segunda-feira, agosto 31, 2009

VOLTANDO ÀS DEUSAS...


ARQUÉTIPO DA DEUSA VIRGEM

"A Deusa Anuket está associada à Lua Crescente e a característica da Deusa desta fase é ser virgem. Mas virgem, no sentido de ser essencialmente uma-em-si-mesma. Isto explica o porquê de ser considerada uma Deusa andrógina. Ela não é, portanto, a contraparte feminina de um deus masculino. Ao contrário, ela tem um papel próprio. Ela é a mais Antiga e Eterna, a Mãe do deus Ra e Mãe de todas as coisas.

Da mesma forma, a mulher contemporânea que incorpora o arquétipo de Anuket é "virgem" em sua conotação psicológica. Uma mulher que é dependente do que outras pessoas pensam, que a faz dizer e fazer coisas que realmente não aprova, não é virgem no sentido do termo. A mulher virgem é livre para ser como deseja. Ela é o que é. Mas romper leis convencionais, não pode levá-la ao egocentrismo, pois deste modo a cura se tornaria pior que a doença.
Mas, como pode então a mulher libertar-se de sua orientação egocêntrica? Quando buscar objetivos não-pessoais e relacionar-se corretamente com sua Deusa Interior, terá como resultado a liberação do egotismo e do egoísmo. Ela deixará então de ser vista como uma egoísta, para consolidar uma personalidade de significação mais profunda. Para tanto, deve ser conhecedora dos ensinamentos antigos da Deusa. É entendendo a concepção primitiva das deidades lunares, que eram tanto provedoras da fertilidade, como destruidoras da vida, que poderemos incorporar os princípios femininos das Deusas, nos tornando então, "virgens", uma-em-si-mesmas." (...)

Rosane Volpatto
(Enviado por Gaia Lil)

quinta-feira, agosto 27, 2009

MINHA SENHORA DE LUZ

(...)

Por ora, é neste vai e vem feito de mágoas e alegrias que o impulso da busca se renova e o eixo interno de ser se constrói, consciente.

Quando te despedires da tua amada no cais das ilusões, milagre dos milagres de um novo Amor, descobri-la-ás com o outro olhar, vê-la-ás despida de trajes enganadores e efémeros, brilhante de luz:

- Minha senhora de luz! – exclamarás, prostrando-te em “Adoração”. - De ti recebo o fruto que em ti gerei e agora se me revela como “A Verdade do Amor”. Dele comungo e a Ele me entrego totalmente. A Ti reconheço como todas as mulheres que amei, amo e amarei, pois sei agora que nelas é este Amor quem procuro.
Mulher de todas as Mulheres, Senhora de Luz, perante Ti me ajoelho, Admirável, que tal Fruto me ofereces.
A Ele me rendo sem restrições nem medos, todo me submeto na esperança de que por Ti n’Ele possa renascer mais Vivo…
Ao meu lado estará a minha eterna musa que comigo e em mim em frutos de Bem se desmultiplicará pela Tua Graça!
Lembro agora que, milagre dos milagres, foste Tu Amor que até mim a trouxeste e ma deste a conhecer. E eu, cegado ainda pelos olhos do corpo, não conseguia nela encontrar o que afinal em mim mesmo desde sempre pressenti…

(...)
"Carta de Natália a Leonardo Coimbra" por Carminda H. Proença. Publicado na Revista NOVA ÁGUIA, nº3 (1º semestre de 2009)
A propósito de “A Verdade do Amor/Adoração-Cânticos de Amor”, António Telmo/Leonardo Coimbra. Editora Zéfiro, 2008

quarta-feira, agosto 26, 2009

A AUTORIDADE DO SER


Personocracia transforma

A diesidade

A diesidade faz referência à Consciência Diésica Aplicada (CDA) ao quotidiano. É isso que é veiculado em todas as actividades de Personocratia.

CONSCIÊNCIA significa estar desperto para a realidade. Que realidade? A realidade de quem eu sou, o meu Ser.
Quem sou eu? O ÚNICO ESPÍRITO CRIADOR DE TODO O UNIVERSO!


DIESIDADE significa a autoridade suprema, a soberania.
A diesidade criadora é inerente a toda a forma.
Não apenas uma chama diésica ou um membro de Diesa, mas sim os três elementos da trindade: o espírito criador, a matéria criada e o ilimitado.
APLICADA significa dizer, pensar, falar, agir enquanto ser diésico, em todos os domínios da minha vida quotidiana. Sem esta etapa, a minha vida é estéril e eu morro. É a infusão do espírito na matéria que assegura a evolução da consciência e conduz à imortalidade física.
A Consciência Diésica é Aplicada em todos os domínios da vida quotidiana.

Segue-se a descrição e o conteúdo:

A evolução: Sobreviver ou Viver? - Uma decisão

A autoridade: a prioridade do Princípio Feminino

A religião / a espiritualidade / a diessidade

A lei: Justiça / justeza

A política: da democracia à personocracia

O dinheiro: economia / finanças / indústria / comércio

A saúde ilimitada / juventude eterna / imortalidade física

A educação / a comunicação / os media / a cultura

A família / o casal / os filhos

sociedade: o paraíso na terra, aqui e agora.


Ghislaine Lanctôt, Personocracia

Postado por Luíza Frazão
EM http://saberdesi.blogspot.com/

ENTRE ESTA "REALIDADE" E O SONHO...


“A luta das mulheres não é dirigida contra os homens enquanto indivíduos, mas sim contra as instituições fechada a sete chaves, que os mantêm à cabeça dos negócios.”*

Eu concordo em parte com a autora do livro, mas o problema não são as instituições fechadas mas as cabeças fechadas a sete chaves dos homens que as controlam e que fazem da mulher um ser dependente ou subalterno e não são capazes de encarar metade da humanidade como parte integrante do seu mundo. Esse é o drama da “fraternidade masculina” (“Os direitos do Homem” e as suas lutas e revoluções ) para quem a mulher é um apêndice ou um utensílio, um animal reprodutor, um objecto de prazer ou de marca, mas nunca um semelhante. Não, não falo em igualdade mas em semelhança, em complementaridade humana, em metade da Humanidade.

Representar a Humanidade Homem e Mulher (não só na casa como doméstica e bem domesticada), em palavras e nos discursos ou em lugares de gestão só se pode fazer através dos dois seres distintos e complementares que o homem e a mulher são. Dizer A Humanidade ou o Homem incluído nesse termo a mulher, já não pode ser…já não faz sentido, não se pode consentir mais nesse absurdo, no entanto ninguém quer dar importância a isso, nem as mulheres!
Mas mais ainda, mais do que salientar a semelhança da mulher, a sua paridade com o homem, importa salientar o papel preponderante da Mulher e da Mãe e como referência primordial que é para o ser humano à nascença tanto homem como mulher.
Mas o que fizeram a s Instituições e as Religiões e as Revoluções ao longo dos séculos?
Destruíram paulatinamente os atributos do grande feminino, todos os cultos e referência da Deusa Mãe e os valores que consagravam a Terra e a Natureza como sagrada. Relegaram a mulher para um papel secundário e irrelevante e com isso desautorizaram a Mãe e a Mulher do seu papel legítimo, papel de educadora da criança, de formadora de caracteres. Ao desacreditá-la, roubaram-lhe a alma e também o carácter. Começaram a destruir a Terra em seu benefício, a Natureza foi dizimada, assim como os animais, sujeitos às mais ignominiosas experiências e fins e os seres humanos foram feitos escravos de outros homens, não esqueçamos.
Desse modo, todos nós somos frutos de uma sociedade desnaturada, fraudulenta, injusta e violenta; em suma, uma sociedade coxa, que funciona só com uma perna, uma metade de si, que usa só uma parte do seu cérebro, que exibe a sua força através da violência e da destruição, que obriga a matar só porque priva metade da sua população do direito de SER Humano e de realizar o seu papel na plenitude…
Porque se a Mulher fosse a Mulher e a Mãe, se a Natureza da mulher e a Natureza da Vida fossem respeitadas, se basicamente o Princípio Feminino estivesse activo, o Princípio Masculino estaria equilibrado. Esse é o grande princípio do Tão e do Equilíbrio da Ordem do Universo. Foi isso que os padres do deserto, os patriarcas misóginos e os filósofos pederastas, os loucos e os ambiciosos fizeram do mundo…
Tudo isso com um fito, tudo com um só objectivo…o de explorar e de escravizar a maior parte de seres humanos no planeta ao serviço dos interesses das elites, dos seus Impérios e de todos os poderosos do mundo inteiro, sejam eles chineses, pretos ou brancos…
Os Sistemas são todos sistemas de controlo do individuo mantendo-os preso ao medo, à usura e a ideia de carência, obrigando-os a trabalhar como escravos do sistema, dia a dia, todos os dias da sua vida e a viver com medo da morte anunciada, medo de deus e do diabo, medo do inferno calculado, porque são mantidos na mais estrita ignorância através da “educação machista e predadora” e da “cultura” do medo e da morte” mas sobretudo e à partida privando e negando às suas mulheres, às mães e ás amantes a sua individualidade, mantendo-as longe do seu desígnio de mater e matriz, do seu poder interior fecundo, da sua consciência superior.
Neste Sistema (do capital e do trabalho) a Mulher e o ser humano comum não são ninguém…

Vejamos agora o preço que pagam as mulheres inteligentes ao acreditar no Sistema…

A Utopia das Mulheres:
O que é e só Apenas um sonho…

TIVE UM SONHO
(…)
“Gosto de sonhar que, um dia, haverá lugar par ao outro em cada cérebro humano, tal como existe lugar para o outro no corpo das mulheres. O outro que acolhemos durante o amor. O outro que concebemos com a nossa própria carne e para o qual cessamos de produzir anticorpos até ele ser suficientemente forte. Sonho com esa talento do corpo das mulheres a alastrar-se para o espírito das mulheres, dos homens e das suas leis. Com o corpo das mulheres, aberto ao outro, transmitindo uma mensagem de tolerância e de respeito. A paridade não é nenhum cálculo. É um símbolo de aceitação.
O sexo que desde sempre está no comando vai ter de aprender a pensar no outro, a partilhar, para o bem-estar geral a para a justiça social. Parar de impor a sua lei pela força e pelo desprezo. Afastar-se um pouco, deixar um espaço para aquelas que a nossa história obrigou ao silêncio. Toda a gente vai ficar a ganhar com isso, excepto, talvez, aqueles que ocupam vários cargos em simultâneo: os senhores feudais, detentores de feudos rígidos, que deverão ter um a reforma merecida. E na aceitação do exercício misto, virá integrar-se a ideia de que podemos ser simultaneamente diferentes E iguais. E pela primeira vez, desde há dois séculos, as ideias teóricas da revolução irão aproximar-se da realidade, graças às mulheres e àqueles que as apoiaram.
(…)
Quando o nosso país (França) iluminar de novo o mundo,
podermos, com os nossos homens, ir ajudar as nossas irmãs estrangeiras, as raparigas afegãs, croatas, argelinas, ruandesas, iranianas, E também as adolescentes chinesas abandonadas, as jovens que se prostituem no mundo inteiro. Todas aquelas que, todos os dias, pagam o preço demasiado alto da barbárie machista.” *

* Isabelle Alonso
In, Todos os Homens são iguais mesmo as Mulheres

terça-feira, agosto 25, 2009

A INVISIBILIDADE DA MULHER... COMO SER HUMANO

(...)
" Enquanto as mulheres heterossexuais começam a caminhar na direção de uma maior liberdade, no sentido de manifestar e discutir as questões relativas à sexualidade, as lésbicas exercem e discutem a sua sexualidade à margem da sociedade, tolhidas pela discriminação.

