sábado, janeiro 30, 2010

DOIS EM UM


O PAPEL DO CORAÇÃO

(…)
"Para que o coração possa assumir seu papel em nossa vida, precisamos equilibrar os hemisférios direito e esquerdo do cérebro, nossas qualidades femininas e masculinas. O casamento alquímico do masculino e do feminino, do Amor com a Verdade, que precisa ocorrer em cada um/a de nós, faz surgir uma nova consciência, para além da dualidade.

Na Grécia Antiga, esta integração dos caminhos lunar e solar era realizada por meio dos Grandes Mistérios, aqueles que requeriam entrar na escuridão e presenciar a vida renascer da morte. Dedicados a Deméter e Perséfone, os Grandes Mistérios Eleusianos eram realizados no equinócio de outono, quando a terra se preparava para um tempo de escuridão.

Nós também precisamos entrar na escuridão interior e nos defrontar com aquilo que é primordial em nós. Quando entramos na escuridão, a ausência de luz torna impossível nos orientarmos pelas formas mentais. Precisamos nos orientar pelas nossas sensações e sentimentos, sem qualquer reflexo exterior que nos assegure se estamos indo na direção certa ou não, porque neste escuro interior não há direção, a não ser aquela que nossa alma escolher. Posso contar apenas comigo mesma, com aquilo que sei e vivenciei a partir do meu coração. Preciso aprender a confiar no amor incondicional irradiado pelo divino em mim e que não faz distinção entre interno e externo, entre eu e o outro, entre divino e humano.

Quando sou envolvida pelo amor incondicional que se irradia a partir do meu coração, este portal através do qual se manifesta o divino que sou, e quando o amor incondicional se expande para todas as minhas células e, para além do meu corpo, para todo o espaço que me circunda, então me encontro no centro do universo, este espaço infinito e eterno que abarca o humano e o divino em mim.
Então, e apenas então, a Verdade e o Amor estão em perfeito equilíbrio e caminharemos novamente como Deusas e Deuses pela superfície da Terra, nossa mãe."

Excerto de um texto de Monika von Koss, em novembro de 2009

In http://www.monikavonkoss.com.br/site/serconsciencia

QUE MUNDO E QUE ESPÉCIE É A "NOSSA"?

SOLDADO AMERICANO DENUNCIA O ABSURDO SEM SENTIDO DA GUERRA

VID091228_Mike_Prysner from Passa Palavra on Vimeo.

»»»»

MARINHA RUSSA DENUNCIA QUE OS ESTADOS UNIDOS
CRIARAM O TERRAMOTO NO HAITI

"A Frota Russa do Norte indica que o sismo que devastou o Haiti foi, claramente, resultado de um teste da Marinha norte-americana através de uma de suas armas de terremotos e que elaborou um diagrama de sucessão linear em relação aos terremotos denunciados que casualmente se produziram à mesma profundidade na Venezuela e em Honduras.

A Frota do Norte tem monitorado os movimentos e atividades navais dos EUA no Caribe desde 2008 quando os norte-americanos anunciaram sua intenção de restabelecer a IV Frota, que foi desmobilizada em 1950, e ao que a Rússia respondeu, um ano mais tarde, com a Frota comandada pelo cruzador nuclear “Pedro, o Grande” começando seus primeiros exercícios nesta região desde o fim da Guerra Fria.

Desde o final da década de 70 do passado século, os EUA “avançaram muito” o estado das suas armas de terremotos e, segundo estes relatórios, agora empregam dispositivos que usam uma tecnologia de Pulso, Plasma e Sônico Eletromagnético Tesla junto com “bombas de ondas de choque”.
(...)

LEIA MAIS EM PISTAS DO CAMINHO: http://pistasdocaminho.blogspot.com/

EU QUERO CRER QUE É VERDADE


QUE OS GÉNIOS, PROFETAS E MESTRES SÃO SÓ SERES MAIS EVOLUÍDOS DO QUE NÓS E QUE APENAS NOS LIGAM A UMA CONSCIÊNCIA MAIS ELEVADA, A DESPERTAR DENTRO DE NÓS.


"O SIGNIFICADO DA RELIGIÃO"

(...)

Há sempre realizações internas presentes no Eu global. Há a compreensão do significado de toda a existência dentro de cada personalidade. O conhecimento da existência multidimensional não é apenas o histórico da sua actividade consciente no presente, mas cada ser humano sabe dentro de si que a sua vida consciente depende de uma dimensão maior de realidade. Esta dimensão maior não se pode materializar num sistema tridimensional, contudo o conhecimento dessa dimensão maior flui para o exterior a partir do coração interno do ser, e é projectado exteriormente, transformando tudo o que o abrange.


Esta inundação interior dá um brilho e intensidade a certos elementos do mundo físico que ultrapassa de longe o normalmente conhecido. Dessa maneira as pessoas são transformadas, do seu nível, para algo mais do que eram. Este conhecimento interior tenta encontrar uma expressão própria no ser, procurando desse modo expressar-se em termos físicos. Cada ser humano, portanto, possui esse conhecimento interior e até um certo ponto ele também procura a sua confirmação no mundo.


O mundo exterior é um reflexo do mundo interior, embora distantes em perfeição. O conhecimento interno pode ser comparado a um livro sobre uma pátria que um viajante leva com ele para um país estranho. Cada ser humano nasce com o anseio de tornar estas verdades reais para si mesmo, embora ele veja uma grande diferença entre elas e o meio ambiente no qual vive.


Cada indivíduo transporta em si mesmo um drama interno, um drama psíquico, que é finalmente projectado externamente com grande força sobre o campo da história. O nascimento de grandes eventos religiosos emerge do drama religioso interior. O próprio drama é de certo modo um fenómeno psicológico, pois cada eu na fisicalidade sente-se mergulhado e sozinho como num ambiente estranho, sem saber a sua origem ou o seu destino, ou até mesmo a razão da sua própria existência.


Este é o dilema do ego, particularmente em seus estados iniciais. Ele procura por respostas externamente porque esta é a sua natureza: lidar com a realidade física. Ele também percebe, todavia, que existe uma profunda e duradoura conexão, que não compreende, com outras porções do seu Eu que não está sob o domínio da sua consciência. Ele sabe de algum modo que este Eu interior possui conhecimentos sobre os quais a sua existência se baseia e é alheia ao seu ego.


Quando ele cresce, à sua maneira, procura a confirmação externa para este conhecimento interior. O Eu interior sustém o ego como um seu suporte. Ele expressa as suas verdades orientadas em dados físicos com os quais o ego possa lidar. Desse modo, projecta-as exteriormente na área da realidade física. Vendo estas verdades assim materializadas, o ego então acha mais fácil aceitá-las.

Assim você frequentemente lida com os acontecimentos pelos quais os seres humanos são tocados, ou iluminados, sendo assim isolados das massas da humanidade, ao serem favorecidos com grandes poderes – e assim há períodos da história que aparecem quase artificialmente brilhantes em contraste com outros; profetas, génios e reis que aparecem engrandecidos numa proporção maior do que a humana.

(…)

No próximo século, a natureza interna do homem, com estes desenvolvimentos, se libertará de muitos constrangimentos que a ataram. Uma nova Era realmente começará – agora, não o céu na terra, mas um mundo mais são e justo, no qual o homem seja muito mais consciente de sua relação com seu planeta e da sua liberdade no tempo.

(…)

Os resultados se manifestarão numa existência diferente. Muitos de seus problemas agora são o resultado da ignorância espiritual. Nenhum homem olhará para um indivíduo de outra raça como inferior porque ele mesmo reconhece que a sua própria existência inclui o outro também.

Nenhum sexo será considerado melhor do que o outro, ou qualquer papel desempenhado na sociedade, porque cada indivíduo está consciente da sua própria experiência em muitos níveis da sociedade e dele mesmo dentro de outros papéis. Com uma consciência agora aberta sentirá mais as suas conexões com todos os outros seres vivos. A continuidade da consciência se tornará visível. Como resultado de tudo isto mudarão as estruturas sociais e governamentais, pois elas estão baseadas nas suas convicções actuais.

(…)

Seth Fala

Jane Roberts

sexta-feira, janeiro 29, 2010

O NASCER DE UM NOVO SER


-->
O NOVO SER
Esse ser, “é o futuro, será o ser supra-mental (o ser que viverá para além do mental*), é o ser impossível de ser “fabricado” com todo esse tecido de mentira mortal. É um ser que será construído… divinamente.
(…)
Quero dizer que a “vida divina”, começa quando começamos a desenraizar esta impostura (de nós*), a ter uma base que seja de vida PURA. É aí que a vida divina começa. Essa vida que…eu não sei, não a vejo ainda, mas ela virá. Não será de certeza uma via divina filosófica! Será uma vida divina muito…material (concreta*).
(…)
Ele nasce seguramente das súplicas de um certo número de pessoas – ou talvez mesmo de muitas… Súplicas, (orações*) digo. Há muita gente com coragem apesar de tudo que se diz: “Verdadeiramente, meu deus, isto não é possível!”
Enfim há tanta gente que sofre, não é verdade? Então há súplicas ignorantes e outras mais conscientes. Com certeza que todos os pedidos (e orações *) contribuíram para isso. Se não houvesse ninguém desde lado a chamar o que haja de mais verdadeiro, porque é que o Divino se daria ao trabalho de se manifestar? Nós podemos chamar-lhe O Divino…O movimento de chamamento é precisamente o movimento que nos começa a libertar. Não há “indivíduos” aí – há chamamentos. Há chamamentos PUROS – talvez não muitos, mas há. Sim, há. E há os outros que sofrem.” *
“Se a Terra chama e o Supremo responde, o momento desta imensa e gloriosa transformação pode ser agora.” - Sri Aurobindo
*Satprem – La vie sans mort - (as frases entre parêntesis são minhas)

E PORQUE HOJE AO ACORDAR A MINHA ALMA chorava...


Quando me sentei para meditar, em posição de Lotus, as minhas mãos ergueram-se em prece, juntaram-se ao meu coração e rezei enquanto a minha alma chorava não sei que dor infinita, uma saudade pungente de ser além...era a minha dor é certo, mas também a dor do mundo, a dor das vítimas, dos algozes, dos carrascos e dos salvadores, uma só vítima da falta de AMOR que nos destrói a todos...e rezei à minha Mãe e rezei a Deus e ao Universo que tivesse Mão nesta Nave Terra que oscila entre o amor e o ódio entre a consciência e a obscuridade entre a Luz e a escuridão. Por isso me lembrei desta iniciativa:

-->
 "O projecto “Meditação por Portugal” começou com um pequeno núcleo de pessoas que, de forma espontânea, se não mesmo extraordinária, cresceu e se expandiu a todo o território. Em Agosto do ano passado éramos já 360. Em conjunto, criámos uma onda de energia por Portugal capaz de despertar conscientemente o mito ancestral de um Novo Império – um Império de Amor. Todas as quintas-feiras, entre as 19.30h e as 23h, os nossos corações centraram-se nesta missão e na fé inabalável de que o povo português nasceu para ser feliz e para gerar um bem maior, por si e pelo Mundo.
A partir do segundo aniversário desta iniciativa, senti que a Meditação por Portugal estava tão consolidada que não era sequer necessário contabilizar mais participações para confirmar a sua força. Portugal estava pronto para irradiar como um Sol. Mas o número de pessoas continuou a crescer e, segundo Isaura Costa, importante dinamizadora deste projecto, já chegámos aos 550.
Se por um lado verificamos que existe uma consciência cada vez mais sólida de que Portugal está a despertar, por outro, nunca foi tão decisivo este compromisso. A Meditação por Portugal é mais do que uma oração pelo reacendimento da Alma Lusitana, é uma prece pela Humanidade e pelo Mundo. É um chamamento colectivo que tem em vista o reforço da nossa fé e da nossa força. Ao erguermos Portugal, erguemos a Alma do Mundo. E, sem dúvida, é urgente que nos ergamos e nos elevemos. É urgente continuar comprometido e activo. São necessárias correntes de energia poderosas e vibrações elevadas para que o rumo da Humanidade e o destino do Mundo sejam orientados para o Amor, para a Paz e para a Abundância. É esta a verdadeira Missão de Portugal. Para além da glória nacional, impõe-se o imperativo de voltar a dar novos mundos ao mundo, de voltar a ligar o que está separado, de Unir povos e nações.
(...) Ao serviço com amor e por amor, Eu sou Lys

PORTUGAL Feliniano...


O LABIRINTO DA SAUDADE
Eduardo Lourenço

"Que nos aconteceu a nós? Em Portugal como destino, que é a possível revisitação do Labirinto, tentei responder à questão. Nos seus já longos oito séculos de existência — fórmula, no fundo, obscura, pois não tem em conta a permanente reciclagem de si mesma que é a vida de qualquer povo — Portugal nunca sofreu metamorfose comparável à dos últimos vinte anos. Não foi apenas uma mudança exterior, uma dilatação comparável à do tempo em que se tornou país das Descobertas, mas uma alteração ontológica, se isto se aplica a um povo. Estamos tão dentro dela que a não podemos pensar. Que mais não fosse, caracteriza-a o facto de tal metamorfose não ser obra sua, ou eminentemente sua, como o foi noutras épocas. Trata-se de um fenómeno mais vasto, o fim da civilização europeia sob paradigma cristão e iluminista, se é lícito associar estas duas matrizes da milenária e agora defunta Europa.

Não há jubileu, alheio ou nosso, que possa mascarar, não o mero fim de um conflito que marcou o nosso século, mas o esgotamento, não apenas na cabeça e na sensibilidade de uma elite como no século XIX, mas no coração e na inteligência do cidadão comum, de uma cultura com dois mil anos de passado. Em pouco mais de vinte anos, o Ocidente, mas sobretudo a Europa, entrou, com mais facilidade do que os Judeus no mar Vermelho, na idade pós-cristã.

Muitos irão achar o diagnóstico alucinatório, sobretudo os que mais contribuem para lhe dar vida. O futuro o dirá. Alguns lembrar-me-ão que o folclore cristão continua intacto, como se o do paganismo alguma vez tivesse soçobrado. Outros pensarão, como já no fim do século XIX julgava Eça de Queirós, que uma religiosidade vagamente ecuménica, vagamente budista, substitui e refina a clássica mitologia cristã. Poucos defenderão, como Kierkegaard, que a derrocada do cristianismo e da cultura que ele animava é apenas fictícia, pois esse cristianismo nunca foi mais, salvo para raros, do que a máscara de um paganismo eterno e inexpugnável.

Sem se problematizar tanto, como é sua tradição, o nosso Portugal — podíamos dizer a nossa Espanha, a nossa Itália, sem falar da Europa há muito protestante — saiu do seu cristianismo, que entre nós era e foi sempre catolicismo, como se nunca lá tivesse entrado. Saiu por dentro, não por fora. Talvez o país nunca tenha sido tão sociologicamente, tão consensualmente, «católico». Já ninguém discute esse tipo de catolicismo, como se viu por ocasião da consagração dos três pastorinhos. Pedimos até, ostensivamente, perdão de termos sido os maus cristãos que fomos a quem não nos pediu contas de termos sido, através de continentes, os «exemplares» portadores do Evangelho. Embarcámos, cantando e rindo, na Nave qui va... de Fellini, contemporâneos do Satyricon, como ontem o éramos dos «autos de fé», donde recebíamos o estímulo vital da ortodoxia. Tudo na mais perfeita felicidade televisiva, convertidos nos big brothers uns dos outros, afinal castiça vocação nossa de familiares do Santo Ofício por conta do Senhor do amor universal. "
(...)
(excerto de artigo publicado há cerca de 2 ou 3 ano?)
»»»

quinta-feira, janeiro 28, 2010

PALAVRA DE HONRA...ONDE?



A PUTREFACÇÃO DA LINGUAGEM

“É possível que um determinado estado de confusão, desordem e decadência do pensamento leve a uma decomposição da linguagem...
(...)
Podem ficar certos de que quando o vocabulário de lixo ou simplesmente desvitalizado, desvirtuado do seu sentido, se torna no alimento quotidiano e portanto banal para todo um povo, é o sinal que este entra em fase de autodestruição.”


