quinta-feira, fevereiro 26, 2009

A ESPIRITUALIDADE FEMININA


Diante de uma doença terminal uma mulher questiona-se sobre como vivenciou o seu feminino...
PERGUNTA-SE o que falhou na sua vida. Ela tem a intuição - e no livro fala nisso - se o facto de ter manifestado mais o seu lado masculino, razão, acção e voluntarismo, negando em parte o seu lado feminino, ou semelhança com as mulheres padrão da sua sociedade, terá ISSO contribuido para a sua doença...

O livro em questão, Graça e Coragem, é o relato por seu marido da evolução da doença e como tudo fizeram para impedir o desfecho da sua morte...

DIZ ELA:

"Toda a área da espiritualidade feminina se encontra em branco. Muitos dos escritos de freiras foram perdidos. De qualquer forma, as mulheres não escreveram muito sobre a busca espiritual. As mulheres tem sido afastadas de posições importantes na maioria das religiões instituídas.
A espiritualidade feminina parece diferente da masculina. Menos orientada para objectivos. Pode alterar a noção do que é iluminação. Mais vasta e abrangente; mais uma vez amorfa.
A espiritualidade feminina é difícil de ver, difícil de definir. Quais são os estádios, os passos, o treino? Será que fazer croché ou malha é tão bom como a meditação para treinar a atenção e serenar a mente?
Um contínuo, com o desenvolvimento espiritual masculino num dos extremos o feminino. O masculino já foi definido, o feminino não. Montes de variações entre os extremos. Será que existem caminhos paralelos mas diferentes/separados, à la Carol Gilligan?
(…)
As mulheres que alcançaram a iluminação – conseguiram-no seguindo vias ou modelos tradicionais masculinos? Conseguiram-nos seguindo o seu próprio caminho? Como é que o encontraram? Por que tipo de conflitos, dúvidas sobre si próprias, etc., passaram para encontrarem o seu próprio caminho?
(…)
A “Deusa é uma descida, Deus é mais uma ascenção. Ambos necessários, ambos importantes. Mas há muito pouco trabalho feito sobre a descida da Deusa. Algumas excepções: Aurobindo, tantra…
(…)
Treya
In Graça e Coragem de
KEN WILLBER

Sem comentários: