito santas ou muito putas, elas estão a serviço deles...

Mas se é uma mulher que levante a voz, e que tenha as suas ideias... ai ai ai... e se ela tem poder, se ela ameaça, então tem e ser tbm muito forte pq la vem chumbo grosso... é a fogueira aí queimando... Mulher inteligente, independente e psicologicamente livre... não espere a vida fácil, pois as mulheres e homens patriarcais tem medo, e esse medo é uma arma tbm...

Vamos ao bom combate...

a violência contra o corpo da mulher...


texto de Ana Matos Pires (in 5 dias - http://5dias.net/)

"Todas as noites faço a ronda rápida de final de dia pelos títulos da imprensa escrita que tenho na minha lista de favoritos. Ontem, quando entrei no Portugal Diário, dei com a notícia da morte da rapariga de 20 anos, estudante de Engenharia na Universidade de Coimbra, por “razões passionais” (odeio esta expressão!). Aqui ficam os dois últimos parágrafos do texto: “Em pouco mais de uma semana este é o terceiro homicídio passional. Esta quarta-feira, no Pragal, Almada, uma mulher de 50 anos morreu depois de ter sido atingida por três tiros alegadamente disparados pelo marido, na segunda-feira.
No passado domingo, nos Açores, a PJ deteve um homem de 29 anos por suspeita de ter provocado a morte da mulher, de 34 anos, depois de agressões graves e de «habitualmente a espancar».”
De acordo com a Amnistia Internacional, entre Novembro de 2005 e Novembro de 2006 morreram 39 mulheres em Portugal.(...)


COMO SALVAR A MULHER DA BARBÁRIA PASSIONAL?


NA UNIÃO DAS MULHERES BASEADA NA SUA UNIDADE INTERIOR...



a Juliana deixou um novo comentário na sua mensagem "vive la france...":


O pior espetáculo do Patriarcado é realmente este onde as mulheres lutam contra as mulheres... enquanto eles riem e dão baforadas no seu charuto...Só a conscientização da própria mulher de si mesma e de sua feminilidade e da outra mulher, sua irmã... só quando as mulheres se reencontrarem numa fraternidade, mães e filhas, sogras e noras, esposas e amantes, patroas e empregadas, ou seja, qdo agirmos politicamente(num sentido amplo, apartidário) em todos os setores da vida, privada ou social, a favor da mulher, só assim mudaremos qualquer coisa... só com muito amor e muita luz, pra curar as feridas de todas nós treinadas na competição umas com as outras... com a crítica seja a roupa, as rugas, seja o que for... Nunca será o homem a fazer essa mudança, essa mudança é feita por nós, mulheres, e é através do amor... não vejo outro caminho...

Que a Deusa nos ensine a amar mais as nossas amigas e irmãs... e assim, a mulher vai ser livre na sua fraternidade, na lealdade feminina... e eu espero viver isso um dia de forma mais concreta do que vivo hoje...


Por isso seu trabalho é muito importante RosaLeonor... foi vc que me ajudou a abrir a minha consciência para esse lado, e há muitas mulheres por aí, querendo essa conscientização mas não sabem... Um beijo doce...

terça-feira, setembro 18, 2007

Como as mulheres são tratadas pelos Midea...



Em França ou na América, para falar de países "civilizados", sempre que uma mulher se torna candidata a um cargo político é ridicularizada e analizada de forma depreciativa e a sua imagem explorada pelos Media a par das vedetas mais eróticas do seu cinema, caso de Hillary Clinton na personagem de Sharon Tate com a famosa mini-saia a cruzar e descruzar as pernas.

Circulam videos por aí com a senhora Clinton de enormes seios (falsos) a falar...assim como outro ao lado da senhora de sedução fatal...


Fatal como o destino...
Porque nunca são respeitadas minimamente as mulheres?

vive la france...

(Esta não é a capa referida mas não deixa de ser ilustrativa...)

"Le Nouvel Observateur" de 16 de Agosto mostrava uma mulher em tronco nu – uma mulher jovem, sensual, com os braços erguidos, tocando no cabelo, com uma rosa numa das mãos. Tratava-se de uma fotografia a preto e branco, com ar de ter sido extraída de uma colecção de imagens eróticas dos anos 20 do século passado. Sobre esta jovem – abaixo dos seios, evidentemente – o título:

"Les Philosophes et les Femmes".
Uma capa de revista dedicada ao tema "Os filósofos e os homens" seria impensável. Em primeiro lugar porque, para que a expressão "os homens" se cinja ao sexo masculino é necessário que "as mulheres" sejam mencionadas na mesma frase. Quando não, "os homens" representam, em absoluto e por grosso, a humanidade. Em segundo lugar, "os filósofos" são uma parte de "os homens", pelo que a afirmação seria considerada, se não ridícula, pelo menos redundante. E ainda que, num momento de loucura, desespero ou de inspiração absoluta (...), se um editor decidisse fazer um dossiê sobre aquilo que os homens-filósofos disseram dos outros homens... certamente não lhe ocorreria pôr na capa um jovem nu, de braços erguidos e olhos em alvo. Mesmo que fosse a preto e branco – quando se pretende conferir seriedade a um chamariz sexual, usa-se o preto e branco; um par de mamocas "retro", num "dégradé" de cinza, é coisa culta, que nenhum intelectual de esquerda terá vergonha de exibir debaixo do braço. Porque o "Nouvel Obs." é, como se sabe, uma revista de esquerda. E a esquerda, como se sabe, detesta o machismo e a misoginia – quando se lhes refere, em particular em França, é só para os "desconstruir". Já Ségolène Royal fora, em plena campanha eleitoral, devidamente "desconstruída" por uma capa do "Nouvel Obs." em que se anunciava: "Cem mulheres julgam Ségolène." Nunca dedicaram atenção semelhante a Sarkozy, que pôde chegar à Presidência da República francesa sem passar pelo julgamento popular de cem homens. Curiosamente, Ségolène surge logo no segundo parágrafo do texto introdutório do douto dossiê. Escrevem as articulistas (Aude Lancelin e Marie Lemonnier, duas mulheres, por conseguinte seres pouco filosóficos) que o francês contemporâneo se encontra "abatido pelas reivindicações paritárias e pelo sorriso ainda insistente de Ségolène Royal". (...)

Ah, a reputação, esse mistério da feminilidade...

Quanto ao dossiê filosófico propriamente dito, pouco mais é do que uma salada de citações ressentidas, mais velhas do que as comemorações da morte de Elvis Presley, de "A mulher é um macho abortado" (Aristóteles) ao famoso "Se fores ver a mulher, leva o chicote" (Nietzsche) ou à freudiana interrogação: "Afinal, o que é que elas querem?". Imagino os fantasmas destes martirizados cavalheiros erguendo-se em uníssono numa manifestação ( ...)
Hannah Arendt é a única filósofa considerada – e mesmo essa, sobretudo pela negativa:
(...)Simone de Beauvoir reduz-se à enunciação feminista – e Maria Zambrano ou Simone Weil continuam a não existir. Seria interessante analisar porque é que, no século XXI, se prefere repetir citações discriminatórias de séculos passados, em vez de reflectir sobre as causas do persistente apagamento das mulheres filósofas – dado que, como afirma Frédéric Pagès (autor do estimulante "Philosopher ou l'Art de Clouer le Bec aux Femmes" (Filosofar ou a Arte de Calar o Bico às Mulheres), edição Mille et Une Nuits):

"A filosofia é uma forma de reprodução entre homens, evitando a matriz feminina, por fascinação mútua, de geração em geração. Falta inventar uma filosofia que não corte a palavra a ninguém, que convide finalmente as mulheres para o banquete – que será então muito mais rico do que este 'buffet' seco e frio que propõe o clube de fumadores de charutos da Sorbonne." Falta, sobretudo, ler o que elas escreveram e escrevem – a sós, e sem "buffet".
Inês Pedrosa in expresso

sábado, setembro 15, 2007

O QUE NOS RESTA...

(...)

Resta esse coração queimando como um círio
Numa catedral em ruínas, essa tristeza
Diante do cotidiano; ou essa súbita alegria
Ao ouvir passos na noite que se perdem sem história…

Resta essa vontade de chorar diante da beleza
Essa cólera em face da injustiça e do mal-entendido
Essa imensa piedade de si mesmo, essa imensa
Piedade de si mesmo e de sua força inútil.

(...)

Resta esse constante esforço para caminhar dentro do labirinto
Esse eterno levantar-se depois de cada queda
Essa busca de equilíbrio no fio da navalha
Essa terrível coragem diante do grande medo, e esse medo
Infantil de ter pequenas coragens.


VINÍCIO DE MORAES

O MUNDO EM QUE VIVEMOS...


Penso nos McCann, penso naquela mãe...

Partindo da hipótese talvez remota de haver uma morte por negligência, o que será ver uma fiha morta, porque é inconcebível à partida que a matasse por vontade...penso no seu atroz sofrimento, e como se não bastasse, ainda que o tenham motivado, na perseguição implacável dos Media, na crueldade e voyarismo dos pobres de espírito, no "segredo de justiça" que revela páginas de um diário íntimo, com destaque para coisas tão comuns nas mães no dia a dia.


Penso no assédio dos vampiros de hoje que não consomem sangue mas desgraças e misérias, os jornalistas pedantes e ufanos nas sua reportagens em directo, e as multidões sequiosas de desgraças alheias, o público que devora os dramas dos famosos na sua vingança de anónimos, a televisão que "informa" mas só explora e vasculha detalhes macabros dos dramas, tudo tão impune tudo tão grotesco...


Quando penso que é este dia a dia do público...que nós somos o "público"...

Agora os seres humanos são apenas PÚBLICO, nada mais que público manipulado e manobrado pelos Media, esse Monstro devorador que deforma a vida quotidiana das pessoas...


Penso na Mãe portuguesa que num acto de desespero - doença ou depressão - matou dois filhos e que se suicidou depois - porque não a persegue os Media? ou à família? porque não é famosa nem inglesa?

Porque respeitam a morte mas não o sofrimento nem a VIDA?

Porque não eram loiras nem estrangeiras, as crianças?

OS POLÍTICOS E O FUTEBOL....

O PENSAMENTO LÚCIDO DE UM HOMEM QUE SE DESTACA DO SISTEMA:

"Se a vida está nos media, o poder está necessariamente na fama. Não admira que, para encontrar a filha, os McCann achassem que se deviam eles próprios tornar famosos.

Vasco Pulido Valente, PÚBLICO, 14-09-2007





Sim, só há vida nos Media e só os famosos são gente nomeadamente os jogadores de futebol...
Até 0 Presidente da República ficou triste com um "murro" dado a um jogador de futebol pelo treinador nacional...isso ofende as "quinas" e lesa a glória da Pátria desportiva...a única que conta, de facto para os homens do Governo. Tal foi o alarido nacional por um gesto tão comum entre os heróis da Pátria, que passam a vida aos pontapés a uma bola e aos empurrões e às cabeçdas - como os touros - uns aos outros e a dizer palavrões dedicados às mães e irmãs dos jogadores inimigos...
Estranhos modelos de nobreza patriótica, que preocupa tanto a classe política...


Mas a mulher com cancro e depressão - tantas mulheres com depressões profundas! - que matou dois filhos barbaramente e igualmente a ela própria, quem sabe por levar alguns "tapas" do marido (p0lícia e muito boa pessoa!), ou ser desprezada sexualmente ou confrontada com a sua insignificância de engenheira num mundo de homens, humilhada diáriamente, como a maior parte das mulheres o são no trabalho...isso não tem importância...
E quem se interessa por centenas de mulheres maltratadas pelos homens e esmurradas pelos maridos???

Quantas mulheres não são diáriamente agredidas e os políticos estão-se nas tintas para elas? Quantas mulheres aviltadas e exploradas sexualmente por esse país fora, e a classe política nem se lembra delas...

quinta-feira, setembro 13, 2007

CHEGOU A HORA!


- Vai!...Vai!...Chegou a hora! Vai unir-te às humilhadas filhas da noite, tuas irmãs! Ao som dos tambores do sangue ide acordar a Grande Mãe! Quebrai o vidro tumular em que o tirano coroado de louro aprisionou a sua augusta ira! Chegou a hora! Libertai a fúria exilada nos cristais do seu sono milenar! Chegou a hora! Com o tirso do ódio excitai as matilhas do instinto! Lançai as ágeis cadelas de Lyssa aos calcanhares do déspota solar! Que o seu poder decline e o cadáver seja de novo oferecido à vingativa rapina das bacantes!


In A MADONA de Natália Correia


QUEM DUVIDA?


"A opressão sobre as mulheres ainda persiste, e por vezes são as próprias mulheres que tornam o mundo ainda mais difícil para as outras mulheres. Mas este fenómeno tende a desaparecer, à medida que essas mulheres opressoras conquistem a sua auto-estima. Do lado oposto a esta selva nasce um dia novo e gloriosos na terra, o dia em que as nossas filhas deixarão de ser julgadas pelas suas paixões ou postas de lado porque terão poder, força e amor."


MARIANNE WILLAMSON - 1993

A GUERRA DOS HOMENS...

Os russos apresentam
UMA BOMBA MAIS POTENTE.

Enquanto o povo emigra e vive na miséria e desespero, controlados por Mafias, o Governo constrói uma nova bomba para competir com os americanos...

O Governo português, como qualquer outro governo, defenda as relações económicas com a China e não recebe oficialmente o Dalai Lama...

Qual é o espanto desta gente???

O que valem para os Governos do mundo os homens de PAZ???
Tanto como as mulheres...

OS GOVERNOS SÃO DE GUERRA NÃO SÃO DE PAZ...


(...)" O homem pode atingir a Lua e tentar explorar suas riquezas em benefício dos seres humanos – a Lua, que alguns antigos crentes consideravam como o lar de seu deus; e os planetas também podem ser conquistados. Talvez no fim este progresso revelará inimigos em potencial fora de nosso mundo. Mas, de qualquer modo, não pode trazer aos seres humanos prazer permanente e derradeiro, pois o progresso material sempre estimula o desejo de conseqüentes progressos adicionais, e, assim, o prazer tal como ele o traz é apenas efêmero. Mas, por outro lado, quando espírito desfruta de prazer e de satisfação, simples necessidades materiais são fáceis de suportar; e se o prazer deriva genuinamente do espírito, e apenas dele, será um prazer duradouro e verdadeiro.
Nenhum prazer pode ser comparado com aquele que se origina da prática espiritual. Este é o maior prazer, e é final e real. Diferentes religiões têm mostrado seus próprios caminhos para alcançá-lo."


Este é um trecho do livro Minha Terra e Meu Povo (Editora Palas Athena, São Paulo, 1988, edição original em Inglês, 1983) de Sua Santidade o Dalai-Lama.


"Minha devoção à verdade empurrou-me para a política; e posso dizer , sem a mínima hesitação, e também com toda humildade, que não entendem nada de religião, aqueles que afirmam que ela nada tem a ver com a política." GANDHI

“Tudo o que vive é tão próximo”.

UM HOMEM DE PAZ
Morreu em 30 de Janeiro de 1948, quando ia fazer suas orações no jardim, com três tiros no peito, sem ter conseguido completar seu projeto de paz, que era de unificar as religiões, tendo deixado uma grande lição de vida para a humanidade.

Ele era chamado Bapu (pai) e se decepcionou como conflito entre os muçulmanos e os hindus, preferindo recolher-se ao jejum dizendo-se não ser tão bom guerreiro e “por isso tenho paciência com os canalhas do mundo”, disse.
De sua história podemos tirar conclusões valiosas como as lições de vida espelhadas em suas frases que podem ser mencionadas, tais como:

“Nenhum ser humano é tão mau que não possa se auto-avaliar”.
“As enfermidades são os resultados não só dos nossos atos como também dos nossos pensamentos”.

Mahatma Gandhi

AS MULHERES SÃO AS GUARDIÃS DA TERRA MÃE




"AS MULHERES SÃO AS GUARDIÃS TITULARES
DE TUDO O QUE HÁ DE PURO E JUSTO NA VIDA"


Mahatma Gandhi

Nenhum santo ou pensador católico afirmaria tal coisa...
Para além da utopia dos indianos e as suas contradições inerentes a um Estado caótico, afectado na sua essência pela colonização inglesa e a influência ocidental moderna, a mulher na Índia através do Tantra e da paridade dos seus Deuses sempre foi considerada uma igual, ainda que na realidade de hoje e na pobreza extrema se cometam muitos crimes sobre a mulher desde que nasce até à morte não esquecendo o antigo ritual funerário em que a mulher era morta para acompanhar o defunto marido...

terça-feira, setembro 11, 2007

O FOGO E A ÁGUA


32


Ao negarem a sua verdadeira essência,

As Mulheres de hoje deixaram de ser Papisas.

Deixaram de saber o Saber da Vida em Si,

A vida das suas profundezas.

Passaram a reger-se por uma mentalidade de

Acção extrovertida.

Mentalidade de conceitos de Poder,

De Produtividade, de Afirmação.

Conceitos que são Concepções masculinas do mundo.


33


A perda progressiva da sua interioridade,

Secou a Vida interna da Mulher.

Vida como fonte de inspiração,

Como Visão Interior


M. F.de Monsaraz

O CANSAÇO DO PODER MASCULINO


"Acho que não vale a pena a mulher libertar-se para imitar os padrões patristas que nos têm regido até hoje. Ou valerá a pena, no aspecto da realização pessoal, mas não é isso que vem modificar o mundo, que vem dar um novo rumo às sociedades, que vem revitalizar a vida.

A mulher deve seguir as suas próprias tendências culturais, que estão intimamente ligadas ao paradigma da Grande Mãe, que é a grande reserva, a eterna reserva da Natureza, precisamente para os impôr ao mundo ou pelo menos para os introduzir no ritmo das sociedades como uma saída indispensável para os graves problemas que temos e que foram criados pelas racionalidades masculinas.

É no paradigma da Grande Mãe que vejo a fonte cultural da mulher; por isso lhe chamo matrismo e não feminismo. É aquilo a que eu chamo o cansaço do poder masculino que desemboca no impasse temível do tal equilíbrio nuclear que criou uma situação propícia a que os valores femininos possam emergir, transportando a sua mensagem. "


NATÁLIA CORREIA, in Diário de Notícias, 11-09-1983 (entrevista concedida a Antónia de Sousa) Entrevistas a Natália Correia, Parceria A.M.Pereira
FAZ hoje anos, que esta entrevista foi publicada...coincidência pura...

A SERPENTE E O PARAÍSO


Igaci disse...

"As mulheres estão ainda mais preparadas para o caminho do conhecimento do que os homens.(...)
Em conjunto as mulheres levam uma ligeira vantagem."
__Don Juan, in Porta para o Infinito, Carlos Castaneda.

Imagine um mundo em que nós mulheres aproveitássemos essa vantagem e a usássemos para chegar ao conhecimento? Para manter o poder nas mãos dos homens, seria preciso separar e dividir as mulheres e impedir de todas as maneiras que tivéssemos acesso a esse caminho. Taí, a explicação para milênios de opressão? Acho que sim.
(...)

Bastava minha amiga, para mudar a face das coisas e vivermos num mundo mais justo, que tivessemos consciência do nosso ser não dividido...que integrassemos o nosso lado sombra mutilado ou renegado pelos padres...Que afirmassemos a Mulher Integral, a mulher total. É comum dizermos que a alma não tem sexo, claro e que ao nível da alma os seres são iguais, mas a verdade é que a mulher foi mutilidade de uma parte de si que atinge a sua alma a sua anima pois é a anima que é rejeitada e colocada em segundo plano nas escrituras e tratados, nas psicologias modernas ou nas filosofias em geral...e isso porque as próprias mulheres espirituais e intelectuais têm ainda medo de ser elas próprias, de manifestarem esse seu lado por receio de serem identificadas com as feministas...Qualquer mulher que fale de mulheres e procure acordar dentro de si própria para os valores do intrinsecamente feminino, o seu poder pessoal, o seu mistério, o seu dom de cura ou a sua sensualidade, é ridicularizada pelas outras mulheres que são conniventes com o sistema ou que dele usufruam um benefício; normalmente esse benefício é-lhe concedido se ela se trair a si própria ou na sua essência pela negação da Mulher ancestral ( da Deusa em si) e de uma falsa feminilidade e assim trair as outras mulheres ao se preocupar apenas com a humanidade Homem...

"Esse falso conceito de Feminilidade foi estipulado pela Cultura Ocidental Masculina. É um conceito Yang de masculidade. Equivale à supremacia do Homem, como força, sucesso e poder"
m.f.monsaraz

sábado, setembro 08, 2007

A UNICA ROSA

Todas as rosas são a mesma rosa,
amor!, a única rosa;
e tudo está contido nela,
breve imagem do mundo,
amor!, a única rosa.

JUAN RAMÓN JIMÉNEZ (1881-1959

os midea - uma nova inquisição

PORQUE SÃO AS MULHERES
A ATIRAR A PRIMEIRA PEDRA?

Esta mulher, Kate McCann, está pronta a ser "queimada" nas fogueiras dos mideas...Basta ter sido arguida para os tablóides nacionais e as televisões antecipadamente destruirem a imagem da que até há dias era uma pobre mãe desfeita em dor...
Não digo que não possa haver culpa por negligência ou crime involuntário e até ocultação de cadáver, pode bem ser essa a versão do caso, mas o que importa aqui é como a mulher passa a ser logo uma criminosa e a ser apoupada pela turba que persegue as vítimas como abutres, pronta a fazer justiça pelas suas bocas vis...

Não defendo um crime como impune, mas se é caso de haver uma morte por negligência, fossem quais fossem as circunstâncias, calculo o sofrimento e o drama desta mulher...

Mas são as próprias mulheres implacáveis que atacam as mulheres em primeiro lugar e é isso que me choca...como são sempre as mulheres a denunciar as outras ou como foram outrora as mulheres quem primeiro denunciavam as bruxas para serem queimadas nas fogueiras... ELAS NÃO QUEREM SABER O QUE REALMENTE SE PASSA, QUEREM DESTRUIR APENAS A OUTRA MULHER...
Ontem como hoje é tudo igual face ao drama e ignorância das mulheres. Há diferenças subtis...diferença nos modos de tortura, com ferros ou pública, e como diz a Juliana, todas as mulheres sofrem ainda na pele a difamação e exclusão, o desprezo intelectual...

Juliana disse...


"O pior de tudo é que existe ainda hoje uma fogueira queimando as mulheres mais livres, as não-santas, não-submissas... A fogueira continua ardendo e queimando as mulheres de todas as idades, raças, credos, profissoes, classe social... A fogueira do preconceito, da exclusão social, da discriminação, das oportunidades, da justiça social... da impunidade das violências, das mortes e das agressões, da ditadura da beleza, da magreza, do desprezo intelectual... A fogueira das competições, das guerras entre mães e filhas, entre sogras e noras, entre as esposas e as putas...

O fogo patriarcal anda aceso e muito... e todas nós saímos chamuscadas... Qual a mulher que não sente o calor das chamas no seu dia-a-dia sempre que tenta ser diferente do padrão patriarcal?Aff... tá calor aqui... rs... "

A LINGUAGEM DOS PATRIARCAS



"Homem" e "mulher" são conceitos políticos de oposição, e a cópula que dialecticamente os une é, simultâneamente, aquela que irá abolir os homens e mulheres8. É a luta de classes entre mulheres e homens que abolirá os homens e as mulheres9. Não há nada de ontológico no conceito de diferença. É a única maneira como os senhores interpretam uma situação histórica de domínio. A função da diferença é a de ocultar a todos os níveis os conflitos de interesse, incluindo os conflitos ideológicos. Por outras palavras, para nós, isto significa que não podem mais existir mulheres e homens, e que enquanto classes e categorias de pensamento ou linguagem eles têm de desaparecer, política, económica, ideologicamente. Se nós, lésbicas e homossexuais, continuarmos a falar de nós próprias(os) e a conceber-nos como mulheres e como homens, estamos a ser instrumentais na manutenção da heterossexualidade. Tenho a certeza que uma transformação económica e política não irá desdramatizar estas categorias da linguagem. Podemos redimir escravo? Podemos redimir escarumba? Em que medida é a mulher diferente? Continuaremos a escrever branco, senhor, homem? A transformação das relações económicas não será suficiente. Temos de produzir uma transformação política dos conceitos chave, isto é dos conceitos que nos são estratégicos. Porque há uma outra ordem de materialidade, a da linguagem, e a linguagem é trabalhada de dentro por estes conceitos estratégicos. A linguagem é, ao mesmo tempo, intimamente ligada ao campo político, onde tudo o que concerne a linguagem, a ciência e o pensamento se refere à pessoa enquanto subjectividade e à sua relação com a sociedade10. E não podemos deixar estas coisas no poder do pensamento hetero ou do pensamento de dominação."(...)