Em relação ao homoerotismo feminino pode ser percebido através de uma economia do silêncio e da in-visibilidade provinda de longa data. No antigo Testamento, mais precisamente no capítulo XVIII do terceiro livro de Moisés, chamado Levítico, aparecem significativas considerações acerca dos "casamentos ilícitos" e das "uniões abomináveis". Entretanto, nesta ampla lista de advertências não consta qualquer referência ao homoerotismo feminino. Mas, o silêncio que parece emudecer a homossexualidade feminina não se restringiu às escrituras bíblicas. Até o Tribunal do Santo Ofício Português fez "vista grossa" ao lesbianismo. Tamanha complacência adquiriu o status de lei a partir de 22 de março de 1646, quando o Conselho Geral da Inquisição de Lisboa, num ato surpreendente, decidiu ignorar a prática sexual entre mulheres (MUNIZ,1990).

Conforme esclarece Mott (1987), antes mesmo do Santo Ofício formalizar esta postura de tolerância, ou melhor, de desconfiança acerca da possibilidade deste tipo de pecado existir, já se podia detectar uma expressiva descrença em relação ao homoerotismo feminino. Segundo o historiador, "raríssimos são os processos de mulheres-sodomitas existentes na Torre do Tombo, não havendo registo de nenhuma lésbica lusitana que tenha sido queimada pelos tribunais religiosos". O período vitoriano, famoso por seu policiamento aos bons costumes, também não debruçou sua ira sobre a homossexualidade feminina (...)

“A rainha Vitória, através de uma lei sancionada em 1885, condenou somente às práticas sodomitas entre os homens, negando incluir punição contra o sexo entre mulheres por não acreditar na viabilidade desse invisível amor.”
(...) *Lhi

Restante texto neste Link, onde poderá ler na íntegra e se o desejar colocar no seu blog:
http://www.mulheresdecueca.com.br/In-visibilidade%20na%20homossexualidade%20feminina.htm

também, existe, outro artigo interessante:
http://www.mulheresdecueca.com.br/A%20Invisibilidade%20da%20mulher%20lésbica.htm

Nota à parte, custa dizer que acho muito estranho esta abertura ao Homo-Gay, onde ele se expõem feito barata tonta, onde ele faz tantas exigências, como a da igualdade... e pouco vejo sobre a libertação das Lésbicas!! Pouco se ouve sobre a voz destas mulheres e que em nada têm haver com o pseudo feminismo!! Levei tempo para perceber que não é preconceito; não não é... mas algo mais rudimentar e violento:

Negação da Humanidade MULHER!!!!
- anónima -


SIM É A "NEGAÇÃO DA HUMANIDADE MULHER"

Eu tenho uma interpretação bastante diferente daquela que é a mais comum e também da menos comum, como é o caso desse artigo, muito inteligente e bem escrito. Porém o que eu penso sobre a invisibilidade da homossexualidade feminina, não é por uma mulher ser lésbica que se torna invisível mas porque a invisibilidade da mulher, como mulher na sociedade andocrática, machista, dominadora e falocrática é a realidade de todas as mulheres.
Todas as mulheres neste Sistema são invisíveis.
Só o não são as mulheres que correspondem ao imaginário masculino, as mulheres objecto, as mulher insufladas de silicone, concebidas e criadas por eles, NAS SALAS DE OPERAÇÃO, na publicidade, nas passerelles, nos filmes etc. Por isso ser Gay ou não, não faz diferença quando se trata de defender os homens homo, porque na sociedade de valores masculinos e onde o feminino foi simplesmente apagado da história e esmagado na mulher, é sempre o imperativo do falo (logo existo) que prevalece. Portanto, independentemente de um homem ser homossexual, a sociedade falocrática, apesar de resistir à sua “feminização” e pretender desprezá-lo pela sua semelhança com a mulher (até conseguiram que os gays se tornassem musculados e aparentemente viris, em vez de travestis) considera o homem como parte de si mesma quer ele seja ou não gay, mas não a mulher, que não é mais do que um corpo (buraco) ao seu dispor…! Não quero parecer vulgar mas é assim que a mulher foi considerada pelo patrismo e temos que olhar bem para as coisas como elas são na realidade e não idealizadas pelo intelecto e por uma falsa liberdade ou emancipação das mulheres. Ora neste caso, mais do que em qualquer outro caso, é muito óbvio que se a mulher não serve o homem, então não serve para nada…para quê dar visibilidade ao que não existe? As mulheres não existem por si só…ou são esposas de, ou são filhas de, ou são amantes de, ou secretárias…
As observações históricas de não dar importância às mulheres lésbicas por vários períodos de repressão religiosa e preconceito social, têm a ver também, como diz a Nana, com o facto de que para eles só há relações sexuais onde há um falo, onde há penetração, onde há dominador e vencida…foi assim que se processaram e oficializaram as relações entre os homens e as mulheres na sociedade patriarcal.
A homossexualidade feminina pode até ser uma diversão para o homem, uma coisa com que ele por vezes alimenta o seu imaginário. Vemos isso nos filmes pornográficos e não só…portanto é ainda uma fantasia masculina consentida…mas não levada a sério.
Também nunca a sociedade machista se preocupou com a prostituição como um flagelo social, mas apenas por hipocrisia e por estar ao seu serviço. Nunca se questiona a origem e a legitimidade da prostituição seja dentro de que sistema for. São as prostitutas visíveis? Ou são escondidas e disfarçadas de acompanhantes e modelos etc.? Esse uso e abuso do corpo da mulher como mercadoria foi sempre ou escondido ou consentido pelos Estados e as próprias mulheres hoje em dia a acham legítima e defendem-na como “profissão”- a chamada profissão mais velha do mundo - e acham-na uma coisa natural quando ela é apenas o reflexo da divisão interna, psicológica e social da mulher em dois tipos de mulher e assim sendo trata-se na verdade da repressão e abuso do ser humano mais velho da história do patriarcado…
O problema da invisibilidade das mulheres lésbicas posto da maneira como a autora do texto o pôs é como se ela acreditasse viver numa sociedade evoluída e de igualdade de direitos, onde a mulher normal e comum fosse visível, pelo seu valor intrínseco, e nós sabemos que não é assim. Portanto a autora do texto por muito bem intenciona e informada que seja nisso está iludida…como o estão todas as mulheres inteligentes e cultas ao pensarem que são consideradas pela sua essência feminina ou pelo seu valor de Mulheres.
Senão vejamos a verdadeira questão, a questão de fundo, aquela que foi escamoteada até pelas próprias feministas ao defender apenas os direitos e igualdades da mulher numa sociedade que as rejeitou. Uma sociedade que as negou na sua essência divina e as usou de todas as formas e que nunca poderá mudar isso porque só uma mudança global de mentalidades e de consciências, uma mudança de paradigma, podia solucionar, mas nunca sem a consciência da Mulher como ser em si.
Precisamente o problema da mulher em si tem a ver com a sua divisão interior em duas mulheres e não se é homo ou hetero ou prostituta.
Só depois da mulher tomar consciência desse facto e começar a integrar a sua outra parte e assumir a sua totalidade como mulher, como um ser consciente da sua natureza profunda e digo sempre isto, em termos ontológicos, é que a mulher pode sentir-se inteira e então escolher ou amar homens ou mulheres…
O importante sempre é que a mulher se encontre com ela mesma e seja completa em si…e esse é que o problema de fundo, um problema de identidade feminina que tem a ver com o Princípio Feminino e a sua natureza intrínseca, o seu dom inato, as suas características de fêmea, de amante e de mãe…
Tem a ver com a Mulher ancestral aquela de que todas temos memória nos nossos genes e que passa de mãe para filha e se torna num Conhecimento que o homem não tem…É uma condição genética, um dos muitos mistérios da Mulher criadora, da mulher gerador, da Deusa Mãe que lhe dá corpo.
Penso que só depois da mulher se tornar consciente da Deusa em si e através das funções do princípio feminino é que ela pode ser livre e resgatar o seu erotismo, o seu auto-erotiso…homo-erotismo ou hetero-erotismo…
Realizar o Divino Eros, através da união da alma do corpo e do espírito. Nunca antes dessa tríade ser completa!
Portanto, minhas queridas amigas, a sexualidade não é nem nunca foi um imperativo meu, mas o da alma primeiro e do espírito e depois o corpo divino, consciente da sua transcendência e então pode caber-nos ou não a expressão de um dos aspectos sagrados do poder da energia da mulher como iniciadora da mulher ou do homem ao Amor da Deusa, assim (seja) na Terra como no Céu…
Tudo o que façamos para nos libertar neste Sistema, onde somos por condição prisioneiras/os, não queremos ver que “a nossa cadeia” é o seu modo de funcionamento, onde prevalece o poder material do dinheiro, da força, dos média e do medo, da violência e da guerra, em que estamos ao serviço do Estado, da família e da religião e já agora das Instituições governamentais que nos exploram a nós mulheres muito particularmente, como escravas de escravos…
*

Ps. Há só uma coisa que nesse artigo, ou nesse site eu não gostei. Pensem que sou preconceituosa, mas estou cansada das “mulheres de cueca” de “tangas lésbicas”; estou um pouco farta de a mulher ser sempre referida pelo sexo, da mulher que se defende ou AFIRMA do mesmo ponto de vista que o homem a olha... Porque não fala a mulher de alma ou de consciência, nestes casos, mas da mente, do corpo e do sexo?
Quando a mulher se centrar no seu Coração ela será Visível, mas não apenas no coração sentimental ou emocional, campo para onde a relegaram… mas no Coração Inteligente, o coração da Deusa ou se preferirem da Diesse…

Rosa Leonor

domingo, agosto 23, 2009

A FALTA DO FEMININO NO HOMEM



O ÚNICO MAL É MAGOAR OS OUTROS

A maioria dos homens, extremamente cobardes, projecta a sua inerente fraqueza nas mulheres, classificando-as de fraquezas femininas e atribuem a si próprios a força feminina; de forma menos cobarde, muitos filósofos encaram o facto de existirem algumas lacunas nos homens, mas, apesar de tudo, não admitem que essas lacunas existam apenas nos homens. Por isso classificam a condição do homem como a Condição Humana, apresentam o problema do nada, que os horroriza, como um dilema filosófico, dando assim estatura ao seu animalismo; com grande eloquência, rotulam o seu vazio de “Problema de identidade” e continuam a tagarelar pomposamente acerca da “Crise do Indivíduo” da “Essência do Ser”, da “Existência procedendo a Essência” dos “Modos Existências do Ser”, etc., etc.

A mulher não só aceita a sua identidade e individualidade como verdadeiras, como sente instintivamente que o único mal está em magoar os outros, e que o sentido da vida é o amor.

In Manifesto Scum – Valerie Solanas
Livro publicado em 1968

Este pequeno excerto do livro de uma das mais controversas feministas da DÉCADA DE 60 é, apesar do seu radicalismo, bastante expressivo AINDA da realidade actual…de uma forma ou de outra as coisas passam-se na mesma base e no mesmo Sistema…em que o Homem continua a exercer o seu poder pela força e a defender a Guerra, a violar mulheres e crianças, a cometer todo o tipo de genocídios…desde o mais boçal dos indivíduos ao mais conceituado médico ou cientista…ou ESTADISTA!
Pode parecer tudo muito mais leve e homogeneizado, mas sendo verdade trata-se apenas de uma aparência de “igualdade”; as relações entre os homens e mulheres em sociedade estão de facto mais padronizadas de acordo com o pensamento filosófico masculino…

As mulheres acabaram por adaptar-se ao Sistema Andocrático: habituaram-se a pensar e a agir como os homens perdendo essa identidade essencial e dispondo-se a serem soldados e polícias ou ministras das forças armadas…
rlp

SÓ A DEUSA PODERÁ UNIR A HUMANIDADE



Um terceiro Deus
por José Saramago 21 Agosto 2009


Creio que as teses de Huntington sobre o "choque de civilizações", atacadas por uns e celebradas por outros aquando do seu aparecimento, mereceriam agora um estudo mais atento e menos apaixonado. Temo-nos habituado à ideia de que a cultura é uma espécie de panaceia universal e de que os intercâmbios culturais são o melhor caminho para a solução dos conflitos. Sou menos optimista. Creio que só uma manifesta e activa vontade de paz poderia abrir a porta a esse fluxo cultural multidireccional, sem ânimo de domínio de qualquer das suas partes. Essa vontade talvez exista por aí, mas não os meios para a concretizar. Cristianismo e islamismo continuam a comportar--se como inconciliáveis irmãos inimigos incapazes de chegar ao desejado pacto de não agressão que talvez trouxesse alguma paz ao mundo. Ora, já que inventámos Deus e Alá, com os desastrosos resultados conhecidos, a solução talvez estivesse em criar um terceiro deus com poderes suficientes para obrigar os impertinentes desavindos a depor as armas e deixar a humanidade em paz. E que depois esse terceiro deus nos fizesse o favor de retirar-se do cenário onde se vem desenrolando a tragédia de um inventor, o homem, escravizado pela sua própria criação, deus. O mais provável, porém, é que isto não tenha remédio e que as civilizações continuem a chocar-se umas com as outras.


in dn

Não é de mais um Deus MACHO que a Humanidade precisa, mas de uma Deusa Mãe… A Mãe que põe ordem na casa e os filhos em paz…


A mãe que põe ordem no Universo...

Poderia aconselhar José Saramago a ler Gislaine Lancôt mas não creio que ele compreendesse a Mãe…ele, apesar do amor e do respeito à mulher, não consegue compreender o poder e a justiça da Deusa Mãe…

(...)
Diesa é amor infinito, a única realidade. Revejo-me nos outros e trato-os como a mim mesma. Não preciso de exército nem de polí¬cia.

Diesa é tudo. Estou unificada e não conheço inimigos exteriores, eles não existem. Não tenho medo das pessoas, nem dos micróbios, nem do futuro.

Diesa é criadora. Crio-me a mim mesma. Sou um original e não uma reprodução.

A história dos pais reprodutores e dos seus filhos é uma história de fotocópias tão mal contada como a do Pai Natal. Ponho fim ao meu apego a papéis, hábitos, tradições familiares e à própria instituição familiar.
(…)
Ghis

sexta-feira, agosto 21, 2009

A DIESA É UM SER SOBERANO


O pensamento PODEROSO, TRANSFORMADOR, LIBERTADOR de GHIS (http://www.personocratia.com/ ), médica canadiana (expulsa da Ordem), autora de a Máfia dos medicamentos.

"A PERTURBADORA EVOLUTIVA

Perturbadora = pessoa que causa desordem.
Perturbadora evolutiva = pessoa que causa desordem na desordem.



Esta expressão é cara Aquela a quem chamamos MÃE (1878-1973). Ela descreve bem como me sinto desde que escolhi a imortalidade, em vez da sobrevivência e da morte. A minha decisão de viver a todo o custo é definitiva. As pontes da morte estão cortadas, preciso de avançar pelo caminho sem caminho que conduz à imortalidade sem garantias. Diesa oblige!
Viver é morrer para a sobrevivência, para os meus hábitos, crenças, valores, aquisições, emoções, mentiras, dependências, tudo o que aprisiona Diesa nas profundezas das minhas células e a impede de se manifestar no meu corpo imortal.
Sinto-me como a lagarta que deve passar pelo caldo de lagarta para se tornar borboleta. Para mim, é do meu caldo de carneiro que imergirá a minha jumenta alada. É a receita evolutiva.
Não são nem as orações, nem as meditações que vão realizar a mutação da humanidade. Elas são apenas um bálsamo para o nosso sofrimento milenar, pelo menos enquanto esperamos passivamente pela morte salvadora. Não. Isto não funciona. Estamos sempre no mesmo ponto é pior até do que nunca. É o beco sem saída da morte. Pois bem, façamos o contrário! O que é que temos a perder?

O mundo de ilusão falso e mentiroso que construamos para assegurar a nossa sobrevivência, chama-se Trabalhar, Sofrer, Envelhecer, Morrer. É triste, limitado, sofredor e mortal. Mas conhecemo-lo. Um famoso ditado popular diz: “Há Duas coisas são inevitáveis, os impostos e a morte”. Deste modo os peixes graúdos continuam a comer os pequenos. E chamamos a isto democracia!

Para mim, o jogo não compensa. Acabou-se a sobrevivência e o mundo de ilusão. Especialmente desde que sei quem sou, uma pessoa soberana, criadora ilimitada. Decido fazer STOP & 180 º graus na minha vida. Doravante, farei exactamente o contrário daquilo que fazia desde sempre enquanto ovelha separada, dividida, assustada e mortal. Eu proclamo que “Duas coisas são evitáveis, os impostos e a morte”.
Resta-me portanto aprender a viver como ser divino que sou. À falta de guia, perguntei a mim mesma como é que faz Diesa e treino-me para fazer a mesma coisa. Isto dá lugar a situações espantosas, por vezes são perturbadoras e traz à luz medos que o são ainda com maior intensidade.
Alguns exemplos de Divindade Aplicada ao Quotidiano:

• Diesa obedece á sua própria lei. Só faço aquilo que me dita a minha própria consciência e não aquilo que me impõem as autoridades exteriores.

• Diesa cria a paz. Não colabora em impostos nem taxas, porque eles servem para financiar a guerra. Contribuo para o bem público à minha maneira.

• Diesa assume-se como tal. Crio o meu próprio emprego. Não me vendo como escrava a um empregador. Sou criadora, responsável, causadora de tudo o que me acontece e não faço ninguém pagar por isso. Não sou sustentada pelas autoridades. Não contraio qualquer espécie de seguro.

• Diesa é juventude eterna. Não guardo dinheiro para a velhice. Não faço descontos para a segurança social e não tenho direito a qualquer pensão de reforma.

• Diesa é toda poderosa. Não preciso nem de segurança nem de protecção e ainda menos de prevenção. Recuso toda a espécie de seguro, a começar pelo seguro de saúde.

•Diesa é um ser soberano, a autoridade suprema. Não preciso de governo. E ainda menos de voto, política, impostos.

• Diesa é ilimitada. Não pertenço a qualquer país limitado, a qualquer empresa limitada, a qualquer ROSS (religião, ordem, seita, sociedade secreta). A minha fidelidade é para com a minha divindade interior.

• Diesa é justa. Não invisto na bolsa. Não penso nem empresto dinheiro a juros. Não lido com bancos, eles emprestam vento. Crio e utilizo a minha própria moeda. Faço trocas sem mais-valias, sem taxas, de forma justa. Pago o preço justo.

• Diesa está de perfeita saúde. Não tenho seguro de doença e não vou ao médico, especialista em doenças.

• Diesa é imortal. Sem testamento, nem heranças, faço circular o dinheiro em vez de o acumular.

• Diesa é rica. Compro bonito, bom e caro, produtos locais aos comerciantes locais. Procuro a durabilidade, imortalidade oblige!

• Diesa é amor infinito, a única realidade. Revejo-me nos outros e trato-os como a mim mesma. Não preciso de exército nem de polí¬cia.

• Diesa é tudo. Estou unificada e não conheço inimigos exteriores, eles não existem. Não tenho medo das pessoas, nem dos micróbios, nem do futuro.

• Diesa é criadora. Crio-me a mim mesma. Sou um original e não uma reprodução. A história dos pais reprodutores e dos seus filhos é uma história de fotocópias tão mal contada como a do Pai Natal. Ponho fim ao meu apego a papéis, hábitos, tradições familiares e à própria instituição familiar.

Estas são situações perturbadoras, evolutivas, para mim, para o meu meio envolvente e para o planeta inteiro. É assim que eu evoluo em consciência para a imortalidade. É desta forma que o concebo. Será verdade? Será mentira? É o que eu quiser que seja. É esta a minha verdade e convido-te a encontrares a tua, é em ti que ela se encontra.

Será um caminho fácil? Não. Confortável? Menos ainda.

Por que o escolhi? Porque continuar no caminho da morte a fogo lento é ainda mais insuportável para mim.
Será que vale a pena? Sim. Cada medo que eu curo, por mais pequeno que seja, cada transformação que realizo, cada STOP & viragem a 180gº que eu faço traz-me paz interior, alegria e serenidade.
Lembro-me de quem sou. Saio da dualidade da felicidade e da desgraça, da tragédia humana e do seu sofrimento. Não existe ví¬tima, nem carrasco, nem salvador. Não há bem nem mal, tudo é divino."

É Para o Bem Maior, divulga!!!
Enviado por Luiza Frazão

Nota:

Tinha pensado traduzir do francês esta noite este texto da Ghis, mas em perfeita sincronicidade quando abri o correio tinha já lá a tradução feita pela Luiza e que ela também publicou no seu Blogue, Saber de Si: http://saberdesi.blogspot.com/
Ela preferiu não traduzir a palavra Diese mas para mim é óbviamente a DEUSA!

EU TAMBÉM CONCORDO...


Wicca_A Bruxa em Mim deixou um novo comentário na sua mensagem

"Mulher: a iniciadora do amor":

CONCORDO COM Arttemia Arktos....

EU TAMBÉM NÃO PODIA DEIXAR DE CONCORDAR...

Anónimo deixou um novo comentário na sua mensagem

"Mulher: a iniciadora do amor":

Só as belas e jovens é que tem o poder da iniciação? Isso me soa sexista e totalmente inserido dentro de uma cultura religiosa patriarcal. Do homem não se exige nada disso. Basta que queira receber as dádivas da mulher para poder se apresentar con toda sua feiúra física e velhice que ainda assim estará apto para o ritual. A mulher não. Tem que ter beleza super-humana. E só assim.

Como nos relacionamentos amorosos e sexuais, onde as mulheres tem que disputar a preferencia por seus dotes físicos e juventude e os homens só tem que se dar ao trabalho de escolher com quem ficarão, sejam velhos, feios ou não. O texto ameniza, dizendo que a beleza física só não basta. Balela... Se o primeiro requisito que a mulher tem que ter é agradar aos olhos do homem(...a mulher com quem alguém deseja praticar a Arte do Amor deve ser de esplendida beleza e ter semelhante corpo e mente...a mulher deve estar na plenitude da juventude...), uma feia de grande beleza da alma e sem nenhum atrativo físico, ficará encalhada, como ficavam as sacerdotisas que serviam à Deusa na Suméria e que se não eram bonitas ficavam presas nos templos por até três anos, até conseguirem que algum homem concordasse em fazer amor com elas.

Como as religiões todas que conhecemos foram feitas pelos homens e para os homens, é claro que eles exigiriam esses requisitos da mulher, pois só são esses requisitos que são valorizados nas mulheres ainda hoje!

Arttemia Arktos


- De facto, qualquer homem, por mais bem intencionado que seja e acredito que seja o caso, não consegue equacionar essas questões do mesmo ponto de vista que a mulher...

O homem não tem a mesma sensibilidade que a mulher nestas questões e noutras, como bem sabemos, mas neste caso, quando se trata de ser mais justo e equanânime, ele não pensa em termos mais humanos, mas apenas egóicos...seja ele muito espiritual ou mais elevado no conhecimento que os outros homens, nisso ele é igual; ele vê sempre a mulher como um objecto de prazer e quanto maior prazer melhor e para isso não prescinde da sua estética... claro está, a juventude e a beleza são indissociáveis para ele tenha que idade tiver: o homem tem sempre todos os direitos...

O que você diz é profundamente verdade...

Obrigada pela ressalva, foi muito útil...

rlp

quinta-feira, agosto 20, 2009

Mulher: a iniciadora do amor

(...)

Todas as culturas antigas com uma forte base esotérica tem tradições que louvam o poder de iniciatico da mulher.

Egito, Grécia, Arábia, Índia, Tibete e China compartilhavam desta crença. A mulher era considerada a personificação da sexualidade e a protetora do potencial criador. Todo ser humano nasceu através da Yoni de uma mulher; todo homem esforça-se para entrar outra vez neste reino de feminilidade pelo contato sexual.
(...)
Os ensinamentos Tântricos acentuam a mesma coisa. Embora a beleza física seja altamente valorizada, ela sozinha, no entanto, não basta. A força e o significado da beleza da alma suplantam a beleza superficial, como nos mostra o exemplo do próprio Sócrates. Os ideais de beleza estão delineados em certos textos indianos como o Kama Sutra e o Ananga Ranga. Os diferentes tipos de mulheres e homens são classificados segundo características físicas, emocionais e mentais. O Nayika Sananda Tika declara que a mulher com quem alguém deseja praticar a Arte do Amor deve ser de esplendida beleza e ter semelhante corpo e mente. Seu aparecimento súbito abrirá a porta da emoção e cativará a mente. Um outro texto afirma poeticamente que a mulher deve estar na plenitude da juventude, com olhos que refletem flechas de amor, traços expressivos de todas as coisas boas, lábios cheios de néctar, um corpo que se assemelha a uma planta trepadeira delicada e cheia de curvas, e vestida com sedas muito coloridas.
(...)
Este poder feminino está muito bem confirmado em numerosas tradições mágicas arcaicas. Acreditava-se que os imperadores chineses, por exemplo, tinham nove consortes comuns a cada noite e a Imperatriz por duas noites durante a Lua cheia. 0 poder de iniciação da mulher é enorme, e baseia-se essencialmente na atitude mental quanto ao misticismo sexual. Assumindo um papel ativo e explorando toda uma variedade de segredos sexuais durante o ato sexual, a mulher pode conceder poder transcendental a seu amante. Este poder, a forma elevada de Shakti, e a expressão direta da intuição aberta, uma “energia da Sabedoria”, espontânea e alegre, que pode romper todas as barreiras. A mulher deve confiantemente iniciar o seu homem na experiência mística. O sucesso depende de pura espontaneidade, da capacidade de confiar e render-se a ideais mais elevados, e ao desejo sincero de dar “algo especial” ao seu amor. A autoconfiança e o ingrediente essencial em todos os rituais de iniciação, e é a deusa interior de cada mulher que dá a iniciação.
(...)
A mulher faz a iniciação através da mesma Yoni da qual, numa vida anterior, o homem nasceu. A mulher inicia através dos mesmos seios que, numa vida anterior, o homem sugou. A mulher inicia com aquela mesma boca que em certa ocasião acalmou gentilmente o homem. A mulher é a iniciadora suprema do Tantra.

KAULARAHASYA

A rainha Dakini Secreta absorveu todas as divindades pacíficas e iradas dentro do seu corpo, Ela transformou o Iogue Padma em um som-semente que descansou em seus lábios, onde ela conferiu a Benção Duradoura. Ela então engoliu este som-semente e, dentro do seu estômago, Padma recebeu a iniciação secreta da Compaixão Infinita. Na região da Kundalini, no centro sexual, ela conferiu a iniciação do corpo, da fala e da mente. A.D.

LER NA ÍNTEGRA EM: http://pistasdocaminho.blogspot.com/

A PRIORIDADE DO PRINCÍPIO FEMININO



O Princípio Feminino é Diesa, a fonte original, a força consciência, o espírito criador inerente a toda a criação.
A PRIORIDADE do PRINCÍPIO FEMININO é a chave do poder absoluto, o segredo do mistério da Trindade, a descoberta do Graal… e da imortalidade física. Ela é a solução para o mortal inferno-sobre-a Terra que nós conhecemos e abre a porta do paraíso terrestre.

O Princípio feminino é o espírito criador. O princípio masculino é a matéria criada. É natural que a criadora tenha precedência em relação à criatura. Sem criadora, não há criatura.
Dar prioridade ao Princípio Feminino conduz automaticamente à manifestação do Princípio Masculino que, por sua vez, conduz automaticamente à infusão do espírito na matéria, que é divinizada por ele. A este processo chama-se “espiritualizar a matéria”.

Na prática, concretamente, dar prioridade ao Princípio Feminino significa:

•dar prioridade à minha alma sobre o meu ego, à essência sobre a aparência;•dar prioridade ao interior (a realidade) sobre o exterior (a ilusão);•dar prioridade à emancipação do meu ser sobre a segurança do meu futuro;•dar prioridade à minha autoridade interior e obedecer à minha consciência;•dar prioridade a O QUÊ sobre COMO;•dar prioridade ao processo sobre o resultado.
Esta prática é o contrário daquilo que fazemos desde há milhares de anos. Ela requer uma paragem veemente e uma viragem a 180º. Ela restabelece a ordem que conduz à paz, à harmonia, à saúde e… à imortalidade física!


http://www.personocratia.com/fr/qui_est_ghislaine.php

Postado por Luíza Frazão às 14:54



ALERTA MÁXIMA:

Uma das grandes questões para as quais Ghislaine Lanctôt (Ghis) alerta é a das VACINAS - um grande negócio para a indústria farmacêutica - a evitar a todo o custo! Ainda agora recebi um e-mail avisando peremptoriamente para não tomar a da Gripe A. Eu de certeza que não a vou tomar...
Sugiro o visionamento deste vídeo famoso, que vale por mil teses contra as vacinas, e que Ghislaine tentou, em vão, usar no seu processo (movido pela Ordem dos Médicos do Canadá).

VER VÍDEO: http://www.dailymotion.com/related/x9mh9f/video/xa0jty_vaccination-101-with-ghis1_news

COPIADO DE: http://saberdesi.blogspot.com/

quarta-feira, agosto 19, 2009

A VIDA NA TERRA...


HONRAR A DEUSA, A TERRA E A MULHER

A Deusa Mãe deve recordar-nos que a nossa casa é a Terra e o Planeta e que o devemos amar e respeitar como um todo… Toda a Natureza nos mostra que a devemos honrar assim como à mulher aqui na terra e não no céu ou no altar…
A nossa origem e destino pode ser um dia o "Céu", o Cosmos ou Deus, mas é a vida na terra que viemos viver e onde temos de ser conscientes da sua maravilha, perfeição e beleza. Não podemos construir um inferno a pensar que ganhamos o céu ou o paraíso como tantos fundamentalistas pensam… Não podemos prostituir, violar e espancar a mulher e depois ter mil noivas virgens no céu de alá, no céu cristão ou hindu ou de outro qualquer mito.

A Deusa Mãe é o próprio Corpo Sagrado da Terra - GAIA - que tudo nos deu e que tanta abundância gera e nada nos pede em troca...
A Deusa é AINDA A Mulher que nos dá à Luz e alimenta do seu seio e cujo corpo é o verdadeiro altar onde rezar e agradecer a vida que ela representa! Mas porque nós mulheres perdemos o contacto com a nossa essência, com as raízes da terra e com o amor da Deusa em nós, ao sermos feitas prisioneiras do homem, este sem a dimensão do feminino sagrado nem o amor da Deusa Mãe apenas quis destruir a vida e possuir o mundo pela força e continua a destruí-la continuadamente sem consciência alguma do mal que se fazem e que nos fazem a nós...
A Terra como Deusa Mãe é o nosso alimento mais precioso, é o chão que pisamos a flor que cheiramos, a árvore que nos dá sombra, o fruto que comemos e o ar que respiramos...

(excerto já publicado mas adaptado)


É verdade que não podemos adiar mais o conhecimento da vida na sua essência, procurar a cura da alma ou a plenitude e grandeza do Ser Espiritual, mas não devemos negar também a crua realidade que dele nos separa.

Nós temos todos os dias de conviver com o degradado mundo dos homens e a sua ignomínia, a sua injustiça, a sua selvajaria, mas não podemos esquecer que podemos elevar-nos a cada passo e cada dia mais no sentido da unidade do nosso ser e do sagrado dentro de nós.
A Deusa ergue-se em nós através do seu sopro que respiramos e se unirmos o nosso corpo ao próprio Corpo Sagrado da Terra e respirarmos com ela, podemos ser mais conscientes; podemos sair da matriz de controlo, deste estado de submissão e ignorância; podemos deixar de sermos escravas de escravos e semear sementes de amor e luz de uma nova Matriz...
Se ligarmos o nosso coração ao coração da Mãe ela pode manter-nos protegidas/os do medo e do ódio… Basta seguir a nossa respiração em vez da mente satânica, basta respirar profundamente e agradecer a vida que nos inunda para cada dia sermos mais fortes…

Que Ela se manifeste na sua potência máxima na Terra e dentro de nós, que seja una connosco e nos perdoe tanta ofensa ao Seu Corpo redentor que dá vida e amamenta desde que nascemos até que morremos e na eternidade.
rlp

DESCENDO AOS INFERNOS...


Anónimo deixou um novo comentário na sua mensagem "A MULHER QUE DENUNCIA A MAFIA DOS MEDICAMENTOS......":

Durante Agosto, não há médicos do instituto disponíveis à noite

Vítima de violação aguarda doze horas por exame do Instituto de Medicina Legal
19.08.2009 - 11h51 PÚBLICO, com Lusa

Uma rapariga de 17 anos foi vítima de violação sexual na noite passada. Ao dirigir-se ao Hospital de Santa Maria, em Lisboa, o pai da menor foi informado que não estavam disponíveis peritos do Instituto de Medicina Legal para a examinar e que a filha teria de aguardar doze horas, sem tomar banho ou ingerir alimentos, até que fosse vista por um médico do instituto. A razão para a espera: durante o mês de Agosto há apenas três médicos naquele serviço e na escala nocturna nenhum está disponível para realizar peritagens por falta de técnicos durante o período de férias.

Continuar a ler em: http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?showComment=1&id=1396770&idCanal=62

Que Humanidade é esta??? Concerteza que é o contrário desta grande Senhora chamada Ghislaine que teve a coragem de denunciar o sistema!!! Como é uma SENHORA, uma MULHER não deve respirar... Até quando o mundo condenará a essência feminina ao desterro??


R. - É UMA HUMANIDADE "HOMEM"...ONDE A MULHER É UM OBJECTO...E AS QUE OUSAM TER VOZ SÃO PRESAS...DESRESPEITADAS OU CONDENADAS AO DESCRÉDITO.

Que mulheres têm lugar nessa sociedade de homens em que impera a força e a mentira? Aquelas que se lhes vendem e os servem no teatro político, científico e literário...
AQUELAS QUE QUE ACEITAM VIVER A SUA FARSA!

rlp

segunda-feira, agosto 17, 2009

A MULHER QUE DENUNCIA A MAFIA DOS MEDICAMENTOS...

A doença é um mau funcionamento da alma.

A maior doença da alma continua a ser a submissão. Aos outros. Às suas ideias, pressões, medo, expectativas, as suas leis, estatísticas, tratamentos.

- Quem o diz é:

GHISLAINE LANCTÔT

Há seres neste mundo – poucos e raros é certo – que me comovem até às lágrimas pela exemplar conduta face aos requisitos da consciência e do coração. Ghislaine Lanctôt, a médica canadiana que praticou a sua especialidade de medicina, flebologia (tratamento de varizes nas pernas), durante vinte e cinco anos, considera que foi no contacto com os seus pacientes que questões fundamentais relacionadas com a saúde e o exercício da medicina se foram colocando à sua consciência. Assim, em vez de se render à vida confortável e aos privilégios que o exercício da profissão lhe proporcionavam, esta médica, mãe de quatro filhos e nove netos, investigou detalhadamente o seu meio profissional e a atitude da ordem estabelecida face à saúde e à doença dos seus cidadãos. Em 1995, como consequência desta investigação publica “The Medical Mafia”, um livro polémico em que nos revela como os governos, as organizações internacionais, os laboratórios e as entidades financeiras em geral manipulam os sistemas ligados à saúde.

Este livro causou uma tal polémica que a médica foi julgada pela “Medical Board”, considerada “culpada” e a sua carteira profissional retirada de forma definitiva. Teve além disso de pagar todas as despesas do processo.

O livro foi reeditado em 2002, com grande sucesso.

No seu processo de libertação interior, deixou de se identificar com o nome “Ghislaine Lanctôt”, passando a ser apenas “Ghis”. Isto criou-lhe de novo problemas com a justiça, acabando por ser presa recentemente durante dois meses por uma questão de impostos. Na prisão viveu uma memorável experiência de profunda liberdade interior, que deu origem ao seu novo livro “Madame Ghis – Escape in prison”(2009).

O seu site pessoal é http://www.personocratia.com/

Mariana Inverno

JÁ PODE ENCOMENDAR O LIVRO MULHERES & DEUSAS....

SPIRIT LIVRARIA - ONLINE


Autor: Rosa Leonor Pedro

Editor: Ariana

Páginas: 324

Este livro nasce do blog Mulheres & Deusas iniciado em Dezembro de 2001.

Os trabalhos nele apresentados são a selecção ou resumo dos muitos textos escritos pela autora e citações dos mais variados autores, de livros lidos e apresentados como referências fundamentais para divulgação e consolidação de uma Nova Consciência da Mulher e do Feminino Sagrado.

"Honra a Mulher, que nos faz compreender a grande Mulher, a Natureza. Que Ela seja a sua imagem santificada, que ela nos auxilie a subir os degraus de escada que vai até a grande Alma do Mundo, que concebe, conserva e renova, até a divina Cibele, que conduz as almas em seu manto luminoso." (Fonte Pitagórica)

Ofertas Especiais:

- Desconto de 10% neste título.

- Na compra de dois títulos da autora: "Mulheres & Deusas" e "Antes do Verbo era o Útero", oferta do título "Mulher Incesto".


ABRIR E ENCOMENDAR EM: http://www.livrariaspirit.com/catalog/product_info.php?products_id=6489

sexta-feira, agosto 14, 2009

NAS ASAS DA TUA PROTECÇÃO MÃE


Adormeceram as águas, fizeram silêncio as almas, e, sobre as ondas do grande Mar do silêncio, caminha para nós a serena Aparição da tua figura.
(…)
E, como sobre uma multidão que espera a manhã para transpor o rio que os há-de salvar do inimigo, flutua de asas abertas o seu próprio sonho de resgate, assim, sobre o mundo e as almas, o grande lenço branco da despedida se fez asa, protecção, carinho, sonho, êxtase, e é o manto que te cobre, e às almas, oh minha virgem, minha Senhora da Aparecida!
*
leonardo coimbra

quinta-feira, agosto 13, 2009

"Fecha agora os olhos, oh meu Amor, e deixa-me ver o teu nascimento"


“Sintam no âmago das suas identidades, a nutrição, a dádiva e o mistério da Mãe. Haverá um retorno e um despertar da Deusa Mãe."
(…)
"A Deusa é a Consciência que permite todas as coisas. É a fonte que mantém a união dos elementos, e liga toda a criação.”


Mencionei a frequência da Luz – Luz sendo informação – e a frequência do amor, atraindo a criação. A face inferior mais profunda da informação pleiadiana é a sua sensualidade e a sua sexualidade – sua criação através da vibração de amor com a Deusa. Trabalhar com a energia da Deusa requer uma exploração mais profunda do princípio feminino.
(…)
Conforme avançar a década, haverá um aumento pronunciado de líderes e mestres do sexo feminino, pois a Deusa encarna através do seu género. Isto não quer dizer que Ela não trabalhe com a energia do masculino, pois os homens também aprenderão como encarnar a Deusa. Ela não faz discriminações nem contem raiva. É uma entidade bastante compassiva. Permitiu que durante eons muitas coisas pudessem acontecer de maneira a que todos, homens e mulheres, pudessem aprender o mais possível. Agora a Deusa espera e exige que ambos honrem aquilo que Ela permitiu ser criado através do mistério do sangue – através da dádiva de Seu próprio Útero.
O sangue e os seus mistérios constituem a chave para compreensão de vocês mesmos, da vossa linhagem genética e da própria Biblioteca Viva que vocês são."
*
A GALVANIZAÇÃO DA DEUSA-TERRA -
CHAVES PEIADIANAS PARA A BIBLIOTECA VIVA
BÁRBARA MARCINIAK

Oh! meu amor hei-de pôr-te uma estrela no peito


A TUA FIGURA

Andamos pela terra e pelos mares, vimos a frescura das fontes e as meigas curvas dos rios, à flor dos lagos os nenúfares como brancos sonhos de virgens submersas em palácios de cristal e opala, os choupos sensitivos, ensaiando asas nos frémitos sãs suas folhas; andamos pelos céus e vimos astros (oh! Meu amor hei-de pôr-te uma estrela no peito e sobre o coração!), e tocamos os sóis e os laboratórios dos mundos; andamos pelas almas e vimos alegrias sussurrantes que eram os seus ribeirinhos e sacrifícios de amor que eram a lenha dada ao fogo, subindo em prece de luz, e vimos sobretudo (Oh minha Beatriz, oh minha eterna saudade do Céu) um infinito Mar de silêncio em cujas praias, extáticos, nos quedamos a sonhar…

Dá-me os teus olhos, oh meu amor, que neste mar infinito eu me quero aventurar.
Enche-me de astros o Silêncio deste Mar, oh minha Lira-Mãe das esferas que rolam, dos Sóis de manto doirado e dos olhos que te rasgam na imensa face do firmamento!

Fecha agora os teus olhos oh meu Amor, e deixa-me ver o teu Nascimento…

Adormeceram as águas, fizeram silêncio as almas, e, sobre as ondas do grande Mar do silêncio, caminha para nós a serena Aparição da tua figura.(…)
E, como sobre uma multidão que espera a manhã para transpor o rio que os há-de salvar do inimigo, flutua de asas abertas o seu próprio sonho de resgate, assim, sobre o mundo e as almas, o grande lenço branco da despedida se fez asa, protecção, carinho, sonho, êxtase, e é o manto que te cobre, e às almas, oh minha virgem, minha Senhora da Aparecida!(…)
Oh amor do meu Exílio, meu estranho amor, de onde vens tu meteoro das almas, que elas, à tua passagem, reacendem-se em lembranças e são mais puras, mais brandas, mais líquidas e dadivosas, espraiadas duma humildade sem fim?(…)

De serra em serra, por caminhos de seixos e urzes, vejo-te subir a todas as serras de Portugal; de dor em dor, por caminhos bravios e espinheiro, vejo-te subindo a toda a altura da minha alma.
Névoa da terra e das almas, sonho do meu amor divino, branco dossel de todas as saudades, o aroma para além da flor a bondade para além das almas, Alegria flutuando em espuma por sobre todo o Mar, és o trono da Terra, a Senhora da Graça e a minha andorinha, removendo as asas da Ascensão!

Eu te adoro: deixa-me ir contigo, oh meu Amor com asas!...

Excertos do livro ADORAÇÃO de Leonardo Coimbra

O LIVRO QUE MAIS TOCOU A MEU CORAÇÃO AINDA MUITO NOVA.
O LIVRO QUE MOLDOU A MINHA ALMA NA ADORAÇÃO DA MÃE E DA MULHER DE FORMA TÃO PROFUNDA TÃO MAIS PROFUNDA DO QUE O CÂNTICO DOS CÂNTICOS…
Devo a este livro o meu primeiro livro e o caminho percorrido do Sagrado Feminino por ter sido o mais belo Cântico pagão que li em português feito em adoração da Deusa, da Mulher e da Terra!
Um livro que andava perdido de mim há mais de trinta anos e que agora reencontrei publicado por António Telmo conjuntamente com A VERDADE DO AMOR…
ed. Zéfiro…

rlp

Imagem: Art Montserrat: http://www.thesacredfeminine.com/

quarta-feira, agosto 12, 2009

O UNIVERSO INTEIRO ESTÁ DENTRO DE TI

HOJE
Hoje era o dia anunciado...Hoje?…mas só o coração sabe.
Por mais que eu queira a beleza visível, a verdade tangível, a justiça real… os olhos nada vêm.
Bate meu coração, bate, tu que tudo sabes… tu que tudo compreendes…
Bate de mansinho no meu peito que tanta anseia o amor prometido, a luz que inundaria todos os espíritos, rompendo todos os limites, deixando de haver tempo e espaço, levando-me como a um pássaro sábio aos lugares mais ignotos, onde os anjos falam connosco sem palavras e só o teu bater ritmado e suave comunica o segredo da vida e do universo…

Aí cada ser encontraria o seu fio condutor, invisível, que lhe revelaria o seu lugar no mundo com a precisão de um raio lazer…

- Que milagre seria se tu só escutasses o teu coração e através dele e com ele fosses onde ele te levasse e aprendesses tudo o que ele tem para te ensinar?
Se assim fizesses não pensarias mais na guerra, no dinheiro, na crise mundial, nem na loucura dos homens, sabendo que estão já mortos e pouco importa que se matem entre si…

“Deixa que os mortos enterrem os mortos” e segue-me até ao fim dos tempos…por cima das águas, por baixo do fogo…
Assim, caminharás entre as vítimas da peste e de todo o flagelo humano sem que nada te toque…porque tu és EU e este corpo, pó que voltará ao pó….ao fogo, à agua e à terra…

Segue-me…não mais vaciles entre mim e a tua lógica…entre mim e o ódio a raiva e a cólera. Abandona tudo o que crês e segue-me por dentro de ti…mostrar-te-ei o caminho infinito com que sempre sonhaste e levar-te-ei aos pés da Grande Mãe nos confins do Universo, sempre tão perto e tu tão poucas vezes lhe deste crédito e quando o sentiste duvidaste…

É tempo agora de te entregares com toda a força da tua alma ao céu que invade, à terra que te eleva, à água que te dissolve…ao ar que absorves...
Não temas nada! Nunca mais tenhas medo…porque esse é e sempre foi a única força das trevas e dos que não querem a luz do mundo.
Dentro de ti revelar-se-à a glória e a força incorruptível do Amor Divino se assim o fizeres. Essa é a tua escolha…
Hoje.

rlp

terça-feira, agosto 11, 2009

O CORAÇÃO DE FOGO...


08 a 15 de Agosto - SEMANA DECISIVA

"´Devem fazer, durante esta semana, e diariamente das 13:00 às 14:00 horas, a fusão da Coroa do Coração com a Coroa da Cabeça." "Ao simplesmente pronunciar: “Eu acolho a Luz Crística na Unidade e na Verdade", a alquimia realizar-se-á em si" 8 de Agosto de 2009

Eu sou Mikael, Príncipe Regente das Milícias Celestes. Amados Mestres da Luz, Filhos da Luz e Sementes Estelares, venho a vocês, neste dia, acompanhado das sete Radiações Arqueangélicas. Assim, nós, Arcanjos reunidos em Conclave, e a partir de hoje, celebrando dentro do seu Sistema Solar para executar, iniciar e manifestar, no dia 15 de Agosto, a Revelação da Luz.
Como disse na minha vinda durante o último Casamento Celestial, o triângulo radiante Terrestre localizado no México se tornou activado e isto permite o mesmo convosco, nesta semana, a partir de amanhã, até o dia 15 de Agosto.
Vocês vão escalar os Sete degraus que irão realizar, em vocês, para sua Glória e sua Unidade, a Revelação da Luz.

O que está no alto é como o que está embaixo.
O que se passar no seu ser interior é o que se realizará na Terra e sob os seus olhos e no Céu.
A hora é para a Efusão, nestes 8 dias, das novas chaves Metatrônicas de Luz.
O triângulo radiante, em vocês, é denominado sacro (sacrum). Ele corresponde à Revelação (em resposta ao impulso da Luz, através do ultravioleta), ao despertar da sua Divindade, ao fenômeno de Fusão, que se iniciará para todo o ser humano que desejar.

O sacro é onde se aloja o Fogo da Terra.
Eu venho iniciar, com o Conclave, o despertar do Fogo da Terra.
Este Fogo da Terra responde ao Fogo do Céu.
Durante esta semana, vocês vão fazer a fusão para permitir a ocorrência do triângulo radiante em vocês, dentro desta materialidade. O triângulo radiante irá estimular e permitir a fusão, para quem a desejar, da Coroa do Coração com a Coroa da Cabeça.

Eu já instruí (e não relembrarei mais) sobre a lemniscata sagrada, sobre o som da nota “Si”, sobre o silêncio interior. Refiro-me àqueles que eu tinha dito e que serão hoje atualizados, em sua humanidade, para aqueles que desejarão aderir ao casamento.
A Hora é, Agora, de entregar a Cabeça ao seu Coração.
O Coração é acolhido, assim que terminar a última efusão. O Coração é Amor, Vibração e Luz.
A luz da Cabeça, aquela que lhes permite exteriorizar nesta densidade, deve ceder o lugar à Luz do Coração.
Assim, durante esta semana, terão que despertar em vocês, definitivamente, os seis pontos do Coração e os cinco pontos da Cabeça, realizando, neste lugar, pelo lado do cruzamento e da Lemniscata Sagrada, a Coroa de Doze.
Esta Coroa de Doze é a reunião das Doze Virtudes que eu tinha anunciado. Ela permitirá, sob a influência da Radiação do Triângulo Sagrado, mas também da Radiação Celeste se atualizando em seu céu, no dia 15 de Agosto, um trabalho de fusão entre onde corpos do Ser e os corpos de personalidade, nesta densidade.

Apreciem. A Hora é para a Luz. A Hora é para o acolhimento. A Hora é para a Revelação da sua Divindade, na sua dimensão.

A falsificação de Luz não será mais possível. É vossa responsabilidade abrigar, em vocês, por vocês mesmo e pela sua acolhida, isto que nós lhes propomos.
A etapa principal é em 15 de Agosto.
E terminará em 29 de Setembro, dia de minha vinda efetiva à Terra, através dos elementos os mais celestes.
Amadas Crianças da Luz, nesta semana, durante estes 8 dias que precedem o dia 15 de Agosto, iremos concentrar a tripla influência da Radiação do Ultravioleta, do Espírito Santo e da Fonte, no período das 13:00 às 14:00 horas de seu relógio.
Durante esta hora, vocês terão o benefício do apoio mais importante do nosso Conclave para realizar a obra e escalar os Sete degraus.
Para isto, vocês precisam assimilar, vocês precisam compreender e vocês precisam se abandonar totalmente à Luz, à Verdade e ao Amor. Não pode ser de outra forma. Pedimos que não mais concedam privilégio ao seu ego, à sua personalidade, mas que se deixem banhar na Luz da Fonte, na Radiação do Ultravioleta e no Espírito Santo.

Existem, na superfície deste planeta, Sete Círculos de Fogo dos Anciãos. Tais Círculos foram construídos, em tempos remotos, para permitir a manifestação da Luz em vosso Céu, a Luz Branca Metatrónica, para guiá-la a fim de se enraizar na vossa densidade, na vossa dimensão, permitindo assim o estabelecimento do Reino da Luz. Alguns de vocês conhecem, neste planeta, os Círculos de Fogo dos Anciãos. Será solicitado, no vosso ser interior, quanto àqueles que terão a chance exteriormente de se reunir próximo aos Círculos de Fogo dos Anciãos. Não é para eu lhes dar a sua localização. Não importa se não sabem: podem-se reunir em grupo e, especialmente a 15 de Agosto, para saudar Senhor Metatron.
Que vem selar, em vocês, a Luz Branca. Ninguém pode preexistir, existir e prosseguir sua vida sem o impulso Metatrónico. Como vocês sabem, Metatron estabelecerá seu Reino no Fim dos Tempos.
Este é um anúncio objetivo cuja rectidão e os sinais que eu lhes dou são anunciados, de maneira visível por todos, no seu Céu. Mas eu vou reconduzi-los ao seu interior, pois a alquimia deve ser primeiramente realizada em vocês. Vocês devem fazer, durante esta semana, e diariamente das 13:00 às 14:00 horas, a fusão da Coroa do Coração com a Coroa da Cabeça. Este trabalho se realizará directamente a partir do momento que você aceitar, na humildade, na simplicidade, sem orgulho, a Luz que chega até você.
A Fonte declara o momento do regresso!
Nós anunciamos, nós, Conclave, e nós preparamos este momento depois dos tempos imemoriáveis.
Vocês foram informados sobre estas datas e elas não são ilusórias. Elas correspondem, para aqueles que recusam enxergar, à derradeira prova da veracidade da Luz.
Vocês descobrirão pelos seus próprios Olhos, pelos seus Sentidos e pelo seu Coração, sobretudo, que isto é a Verdade. E a Verdade é simples. E a Verdade os libertará dos limites deste mundo. Vocês devem descortinar a Alegria, a Confiança, a Serenidade, a Unidade e o acolhimento de seus Irmãos e de suas Irmãs. Alguns de vocês sentem um impulso Divino para se agrupar. Façam-no.


O Momento é Agora!.
É da vossa responsabilidade trabalhar para que as circunstâncias de vossa vida permitam fazer isto em tranquilidade, em serenidade e nos locais privilegiados
. Estejam seguros e certos de que, onde vocês estiverem neste planeta, longe ou próximos dos Círculos de Fogo, a partir do momento que vocês acolherem a Luz em seu seio, em humildade e em simplicidade, a Inteligência da Luz actuará. Ela agirá, qualquer que seja o nível de desconstrução visível aos seus olhos.
A desconstrução visível aos seus olhos é a desconstrução da ilusão. A desconstrução visível aos seus olhos é a construção, em seu seio, da Nova Jerusalém, da Nova Aliança iniciada por Metatron.
Todos os dia, das 13:00 às 14:00 horas, hora dos vossos relógios, nós pedimos, nem que seja por alguns minutos, que se coloquem à recepção e ao acolhimento do que vem.
Não há outra coisa a fazer. Não tem como dirigir a consciência para o coração, para a cabeça ou para o sacro, ou a outro local. Há simplesmente que aceitar e afirmar claramente, em si mesmo e distintamente, a acolhida da Luz Crística, Unidade e Verdade.
Ao simplesmente pronunciar: “Eu acolho a Luz Crística na Unidade e na Verdade", a alquimia se realizará em você. Um certo número de vibrações, em seguida, percorrerão o seu corpo, ao nível do Coração e da Cabeça, em diferentes pontos de consciência. Você não tem nada a fazer se não, acolher, em humildade e em simplicidade.

Vocês podem também colar a língua da vossa boca ao palato e pronunciar esta frase. Isto é simplicidade, isto é Verdade em si. Muitas das informações, paralelamente à chegada da Luz Metatrónica, no sábado dia 15 de Agosto, permitirão tomar consciência disto que temos realizado juntos, bem-amados Mestres da Luz, depois de alguns meses. Isto é Verdade. Suas ilusões devem se extinguir diante da Verdade do que está a chegar. Não há outra possibilidade.
Com isto, se realizará em vocês o final do seu Casamento Celeste.
Os acontecimentos se desenrolarão na Terra seguirão um curso que será ou de Luz, ou de Sombra, dependendo do que você escolheu ou abrigou em seu peito. Eis o que eu tinha simplesmente para lhe dizer hoje. Se vocês têm, em relação a este processo que vai ocorrer, precisões e explicações um pouco mais importantes, eu quero faze-lo antes de retornar à vossa Essência, ao vosso Coração. (...)

segunda-feira, agosto 10, 2009

A SEMENTE...


Coração infinito... portal interdimensional, cerne de vida e inteligência, coração sagrado, centro do Universo, altar secreto da Deus/a...és o lugar único da transcendência.
*
Tu és o vaso da magia da vida, pulsas na Terra, no Mar, no Céu e no Ser Humano como um relógio eterno, sem horas nem tempo...pulsas de amor em cada criança, em cada animal, cada planta e dás o cheiro à flor e embala-a com o vento que leva as suas sementes desde todas as eras, antes e depois de sermos...
*
Coração sereno, cheio de paz, que tudo regenera e que em cada batida reza a existência plena oferecendo-a ao homem e mulher como presente, no presente apenas...


Do fundo do coração...

rlp

EXISTEM OUTROS MUNDOS, DENTRO DE NÓS...


A HISTÓRIA DOS KOGI: AS CRIANÇAS DOS PRÓXIMOS MIL ANOS
Admin o Qua Jul 01, 2009 1:39 am

A história que vocês estão prestes a ler é verídica, mas também incomum. Tanto que, se vocês não tiverem a mente aberta, ela parecerá impossível. E se vocês não tiverem um coração aberto, a história não será compreendida para que possa ser vivida.

Nos últimos anos, tenho estado em Yucatán várias vezes trabalhando com o xamã maia Hunbatz Men. Ele tem realizado nos tempos que correm as cerimónias dos antigos sacerdotes maias para trazer e estabilizar as novas energias de nosso Sol - energias que nunca entraram na Terra e que alteram a maneira de percebermos a vida. O seu trabalho é muito importante para o desenvolvimento do novo mundo na Terra e para o nascimento de nossa nova consciência.

Alguns meses atrás, um homem chamado Ellis, que trabalhava junto de Hunbatz Men, veio ter comigo e começou a contar-me esta história. Ele disse que na Colômbia, nas profundezas da floresta amazónica, havia uma tribo aborígene chamada Kogi.
Não tinham idioma e "falavam" uns com os outros apenas telepaticamente. Na verdade, eles produziam pequenos sons, que não eram, contudo, organizados de forma lógica num padrão, tal como um alfabeto. Eram meramente sons, mas que vinham do coração, não da mente, e criavam imagens na cabeça da pessoa, de forma que ela conseguia "ver" o que a outra estava comunicando. Ellis disse que sem dúvida eles eram capazes de viajar fora do corpo e sabiam tudo o que estava acontecendo ao redor do mundo, embora nunca tivessem fisicamente saído de sua terra natal. Nunca tinham sequer tentado se comunicar com o mundo externo, excepto com uns poucos afortunados.

Os Kogi não nos vêem como se estivéssemos "dormindo," como várias das religiões hindus e orientais nos percebem. Os Kogi nos vêem como se estivéssemos "mortos." Não estamos vivos, somos, sim, apenas sombras da energia que poderíamos ser. Não temos bastante energia de força vital e consciência para sermos por eles classificados como pessoas reais. Os
Kogi acreditavam que, com o uso de suas capacidades psíquicas, podiam ver claramente o futuro. E o que viam era semelhante ao que muitas outras tribos em todo o mundo viam: um mundo que estava prestes a ser destruído pelo mau uso da consciência. Então, há algum tempo, eles viajaram por todo o mundo em seus corpos de luz procurando alguém que estivesse vivo. Em todo o mundo, conseguiram encontrar só mais uma tribo, cujos integrantes eram maias e moravam nas profundezas das florestas da Guatemala. Ficaram muito contentes por descobrir mais gente viva.

Mas segundo a crença dos Kogi, a sua profecia, com a vinda do Eclipse em 11 de Agosto de 1999, todo o mundo pararia, e só os Kogi e esta outra tribo maia sobreviveriam para habitar a Terra. Por isto ficaram tão felizes ao encontrar alguém, além deles, que compreendia.
Então, quando o eclipse lentamente revelou a sua face em 11 de Agosto, ficou claro para os Kogi que algo acontecera desde a época em que vasculharam o mundo em busca de vida, algo que eles não conseguiam entender. Pois a "grande mudança" acontecera, e nós, os mortos, ainda estávamos aqui. Deveríamos nos ter dissolvido, voltando a ser Sonho. Não que eles quisessem isso, não era essa a sua natureza.
Simplesmente deveria acontecer.

Então, os Kogi puseram-se a tentar descobrir por que os mortos ainda estavam na Terra, e à medida que vasculhavam os registos vivos e vibrantes desta Realidade, encontraram exactamente onde acontecera e por que acontecera. Alguns dos mortos tinham ganhado vida e criado um sonho que continha força vital suficiente para salvar o mundo que conhecemos. Segundo as nossas condições, alguns de nós tínhamos criado um mundo paralelo no qual a vida poderia continuar a crescer, um mundo no qual os mortos se poderiam tornar vivos.
Os Kogi foram específicos, localizando exactamente quem eram estas pessoas que estavam criando esta mudança que alterara o destino do mundo.
Os Kogi viram estas pessoas com corpos vivos de luz à sua volta, pessoas que tinham activado seus corpos de luz, ou em termos antigos, a sua Mer-Ka-Ba. Como fui um dos professores que transmitiram estas informações, os Kogi enviaram um mensageiro a Ellis e de Ellis para mim. Eles enviaram-me um pouco de tabaco embrulhado num pedaço de algodão vermelho vivo, dizendo simplesmente: "Obrigado."

Uns meses depois, os Kogi mandaram a Ellis outro presente para me dar com uma mensagem. O presente era uma pequena bola feita de resina de árvore escura e pegajosa mais ou menos do tamanho de uma ameixa. Tinha cheiro da floresta. Havia neste presente de resina uma energia que eu sentia em minhas profundezas. Eu sentia a ligação em meu coração.
A mensagem dizia que eles enviariam alguém para me ensinar a falar sem palavras de forma que pudéssemos nos comunicar. Disseram então que quando a ligação e a comunicação fossem estabelecidas, pediam que eu entrasse na floresta colombiana e visitasse a sua tribo. E que se eu visitasse o mundo deles, eles visitariam o meu. Estariam então preparados para, pela primeira vez na história de sua tribo, sair da floresta e aparecer na televisão no mundo todo, nada menos, para falar connosco, seja qual for o significado de "falar”, visto que, pelo que sabemos, eles não têm idioma, embora eu não tenha certeza. E o que têm a dizer, também não sei. Mas por meio deste pequeno pedaço de resina de árvore, estou começando a sentir.
Quando Ellis foi embora depois desta segunda visita, sentei-me a pensar em todo este acontecimento. Era verdade que os Kogi conseguiam ver com tanta clareza a Realidade? Iam realmente enviar alguém para me ensinar a falar sem palavras? O que realmente significava tudo aquilo?
Meditei com os anjos, mas eles simplesmente aprovaram o que estava acontecendo e não me deram informações nem assistência.

Então, no mês passado, em 10 de Novembro, dei um seminário Terra/Céu no México. Vieram aproximadamente 100 pessoas de todo o México, América Central e do Sul, e um dos países do qual veio muita gente foi a Colômbia. Neste grupo havia uma jovem cujo nome vou omitir para a proteger.
Era diferente de todos os outros colombianos. Sempre que entrávamos num espaço sagrado e sentíamos a presença de Deus, ela começava a aparentemente enlouquecer de êxtase. Não que isso fosse realmente incomum, mas era extremo. Esta mulher tornava-se primitiva. Todo o seu corpo começava a tremer e uma pessoa diferente emergia dela fazendo com que as suas palavras produzissem uma sensação diferente e ela apresentasse uma linguagem corporal diferente. Eu observava-a, buscando a razão por que ela fora ao seminário e procurando uma maneira de a ajudar.

Então, no último dia do seminário, aconteceu. O grupo formara um grande círculo, e estávamos cantando para Deus. Esta moça se desligou do círculo e começou a dançar de maneira primitiva e desinibida no centro do círculo. Abandonou-se e pareceu perder o controlo. Fui até ela e peguei-lhe na mão para a confortar, ela agarrou a minha mão e me olhou fundo nos olhos, fazendo um som suave e veemente. O som foi directo ao meu coração e vibrou exactamente em meu centro, e consegui "ver" o que ela estava dizendo. Eu nunca experimentara coisa parecida. Naquele momento, não entendi o que estava realmente acontecendo. O meu coração simplesmente reagiu.

Levei-a para fora do círculo e sentei-me olhando-a. Então, ela fez outro som, e o meu corpo respondeu com um som semelhante que nunca viera de mim.
Instantaneamente estávamos conversando de uma maneira nova e profunda, tão bela, tão completa. Fazia todos os idiomas do mundo parecerem inadequados e obsoletos. Durante duas horas, comunicamo-nos por meio de imagens plenas de cor e profundidade, com toda a completude sensória da vida real. Aprendi muito. Aprendi sobre a vida, e aprendi sobre aquela mulher dentro de uma mulher.

Por meio de seus sons ela mostrou-me de onde viera, uma pequena aldeia vizinha à tribo Kogi. Mostrou-me o seu marido e os seus três filhos. Conheço-os como se fossem minha família. Levou-me a visitar a sua aldeia, onde conheci outros dois homens mais velhos que eram da tribo Kogi. Mostrou-me como a sua tribo lhe pedira para entrar no corpo desta mulher e
me vir ver. Fora instruída a ensinar-me a falar sem palavras. Disseram-lhe que, assim que tivesse feito apenas esta única coisa, poderia sair do corpo desta mulher e voltar para casa e ficar com a sua família. Ela sentia muitas saudades do marido e dos filhos. Pude "ver" como, quando aquela moça voltasse para casa, ela sairia deste corpo. Pude ver o seu próprio corpo deitado sobre um monte de capim dentro de uma cabana de sapé esperando este momento.

Quando voltei para casa vi a minha mulher, Claudette, a quem amo tanto, sob uma luz nova. Amava-a de modo diferente porque podia ouvir os sons vindos de seu coração. Podia ver a sua dor e a sua alegria. Eu estava tão contente por causa desta experiência com os Kogi, mas ainda não sabia o que estava acontecendo comigo. Parecia trazer uma grande expectativa de
algo por vir.
Então, duas semanas atrás, dei um seminário Terra/Céu em Maryland. Enquanto me estava arrumando e preparando para o seminário, contei esta história a uma mulher chamada Diane que estava ajudando no seminário. Ela perguntou se eu iria demonstrar estes sons. Concordei em fazê-lo.
Sentamo-nos de frente um para o outro, e pedi-lhe que fechasse os olhos. Então veio um som de meu coração e no mesmo momento uma imagem apareceu na minha mente. Era a imagem completa de um gato grande, uma suçuarana, caminhando à margem do Amazonas, perto da água. Então ele saltou para uma árvore e começou a andar na beira de um galho longo e pesado que lentamente se inclinou até ao chão. O felino saltou de volta para o chão e
continuou a caminhar à beira da água. Abri os olhos. Tudo isto só durou cerca de um minuto.

Perguntei-lhe o que vira, e ela começou a contar-me exactamente o que eu tinha visto. Descreveu tudo perfeitamente. Uma alegria brotou no meu coração.
Então, pedi-lhe que fechasse os olhos novamente. Outro som lento e estranho veio de meu coração, e instantaneamente outra imagem. Eu não apenas vi como também experimentei o que parecia ser eu mesmo saindo flutuando do corpo da mulher da Colômbia e erguendo-me no ar.
Então, senti que começava a voar muito rápido por cima da floresta. Via as árvores se movendo rapidamente abaixo de mim. Cheguei rapidamente a uma aldeia e senti que descia para mais perto do chão, na direcção de uma cabana de sapé específica. Logo depois eu estava dentro do corpo desta mulher da tribo, olhando pelos seus olhos. Ela sabia que eu estava lá. Não se importou; devia acontecer.

O marido rapidamente segurou a mulher/a mim, obviamente feliz por ela/eu ter voltado. Ele também sabia que eu estava lá e também estava muito contente. Então, todos os três filhos dela vieram correndo e começaram a abraçá-la e acarinhá-la. O mais jovem veio e começou a mamar no seu peito. Foi uma experiência muito comovente encontrar esta família que eu não conhecia, e no entanto conhecia. Então abri os olhos.
Esperei um momento, para me centrar depois desta experiência, e então perguntei a Diane o que ela vira. Começou dizendo que se experimentara como um "bicho" a sair do corpo desta mulher. Então se ergueu ao céu e começou a voar sobre as árvores de uma floresta. Ela observou como descemos para a cabana de sapé e nos encontramos com a família. Viu perfeitamente.
Fiquei longo tempo sentado. Podia sentir que estava diante de uma dádiva de valor incomparável. Mas o que significava para mim ou para o mundo? Tudo foi uma experiência tão incomum que ainda não sei o que significa.
Quando voltei para casa, depois do seminário de Maryland, todas as noites, nos primeiros sete ou oito dias, dava comigo sonhando que estava "em casa" nesta aldeia. O sonho durava a noite inteira, e lembrava-me de todo ele na manhã seguinte.
Sonhava que estava fazendo as minhas tarefas na aldeia e levando a minha vida, cuidando dos meus filhos e marido. Muitos, muitos homens das duas tribos vinham ter comigo fazendo-me perguntas por meio de sons que produziam imagens. Eram pessoas lindas e, sim, estavam "vivas." Compreendi por que nos consideravam mortos. Eu podia "sentir com a visão de meu coração" o que elas queriam dizer.
Sabia que eles tinham a intenção de ajudar se pudessem. Estavam espantadas por eu estar lá. E eu também.

Agora, isto é só o começo. Os Kogi estão entusiasmados com a maneira como estamos crescendo. Querem vir a nós. Se Deus quiser, eles virão. Pediram-me agora para eu vos dar uma mensagem no vosso idioma se vocês puderem aceitá-la – vocês descobriram os vossos corpos de luz e estão mudando o mundo por meio de vossas vidas.

"Vocês estão mudando o mundo, transformando-o em luz. Não tenham medo da vossa inocência e da vossa natureza infantil; estão perto de Deus. Deixem a vossa imaginação pairar entrando num Sonho no qual o amor envolve todos os acontecimentos, então vejam-no como real. Deixem que os sons de vossas orações falem com os que não estão vivos. Vocês mostraram-lhes o caminho através do vosso exemplo, agora mostrem-lhes o caminho a partir de dentro. Escutem, e o vosso coração falará. Estamos com vocês agora. Vamos ajudar-vos."
Que os próximos mil anos sejam dourados, e que as crianças inocentes mostrem o caminho.

Eu amo-vos, Drunvalo.

Por Drunvalo Melchizedek

Informativo Ventos de Lys - Consciência Terra

A MAIS VELHA HISTÓRIA DO MUNDO...

Iémen
por José Saramago

À escritora colombiana Laura Restrepo, nossa amiga pelo coração e pelas ideias, encarregou-lhe Médicos sem Fronteiras que viajasse ao Iémen para depois contar o que lá tivesse visto, ouvido e sentido. O relato dessa experiência foi agora publicado no El País semanal, uma reportagem impressionante como, em princípio, qualquer outra que se faça em África, mas que a arte de narrar de Laura, ao recusar, como é próprio da sua natureza de escritora, os efeitos emotivos de uma escrita que intencionalmente apelasse à sensibilidade do leitor, prefere expressar por uma obstinada procura de realidade directa ao alcance de poucos. As descrições da chegada dos barcos que vêm da Somália sobrecarregados de fugitivos que esperam encontrar no Iémen a solução das dificuldades que os empurraram para o mar são de uma rara eficácia informativa. Vêm neles os homens, as mulheres e as crianças do costume, mas Laura Restrepo não tarda a mostrar-nos como é possível falar de homens sem estar obrigado a falar das mulheres e das crianças que com eles vieram, mas que das crianças seria impossível falar se não se falasse também, e sobretudo, das mães que os trazem, às vezes ainda na barriga. As situações em que essas mulheres vão encontrar-se depois de desembarcarem no Yemen, constituem um catálogo completo das humilhações morais e físicas a que estão sujeitas só pelo facto de terem nascido mulheres. Por trás de cada palavra escrita por Laura há lágrimas, gemidos e gritos que seriam capazes de nos tirarem o sono se a nossa flexível consciência não se tivesse acomodado à ideia de que o mundo vai aonde querem os que o dominam e que para nós já será bastante cultivar o nosso quintal o melhor que soubermos, sem que tenhamos de preocupar-nos com o que se passa do outro lado do muro. Esta, sim, é a mais velha história do mundo.

josé saramago

hoje in DN.pt