"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

quarta-feira, agosto 04, 2010

um leve arrepio






´Toma uma lágrima
e pousa-a em quem nunca chorou.´


Gandhi




Canto-te

com a fragilidade de tudo que existe perante

uma eternidade demasiado nocturna para os nossos

olhos infantis perante a tua antiguidade futura

E a nossa voz é uma pequena onda no dorso do teu oceano de matéria

Um leve arrepio apenas na espantosa espessura do teu éter...



(EXCERTO DE POEMA)
Ana Hatherly


4 comentários:

Gaia Lil disse...

Você captou o sentimento perfeito, a harminia, o ardor, a epifania da Deusa.

Anna Geralda Vervloet Paim disse...

Lindo amiga,como tudo o que escreves com a alma e o coração!!!

R149 3o75s disse...

Olá,R.Leonor,saudações.Realmente,este trecho do poema é maravilhoso.Faz lembrar que,todo o nosso conhecimento está no Passado e que precisamos estar sempre emersos e à tona neste oceano mental Presente e Futuro do falso Poder. Mas,em um grande dia,voltarão ambos a ser o Passado de Glória que envolve todas as coisas...

Spooky disse...

Serei um leitor assíduo.
Adorei sua foto juntamente com gatinho (a)