sexta-feira, setembro 11, 2009

SOU UMA RELIGIOSA SEM IGREJA...


Pagã

Sou uma religiosa sem igreja,
Uma reclusa sem convento, amante de uma deusa sem altar.
Vivo na pele o tormento de uma humanidade que ainda não é.
Vivo no mundo sem nele já acreditar.

Sou sacerdotisa de um templo destruído
à procura de um novo amor e uma nova fé.
Olho num único sentido, íntimo, profundo
no centro de mim mesma e espero a luz...

A luz de um outro mundo e a única esperança.
Com ele há-de vir a nova criança e a deusa
Em que ainda descansa e as duas serão uma só.

Numa epifania de cores e harmonia, ele virá,
Sem armas nem ódios, o novo Milénio.

in "ANTES DO VERBO ERA O ÚTERO"
R.L.P.

3 comentários:

Anónimo disse...

Querida, sou a sua amiga do Brasil,
lizalinda e abraços carinhosos

Anónimo disse...

Seja bem aparecida amiga!!!

Muitos beijinhos!

Rosa leonor

Edolesia Fontoura Andreazza disse...

Nuss
estava procurando um aimagem na NET para ilustrar uma poesia minha, e achei vc..amei, degustei o blog todinhooo
É um prazer irmã!
:)

ahh a poesia que me trouxe até vc:


SACERDOTISA EM ÊXTASE
(Edolesia Fontoura Andreazza)

No âmago
De todas as palavras
Aparentemente sem sentido
Que já vieram a minha mente

Repousa uma...
Engatilhada
Que nunca ouvi
Mas percebi
E sua semente
Eu espero...

Ela romperá o espaço- tempo
Derreterá meus tímpanos
Estourará minha visão
E me preencherá
A ponto, de suas fagulhas
Provocarem um novo big-bang

Aguardo
Com olhar ansioso
O vai e vem perceptivo
Que me diz: Ela esta aqui!
Sendo gestada
A senha
A palavra código
Que destrói as fronteiras

A flor dos sons
Repousa inaudível
Na ponta da minha língua

Apenas impotente
Não consigo degustá-la


Saudações!