"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

quarta-feira, junho 30, 2010

A MULHER REALMENTE MULHER


“O FEMININO DO SER
Para acabar de vez com a costela de Adão”


Anicke de Souzenelle
(…)
"Sobre os dois hemisférios cerebrais, as ciências dizem-nos isto: “O hemisfério esquerdo é sobretudo verbal, lógico, analítico e científico, enquanto que o hemisfério direito é mudo, espacial, analógico, sintético e artístico, O hemisfério esquerdo rege a orientação no tempo, o hemisfério direito no espaço…”

(…) O saber adquirido pelo exterior e que exige um grande esforço de memorização é obra do cérebro esquerdo; o conhecimento adquirido pelo interior e imediatamente memorizado em cada célula do corpo que ilumina é obra do cérebro direito.

(…)

A palavra como representação simples de uma coisa é o cérebro esquerdo, mas a ressonância dessa palavra no Verbo que funda a coisa expressa, é do cérebro direito. A entrada na ressonância onde se inscreve toda a música do Verbo é obra de amor.
(…)
A mulher realmente mulher, iniciada nos mistérios do amor e da maternidade, nos da sua “carne” seja qual for o grau do eros verdadeiro onde são vividos, engendra em si mesma os espaços alados do Espírito! Pelo seu hemisfério direito aberto na aurora da sua vida, ela não parece perder totalmente o contacto (com a sua alma); mantém-se tão sensível ao outro lado das coisas, tão rebelde ao seu encerramento nas prisões do racional, tão prostrada quando se sente amarrada pelas algemas da lei! Quando a masculinização das escolas a não deformou…Mas a verdade é que ela está hoje tão deformada!

A carruagem da masculinização, que trouxe numa mesma braçada o racionalismo religioso e o positivismo científico, provocou a dessacralização da sexualidade e a redução do eros a festim da corporal – se é que ainda é festim!

(…)
Reina tanto mais a confusão quanto uma clivagem se cava no coração da humanidade; está em ressonância quase completa com aquela que eu exprimia mais atrás, separando o homem da mulher: de um lado estão aqueles, homens e mulheres, que por enquanto só olham para fora (…), a seu ver normativa em si mesma; do outro estão os que se viram para o oriente. Os primeiros debatem-se num dilúvio de violência e não sabem mais do que sobreviver radicalizando ao extremo, no terror de uma perda de segurança, os velhos esquemas masculinizados das éticas religiosas, políticas, sociais, etc; os segundos, começam a aceitar morrer para esses valores passados, porque aceitam morrer para esses valores passados começam a viver.


Annick de Souzenelle

2 comentários:

P disse...

IRIA TE XINGAR OU DIZER O QUANTO VOCÊ É UMA PESSOA IMBECIL. MAS VI QUE VOCE É UMA VELHINHA. UMA POBRE VELHINHA QUE DEVE TER ALGUM TRAUMA. ALGUM HOMEM DEVE TER TE ESTUPRADO E VOCE NUNCA POR ISSO TOCOU MAIS EM UM. NÃO SEI.
OU TALVEZ VOCE SEJA TÃO PRIMATA QUE LEU O CODIGO DA VINCI UMA VEZ E FEZ DELE SUA BIBLIA. REALMENTE NÃO SEI.
SEI QUE NÃO VOU MAIS TE OFENDER.
NÃO É BOM OFENDER VELHINHAS LOUCAS E PERTO DA MORTE.
QUE DEUS A TENHA.
QUE VOCE SEJA FELIZ.
FELICIDADES.
UM ABRAÇO.

Gaia Lil disse...

O misterio encerra se em si mesmo e a ignorancia tambem.
Penso comigo que as pessoas que se odeiam começam a agredir os outros porque não tem coragem de agredir a si mesmas, embora se temam.O Temor a mulher transformado em odio e falsa anarquia é imprecionante.Nota se uma pessoa vazia e destituida de personalidade.Não se dê o trabalho de lhe responder.


Abraços e que a Mãe lhe proteja da inveja e do medo.