O que é a mulher? Pânico, alarme geral para uma defesa activa. Francamente, este é um problema que as lésbicas não têm por causa de uma mudança de perspectiva, e seria incorrecto dizer que as lésbicas se associam, fazem amor, vivem com mulheres, pois "mulher" tem significado apenas em sistemas de pensamento heterossexuais e em sistemas económicos heterossexuais. As lésbicas não são mulheres. "

(Monique Wittig, The Straight Mind and other Essays, Boston: Beacon, 1992)




Apesar de estar só em parte de acordo com a autora não acho que seja a sexualidade que determina a linguagem, e a haver uma linguagem universal referente à espécie humana será certamente referente ao SER em si e não ao seu papel sexual. Todos os homens são homens independentemente da sua "escolha" sexual, todas as mulheres são mulheres incluindo as lésbicas...

O facto de a espécie humana se ter dividido em dois sexos (ou mais) sendo um preponderante e um deles sofrer a anulação da sua identidade, e a linguagem expressar essa dominação, quando essa supremacia do masculino terminar haverá que referir-se ao Ser Humano não como Homem nem como Mulher...

Não vamos inverter de novo as dominações, mas, quando nos referirmos ao ser humano em geral, desde já escolher um termo neutro quanto a definição de género.

MULHERES LIVRES


Houve um tempo em que tu não eras escrava...lembra-te disso. Um tempo em que caminhavas sozinha, cheia de riso em que te banhavas nua no mar...Podes ter perdido a memória desse tempo, mas procura lembrar-te...Podes dizer que não há palavras que descrevam esse tempo, podes dizes que ele não existe. Mas recorda. Faz um esforço para o relembrares, ou, se não conseguires, inventa-o!"


"Les Guerrilleres" de Monique Wittig

NO MASCULINO...
"Houve um tempo em que tu não eras um escravo; lembra-te disso.Um tempo em que caminhavas sozinho, cheio de riso em que te banhavas seminu no mar. Podes ter perdido a memória desse tempo. Mas procura relembrar-te...podes dizer que não há palavras que descrevam esse tempo, podes dizer que ele não existe. Mas recorda. Faz um esforço para o relembrares, ou, se não conseguires, inventa-o! "
Monique Wittig (tradução de Vera Faria)
LIDO E TIRADO DE in http://saberdesi.blogspot.com/


Cara Luiza Frazão:

Queria só alertá-la de que o excerto de Monique Wittig refere-se à mulher escrava e não ao homem. ...Alem disso é uma traição tremenda ao espírito da autora...Todo o texto se refere essencialmente à liberdade da mulher e da sua expressão; inclusive esta autora cria uma linguagem toda no feminino e é uma acérrima feminista, por isso achei estranho haver uma tradução no masculino. Desculpe a chamada de atenção mas faz toda a diferença, embora o homem também seja um escravo, faz da mulher sua escrava...

Como o próprio título do livro indica "As guerrilheiras" trata de mulheres e não de homens...Compreendo que seja nobre dar um sentido universal ao texto mas é a Mulher que precisa tomar consciência de uma liberdade que perdeu...

ESTE PEQUENO EXCERTO TRADUZIDO NO MASCULINO EM VEZ DE TAL COMO NO ORIGINAL SER NO FEMININO, FAZ TODA A DIFERENÇA, UMA DIFERENÇA GRITANTE POIS O HOMEM FOI SEMPRE LIVRE DE SE BANHAR NU NO MAR OU DE CAMINHAR SOZINHO
"Les Guerrilleres"

quinta-feira, setembro 06, 2007

MULHERES DEUSAS E ROSAS...


Quando tu vens.
Quando tu entras baixam todas as vozes,
Ninguém sabe quando entraste,
Senão de repente, vendo que tudo se recolhe,
Que tudo perde as arestas e as cores,
E que no alto céu ainda claramente azul
Já crescente nítido, ou círculo branco, ou mera luz nova que vem,
A lua começa a ser real.
FERNANDO PESSOA

BASTET- DEUSA DO EROTISMO

hOJE NÃO TENHO TEMPO PARA RESPONDER AOS VOSSOS COMENTÁRIOS, MAS SÁBADO VOLTAREI AQUI PARA O FAZER ...

QUERIA AGRADECER ANTES DE MAIS OS VOSSOS PARABÊNS E DIZER-VOS QUE ME OFERECERAM UMA ESCULTURA IMPONENTE DA DEUSA GATA BASTIT...COMO SE EU TIVESSE ADIVINHADO...
BOM, NÃO DIGAM A NINGUÉM QUE EU SOU BRUXA...MAS O FACTO É QUE TIVE ESTA PROMONIÇÃO...

MAS O IMPORTANTE É QUE NÃO ESQUEÇAMOS UM SÓ DIA QUE PASSA QUE:

"CABE ÀS MULHERES REDESCOBRIR O FEMININO, DAR À LUZ UMA ALMA NOVA, CAPAZ DE ASSUMIR A SUA DIMENSÃO CÓSMICA" Antónia de Sousa

O DESPERTAR DA MULHER INTERIOR


A MULHER COMO GUARDIÃ DA DEUSA E DA NATUREZA MÃE

“As mulheres julgam muitas vezes que elas não servem senão para gerar filhos e que nesses corpos se vêm fixar as almas. Mas não! As mulheres são desde toda a eternidade a Matrizes e o Sustento de muitas outras coisas. Elas são antes de tudo o mais, as reveladoras do Conhecimento. O Princípio Feminino e o poder da Mulher vem agora para quebrar as cadeias de todas as rotinas e tiranias. Esse poder fala da “curiosidade imaginativa” sagrada e cria assim um espaço em constante expansão na Consciência da Humanidade. É aí que se encontra o verdadeiro papel da Matriz. Ela gera e alimenta “outra coisa” de “doutra maneira” e é essencial e necessária para a Vida concluir a sua obra.”



E O GRANDE PAPEL A DESEMPENHAR PELA MULHER.


“É por isso que eu vos digo, é preciso que a mulher veja a Mulher QUE ELA É em si mesma e que o homem a aceite nele próprio. O acordar deste mundo exige essa mutação! O Fogo feminino é um fogo da Terra, e reparem, se temos necessidade do Ar que vem do Céu, o inverso não se pode negar. Todos os que sabem ou entendem o que eu digo, vêem que o Céu e a Terra se atraem um ao outro, que não existem independentes um do outro. Por isso é preciso que os homens aceitem este ensinamento e que as mulheres não temam mais desvelar a sua função...e só então o mundo entrará em metamorfose”.


A TRANSFORMAÇÃO QUE O MUNDO PRECISA:

O FOGO FEMININO. O FOGO QUE LIMPA...


(...) “Que a vossa humanidade tenha balançado entre monarquias e ditaduras e depois repúblicas não muda nada no mundo pois o vento que sopra as suas velas não é senão expressão de relações de força e de domínio. A incessante luta interior em que se debatem as vossas almas entre o dominador ou o dominado é uma limitação, é a verdadeira pobreza de que tem de se libertar. O Fogo Feminino que está hoje em dia A COMEÇAR A DESPERTAR tem como Missão por fim a esse combate interior. Ele tem como função reinventar o Homem e a Mulher neste mundo, de revelar outra imagem, outro ser mais completo, mais solar, mais cristão no sentido universal do termo.”


In VISIONS ESSÉNIENNES Daniel Meurois-Givaudan

terça-feira, setembro 04, 2007

Lilith Bastit


Amanhã, mais precisamente esta noite, faço anos...
Mais de meio século...
E esta é a minha prenda, a minha deusa gata...
Que ela vos abençoe a todas, amigas e irmãs nesta terra!

Igaci disse...

"Mas essa misoginia vem de longe, com os judeus que propagaram o culto ao deus-pai único, com os gregos que eram altamente misóginos e influenciaram os romanos que tornaram o cristianismo a religião oficial do ocidente. Não daria pra ser diferente com uma origem dessas.

Essa harmonia de que Agostinho fala é meio homossexual. Os gregos afirmavam que só o amor entre iguais era válido, referindo-se ao amor entre homens, que eles consideravam superiores por serem mais fortes e supostamente mais inteligentes. É claro que era um homossexualismo sublimado por conta do judaísmo abominar essa prática e os cristãos terem absorvido isso na nova religião. E por conta dessa 'amizade' tão harmoniosa entre iguais só restava mesmo á mulher o papel do demônio nessa história. "
Um abraço, Igaci

A MULHER É MÁGICA POR NATUREZA

"As mulheres a quererem ascender na hierarquia da Igreja Católica são como os negros a quererem aderir ao KU KLUX KLAN"... Luz...

(...) "Embora este presente texto, não tenha como finalidade expôr longamente sobre a história da bruxaria em Portugal, gostaríamos de salientar um aspecto que julgamos fundamental, para os que estudam este tema, e que é a distinção problemática entre os conceitos de bruxaria e feitiçaria. Ao falarmos de bruxaria e feitiçaria, somos obviamente levados a falar em Magia. Mas a que tipo de magia nos referimos? Habitualmente fala-se em: “magia branca” e “magia negra”, isto é, aquela que é benéfica e a que é malefica. Tem-se por isso em conta, nesta definição de magia, o intuito da operante em fazer o bem ou o mal.
Contudo, esta definição colorida, parece-nos demasiado obsoleta e ineficaz para a compreensão da diferenciação entre a feitiçaria e bruxaria – pois se a utilizássemos, mais tarde ou mais cedo, seriamos confrontados com um novo problema: qual das realidades aliaríamos a “magia branca” ou a “magia negra”? Será que a principal diferença entre bruxaria e feitiçaria, se encontra no facto, da feiticeira só usar um tipo de magia e a bruxa outro tipo, sendo que, pelo carácter demonológico da bruxa, esta apenas utilizaria a “magia negra”, segundo tal distinção? Mais tarde ou mais cedo, compreenderíamos que um dos principais obstáculos na saga da diferenciação entre a feiticeira e a bruxa, se encontra no facto, da feiticeira poder ser tanto benéfica como maléfica, sendo que neste segundo ponto, se encontra demasiadamente próxima da bruxa.

Preferimos então, seguir outro tipo de diferenciação magica: “magia natural” e “magia demonológica/diabólica”. Sendo que, num primeiro momento, a cisão entre a ideia de Religião e Magia se dá com os primeiros escritores cristãos e devido a necessidade de diferenciarem o Cristianismo Primitivo do Paganismo Clássico. Assim o Cristianismo, apareceria como a verdadeira religião enquanto o Paganismo seria uma falsa religião, baseada na magia que obviamente seria de origem demoníaca. Alguns dos principais autores cristãos à revelarem-se contra o Paganismo e a fundamentarem esta cisão, serão: Taciano (séc. II), Clemente de Alexandria (c. 150. – c.215), Orígenes (c. 182. –c.254) e Tertuliano. (excerto) (...) Ardath Lilith

Ler o texto em: http://stellatus.wordpress.com/2006/10/28/bruxas-e-feiticeiras/

Obrigada Marian...Eu pessoalmente também prefiro as feiticeiras ou mesmo as sacerdotisas; sei que as suas funções tal como a da Bruxa seriam destintas entre si, mas na verdade e fora dos contextos filosóficos ou metafísicos e da própria história contada pelos santos agostinho e cirilos e outros misóginos, que contribuiram grandemente para a destruição da mulher, a mim interessa-me a mulher que foi dinigrida ao longo dos séculos, perseguida e torturada pelos padres da Igreja de Roma antes de tudo.

A questão sempre foi uma só: a Mulher é Mágica, toda a Mulher que se encontre e vivencie e integre as duas mulheres cindidas pela fé do homens... desde que vivam essa dimensão do sagrado que o feminino e a Deusa lhe conferem.

Todos os tratados e estudos feitos hoje em dia com base na história dos homens, mesmo feito por mulheres, pouco relevo têm para mim enquanto a Mulher não integrar esses dois aspectos de si mesma que se manifestam em duas mulheres opostas que se odeiam e digladiam entre si como a santa e a puta...

Foi contra a Mulher Mágica e o seu Dom inato que os padres do deserto sempre lutaram e é por isso ainda hoje que as mulheres são violadas e mortas por dá cá aquela palha...

AS LÁGRIMAS DA DEUSA MÃE...

ERAM AS BRUXAS SACERDOTISAS, FEITICEIRAS E DEUSAS?


Minhas queridas amigas, mulheres, deusas bruxas e feiticeiras...e rosas para Zaziel, um homem especial, fiel da Deusa, quero agradecer os comentários e dizer-lhes que eu adoro as bruxas...Gosto de feiticeiras e deusas e das mulheres, mas as bruxas foram tão mal tratadas, tão perseguidas tão mal compreendidas e mal amadas!!!

Ainda hoje, qualquer mulher infeliz é uma bruxa...qualquer mulher feia é uma bruxa, qualquer mulher que reclame os seus direitos é uma bruxa...qualquer mulher que contrarie a Ordem estabelecida é uma megera e uma bruxa pronta a ser queimada ou devorada pela opinião pública, pela família, pelo marido, pelas amigas do patriarcado, as beatas de sacristia...as santas de pau carunchoso (não sei se é assim que se escreve!)...

Gosto das Bruxas, são minhas amigas e gostaria de as reabilitar...

Por isso digo: MULHERES, NÃO TENHAM MEDO DAS BRUXAS NEM DA BRUXA QUE HABITA CADA UMA DE NÓS...

As Bruxas eram Sacerdotisas e Feiticeiras que se disfarçaram para não serem perseguidas pelos fundamentalistas cristãos, mas depois mesmo disfarçadas de mulheres vulgares foram torturadas e queimadas nas fogueiras sem apelo nem agravo...




"Foi experimentado que as bruxas nunca choram, o que constitui um indício bem importante, tanto que as mulheres derramam lágrimas a propósito de tudo e de nada"... logo, se ao cabo de torturas e sevícias diversas, uma mulher não chora, presume-se que é bruxa. O problema - e quem se espantaria, tendo em conta o tratamento que lhe é infligido? - é que, a maior parte das vezes ela chora convulsivamente. Que os juizes não se deixem enganar: é uma dessimulação para os iludir e convencer de que não tem nada a ver com bruxaria..."
in As Putas do Diabo - Arnelle Le Bras-Chopard

E por todas ESSAs lágrimas choradas e torturas sofridas de mulheres inocentes que só foram "bruxas" porque os únicos demónios eram os homens que as torturaram, os juizes e os padres do santo ofício, que de santo nos valha o diabo ELE PRÓPRIO que na verdade nunca existiu senão nas suas cabeças torpes e tortuosas...

Façamos a elegia da Bruxa, façamos-lhe Justiça, que de bruxa como a pintaram a MULHER nunca teve nada. Normalmente as bruxas eram também as mulheres belas e desejavéis que os eunucos do deus macho, invejavam!!!
Na verdade : "As temidas bruxas medievais seriam, na verdade, simples mulheres camponesas, que por viverem em intenso contato com a natureza, eram conhecedoras das ervas medicinais, que podiam tanto curar como também matar. Conheciam as ervas abortivas e contraceptivas, o que as permitia exercerem livremente sua sexualidade, fato que por si só já era considerado crime e pecado. Possuiam uma cultura pré-cristã, e a crença em deusas e deuses pagãos, sendo por isso identificadas como hereges pelas autoridades eclesiásticas."
in luna negra