terça-feira, dezembro 29, 2009

OS "MELHORES", COM AS MULHERES, SÃO OS PIORES...


DESMISTIFICAR O MITO HOMEM...

"Albert Einstein, um dos maiores gênios da Física, o homem que revolucionou a Ciência, conhecido por sua sabedoria, seu pacifismo e sua simplicidade, o Einstein bonzinho daquela foto da língua de fora?


Esqueça, não é bem assim, segundo revelam as cartas que ele escreveu à sua primeira mulher, Mileva Maric, uma matemática sérvia com a qual foi casado durante dezesseis anos.
Em tais correspondências - 43 cartas - o físico alemão está longe de se revelar um marido carinhoso.
(...)
Frases tiradas das cartas:

"Você não deve esperar nenhum gesto de afeto de minha parte".
"Quando eu lhe dirigir a palavra, você deve responder imediatamente. Quando eu mandar, deve sair da minha frente sem protestar", escreveu ele em uma carta datada do ano de 1914. Em outra, de 1913, desta vez endereçada à sua prima Elsa Lowenthal (que se tornaria sua segunda mulher), Einstein fala de Mileva como "uma empregada que eu não posso demitir".
Empregada ela parece ter sido de fato - como queria o seu marido genial. "Você deve cuidar para que minhas roupas e meu escritório estejam sempre limpos e em ordem, e para que eu tenha três refeições diárias. Também renunciar a qualquer relação pessoal comigo, exceto aquelas necessárias para manter as aparências sociais".

Essa, digamos, face oculta do gênio da Física e de um dos homens mais respeitados do século XX veio à tona após o leilão de um lote de seus documentos pessoais, com cerca de 400 manuscritos, anotações científicas e cartas que ele escreveu ao longo de cédadas. O leilão aconteceu em novembro de 1996, em Nova Iorque, e chamou mais a atenção pelas revelações pessoais do que por qualquer assunto pertinente à Ciência.
Além de marido cruel (e infiel, sabe-se também), Albert Einstein era um pai mais do que relapso - quase criminoso, pode-se dizer: ele teve uma filha com Mileva Maric, um ano antes dos dois se casarem. A menina, chamada Lieserl, nasceu em 1902 e nunca se soube exatamente o que aconteceu com ela, a não ser que foi dada para adoção a uma família sérvia. Quando já era famoso, na década de 30, Einstein chegou a contratar um detetive particular para tentar localizar a filha que renegou, mas não teve sucesso. Além de Lieserl, o casal teve mais dois filhos - Eduard, um deles, já adulto, veio a morrer em um sanatório para loucos, na Suíça, passando anos sem nunca ter recebido sequer uma visita do pai genial. O segundo, Hans, não parece ter puxado o criador em sua genialidade, tanto que nunca passou de um medíocre professor de Hidráulica nos EUA - e nunca deixou de externar seu ódio ao gênio da Física que, afinal de contas, era tão humano, canalha e falho como qualquer jogador de sinuca da esquina."

»»»
A ser esta a verdade, e parece-me bastante verosímil, o suposto génio, trata tão bem a mulher como o mais ignorante e estúpido dos homens...
Quanto aos filhos, todos sabemos que os filhos de "génios" e escritores famosos não são grande coisa...
««««

Sem comentários: