"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

terça-feira, agosto 24, 2010

O MEDO DA DEUSA E DAS MULHERES


-->
O PERIGO DA MODA DAS DEUSAS
E A DEFORMAÇÃO DO VERDADEIRO ESPÍRITO DO FEMININO SAGRADO.
VISTO PELA JULIANA DE MATER MUNDI
Pouco depois do início deste blogue, na virada de 2008 talvez, a Rosa Leonor acenou com a questão do modismo da Deusa... dois anos depois já vejo essa tendência... e uma referência na novela das sete, de forma bem globelesca claro, me deu um clic... o simples fato de tentarem mostrar aquilo como um tipo de fanatismo das pessoas que esperam o fim do mundo em 2012, provavelmente depois de ver o filme americano e próprio de mulheres descompensadas e malucas... Que medo da Deusa hein?... Que necessidade de propagar uma imagem tão negativa na televisão, tão bonachona, tão desqualificada... meio desespero geral assim, passou recibo... mas nem surpreende...

Há uma outra coisa que me chamou a atenção: foi o curso oferecido no espaço do Gasparetto... até demorou... acho bem que o faça... mas, o curso é ministrado por um homem, afinal, os homens é que são profundos conhecedores das mulheres... e como eu disse ao Gasparetto, se fosse uma mulher, pouca afluência teria... Assim, as mulheres seguem os gurus da Deusa, e pouco ligam às mulheres que já lá estão há anos, décadas, trilhando nesse caminho... Claro que eu acho importante sim que falem da Deusa, que haja essa propagação, porque muitas pessoas despertarão... mas será que todo esse alarde estaria de fato despertando a consciência da mulher ancestral em nós?
Será que isso nos faz ver as nossas rivalidades femininas? Nos permite fazer esse up grade, entrar numa sintonia de lealdade feminina? Nos irmanará finalmente, restaurando nosso feminino, reequilibrando o Yin-Yang universal? Transformando a sociedade ou melhor, criando um novo modelo social? Será hein??? Somos tão ferrenhas em apontar defeitos, em criticar, maldizer... ainda somos tão submissas ao masculino, às hierarquias, aos valores patriarcais, do mais forte, do mais rico, do pénis maior... kkkkk... por muito que nos esforcemos ainda é tão difícil agir no dia-a-dia de acordo com esse novo conhecimento, com essa nova ideia da Deusa, de um novo modelo social, da coerência que queremos ter, de sermos a mudança que queremos no mundo... E no meio disso, vem "as lokas" e mudam o rumo da conversa, tornando a Deusa mercadoria da vez, vendida no cartão 3x sem juros... é curso da deusa, workshop da deusa, roupa da deusa, adornos da deusa...

Banalizando completamente algo que nasceu, renasceu tão genuinamente, e que não deve se perder no materialismo barato de um modismo inócuo, vazio e fútil... mergulhado na superfície da questão, e pior afogando muita gente...
Eu olho para as grandes... grandes mulheres que no século passado, sem holofote nenhum, já vinham tecendo a teia, como missão e como vida... olho para as grandes mulheres, solitárias, mal vistas, as chatas, bigodudas, rabugentas... por vários caminhos diferentes, que vieram abrindo caminho para a nossa geração, pela espiritualidade, pela literatura, pela pesquisa académica, pela prática nos consultórios, pela política... algumas isoladas...
Ciência não mistura com religião, psicologia não mistura com política, e por aí vai... a Lealdade Feminina delas era ainda limitada, só se conseguiam dar bem com aquelas que tivessem ideias muito parecidas, as outras... eram as “outras”... e vice-versa...

E nós??? Será que a nossa geração vai fazer melhor???

Nana Odara
http://lealdadefeminina.blogspot.com/
RESPOSTA BREVE À JULIANA
É verdade. As mulheres aceitam ser guiadas pelos homens mas não acreditam em si nem nas outras mulheres. Dizer isto não significa que eu não saiba que existem algumas mulheres já consciente e que fazem a diferença. No entanto, regra geral, e é sempre do colectivo que falo, é fácil ver que nem todas as mulheres que pretendem traçar caminhos do feminino através de métodos e actividades várias, nomeadamente o yoga ou a dança, que sentem mais e podem estar mais perto de si mesmas enquanto ser humanos não percebem que quando procuram encontrar-se COM O SEU SER MULHER através do seu corpo e da sua sensualidade reprimida, lhes falta ainda entrar em contacto com a verdadeira essência do feminino sagrado, e com a Deusa de forma integrada, tendo para isso e de algum modo passado pela re-iniciação que resulta do encontro com a Mulher Verdadeira, a Mulher Sombra, a Mulher que se liberta de padrões masculinos e assume a sua feminilidade na totalidade. E isso só acontece de facto quando a mulher se começa a amar e amar a outra mulher em si e fora de si. Isto é ousado de se dizer porque pode levantar conotações sexuais – que é onde a mente humana se fixa primariamente - e levará a interpretações jocosas da parte de homens e mesmo de algumas mulheres.
E digo-o porque apercebo-me do medo que as mulheres têm umas das outras quando se trata de se amarem e serem realmente afectivas e ternas umas com as outras… Noto inclusive que as mulheres, quando em grupo, tem sempre necessidade de evocar o homem para a presença de qualquer subtil manifestação tão espontânea e natural de erotismo que sintam e assim resguardam-se de um preconceito que as inibe de serem e viverem realmente o seu erotismo entre mulheres! Aqui, confundir erotismo com sexualidade é confundir a fome e a sede da alma com a comida!
É óbvio que não se trata de relações homossexuais, embora eventualmente possam ser de cariz homo-emocionais, naturalmente, por afinidades recônditas. É aí contudo que começam os medos que as prendem.
Ora o que é premente no Caminho da Deusa é a necessidade dessa iniciação se fazer entre a intimidade da Mãe e da Filha, (Mistérios Eleusianos) entre irmãs, entre duas ou mais mulheres sem a presença do homem, e o que não permite que isso aconteça para essas mulheres é a sua necessidade de evocar e eleger o homem antes de tudo como complemento ou mentor antes de serem elas próprias Mulheres. Essas mulheres nunca se poderão expandir na sua totalidade nem encontrar-se na sua sensualidade profunda. A Mulher é quem ensina ao homem a feminilidade e não o homem à mulher conforme se lê nos manuais de sexualidade ou mesmo de yoga…e a mulher tem ficado sempre à espera de ser desperta com um beijo do…príncipe-sapo!…e assim ela adormeceu para sempre no mito da bela adormecida.
A mulher esqueceu e ignora que ela é iniciada por natureza e em si mesma, mas precisa do espelho da Deusa noutra mulher…Não aconteceu com a mãe, como seria de esperar…não aconteceu no mundo patriarcal, e não acontece porque essa iniciação foi suprimida da sociedade há séculos, esse ensinamento e essa sabedoria inata e troca entre mulheres foi banida das comunidades pelo catolicismo misógino e repressivo da natureza da Mulher. Juntas elas eram perigosas e bruxas. Era preciso queimá-las. Devemos à Igreja e a Santo Agostinho a culpabilização da mulher e a destruição do Ser Feminino ancestral e a sua alienação do sagrado feminino e devemos ao HOMEM a violação constante da Mulher ainda nos nossos dias nas sociedades patriarcais. Quando a prostitui a vende a comercializa a abusa a mata! Exagero? Atrevem-se a dizer que eu exagero ainda?
Por todas estas razões e sem nenhuma alteração de base, raramente as mulheres dão 100% de crédito a outras mulheres…Dar-se com mulher até é desprestigiante. E mesmo quando dizem que gostam umas das outras e brincam (sempre acerca dos homens) não é a sério entre elas a festa…
E agora VÊM AS TELENOVELAS e o cinema e começam a denegrir os movimentos das mulheres no despertar da Deusa e da verdadeira mulher. Porque é isso que o Sistema não quer. Começa na América e segue-se no Brasil, e só não chega aqui ainda porque eles sabem que as mulheres continuam obedientes ao sistema e aos homens e que nada disso é real na sua vida. É apenas mais uma moda a explorar e para ganhar dinheiro.
É por isso que os Gasparetos da Nova Era têm tanto sucesso…e as mulheres que se dedicam à sua causa de corpo e alma são sujeitas à difamação, são ridicularizadas e apontadas como suspeitas no mínimo de serem lésbicas ou alérgicas aos homens…ou mal “amadas”…enfim, ou que foram violadas ou abusadas em crianças e todo esse reportório da decadência e dos fanatismos do Sistema Económico em que tudo serve para produzir em massa, consumir e morrer de doenças.

Sim, só o Amor verdadeiro nascido do Feminino Sagrado, NASCIDO DA MÃE e da União entre as mulheres conscientes do seu poder inato e curador, poderiam mudar o mundo “dos homens” de um dia para o outro…Poderiam torná-lo equalitário e pacífico como ele já foi quando a Deusa ainda era Suprema.
Rosa Leonor Pedro

2 comentários:

Nana Odara disse...

Oi Rosinha,
linda...
saudade...

vou blogar sua mensagem-resposta assim q tiver um tempinho...

sempre as palavras mais justas...
a verdade e a justiça...

Tenho uma boa noticia pra vc:
a Rose Marie não esqueceu daquela megalomaniaca e louca ideia da reuniao das mulheres, imagina q nem eu estava mais me lembrando disso, e ela disse q tudo ficará por um modesto orçamento de um milhao de reais, ou cerca de 300 euros mais ou menos... ui!!!

Mas q ela vai passar a ideia pra Dilma, nossa futura presidenta...

Tá mais empolgada do q eu, e ela pode, é amiga da Dilma e do Lula...

Gostou?

A Mãe nos guia... e eu já tô de novo dando pulos de alegria...
Mulher, temos de falar por msn ou skype, urgenteeeeeeeeeeeeeeee...

Beijoooooooooooooooooooos

Nana Odara disse...

300 mil euros...