quarta-feira, março 11, 2009

O DESPERTAR O EU...


“…o Eu existe apenas num estado de potencialidade latente – ao longo da maior parte da nossa vida, ele permanece adormecido dentro de nós e tem de ser devidamente despertado a fim de se tornar o factor orientador das nossas vidas. Este despertar do Eu é como um nascimento – em termos míticos, o nascimento da criança divina.
(…)
Nenhum de nós pode ter experimentado o nascimento do Eu sem se ter confrontado, intrépida e honestamente, com a Sombra e, em última instância sem a ter abraçado como parte de si próprio. A Mãe da Discórdia está sempre à nossa espera, segurando o espelho da nossa natureza mais sombria e revelando-nos uma velha irada manchada de sangue e com presas.
Só depois de a termos olhado no rosto, de nos termos visto nos seus olhos (e através deles), e de a termos reconhecido como parte da nossa totalidade é que podemos avançar para as águas mais profundas da Fonte da Memória. A Mãe da discórdia obriga-nos a trabalhar em silêncio espiritual que não é mais que uma morte e um renascimento. Não admira, portanto, que a Deusa das Trevas, em todas as culturas, seja a que procede à nossa iniciação matando as nossas ilusões."

In A RODA DA LUA de Marguerite Elsbeth & Kenneth Johnson

1 comentário:

Shin Tau disse...

Bom dia,

cheguei a este esapço sem saber muito bem como, mas estou grata.
Adorei a forma como escreve e sobre um tema tão profundo como a mulher.
Este texto entrou em mim e expandiu-me. Não conhecia o livro, grata pela partilha!

Shin Tau