segunda-feira, março 23, 2009

"TODOS NÓS SERES HUMANOS SOMOS PRISIONEIROS"

OS PLANOS DE CONSCIÊNCIA SÃO VÁRIOS

O ser humano comum, do ponto de vista intelectual, mental e psíquico, não enxerga nada do que se passa a um nível profundo e transcendente…PORQUE ele equaciona a sua vida a partir do campo objectivo que os seus sentidos abrangem e nada do que o transcende lhe é acessível. A espiritualidade aparece-lhes através do conceito abstracto que para ele é Deus sem contudo questionar os estereótipos que as religiões fundamentalistas lhe propõem na base do dogma e do tabu.
O que qualquer Mestre Vivo ou Caminho nos indica é uma saída para a mente limitada e para a razão e lógica sempre redutoras da realidade. É aí o que os processos iniciáticos e outros meios menos ortodoxos entram, desde a meditação aos mantras até à “feitiçaria” ou magia, e o que fazem é tentar que o discípulo por si mesmo abra a sua consciência (E O SEU CORAÇÃO) para níveis que não são evidentemente do plano da racionalidade nem dos objectivos dentro da nossa linearidade tempo e espaço…

ASSIM, SER FEITICEIRO/A…

“- Ser feiticeiro/a – contou Don Juan – não significa praticar bruxarias, trabalhar para afectar pessoas nem ser possuído por demónios. Ser feiticeiro significa atingir um nível de consciência que faz com que aconteçam coisas inconcebíveis. O termo feitiçaria não é adequado para exprimir o que os feiticeiros fazem, o mesmo acontecendo com o xamanismo”
(…)
- Os guerreiros viajantes não se queixam – prosseguiu Don Juan – aceitam tudo aquilo que o infinito lhes entrega como um desafio. Um desafio é um desafio. Não é pessoal. Não pode ser encarado como uma maldição nem como uma bênção. Um guerreiro viajante ou vence o desafio ou o desfio dá cabo dele. É mais empolgante vencer o desafio; portanto, vence!

Comentei que era fácil para ele ou para qualquer outra pessoa dizer aquilo, mas que fazê-lo era outra questão e que as minhas atribulações eram insolúveis porque tinham origem na incapacidade dos meus semelhantes de serem coerentes.

- Não são as pessoas à tua volta que têm culpa – disse. – Não podem ajudar-se a si próprias. O erro é teu, porque podes ajudar-te a ti mesmo, mas tens tendência para as julgar, a um nível profundo de silêncio. Qualquer idiota é capaz de julgar. Se os julgares, só obterás o pior deles. Todos nós, seres humanos, somos prisioneiros e é essa prisão que nos faz agir de forma tão detestável. O teu desafio é aceitar as pessoas como elas são! Deixa as pessoas em paz.
(…)

Disse que a espinha dorsal do guerreiro viajante é a humildade e a eficiência, agindo sem esperar nada e suportando tudo o que se lhe depara.”

Carlos Castanheda – O Lado activo do Infinito

Sem comentários: