sábado, janeiro 31, 2009

O poder da mulher é o dom de dar a vida, não de tirá-la


“Reconstituímos a história das mulheres desde o Paraíso até ao séc. XIX e não ouvimos outra coisa através do longo rolar dos tempos senão o ruído metálico das suas grilhetas.” Lady Jane Wilde (1821-1896)


“Um amigo meu que é psiquiatra com formação em neuroquímica disse-me um dia, a brincar, “A droga mais perigosa do mundo é a testosterona”.

A História sugere que ele tem razão.
Uma análise exaustiva das culturas pré-históricas, como a efectuada por Riane Eisler* e outros, indica que, em praticamente todas as Culturas Antigas, as mulheres tinham o mesmo estatuto que os homens, e nalgumas até assumiam as responsabilidades. Uma das teorias sobre a razão de assim ser é que só as mulheres trazem vida ao mundo e os humanos podem não ter começado a compreender a genética antes de passarem da caça/recolecção para a pastorícia/agricultura. Eram as mulheres que mandavam porque controlavam a própria vida, produzindo vida a partir do seu corpo.

Quando todos perceberam que os homens tinham um papel a desempenhar nesse processo, contudo, nos primeiros tempos de pastorícia, alguns homens puseram em marcha uma tomada de poder, convertendo o sexo dos deuses que adoravam de feminino para masculino, e afirmando o controlo sobre a fertilidade de um campo ou rebanho de ovelhas. Os homens substituíram-nas.
Ao mesmo tempo, os comportamentos movidos pela testosterona começaram a dominar o início da nossa Cultura Recente: agressão, competição, domínio, guerra.
(...)
Assim, outra solução para esta confusão em que nos encontramos é devolver o poder às mulheres em todos os domínios, incluindo nos mundos social, familiar, religioso, militar e empresarial."

IN AS ÚLTIMAS HORAS DA ANTIGA LUZ DO SOL, Thom Hartmann
* "O Cálice e a Espada"

COPIADO DE http://www.saberdesi.blogspot.com/

Sem comentários: