domingo, agosto 31, 2008

O VISIONÁRIO E POETA

ROBERT GRAVES

O Retorno da Deusa

O que é o samadi? É um transe, um orgasmo intelectual, impossível de distinguir de um momento inefavelmente belo, descrito por Dostoievsky, que precede a convulsão epiléptica. Os místicos indianos atingiam-no por vontade através do jejum e da meditação, como o faziam os Essénios e os primeiros cristãos assim como os santos muçulmanos. Com efeito Ramakryshna tinha deixado de ser um poeta e transformou-se num político religioso de psicologia mórbida, dando-se à forma mais refinada do vício solitário que pode ser concebida. Ramprasad nunca permitiu à sua ambição espiritual de o afastar assim da sua devoção à Deusa. Ele tinha mesmo rejeitado a esperança ortodoxa do “não ser” pela absorção mística no Absoluto, como inconciliável com o seu sentido de unicidade do indivíduo criança e amante da Deusa.
(…)
Um dia do Kali Puja ele seguiu a imagem de Kali no Ganges até que as águas se fechassem sobre a sua cabeça. O romântico ocidental encontrou uma ressonância familiar nesta história de devoção de Ramprasad à Kali, mas o citadino ocidental não se deixou apanhar pelo samadi, rejeição pouco cavalheiresca da Deusa. Não existe nenhuma outra maneira de reviver o culto do Deus o Pai, ascético ou epicuriano, autocrítico ou comunista, liberal ou dogmático, capaz de resolver os nossos problemas; eu não prevejo nenhuma mudança para melhor até que tudo NÃO VÁ DE MAL A PIOR. Somente depois de uma completa desorganização política e religiosa é que os desejos reprimidos das raças ocidentais (de acordo com qualquer forma de prática e culto da Deusa que se reporte a uma forma de amor ilimitado no cuidado maternal e a um outro mundo em que a Mãe não esteja ausente) encontrarão enfim a sua satisfação.

Como é que a devíamos então adorar? No seu primeiro poema “a Primavera” Donne, já dava uma resposta à questão. Ele sabia que a Primavera era dedicada à Musa e que o “número misterioso das suas pétalas” se aplicava às mulheres. Podia ele adorar um capricho da natureza de quatro pétalas ou seis pétalas, uma deusa que tenha sido mais ou menos uma verdadeira mulher? Ele escolheu a forma de cinco pétalas e provou pela ciência dos números que uma mulher que atrai impõe completamente o seu domínio ao homem. Mas dizia-se da Deusa coroada de lótus nos mistérios coríntios: “o seu serviço é a libertação perfeita” muito tempo antes da frase ser aplicada ao Deus Pai; com efeito, a sua tradição nunca foi de condicionamento mas sempre o de dar e oferecer os seus favores de acordo com a forma como os seus filhos e amantes vinham a ela trazendo nas suas mãos, os presentes mais adequados (presentes escolhidos por eles e não segundo a sua ordem). Ela deve ser adorada na sua antiga imagem quíntupla, quer dizer quando se contam as pétalas do lótus na Primavera, Iniciação, Consumação, Repouso e Morte.
(…)
A prática da verdadeira poesia reclama um espírito miraculosamente desperto e capaz de, por iluminação, juntar as palavras, através de uma cadeia mais-que-coincidência, numa entidade viva, um poema que vai viver por si mesmo, talvez por séculos depois da morte do seu autor, cativando os seus leitores pela carga de magia que ele contem. Porque em poesia a fonte do poder criativo não é a inteligência científica mas a inspiração (mesmo que esta possa ser explicada pelos cientistas) não é através da Musa lunar, o termo mais antigo e o mais adequado para designar esta fonte de inspiração na Europa, à qual a devamos atribuir? Pela tradição a mais venerável, a Deusa Branca tornou-se uma com a sua representante humana, sacerdotisa, profetisa, ou rainha–mãe. Nenhum poeta que elege a Musa pode experimentar conscientemente a existência sem ser pelas suas experiências do feminino porque é na mulher que reside a deusa seja em que grau for; exactamente como nenhum poeta apolinio não pode exercer a sua função própria se ele não se submeter a uma monarquia ou a uma quase monarquia. Um poeta que elege a musa abandona-se absolutamente ao amor e o seu amor na vida real é para ele a encarnação da Musa.
(…)
(pag.569 -Traduzido do francês por rlp)
ROBERT GRAVES
LES MYTES CELTES - LA DÉESSE BLANCHE
IN Ed. du Rocher

sábado, agosto 30, 2008

A CULTURA VICIADA...A NORMOSE...

“O fato de milhões de criaturas compartilharem os mesmos vícios não os transformam em virtudes; o fato delas praticarem os mesmos erros não os transformam em verdades e o fato de milhões de criaturas compartilharem a mesma forma de patologia mental não torna estas criaturas mentalmente sadias”.
(Erich Fromm)

O CÁLICE...E A ESPADA...


-Como define o poder no modelo de sociedade dominador ou em colaboração?
Riane:

Existem duas formas de olhar para o poder. Uma é a "espada" (que representa) o poder sobre o outro, o poder de dominar, destruir, matar. Esse é um tipo de poder.
Mas também existe o poder do "cálice", o poder de dar a vida, de alimentar a vida.
Ter uma vida rica em amor nunca foi considerado apropriado para os homens, por isso temos de prestar atenção aos estereotipos do que é masculino e do que é feminino.
- Porque tem início as culturas dominadoras?
Há alguma coisa que as explique?
Riane:

Existem várias teorias. Os dados sobre o cruzamento de várias culturas, como os inqueritos onde predominam o domínio masculino, concluiram que as culturas mais dominadas pelos homens surgem em ambientes de escassez. Existe uma maior tendência para desenvolver o modelo dominador em áreas onde a terra não era muito próspera. Ao passo que nas zonas férteis, onde a vida é mais fácil, a tendência é para a sociedade de colaboração. Creio que o modelo de dominação é caracterizado pela escassez (e não apenas escassez material), por guerras destruidoras e violentas, E TAMBÉBM POR INSUFICIÊNCIA EMOCIONAL.
Porque é que as mulheres são controladas nas sociedades de dominação?
Riane:

Pra começar as mulheres representam trabalho não-remunerado no modelo dominador. São objetos de posse, tal como os filhos. Acho que um dos causadores disso é o trauma. Graças ao meu trabalho na área de neuroquímica cerebral, sei que individuos traumatizados costumam-se envolver em conflitos ou fogem. Por isso o trauma está institucionalizado, devido à escassez de segurança, tornou-se perpétuo, é o sistema.
-De onde vem o receio da sexualidade feminina?
Riane:

Não sei se é receio. Creio mais que é um desejo de controlar. Os homens não tem naturalmente receio das mulheres, mas faz tudo parte do modelo social dominador. E muitas vezes as mulheres descarregam, se me é permitido dizer isso, muita da sua frustração recalcada nas sociedades dominadas por homens, nos únicos homens em que podem fazê-lo, os filhos. Por esse motivo há uma propagação. As mulheres tornam-se agentes do sistema. É por isso que costumo dizer que não é uma questão de mulheres X homens, e sim uma questão de as pessoas fazerem aquilo que foram "ensinadas".(...)


Entrevista a Riane Aisler

sexta-feira, agosto 29, 2008

Normose: a Patologia da normalidade...

A Normose é um novo conceito que define a patologia da "normalidade" como único padrão de referência para a existência dita normal e comum do ser humano e que se caracteriza pela dissociação do ser da sua realidade interior e espiritualidade, dado como "escravo" do consumo e das ideias na moda.
O Normótico é o banal ser comum que vive só para as aparências e o dinheiro, grosso modo, e está completamente alienado de Si mesmo vivendo sem qualquer consciência do seu ser profundo e da sua realidade interior!

Leia o excerto em baixo e ficará muito melhor esclarecida/o...

LONGO, MAS MUITO INTERESSANTE...


PARA ALÉM DA NORMOSE
"As emoções destrutivas ligadas à cultura, matam em nós mesmos a harmonia e a paz de nossa sabedoria primordial".

Pierre Weil

O poder castrador de nossa sociedade não é de ordem sexual, como afirmava Freud, mas sim, espiritual e seu nome é: normose - a patologia da normalidade.


Ela impõe a sociedade, uma cultura do sucesso, sendo que o fracasso e o ostracismo são uns dos maiores medos do normótico, que busca por segurança em estados temporários e ilusórios, nos objetos exteriores, em conquistas e sucessos efêmeros não sabendo que a verdadeira segurança é uma condição subjetiva, resultado de uma experiência transpessoal, que se revelará de forma espontânea e natural no momento do despertar da verdadeira consciência. O desastre é eminente para o normótico que faz depender a sua segurança das parafernálias externas e não da paz da vida interna, a qual não depende das circunstâncias da vida externa. O normótico vive fazendo investimentos e seguros para sua vida, mas não investe na espiritualidade, sendo esperto por alguns momentos, mas um tolo a longo prazo, pois leva muito tempo para ele constatar que o acúmulo de riquezas, prestígio e poder é apenas uma troca, e não o fim, da sua falta de segurança. Em sua busca insana pela segurança financeira, o normótico perde sua saúde para depois pagar de bom gosto tudo o que conquistou para ter novamente sua saúde física, mental e emocional. Na tentativa de conquistar a "pseudo-segurança" para a sua vida, o normótico esquece de vivê-la e como resultado vive num desespero silencioso, precisando às vezes chegar ao topo da escada do sucesso, para amargamente descobrir que a mesma estava encostada na parede errada. É justamente neste desespero silencioso que uma fração de sanidade pode romper as paredes da normose e levá-lo ao questionamento do tipo: Espelho, espelho meu, será que algum dia eu já vivi?
O normótico, ou se preferir, o entediado anônimo - é vítima de um estado de conflito interior prolongado. Na tentativa de anestesiar a dor resultante desse conflito interior, das esperanças frustradas e dos sonhos abortados, injeta "novocaína" - o anestésico do novo - em muitos aspectos da sua personalidade. Ele não sente nada de maneira vívida: nem alegria, nem tristeza, nem esperança, nem desespero. As coisas acontecem, mas ele não as registra pois é preciso muita coragem para se permitir sentir. É alguém que vive num eterno confinamento solitário causado por suas crenças disfuncionais; alguém que se trancou numa rotina solitária e engoliu a chave. Alguém que vive uma vida unilateral e morre em estado imperfeito. Não possui a consciência de que a Grande Vida lhe deu uma alma, uma mente e um corpo, os quais deve procurar desenvolver de forma harmônica. Vive dominado pelas influências do sistema de crenças do modismo social permitindo que a sociedade continue lhe impondo suas ilusões por meio de um fortíssimo esquema de marketing que o bombardeia de forma brutal durante as 24 horas do seu dia a dia. Não possuí a coragem de virar a mesa contra o clichê social e assumir a responsabilidade pela sua maneira de pensar e pelo controle de sua vida. Não fica difícil constatar os resultados desse caótico modo de viver: medos, preocupações, paranóias, estresse, insatisfação, descontentamento e toda espécie de somatização oriunda de uma pseudofelicidade. Não consegue perceber que sem satisfação interior, nenhum acúmulo de sucesso exterior consegue trazer felicidade e segurança duradoura. Como Adão e Eva, vive exilado do jardim das delícias da unidade consciente com Deus, pela ação da serpente do conformismo, tornando-se com isso, um ser limitado devido ao crédito dado ao sistema de crenças do clã a que pertence.

O normótico opta por uma forma de pensar pelo simples fato de muitas pessoas optarem por ela ou por constar de algum livro que a sociedade considera como sagrado; não consegue avaliar por si mesmo sobre a questão e ajuizar se ela é razoável ou não. Para ele, se prender as velhas rotinas consagradas pela sociedade, é muito mais seguro do que se aventurar ao Aberto. É aquele cujo desejo mais profundo ainda dorme, mas que teme a ação perigosa de acordar. É como um cavaleiro que perdeu o domínio da carruagem e é arrastado pelos cavalos dos instintos degenerados. Vive atrelado à matéria, com o Ser ainda fechado para o que é eterno, caminhando sobre uma corda bamba, em chamas, pronta para arrebentar. Não possuí a consciência de que não é um ser material com necessidades espirituais ocasionais; mas sim, um ser espiritual com necessidades materiais ocasionais. Prefere a pseuda-paz do conformismo social do que a angústia da busca pelo seu vir-a-ser. Passa a maior parte de sua vida com um sentimento de vazio e falta de propósito tão grande, que é como se faltasse uma parte de si mesmo. Sem que se perceba, muito do que faz o leva cada vez mais para a sensação de vazio interior. Procura preenchê-lo com acúmulo de dinheiro e matéria, com prestígio e reconhecimento profissional, chegando muitas vezes a extremos como o excesso de comida, bebida, sexo ou até mesmo às drogas. Quanto maior é o seu desespero em ocupar esse vazio interior, mais vazio se sente. Em nenhum momento, lhe ocorrer que essa sensação de ausência possa ser de natureza espiritual, muito embora, esse conhecimento lhe chega de varias maneiras. Somente quando a dor chega ao seu extremo que ele começa a olhar para dentro de si e a buscar por algumas práticas espirituais, através das quais, finalmente, pode encontrar o verdadeiro conceito de objetivo e plenitude.
(...)
PIERRE WEIL
Pintura: Lena Gal

quinta-feira, agosto 28, 2008

Elogio a Bastet


Hoje e neste momento o que eu mais adorava era ter muitos gatos, mais do que um...dois ou três ou quatro...mas não dá agora...a casa é pequena e não tenho as condições certas...


...Eu não estranho que hajam mulheres idosas que vivem com imensos gatos...


Conheço uma mulher ainda relativamente jovem e muito bonita...que trocou tudo pelos seus maravilhosos gatos persas que trata com esmero e alimenta e ainda ajuda outros da rua que salva e dá de comer...


Dizem que é louca, que enlouqueceu de vez...


Eu compreendo-a...os gatos são seres mágicos e doces, mais doces que qualquer criança ou pessoa...são electrizantes, magnéticos, telepáticos, sumamente inteligentes...


Ter a loucura dos gatos eu acho que é uma loucura perto da divina, porque se eles não são anjos, andam lá perto...

E não é por acaso que a Deusa do Amor, no Egipto era uma gata...eles sabiam...

quarta-feira, agosto 27, 2008

...eu penso porque sinto...


Às vezes penso em tudo o que devia ter sido e não foi, em tudo o que podia ser ainda e não é…no amor e suporte que devíamos entre nós humanos partilhar, que deviamos ter tido dos pais em crianças e não tivemos, em tudo o que de legítimo podiamos ter possuido e não possuímos…na compreensão de que tanto precisávamos na adolescência e não tivemos, na ternura e na palavra afectuosa no momento certo e que em vez disso tivemos… um insulto ou um rotundo não…da mãe, da irmã ou do pai…da amiga especial…e nem o professor estava lá…
Tanto abandono, tanta rejeição…e aquela primeira e grande brutal desilusão…

Tantas feridas ao longo da vida…tantos desencontros, tantas tristezas, choques e inseguranças, tantos equívocos…

Eu falo das mulheres aqui é certo como as mais afectadas, mas eu sei que tudo isso é comum aos homens e sei também do seu sofrimento neste quadro humano, psicológico e social e apesar de serem os preferidos, as mães castram-nos e os pais querem-nos heróis…
Sei sobretudo como eles foram tratados e empurrados para o isolamento, a força, a violência e a guerra…mas meus amigos aqui eu trato só este lado…o lado feminino da humanidade…o que falta para que a mulher seja mulher e o homem seja homem e a Humanidade ame a Terra onde nasce e morre e em vez de Guerra conheça e estabeleça de vez a Paz dentro de si mesmo e no Planeta…

Ps.
Dizem que os anjos não têm sexo, mas a sua energia é, dizem, feminina…assim eles podem curar as nossas feridas e disso eu tenho prova…os anjos são mães também...
Quanto ao Freud ele só teve um complexo ele próprio…o do falo…logo existo...ou nem isso!

terça-feira, agosto 26, 2008

se quiserem ler...

Ecologia social e ecofeminismo
"Além da ecologia profunda, há duas importantes escolas filosóficas de ecologia, a ecologia social e a ecologia feminista, ou "ecofeminismo". Em anos recentes, tem havido um vivo debate dos méritos relativos dessas três escolas. Parece-me que cada uma delas aborda aspectos importantes do paradigma ecológico e, em vez de competir uns com os outros, seus proponentes deveriam tentar integrar suas abordagens numa visão ecológica coerente. A percepção ecológica profunda parece fornecer a base filosófica e espiritual ideal para um estilo de vida ecológico e para o ativismo ambientalista. No entanto, não nos diz muito a respeito das características e dos padrões culturais de organização social que produziram a atual crise ecológica. É esse o foco da ecologia social. O solo comum das várias escolas de ecologia social é o reconhecimento de que a natureza fundamentalmente antiecológica de muitas de nossas estruturas sócio-econômicas está arraigada no que Riane Eisler chamou de "sistema do dominador" de organização social. O patriarcado, o imperialismo, o capitalismo e o racismo são exemplos de dominação exploradora e antiecológica. O ecofeminismo poderia ser encarado como uma escola especial de ecologia social, uma vez que também aborda a dinâmica de dominação social dentro do contexto do patriarcado. Entretanto, sua análise cultural das muitas facetas do patriarcado e das ligações entre feminismo e ecologia vai muito além do arcabouço da ecologia social. Os ecofeministas vêem a dominação patriarcal de mulheres por homens como o protótipo de todas as formas de dominação e exploração: hierárquica, militarista, capitalista e industrialista. Eles mostram que a exploração da natureza, em particular, tem marchado de mãos dadas com a das mulheres, que têm sido identificadas com a natureza através dos séculos. Essa antiga associação entre mulheres e natureza liga a história das mulheres com a história do meio ambiente, e é a fonte de um parentesco natural entre feminismo e ecologia. Conseqüentemente, os ecofeministas vêem o conhecimento vivencial feminino como uma das fontes principais de uma visão ecológica da realidade.
Novos valores

Neste esboço do paradigma ecológico emergente, enfatizei até agora as mudanças nas percepções e nas maneiras de pensar. Se isso fosse tudo o que é necessário, a transição para um novo paradigma seria muito mais fácil. Há, no movimento da ecologia profunda, um número suficiente de pensadores articulados e eloqüentes que poderiam convencer nossos líderes políticos e corporativos acerca dos méritos do novo pensamento. Mas isto é só parte da história. A mudança de paradigmas requer uma expansão não apenas de nossas percepções e maneiras de pensar, mas também de nossos valores. É interessante notar aqui a notável conexão nas mudanças entre pensamentos e valores. Ambas podem ser vistas como mudanças da auto-afirmação para a integração. Essas tendências - a auto-afirmativa - são aspectos essenciais de todos os sistemas vivos. Nenhuma delas é, intrinsecamente, boa ou má. O que é bom, ou saudável, é um equilíbrio dinâmico; o que é mau, ou insalubre, é o desequilíbrio - a ênfase excessiva em uma das tendências em detrimento da outra. Agora, se olharmos para a nossa cultura industrial ocidental, veremos que enfatizamos em excesso as tendências auto-afirmativas e negligenciamos as integrativas. Isso é evidente tanto no nosso pensamento como nos nossos valores. Uma coisa que notamos ao examinar essas tendências opostas lado a lado é que os valores auto-afirmativos - competição, expansão, dominação - estão geralmente associados a homens. De fato, na sociedade patriarcal, eles não apenas são favorecidos como também recebem recompensas econômicas e poder político. Essa é uma das razões pelas quais a mudança para um sistema de valores mais equilibrados é tão difícil para a maioria das pessoas, em especial para os homens. O poder, no sentido de dominação sobre outros, é a auto-afirmação excessiva. A estrutura social na qual é exercida de modo mais efetivo é a hierarquia. De fato, nossas estruturas políticas, militares e corporativas são hierarquicamente ordenadas, com os homens geralmente ocupando os níveis superiores, e as mulheres, os inferiores. A maioria desses homens, e algumas mulheres, chegaram a considerar sua posição na hierarquia como parte de sua identidade e, desse modo, a mudança para um diferente sistema de valores gera neles medo existencial. No entanto, há outro tipo de poder, um poder mais apropriado para o novo paradigma - poder como influência de outros. A estrutura ideal para exercer esse tipo de poder não é a hierarquia, mas a rede, que é também a metáfora central da ecologia. A mudança de paradigma inclui, dessa maneira, uma mudança na organização social, uma mudança de hierarquias para redes. "
(...)*Fritjof Capra




(*) O texto aqui apresentado é um excerto do capítulo 1, "Ecologia Profunda - Um Novo Paradigma", de A Teia da Vida - Uma Nova Compreensão Científica dos Sistemas Vivos

mulher terra, na terra...


Pois é rosa, mesmo a Kuan Yin, com seus atributos de compaixão e perdão, apenas personifica um ideal masculino de virtude feminina. Ela é a que se sacrificou - escolheu permanecer com os imperfeitos até que adquirissem a iluminação. Nenhum mestre ascenso ou deus tem essa 'postura'.
Queria ver se há uma mestra ascensa que altere os destinos ou delibere definitivamente pelos humanos, como as 'bruxas' tentam cá embaixo. Mas ninguém ousa sequer imaginar que o princípio máximo, o sagrado máximo seja fêmea.


...isso é muito verdade minha amiga...poucas mulheres neste contexto, dito espiritual, Nova Era, vêm esta questão. Obrigada pela sua lucidez. Mantê-la é muito difícil, porque os novos arautos da espiritualidade, Mestres Ascensos e seus acólitos, canalizadores e outros e mesmo mulheres, claro, com quem tenho grandes afinidades, mas que também omitem o que concerne o ser mulher e sem dar atenção à mulher como indivíduo com as suas capacidades próprias, a sua representatividade na terra. Embora salientem alguns aspectos isolados das suas características humanas como o são sem dúvida, a Compaixão e o Perdão, sem salientar todavia que esses aspectos são pertença do Princípio Feminino e que as Deusas por suposto encarnam, mas quase sempre só como valores "morais" e sem olhar o feminino real e a sua passagem pela encarnação em sacrifício ou digamos anulação e cuja anulação é a meu ver a causa principal do desequilíbrio do Mundo...e englobam-na no Homem ou em Deus (ou engolem-na como Zeus...) e como fizeram os patriarcas do deserto!
OS ESPIRITUALISTAS NÃO VÊM O YIN COMO COMPLEMENTO DO MASCULINO YANG, NA PRÁTICA E NAS RELAÇOES HOMEM MULHER, NEM A EMERGÊNCIA E NECESSIDADE DA MULHER INTEGRAR ESSE FEMININO, PARTIDO DE UMA PSEUDO IGUALDADE, PARTINDO LOGO PARA UM PLANO SUPERIOR SEM FAZER A INTEGRAÇÃO DOS OPOSTOS, E SEM O QUAL TAMBÉM O HOMEM NÃO VAI A NENHUM LADO, COMETENDO O MESMO ERRO QUE AS RELIGIÕES PATRIARCAIS....
A Mulher para atingir um nível espiritual superior ou acima da dualidade, tal como o homem, tem de integrar o seu feminino, e este lado da Humanidade reprimido e esquecido dos homens e das mulheres vai ter de se equilibrar primeiro nas mulheres porque elas partem com a desvantagem de neste momento ainda se encontrarem perdidas da sua verdadeira identidade...E esse resgate é urgente por isso não há tempo a perder com erros e desvios da nossa verdadeira essência.
Falta à Mulher e à Deusa... a Bruxa! A Hecate de você fala...A sombra da mulher, a vidente a feiticeira.... que precisa ser integrada, porqeu a Bruxa é a mediadora entre a deusa e a mulher...eh eh eh...ela é que vê e empata o prazer gratuito da mulher, ela denuncia e mostra a estupidez da mulher ao alienar-se de si mesma...ela ssume as suas verrugas, o seu nariz e a sua pele encarquilhada...ela já não é donzela mas a sábia!
RLP

Nesta dimensão....


Querida Rosa Leonor,

"Tenho lido regularmente o seu blog. Gosto quase sempre. Não gostei muito deste aqui, onde se falava das mulheres actuais e do seu desatino. Soou-me muito, vai-me desculpar, a retórica de púlpito... “As mulheres estão perdidas”. Sem a Deusa.

Veja, os padres dizem rigorosamente o mesmo há séculos e séculos, apenas mudando o género da divindade. Ora, onde me situo eu para achar que os outros estão perdidos? Qual é esse porto de abrigo, esse local de chegada, esse ancoradouro em que supostamente todos estaríamos a salvo?
Não será por certo neste planeta, nesta dimensão densa onde agora estamos encarnados... Não sem antes termos feito algum trabalho pesado, não é assim? Embora, por suposto, sejamos seres duma dimensão mais leve e luminosa, teremos vindo até cá para fazer experiências na matéria, para elevar a matéria. Ah, sim, enterramos nela os nossos pés muitas vezes, baralhamo-nos muito, equivocamo-nos com frequência. Sofremos.
Dizem-nos os mestres que o grande factor de elevação da consciência é precisamente a dor. Só quando chegamos ao limite da dor e do equívoco, podemos mudar a nossa percepção das coisas e elevar a nossa consciência. Nisto eu acredito por experiência."
(...)
Continuar a ler em : http://saberdesi.blogspot.com/

A Luiza Frazão, respondeu assim ao meu texto anterior, muito à sua maneira, tão mais compassiva do que eu, e gostaria que lessem o que ela escreveu porque é outra visão, bastanta mais compreensiva e abrangente do que a minha. No entanto gostaria só de lhe responder que eu não estou a julgar essas mulheres...eu fiz os meus erros e faço-os ainda e aprendo com eles, o que eu quero às vezes salientar é que há UM SOFRIMENTO INUTIL E UM SOFRIMENTO TRANSFORMADOR E QUE PARA OS DESTINGUIR É PRECISO A MULHER, TER CONSCIÊNCIA DE SI COMO MULHER...
HÁ O SER E O SER...HÁ VÁRIOS PLANOS DE CONSCIÊNCIA, DIMENSÕES, MAS EU FALO AQUI DE UMA CONSCIÊNCIA DO FEMININO QUE FALTA E POR ISSO CARREGO NA TECLA...DEMASIADO ÀS VEZES...

(TANTO A MULHER COMO O HOMEM É OBVIO, PRECISAM DE TER A CONSCIÊNCIA DE SI MAS EU SÓ ME OCUPO AQUI DE MULHERES & DEUSAS...OS HOMENS NÃO PERDERAM A SUA IDENTIDADE NESTA HISTÓRIA, AS MULHERES SIM...)
E por amor de/a deus/a...não pense que estou contra A LIBERDADE E o prazer da mulher....

ISTO NÃO É JULGAR, É VER...


Ontem vi uma mulher jovem a submeter-se a intervenção médica para corrigir e aumentar os seios…

A Susana, chamava-se assim, tinha amamentado os filhos disse, e ficou com uns vazios nos seios que pretendia encher…falava de uma forma natural diante das câmaras e exponha-se de seios descobertos enquanto o médico fazia a geografia da operação riscando e escrevendo números sobre cada um dos seis, na pele nua dos seios, que só a esferográfica tocava… e a Susana mantinha-se impávida e serena…digo, o suficientemente alienada de si e do seu corpo para o poder deixar assim exposto e ser um mero objecto nas mãos dos médicos. E foi a frio que assistiu à operação pois não podia ser anestesiada, e assim assistimos à perfuração e introdução de um novo produto, semelhante ao silicone e que se vai com o tempo diluindo no corpo e de novo ela terá de voltar a fazer a operação…se tiver coragem, disse no final e certamente dinheiro, porque neste caso eu presumo que foi a televisão, mais propriamente a TVI e a clínica que organizaram aquela amostra e quem pagaram a operação e a rapariga foi apenas mais uma pobre e triste cobaia de uma publicidade deprimente e humilhante que promove a alienação da imagem do corpo sagrado da mãe e da Mulher….
Já noutro programa em tempos tinha visto esta aberração e a forma INCONSCIENTE como as mulheres se expõem a estas aberrações para erguer os seios ou aumentá-los e quem diz os seios diz o resto, o que quer que seja que a mulher mutila em si expondo-se na sua integridade física alterando a sua fisionomia ou forma física submetendo-se a dores incríveis e riscos de infecções químicas…

Quando há acidentes graves e surgem a necessidade de operações, há tanta pena e tanto sofrimento... Que eu não compreendo como as mulheres aceitam estas mutilações do seu ser a frio em nome da beleza…em nome do “amor” ou do prazer…que mulheres aceitam continuar a ser a montra do apetite sexual e do consumo.

Que mulher é esta que se transforma numa imagem estereotipada a troco de nada… ou apenas por uma aparência num palco, para agradar ao amante ou ao marido, ou por um estatuto efémero na ribalta da vida…
Esta mulher só pode ser a mulher sem identidade, a mulher fragmentada, a mulher dividida, a mulher vazia dela mesma…

A mulher perdida da sua essência…
É esta mulher que todas temos de resgatar em nós…
Para valorizar todas as mulheres, todas as mulheres que no mundo não são ricas, nem belas, nem artistas, nem modelos…
As mulheres como você e eu…que somos apenas mulheres que se valorizam por si mesmas e tem auto-estima suficiente para acreditar no nosso potencial e no nosso coração para amar, sem necessidade de operações plásticas…
rlp

segunda-feira, agosto 25, 2008

As mulheres estão ainda longe da suas verdadeiras faculdades

“Como é que viviam as mulheres nesses tempos e nesses países em que a divindade era feminina? Elas eram consideradas de uma forma completamente diferente da que nas civilizações cristã e muçulmana que juntavam ao patriarcado uma teologia que as inferiorizava. O homem olhava a mulher como uma criatura quase sempre sagrada e muitas vezes com honrarias, e a mulher ela própria se considerava como um ser a parte inteira que não tinha nada a invejar ao homem. Este clima psíquico era evidentemente favorável à confiança em si mesma e ao seu desenvolvimento, à eclosão livre das suas faculdades. Sem dúvida que nós estamos muito longe de ter reconquistado estas condições apesar das consideráveis conquistas destes últimos vinte anos.”
In Mulher Solar - Paule Salomon

AS MÃES E AS MULHERES...


É PRECISO TER CORAGEM PARA SER MULHER...

As mães não são todas Mães...as mães são só partes de mães na divisão e fragmentação do seu ser...as mães que se viram só mães e que tiveram de se virar para fazer face às suas múltiplas dificuldades, não podem ser boas mães. PORQUE AS MÃES NÃO SÃO MULHERES...São um verbo de encher...

As mulheres dentro do sistema patriarcal e da sua educação secular que as reduz às funções de mães e esposas normalmente não amam as filhas... amam descaradamente mais os filhos, mas não tendo filhos é natural que sejam mais próximas de alguma das filhas uma que a não confronte com o seu outro lado pois há sempre um outro lado da mulher que ela teme...Seja filha seja mãe seja irmã, a outra pode ser sempre a "rival"...
As mulheres tem dificuldade em lidar com as filhas, tem dificulade em se darem com outras mulheres, tem dificuldade em se reverem nelas e aos seus problemas mal resolvidos, em se reverem nos seus medos e ódios, nas suas frustrações e revoltas caladas, preferindo sempre os homens e os filhos homens menos problemáticos e menos sujeitos aos dramas e aflições que as mulheres enfrentam como mães ou amantes e até como filhas preteridas...a sua divisão interior entre a mulher séria e a mulher perdida...a ideia da santa e a prostituta é um pesadelo de vida mesmo que inconsciente, mesmo que já nem se ligue a isso, vive-se os seus reflexos...e está lá sempre o estigma a espreitar...na vizinha do lado, nos amigos do Bairro, na família....o medo de ser...
"Aquela rapariga não presta"...é uma isto e uma aquilo...veste-se assim ou assado, foi para Paris ou é mãe solteira, nem pensar dares-te com ela...

Foi assim no meu tempo e da minha mãe muito pior...é-o assim para as minhas sobrinhas porque eu filhas não tive...mas sei dos seus problemas com os maridos possessivos ou ciumentos e as suas paixões frustradas, sei-o com as filhas das minhas amigas...
As mulheres ficam sempre a perder e são elas sempre quem sofrem...são elas que são violentadas e mortas...quando querem decidir sozinhas as suas vidas...e sei-o das netas que também não tenho, mas são os nammorados que as tratam com desprezo e são violentos...
Dizem as estatísticas!!!
Assim, para as mães foi e é mais fácil ter filhos...os homens não engravidam, nem são violados...os homens não são acusados de serem putas se não se portarem bem ou não forem virgens...a não ser que sejam gays não lhes dão grandes problemas.... Estas são as coisas do passado, dirão algumas pessoas, mas está tudo lá ainda...oculto ou disfarçado, a violência no namoro e em casais muitos jovens aumenta e não é senão por insegurança dos homens e a luta da mulher que se desenha entre dois mundos sem pertencer a nenhum...a mulher que quer ser livre e igual aos homens...quer dar uma queca ou uma rapidinha, não se quer prender nem voltar a casar e pensa que não tem consequências mas tem, a curto ou longo prazo... A mulher não tem lugar nesta socieade porque ela não sabe qual é o seu legitimo lugar, não sabe qual é a sua verdadeira identidade...
Ela é uma sobrevivente e sendo-o vive de esquemas, vive insegura, vive contra tudo e contra todos e talvez sonhe ainda com o príncipe encantado embora farta de comer sapos...
Hoje em dia ela é livre, diz-se...tem um bom emprego e quando sai do trabalho vai jantar fora ou à Boite dos blakes...dança a noite toda e depois vai com um qualquer, mais novo ou mais velho...mas nada a satisfaz...sim isso era o que me contava ontem a prima de uma amiga...que eu não imaginava o que se passava hoje em dia... e que ela me ia levar a uma boite para eu ver a quantidade de mulheres frustradas ou desesperadas, confusas e perdidas, mas livres... mulheres especias, fantásticas, bonitas e bem arranjadas mesmo com uma certa idade, e que já não são donas de casa, são médicas e engenheiras, divorciadas, quase todas formadas dizia, que procuram engates sem consequência... e faziam-no até na praia ou num canto...como no sexo e a cidade...
Mulheres livres de fazerem tudo o que os homens fazem, mas sem substância, sem essência sem tranquilidade, sem paz interior...sem amor, só em busca de prazer...fugaz...passageiro, sem compromisso, sem nada... e até já pagam se for preciso... depois a angústia, o vazio, o desepero e o mesmo ciclo vicioso, sempre até cair doente...sem saber para onde vai...
Sim, para onde vão essas mulheres sem centro, sem nexo só à procura de um sexo...de um prazer que ás vezes nem têm...

“a mulher não está sabendo, mas ela está cumprindo uma coragem. A coragem da mulher é a de não se conhecendo, no entanto prosseguir, e agir sem se conhecer exige coragem”. - Clarice Lispector

 

domingo, agosto 24, 2008

O PRINCÍPIO CÓSMICO MATERNAL


"O amor materno muitas vezes chega a ser considerado divino, apesar de sabermos que um amor desta categoria não faz distinções. O amor divino é incondicional. Ultrapassa as barreiras de sangue, de raça, de sexo, de país. É algo a ser desenvolvido em todos os seres, quer estejam na veste masculina ou na feminina, pelo aprendizado que os relacionamentos oferecem.
Polarizado em suas crias, o instinto materno é uma força essencial para a geração e preservação da vida física. A mulher inclina-se nessa direção mesmo quando muito bela e admirada, sabendo que durante algum tempo seu corpo perderá o apelo sensual, algo do encanto que prende o macho, assumindo em contrapartida o apelo da vida.
A filosofia esotérica ensina que tudo o que acontece na vida do homem é reflexo do plano divino. Assim, a relação “pai, mãe e filho” que sustenta a vida de um ser humano não é diferente daquela que sustenta o Universo, como filho da união do Espírito com a Matéria. A Trindade Divina - bem clara na teogonia egípcia como “Osíris, Ísis e Hórus” (ou Pai, Mãe e Filho) - está refletida na trindade da família humana.
Hodson, na obra “O Reino dos Deuses”, relata os mecanismos que atuam desde o plano invisível - pelo trabalho de Anjos, Devas e Espíritos da Natureza - para dar forma a todos os modelos programados na Mente Divina. Um desses Anjos é a própria Mãe do Mundo.
Diz Hodson: “O Princípio cósmico maternal está universalmente manifesto, e todos os seus atributos conservadores e reprodutores estão ativos em toda a Natureza. Fisicamente se expressa tanto como polaridade química negativa, quanto como feminilidade de todo o mundo orgânico”, indicando que, desde a formação das substâncias químicas, a dualidade “masculino-feminino” está dando suporte à vida.
“A Mãe do Mundo planetária é concebida em certas escolas de filosofia oculta como uma altamente evoluída Representante e Incorporação Angélica do Aspecto Feminino da Divindade. É também concebida como um Oficial Adepto do Governo Oculto do Mundo, em quem todas as mais elevadas qualidades de feminilidade e maternidade brilham em sua mais completa perfeição”, diz ainda Hodson.
A evolução humana é regida por três instrumentos de consciência: a dor, o conhecimento e o amor. No começo, a dor naturalmente predomina. A criança só conhece a natureza do fogo depois que colocou a mão nele. A dor leva ao conhecimento, este leva à compreensão e finalmente ao amor. Assim acontece também com o próprio caminho do conhecimento. No final, tudo converge para o amor, onde está a essência da Sabedoria.
Como Sabedoria, o Amor nada tem a ver com as preferências e apegos do amor humano. Amando pela essência, ele ama o “um” no Todo e o Todo no “um”. Quanto a ele, nada pode ser subtraído ou acrescentado.
Ramakrishna, santo hindu do século 19, cultuava a Mãe Divina dizendo
“Ó Mãe! Concede-me que eu possa ter uma devoção pura e simples. Aqui está o
pecado, aqui está a virtude; eu os ponho a Teus pés. Oh! Toma-os ambos. Aqui
está o conhecimento, aqui também está a ignorância. Oh! Toma-os ambos e
concede-me que eu possa ter tão só devoção. Aqui está a pureza e aqui também a
impureza; não desejo nenhuma das duas. Aqui há boas obras, aqui há obras más;
todas coloco a Teus pés. Concede-me que eu só tenha devoção e amor por Ti”.
No colo da mãe terrena - refúgio do mais abnegado amor humano - as dores do filho são consoladas. No regaço da Mãe Divina elas são extintas pela libertação que o Amor Universal propicia, como via direta para Deus. "*
*
Texto de Walter Barbosa, membro da SOCIEDADE TEOSÓFICA (brasileira).

sábado, agosto 23, 2008

A CONSCIÊNCIA FEMININA


A ENERGIA FEMININA VISTA PELOS PLEADIANOS...

Os únicos que se interessam um pouco sobre o que aconteceu às mulheres nestes milhares de anos...

(...)


"Buscamos movimentos de consciência. A energia feminina, portadora da magia e da intuição, concordou em abdicar dessas qualidades – energia feminina significando não apenas os seres fisicamente femininos, mas a consciência feminina.

O movimento patriarcal nos últimos cinco mil anos afastou-se completamente do processo do nascimento para poder dedicar-se ao desenvolvimento de armas e ao contínuo aniquilamento dos seres humanos. As mulheres estão com um “nó na garganta” porque concordaram, há quatro ou cinco mil anos, manter silêncio acerca da magia e da intuição que representavam e conheciam como parte da chama gémea. A chama gémea consiste na energia masculina e feminina coexistindo num só corpo, quer seja ele fisicamente masculino ou feminino.


Durante este período de mudança, será necessário que as mulheres desatem o “nó da garganta” e se permitam falar. Chegou a hora."


BARBARA MARCINIAK,
Mensageiros do Amanhecer
Ed. Ground, São Paulo, 1992

sexta-feira, agosto 22, 2008

UMA PIEDOSA MULHER E UM BÍBLICO COMENTÁRIO...


Anónimo disse...
Agosto 22, 2008

Acorda minha querida, Leia a Bíblia sem o seu filtro feminista, e todo poluído pelas suas filosofias e pré conceitos, bagagem advinda de um criação onde uma cultura lhe foi imposta e que, portanto, influencia o seu olhar para onde quer que seja que você o dirija.

Não somos deusas, somos MULHERES, isso é muito mais que ser deusas.
Ser mulher em sua essência, como DEUS nos criou, aliás.....somos o melhor da criação de Deus.

Busque na Bíblia, que a VERDADE, não toda essa baboseira que vc tem lido e compartilhado com as mentes retorcidas que tem acessado seu epaço e tem sido, cegamente, influecniadas e seguidas, é claro, conforme suas conveniências, afinal, somos todos resposáveis por TODOS os nossos atos, Unico responsáveis.

Busque na Bíblia o que é ser mulher, e leia, em particular Porvérbios 31 e verá que não é qualquer uma que preenche asqueles requisitos, somente uma mulher que aasume o seu verdadeiro papel e lugar na sociedade que em NADA mudou desde a criação do mundo.
Que Deus te abençoe
Gil

- OH! GIL, A BÍBLIA É SÓ MAIS UM LIVRO COMPOSTO POR VÁRIOS AUTORES VISIONÁRIOS QUE JÁ CANALIZAVAM NAQUELE TEMPO E QUE POR SINAL ERAM BEM MISÓGINOS A COMEÇAR POR PEDRO E O PAULO, ESTE CERTAMENTE HOMOSSEXUAL E AMBOS ODIAVAM AS MULHERES.

SENTE-SE FELIZ? Fique então você com os seus santos e patronos e deixe as mulheres pagãs como eu na paz da deusas...Se não gosta de deusas...não entre aqui...vá pregar para outro lado porque isto é obra de bruxas más, muito más mesmo ...e não para puras devotas do senhor e do pecado...se voltar vai para o inferno!!!

E NÃO PRECISA PARA NADA DAS SUAS BENÇÃOS A CHEIRAR A INQUISIÇÃO...

SUPREMA IRONIA...

LADY PORTIA,
CONSORTE DE SAINT-GERMAIN...

Depois deste período intenso e polémico de abertura de Portais e viagens astrais e energias superiores e Mestres ascenços, percebi que ninguém quer saber das mulheres & deusas nesses planos; os mestres também se marimbam nas mulheres…ou lá no cosmos não as há…OU claro com o conhecimento de causa e a desculpa de que todos somos aqui ora homem numa vida e logo na outra mulher e calha a todos a sua vez e portanto é como se não valesse a pena debruçarem-se sobre questões menores…
Além disso os mestres são quase sempre homens…nem se fala em Mestras: como no Olimpo, elas são sempre as consortes também… dizia o meu Mestre em tempos que as mullheres tinham o previlégio de serem a s mães do mestres...Quanto aos anjos nem ninguém fala em “anjas”, nem pensar! Era ridículo e até soa mal, mas mesmo assim parece que esses são os mais equilibrados pois apesar de masculinos na designação a sua energia é feminina…e assim talvez eles estejam do nosso lado… claro lá em cima não há dualidade...não têm lado...o deles e o nosso...como cá por baixo!
Bom, eu não queria ironizar tanto, mas é um facto de que em todos os livros canalizados por uma maioria de mulheres as entidades são sempre ou quase sempre masculinas. Também há algumas mulheres ascençças é um facto, mas não falam dos nossos problemas …também elas, parece que estudaram nos registos akáshicos dos Mestres…onde as mulheres só devem fazer a limpeza…às estrelas… Só as Pleiades focaram o tema do feminino com algum rigor!
Os Mestres ascenços falam muito da energia do amor e do coração, do foco no coração, mas se calhar estão tão lá em cima que nem lhes passa pela cabeça que as mulheres ou o feminino é que tem essa função aqui em baixo e que foi impedida pelos homens de a cumprir; assim como parece que ignoram que os homens dominaram o Planeta e escravizaram as mulheres…eles não falam disso porque são muito positivos e estão muito acima de nós e ensinam-nos a não julgar ninguém, mas a verdade é que nos ignoram, a nós mulheres, completamente e à nossa desgraça…
Alguns falam do pai –mãe e falam do ser humano em geral, mas a maioria ainda só fala dos homens e só se dirigem a eles como se as mulheres não existissem…
Não sei mas calculo que deve ser um grau avançado de inteligência “superior” tanto na terra como no céu ignorar as mulheres…
Não pensem que eu ignoro que a alma não tem sexo e que eles falam para as nossas almas, mas por que raio não falam então no feminino?
Não é agora o tempo do Coração da Mãe?

Segundo a irmã (aí temos uma irmã que fala) de Telos, Aurélia,

O papel do mental é de aprender e analisar
O papel do coração é de decidir e de realizar.
O coração une enquanto que o mental separa.

Diz ainda:

" O coração, tem uma frequência de abertura e receptividade a todas as possibilidades. Ele liga-nos ao Todo que é; ele não duvida desta conexão e não analisa. Ele absorve tudo o que se apresenta num fluxo contínuo e palpita nesse ritmo de vida com alegria, maravilhado. E desta confiança nascem a aceitação e a compaixão..." (in TELOS)

- Não são esta as características do Feminino Sagrado, do Yin, da Deusa Mãe?
O PRINCÍPIO QUE FOI DESTRONADO PELO PRINCÍPIO MASCULINO YANG TODO PODEROSO?

E não foi porque estas características ao desapareceram do Planeta pela sujeição da mulher ao homem fez o mundo cair em desequilíbrio? Então proque não esclarecem que o que falta é as mulheres se consciencializarem do seu poder inato e ajudar os homens a ver o seu feminino neles também?
PERGUNTO EU...
««««

Ó Divina Mãe, que toda a minha fala
e as minhas palavras vazias se tornem um mantra,
Que toda acção de minhas mãos seja mudrá,
Que tudo o que eu comer e beber
Seja uma oferenda a Ti.

Sempre que me deitar
que seja uma reverência diante de Ti,
Que todos os meus prazeres
sejam minha total dedicação a Ti,
Que tudo o que eu faça sirva de adoração a Ti.


Livro "Mantras - Palavras de Poder" de Swami Sivananda Radha
(Discípula de Swami Sivananda)

as medalhas olímpicas fazem chorar o povo...


Uma medalhinha de ouro para Portugal por amor de deus ...
por amor de deus, vá-lá uma medalhinha ou duas de ouro e uma de prata para os portugueses tirarem a barriga da miséria e poderem durante umas semanas sairem da depressão económica e dos assaltos constantes aos bancos, às bombas de gasolina...aos carros, às casas e às ourivesarias...
e a nossa tristeza congénita...
do nosso Fado
*

O DIVÓRCIO DA REALIDADE

Fernanda Câncio-jornalista
fernanda.m.cancio@dn.pt

Cavaco Silva vetou o novo regime do divórcio (que acaba com o divórcio litigioso), prevendo "consequências graves" caso seja posto em prática. Essas consequências teriam a ver, para o PR, com "a desprotecção do cônjuge que se encontre numa situação mais fraca" ou "mais débil" - que para o presidente é "em regra a mulher". Para começo de conversa, portanto, o veto presidencial informa que as mulheres são fracas e débeis. E que, "em regra", quem se quer divorciar são os homens.

(...)

Será pois essa preocupação, a de simplificar, que explica que ao elencar uma série de situações hipotéticas e gravosas "criadas " pela nova lei - "um marido que agride a mulher ao longo dos anos e passa a poder obter o divórcio independentemente da vontade da vítima dos maus tratos" e, "por força do crédito atribuído pelo novo diploma, exigir do outro pagamento de montantes financeiros"; "um cônjuge economicamente mais débil que pode sujeitar-se a uma violação reiterada e deveres conjugais sob a ameaça de, assim não proceder, o outro cônjuge requerer o divórcio unilateralmente" - o veto opte por elidir vários factos. (...)
«««««««

O presidente da república não foi ver o papa, e não esteve com o alberto do jardim da madeira? Todos compadres da mesma Igreja...

O princípio da família é a mulher em casa e levar pancada...e a pedir perdão a deus...por ter comido o pão que o diabo amassou...

DE VOLTA À TERRA...

Violência doméstica já matou mais este ano
CÉU NEVES - RODRIGO CABRITA DN
Balanço. Observatório regista 31 homicídios conjugais em 2008 e 23 em 2007
(...)
E, em mais 31 casos, essas tentativas foram concretizadas, o que faz com que já existam mais oito vítimas mortais até Agosto deste ano do que em 2007.
"Um retrocesso" que Artemisa Coimbra, responsável pelo Observatório de Mulheres Assassinadas, tem dificuldade em explicar, até porque o ano passado o número de vítimas mortais tinha baixado para as 23 (39 em 2006 e outras tantas em 2005). E questiona a relação que poderá existir entre a crise económica e os homicídios conjugais, lembrando o ditado popular:
"Em casa onde não há pão todos ralham e ninguém tem razão!"
(...)
Os dados dos primeiros oito meses de 2008 indicam que as vítimas de violência doméstica e os agressores são cada vez mais novos, quando nos anos anteriores as idades etárias se situavam claramente acima dos 50 anos. E, além das mulheres continuarem a ser vítimas dos maridos e companheiros ou "ex", estão a sê-lo cada vez mais dos namorados ou "ex".
Os homens não aceitam um pedido de divórcio, a maioria dos casos, o fim da união ou do namoro."
(...)
...E ENTÃO VÁ DE BATER na namorada OU MATAR a mulher ...

quinta-feira, agosto 21, 2008

A DEUSA COMO DESTINO E ORIGEM


O GRANDE FEMININO


"Muito tempo depois do patriarcado se haver tornado dominante em todas as esferas, ainda encontramos a concepção matriarcal, segundo a qual os céus e os mundos giram em torno da “cavidade” – O Grande Feminino -, de onde se origina a vida. E na Índia, em plano superior, a imortalidade é obtida a partir do mar de leite feminino”batido”, a respeito de que se diz: “A água é o leite vital do corpo do mundo, e o espaço cósmico é um mar de leite”. Agora que já temos uma noção razoável do amplo escopo do Grande Feminino, que na verdade abrange quase tudo – céu, água e terra, e até fogo – na forma de filho por ele gerado e nele contido -, compreende-se por que esse Feminino não pode ser identificadoem hipótese nenhuma, com o telúrico-ctônico, com o meramente terreno e inferior, no que tanto insiste posteriormente o mundo patriarcal masculino, com suas relig~ioes e filosofias. A totalidade do Grande Feminino vai muito mais além da projecção em que ela une os elementos terra, água, ar e fogo.
(...)
Entre as experiências mais impressionantes da humanidade estão aquelas relacionadas com a dependência que todos os corpos luminosos e todos os poderes celestes e deuses têm da Grande Mãe, bem como a sua ascensão e seu declínio, o seu nascimento e a sua morte, a sua transformação e a sua renovação. Não só a alternância noite-dia, mas também a mudança dos meses, das estações e dos anos estão subordinados à omnipotente vontade da Grande Mãe.”

In A GRANDE MÃE – ERICH NEUMANN

A PRINCESA LILITH...


"OS NOSSOS PERFEITOS COMPANHEIROS NUNCA TÊM MENOS DE QUATRO PATAS."

COLETTE
(...)
"Os gatos são poseurs. Têm um senso de persona – e ficam visivelmente vexados quando a realidade perfura sua dignidade. Os macacos são mais humanos, mas menos bonitos. Agachando-se, tagarelando, batendo no peito, mostrando o traseiro, os macacos são convencidos vulgares que assomam na estrada evolucionária. As sofisticadas personas dos gatos são sinais de avançada teatralidade. Sacerdote e deus de seu próprio culto, o gato segue um código de pureza ritual, limpando-se religiosamente. Faz sacrifícios pagãos a si mesmo e pode partilhar suas cerimônias com os eleitos. O dia do dono de um gato muitas vezes começa com um belo monte de entranhas ou pernas trituradas de camundongo na varanda – lembretes darwinianos. O gato é o habitante menos cristão do lar médio.
No Egito, o gato; na Grécia, o cavalo. Os gregos não ligavam para os gatos. Admiravam o cavalo e usavam-no constantemente na arte e na metáfora. O cavalo é um atleta, altivo mas serviçal. Aceita cidadania num sistema público. O gato é a lei em si. Jamais perde seu ar despótico de luxo e indolência orientais. Era feminino demais para os gregos, amantes do masculino. Falei da invenção egípcia da feminilidade, uma estética de prática social distanciada da brutal maquinaria feminina da natureza. As roupas da egípcia aristocrática, uma perfeita túnica de linho transparente pregueado, eram macias, lisas, fluidas. Macia é a sorrateiricie noturna dos gatos. Os egípcios admiravam o aspecto liso, nédio, nos mastins, chacais e gaviões. O nédio é o liso contorno apolíneo. Mas a maciez é a arte sinuosa das trevas daimônicas, que o gato traz para o dia.
Os gatos têm pensamentos secretos, uma consciência dividida. Nenhum outro animal é capaz de ambivalência, essas ambíguas correntes contraditórias de sentimentos, como quando um gato ronronante enterra ao mesmo tempo os dentes como advertência, no braço de alguém. O drama interior de um gato ocioso é telegrafado pelas orelhas, que giram para um farfalhar distante enquanto ele repousa os olhos com falsa adoração nos nossos, e depois, pela cauda, que bate ameaçadora mesmo quando ele cochila. Às vezes, o gato finge não ter qualquer relação com a própria cauda, à qual ataca esquizofrenicamente. A cauda a contorcer-se e a bater é o barômetro ctônico do mundo apolíneo do gato. é a serpente no jardim, trombando e triturando com maliciosa antecipação. A ambivalente dualidade do gato é dramatizada nas suas erráticas mudanças de humor, saltos abruptos do torpor à mania, com os quais contém nossa presunção: “Não chegue mais perto. Nunca se sabe”. (...)

Camile Paglia

quarta-feira, agosto 20, 2008

CURA HOLÍSTICA


O Phoenix Espaço Holístico promove no próximo dia 23 de agosto o 2º Dia da Cura Holística, com o objetivo de difundir os benefícios das terapias complementares como forma de prevenção e tratamento natural dos distúrbios físicos, mentais e espirituais que afetam o ser humano.
Durante um dia inteiro serão oferecidas terapias e aulas a preços simbólicos de R$ 10,00 (por atendimento) e cada participante deverá contribuir com a doação de dois quilos de alimentos não perecíveis que serão doados a entidades assistenciais.
As consultas e aulas devem ser pré-agendadas com antecedência e podem ser feitas desde já pelo telefone (41) 3077-8397 no período da tarde. As vagas são limitadas.
Cada sessão terá meia hora de duração para permitir que mais pessoas tenham oportunidade de desfrutar de uma pequena amostra das terapias e poder dar continuidade ao tratamento posteriormente se assim o desejarem. A única exceção será para consulta de Floral de Bach, que necessitará de dois horários (R$ 20,00) para a correta orientação dos Florais a serem utilizados.
Serão oferecidas mini-consultas de Reiki, Massoterapia Estética e Terapêutica (Drenagem Linfática, Redutora, Relaxante, Sueca, Tui-Ná e Ayurvédica); Tarot; Relaxamento (individual ou em duplas); e orientações de Regressão de Memória, Terapia de Vidas Passadas, Numerologia, Acupuntura e Feng Shui (para quem tiver dúvidas sobre o assunto).E para abrir esta segunda edição do Dia da Cura Holística, teremos na sexta-feira à noite, dia 22, das 19h às 21h, uma palestra que vai ajudar você a atrair
Prosperidade em todas as áreas de sua vida. 2008, o Ano da Fortuna!
Cada período de tempo traz consigo tendências e oportunidades únicas de Progresso e Realização Pessoal para nossas vidas.
Conhecer essas tendências é essencial para quem quer obter o aproveitamento máximo das oportunidades que o ciclo oferece.
Adequando nossas atitudes dessa forma, possuímos a chave para alcançarmos Sucesso em todos os sentidos.
MINISTRANTES:
Adash (Adriano Silveira) é Tarólogo há 13 anos, direcionando seus estudos do Tarot com ênfase em simbologia, observação arquetípica e influência histórica. Seu trabalho é focado em Autoconhecimento, aliando conceitos que ampliem o espaço intuitivo, de técnicas como Reiki (Vinny Amador), Terapia Floral de Bach (Instituto Bach), Elementos Ritualísticos Herméticos, Xamânicos e do Feminino Sagrado. Atua com o Tarot em atendimentos individuais, e realiza vivências em grupo, cursos, workshops e palestras.
Fabiano Medeiros é pesquisador do Feminino Sagrado e suas diversas representações. Desde 1996, seu trabalho baseia-se no estudo de mitologias antigas, relacionando-as com conteúdos arquetípicos universais presentes no Tarot e na Astrologia. Buscando promover a compreensão e religação do indivíduo com seu Universo Interior, possibilitando o resgate das capacidades intuitivas e o desenvolvimento pleno dos potenciais individuais. Com esse enfoque, atua realizando grupos de estudo, vivenciais, palestras e cursos.
Serviço:
Palestra: 2008, o Ano da Fortuna!
Data: 22 de agosto de 2008
Horário: Das 19h às 21h
Dia da Cura HolísticaData: 23 de agosto de 2008Horário: Das 8h às 18h
Local: Phoenix Espaço Holístico
Rua Fernando Amaro, 737 – Alto da XV (próximo ao Pollo Shop).
Fone: (41) 3077-8397
ttp://www.phoenixespacoholistico.com.br/

terça-feira, agosto 19, 2008

AOS MEUS AMIGOS...


PARA ALÉM DE MULHERES & DEUSAS...


Há coisas que AQUI ESCREVO OU TRANSCREVO que se identificam mais ou menos comigo e com a minha experiência de vida, ou mesmo com o que penso, SONHO OU ANSEIO, mas como lhe disse em baixo eu não estou de alma e coração com nada e isso é que é importante.

Há coisas que me parecem verosímeis umas mais do que outras, mas sem grande significado à partida. Porque só quando eu tiver a minha experiência pessoal nesses mundos é que falarei deles a sério...
Quando eu tocar qualquer coisa de tangível ...ou algo de inteligente me tocar a mim e ao meu coração... eu darei o meu aval...se é que ele tem algum valor!
Até lá, não era superficial que eu queria dizer, mas fútil ou irrelevante tudo o que se diz de tudo o que não se sabe...

E QUEM SABE DESTINGUIR A FICÇÃO DA REALIDADE?

Para já, como lhe disse, a confusão é muita aqui na Terra e parece que ASSIM É no Céu também...

RLP

O CORAÇÃO DO COSMOS


«O coração de um Arhat é como o coração do Cosmos. O coração de um Arhat é como o fogo do Sol. A eternidade e o movimento do Cosmos enchem o coração do Arhat. Maitreya vem vindo, radiante com todos os fogos. Seu Coração flameja de compaixão pela humanidade carente. Seu Coração flameja com a afirmação dos novos Mandamentos».
«Entre as pessoas existe um conceito de Arhats privados de vida, e pobres «iogues» povoam a imaginação dos homens com suas próprias imagens. Mas quando a humanidade conscientizar-se de que o Arhat é a manifestação mais elevada da Matéria Lúcida, ela compreenderá que não há diferença entre a Matéria Lúcida, doadora da Luz, e a matéria de amor, que envolve tudo com Luz. A humanidade reveste o Arhat de uma imagem austera, porém a Matéria Lúcida irradia amor… Quando será possível iluminar o homem com a Nossa Imagem»?
«A mente compreende com dificuldade a pureza das esferas superiores. Para aquele que tem consciência do caminho para Nós, diremos: "Andai pelo caminho do amor. Andai pelo caminho do trabalho. Andai pelo caminho do escudo da fé"! Para aquele que encontrou Nossa Imagem em seu coração, diremos: "Andai pelo caminho do coração e o Cálice afirmará o caminho"! Para aquele que pensa que alcançou o caminho pela presunção, diremos: "Ide aprender com o espírito que conhece a coroação, pois a presunção impede qualquer progresso».
«Toda a criação esta contida no chamado do coração. Toda a expansão cósmica está permeada com um chamado, e o coração do Cosmos e o Coração do Arhat estão cheios do chamado. O chamado e a resposta são uma combinação de fogos cósmicos… O Coração da Nossa Fraternidade guarda para a humanidade o caminho para o Bem Geral» (Hierarquia).

in cartas de helena roerich

JURO QUE SOU FIEL A MIM...

OS PONTOS NOS iiiiiiiis
*****


MOLOI LORASAI disse...

Moloi faz discriminações e contém raiva.
O culto da ASCENÇÃO é um dos grandes perigos que ameaça a humanidade.

Ainda mais misturada com a NUMEROLOGIA, que deveria continuar a ser uma CIÊNCIA SAGRADA.


Há alguns amigos a alertar-me para este facto...e eu gostaria de lhes responder que não tenho nenhuma certeza nem conheço nenhuma verdade ao cimo da terra e a tê-la cometeria o mesmo erro que eles...Por isso o que eu faço aqui é dar sinais dos tempos...sinais de tudo o que paira e nos diz o que diz e tanto pode ser verdade como pode ser mentira, como pode aclarar ou confundir as pessoas... eu digo sobre a loucura do Mundo e mostro ao fim e ao cabo a nossa perfeita ignorância à partida, pois não é o intelecto nem a mente , nem as palavras que tem o verdadeiro discernimento mas sim o coração e para mim ascenção é uma experiência de foco no coração, de fogo da alma, de consciência não dual, de serenidade e de aceitação de tudo por igual...É perdão e benevolência, é entrega a outra dimensão do ser...que nada ou pouco tem a ver com este plano maquiavélico de deuses e de diabos, de guerras e de inimigos, de pecadores e de santos...Nisso não creio não!
Respeito cada um e cada qual no seu próprio processo e na sua busca que tanto pode ser interior e deve como pode ser exterior e fútil, mas isso é com cada um...desde que não me chateie a mim...
Aqui, dou-me a liberdade de me expressar ao sabor da corrente e sem envolvimento...aqui só são importantes as mulheres e as deusas...as bruxas e os poetas...e os gatos!!!

E meus amigos/as, sagrada é a vida e a sua essência, sagrado é o conhecimento que nos põe em contacto com a nossa alma e nos dá a experiência real da aceitação do mundo e da vida porque há uma Visão que nos coloca acima da dualidade e nos faz ver por igual tudo, não a nós e ao nosso ego, mas à nossa própria essência quando nos liga ao universo...aí somos intemporais para não dizer eternos e infinitos e esse vislumbre basta para se ter essa certeza (afinal sempre há uma certeza!) de que não sabemos nada de nada do que se passa ao cimo da terra nem no Cosmos!
Esses são os meus momentos de ascenção...essa é para mim a única ascenção...mas se vierem naves e extra-terrestres, intra-terrenos humanos ou robots de metal e toda a ficção cientifica a dizer-me que eu agora entro no filme directamente, t seus ravés dos seus Portais a abrir e que verei seres variados e seráficos a levitar e profetas mecânicos a canalizar anjos e arcanjos, porque não?...cada um escolheu o seu papel nesta trágico-comédia que se chama encarnação...que talvez no fim das contas (se houver algum juizo final...) sejamos mesmo só um holograma ou então vamos continuar a acreditar que não somos mais do que um grão de mostarda ou vem-me súbito a dúvida: será que seremos mesmo deuses fora do olimpo a passear nesta terra, mas castrados por anunackis?
...enfim, acrescento que o meu trabalho aqui é sobre mulheres & deusas, nada mais. Se falo de outras coisas é por acaso...e é supérfulo...por assim dizer...
Mas obrigada pela atenção e o cuidado em me prevenir dos máus da fita que nos espreitam a cada esquina...até sou do tempo da PIDE, já estou habituada!
rlp

SOFRE, SOFRE, SOFRE...


Nunca gostei dos Jogos Olímpicos...
Não gosto de nada que me cheire a olímpico e sempre desconfiei dos deuses do Olimpo...das sua competições e da sua barbárie. Nunca apreciei os jogos organizados como uma montra de competição e hipocrisia mundial...de um lado os cinismos e as guerras e do outros manifestações de pseudo paz...talvez por isso, Não consigo dar valor a essas medalhas nem a esse esforço inglório e estúpido que os Países se vangloriam dos seus atletas como de heróis...
Mas o curioso nesta atleta e nesta medalha não tem nada a ver com o desporto, mas com o despotismo, com a manipulação estúpida de valores e pessoas semi ignorantes para proveito do EGO DO PATER FAMILIA...
Um pai controlador...e amigo...um pai que ensina desde criancinha e que a torna tudo o que ela é, diz ela muito grata...que lhe deve tudo, as pernas e os braços...um pai que corre atrás da filha por montes e vales para a fazer correr e ganhar medalhas para todos chorarmos uma glória de nada!
"Corre, corre, corre, corre!! - grita-lhe o pai esperançoso de uma vitória e vai mais longe e sempre a correr por montes e vales atrás da filha de novo lhe grita: "sofre, sofre, sofre, sofre!!! "
Ah! Sim , este é um destino bem português, o nosso fado...
Sofre minha filha, sofre por nós que não somos ninguém neste País se tu não ganhares umas corridinhas, corre minha semente, dá ao teu pai e ao teu País a alegria de vencer...
E o sr. Presidente e o 1º ministro falam sorridentes e dão os parabéns a esta filha exemplar...
Sim, uma família portuguesa, com certeza, simples e pacata cujo abjectivo na vida foi por a filha a correr para eles e salvá-los da frustração e da pobreza...a ganhar para eles e para nós portugueses...
O QUÊ??
De onde vem esta onda de orgulho?
Da nossa miséria tão patente nas palavras de todos, das televisões, do provincianismo saloio, da nossa pequenez, do nosso atrazo intelectual?
Uma medalha de prata que vale ouro e um orgulho saloio é tudo o que nos resta...
Enfim resta-nos ainda a dignidade de o Estado não ter mandado a Catarina Furtado receber a medalha em vez da Vanessa...como fez o Governo chinês...com a menina do play-back...porque a voz verdadeira pertencia a uma menina muito feia e gordinha que não podia dar a cara e deixar mal o Estado Comunista...
Coisas deste mundo e que se passam nesta realidade...

segunda-feira, agosto 18, 2008

A CASA DA MÃE É TODA A TERRA...A DEUSA GAIA


CASA DA MÃE

Ir para casa e não ver a Mãe
É não estar em casa.
Ir para Itararé e não estar com a Mãe
É não estar em mim.
Ir para a Mãe e a Mãe não estar lá
Já é quase morrer.

Porque a casa e a Mãe se completam
Uma está em outra para assim muito bem estarmos em nós
E não encontrando a Mãe em casa
Podemos também não nos encontrarmos nunca mais.

Porque a casa-mãe-Itararé
É tudo uma soma de estarmos em nós mesmos
E da Mãe estar na casa e a casa ser a Mãe
Onde quer que a Mãe esteja.

Talvez, também, por isso é
A Casa, a Mãe, tudo - Itararé
Parte de nós. Como uma Igreja.



Silas Correa Leite


Poesia Brasileira
http://www.novaaguia.blogspot.com/

A Deusa Mãe representa o princípio do amor


“Sintam no âmago das suas identidades, a nutrição, a dádiva e o mistério da Mãe. Haverá um retorno e um despertar da Deusa Mãe."
(…)
"A Deusa é a Consciência que permite todas as coisas. É a fonte que mantém a união dos elementos, e liga toda a criação.”

«««
Mencionei a frequência da Luz – Luz sendo informação – e a frequência do amor, atraindo a criação. A face inferior mais profunda da informação pleiadiana é a sua sensualidade e a sua sexualidade – sua criação através da vibração de amor com a Deusa. Trabalhar com a energia da Deusa requer uma exploração mais profunda do princípio feminino.
(…)
Conforme avançar a década, haverá um aumento pronunciado de líderes e mestres do sexo feminino, pois a Deusa encarna através do seu género. Isto não quer dizer que Ela não trabalhe com a energia do masculino, pois os homens também aprenderão como encarnar a Deusa. Ela não faz discriminações nem contem raiva. É uma entidade bastante compassiva. Permitiu que durante eons muitas coisas pudessem acontecer de maneira a que todos, homens e mulheres, pudessem aprender o mais possível. Agora a Deusa espera e exige que ambos honrem aquilo que Ela permitiu ser criado através do mistério do sangue – através da dádiva de Seu próprio Útero.
O sangue e os seus mistérios constituem a chave para compreensão de vocês mesmos, da vossa linhagem genética e da própria Biblioteca Viva que vocês são."
*
A GALVANIZAÇÃO DA DEUSA-TERRA -
CHAVES PEIADIANAS PARA A BIBLIOTECA VIVA
BÁRBARA MARCINIAK
Imagem: Art Montserrat: http://www.thesacredfeminine.com/

sábado, agosto 16, 2008

ECLIPSE DA LUA


Dia 16 de Agosto ( véspera de 17+8-8): Eclipse DA Lua:
Ruptura total de condições, cadeias e limitações kármicas a nível Planetário,
Com relação à Humanidade, em nível coletivo e também individual para todos OS seres conscientes de sua herança e passado kármico.


Domingo Díaz Asensio
888 - Portal de Orión
*
"No centro do nosso país, a escolha das grutas naturais ou a construção das artificiais e das tholoi, teria pertencido ao sacerdócio de então, como detentor do conhecimento das correntes da energia telúrico-cósmicas atravessando o nosso solo e os pontos de seu cruzamento, como pontos máximos de sua concentração. Rede de correntes telúricas, por ela ligadas aquelas mais vastas e circundantes da rede cósmica: ou como sua projecção na terra. Seria o conhecimento desta estrutura energética, que teria marcado a nossa geografia sagrada.
Assim, nesta imortalidade telúrica e celeste, doada pala deusa-lua, fazendo-se no devir e ultrapassando-o através da sua dor e alegria, assumindo a terra e sublimando-a no céu, tentemos vislumbrar algo das origens da saudade.
(...)
Pareceu-nos que, tendo a saudade sua existência peculiar neste território e humanidade galaico-português, e sendo dele herdado, suas raízes afundariam na mais funda essência sagrada desse território e humanidade, como sua religião primeva;"
(...)
“A saudade pertencendo ao caminho da Lua, sua salvação é dada no mundo sublunar da transformação, do retorno cíclico da terra ao céu e do céu à terra, através da encarnação e reminiscências; tal ainda aquele regido e simbolizado pela serpente e pela espiral,
(...)
Toda a estrutura da saudade pertencerá à metafísica lunar: como nesta, a sua ideia central é a do ritmo, na sucessão e união de contrários através do devir, por um dualismo solucionado numa integração final.
(...)
in "DA SERPENTE À IMACULADA” – Dalila L.Pereira da Costa

OS GATOS


"A coisa mais estranha é que eu não posso viver sem um gato. De um cão nunca me tornarei escravo, mas um gato é outra coisa, não é um animal. Um gato encontrado urge-me sempre como o dono de um destino"

PAUL KLEE
Às vezes domina-me, como hoje, uma saudade entranhada do meu gato...sim, um gato não é um animal, é outra coisa, uma coisa poderosa e quase misteriosa...porque eu sei que o Kimit de alguma maneira não morreu, e está sempre presente...só que a sua invisibilidade me dói...e nem outro gato por mais que goste da Lilith, não deixo de sentir a falta dele...Não podiam ser mais mais diferentes...ambos doces, magnéticos, inteligentes mas tão diferentes!
rlp

quinta-feira, agosto 14, 2008

ALGUÉM VIU E TOCOU...


8-8-8: Abertura do Portal de Órion:

Segundo o antigo mito grego, Prometeu roubou o fogo dos deuses para O entregar aos homens e, quando estes descobriram o roubo, Prometeu foi severamente castigado por toda a eternidade. Eram outros deuses e eram outros homens. Ao contrário do que aconteceu no tempo do mito, os Deuses de hoje, esses irmãos de luz estrelar, esses Mestres Ascensos, alinhados com a Fonte Deus na mais alta vibração de Amor, fizeram a oferenda, estes dias, à Humanidade de um precioso presente, do seu fogo, na forma em que eles o trabalham e manejam, que é o que agora em diante vamos chamar de Luz Insustentada.
Em sua forma física, a Luz ou Chama Insustentada é uma tecnologia da qual se dispunha na Atlântida, pela qual se podia gerar uma luz que não necessitava alimento nem combustível algum para luzir eternamente. Essa luz não necessitava "sustento", por isso se chama Luz Insustentada. Gerava-se à partir da própria energia ambiente, quando esta era muito pura e de alta vibração, e quando se tinha conhecimentos adequados para a acender e manter. A contaminação energética acabava com essa Luz. Por isto, dita luz era mantida somente por pessoas que haviam alcançado e se mantinham nessa banda vibratória elevada, com o que se supunha manter um elevado nível de pureza física, emocional, de intenção e coração.
Este conhecimento foi herdado através das esculturas neolíticas, conduzidas por magos e druidas, que recolheram parte da herança tecnológica da Atlântida e dedicaram gerações de sacerdotisas puras à manutenção desta luz. Mas, no fim, este conhecimento e esta tecnologia de luz perdeu-se.
Tentando compreender, à posteriori, a natureza deste presente dos Deuses, a Chama Insustentada adquire todo o sentido se somos conscientes de que a meta evolutiva da Humanidade prevista para 2012 tem como objectivo situar uma "massa crítica" de seres humanos no mesmo nível energético, vibratório e tecnológico que existia no momento do afundamento da Atlântida. Portanto, a dita "massa crítica" necessita ancorar esta luz insustentada no seu coração.

Os efeitos da Chama Insustentada no interior do ser humano

Depois da abertura do Portal de Orion, a Mãe Terra e seus contornos planetárias converteram-se num entorno de Luz Insustentada, e a escuridão exterior se desvaneceu por completo. A escuridão que permanece no planeta limita-se às ressonâncias ancoradas nas mentes e nos campos energéticos dos seres humanos, como consequência dos seus medos, limitações e todo tipo de emoções negativas e pensamentos limitantes. Cederá e passará com o tempo.
(...)
Essa Luz insustentada ancorada no nosso centro, dissolve a dualidade pessoal e unifica todos os nossos corpos em torno do nosso Ser Superior, arranca as raízes dos patrões de dualidade, repetitivos e kármicos, arraigados no nosso inconsciente e, debilita a força das formas pensamento densas, não unitárias, para situar-nos em cheio no âmbito de nossa divindade pessoal. Como humanidade e como seres humanos individuais, potencialmente transpusemos o umbral da humanidade e entramos plenamente no encontro com a nossa divindade latente. A Luz Insustentada ancorada em cada um de nós é um poderoso germinador e activador da nossa semente Crística Divina. A decisão de dar o passo para, e assumir conscientemente, nossa própria Divindade acontece por nossa conta. É nossa inteira decisão que se faça realidade em nós a importante citação bíblica: "A imagem e semelhança de Deus".
A fecundação, germinação e crescimento da nossa semente divina ajudarão definitivamente o entorno de Luz Insustentada planetária..

Como mencionei no terceiro comunicado sobre O Portal de Orion (ver blog http://www.888portaldeorion.blogspot.com/ em espanhol, ou http://www.portaldeorion888/. blogspot.com, em português) a abertura de um Portal amplia os muros energético-vibratórios em que os seres humanos estão confinados, permitindo aos indivíduos de primeiro nível, os "ponta de lança", e aos do nível seguinte, da "massa crítica", ampliar seu nível vibratório na espiral de ascensão planetária e dar uns decididos passos para o nível angélico, crístico, ou galáctico, ou como se queira denominar.

Resumindo: a abertura desta "Porta do Céu", o dia 8 de Agosto, e o seu ancoramento nos dias 9 e 10 de Agosto, trouxeram-nos um grande presente dos Irmãos Estrelares, a Luz ou Chama Insustentada, e uma aproximação clara e permanente dos Mestres aos seres humanos. Criaram-se condições vibratórias, individuais e planetárias para que a humanidade dê um importante salto quântico para o estado angélico ou crístico, começando pela ancoramento da Chama Insustentada na alma dos que responderam ao chamamento.
(...)
Domingo Díaz Asensio
888 - Portal de Orión