A PALAVRA de LIXO DOS POLÍTICOS, deputados, ministros e comentadores, jornalistas e até intelectuais, ou seja, a demagogia generalizada da vida pública, o afastamento das realidades humanas, a insinceridade do mundo actual, o populismo, o gratuito e o interesse velado destes nos seus lucros pessoais, provenientes das grandes empresas, que manipulam as mais altas instituições, como a da saúde e outras, são o principal factor de degeneração da palavra em si e do seu significado.
A repetição exaustiva de mentiras e de ideias no vácuo, de publicidade alienatória das massas, que escondem as intenções mais torpes, no uso da palavra sem sentimentos nem consciência e sem qualquer intenção verdadeira, destroem a pessoa e corrompem um povo. Sim, a manipulação das mentes através da mentira propagada hoje em dia pelos Media, que massacram as populações do mundo com o terror e o medo da morte, através das suas reportagens e noticiários de falsas pandemias e falsos terramotos, que vibram com a guerra e as mortes, fazem com que estes sejam os principais promotores da degeneração da palavra e consequentemente da destruição de uma cultura e de um povo...

Porque será que hoje em dia já ninguém acredita em nada? Já ninguém acredita na "palavra de honra"...Porque já ninguém acredita em ninguém e só o dinheiro neste mundo tem valor!

Rlp

"Os grandes povos, tendo a iniciativa das suas misérias,
podem-nas variar à vontade; os pequenos povos, são reduzidos aquelas que lhes impoêm."

Emile Cioran

MÃE DO CÉU E DA TERRA OUVE-NOS...


"Até na Bíblia a mulher não presta. Os santos, nas suas pregações antigas, dizem que a mulher nada vale, a mulher é um animal nutridor de maldade, fonte de todas as discussões, querelas e injustiças.
É verdade. Se podemos ser trocadas, vendidas, torturadas, mortas, escravizadas, encurraladas em haréns como gado, é porque não fazemos falta nenhuma. Mas se não fazemos falta nenhuma, porque é que deus nos colocou no mundo? E essa deus, se existe, porque nos deixa sofrer assim? O pior de tudo é que deus parece não Ter mulher nenhuma. Se ele fosse casado, a deusa - sua esposa - intercederia por nós. Através dela pediríamos a benção de uma vida de harmonia. Mas a deusa deve existir, penso. Deve ser tão invisível como todas nós. O seu espaço é de certeza a cozinha celestial.”*


*NIKETCHE - uma história de poligamia
Paulina Chiziane


TRÁFICO DE MULHERES HOJE...


Lia ontem no Destak uma pequena crónica sobre o tráfico de mulheres e a sua passagem (e estadia) em Portugal…



Esta ideia de “tráfico de mulheres” parece-nos sempre como que desfasada para a nossa modernidade de ocidentais civilizados, mas para uma mulher do outro lado do mundo, ou da Europa de leste, nestas sociedades ocidentais exclusivamente materialistas, já não são só as vítimas do falso cristianismo, como no caso da mulher africana, nas palavras de Chiziane, mas do comunismo e do marxismo, mulheres pobres despojadas de toda a dignidade e muitas de identidade, vindas de leste e também da América latina, que na mira de ganhar algum dinheiro caiem nas mãos das máfias, às vezes através de irmãos ou de namorados que as vendem; milhares de raparigas e mulheres jovens que estão na Europa, nomeadamente em Portugal, são vendidos para tráfico sexual e usadas como meros objectos de prazer e violência e que vivem no maior horror, pior do que ter fome ou ser pobre ou vítimas de terramotos e guerras.

Mas com isso ninguém se compadece, nem a AMI nem as ONG ou os muito hipócritas responsáveis das grandes organizações ditas de ajuda humanitária...só mesmo quando as pessoas morrem é que eles vão acudir para se vangloriarem dos seus feitos heróicos...


Mas protecção às raparigas e mulheres anónimas que percorrem as noites e lugares de prostituição neste cantinho plantado à beira marninguém acode...às milhares ou centenas de raparigas e mulheres que são fechadas em hotéis e pensões imundas, sem papéis e castigadas, violadas ou brutalizadas, para servirem de lucro a obscuros mafiosos e predadores que as controlam e exploram, sem apelo nem agravo…não há nem nunca houve movimento de solidariedade significativos, nem fictícios para aliviar as consciências pesadas...porque afinal...o que são as mulheres? Esta conivência secular católica com a prostituição é absolutamente inerente ao patriarcalismo. Não tenhamos ilusões de que, sem mudar o sistema, alguma coisa mudará de fundo para a condição da mulher!


Senão perguntemos apenas porquê é que as autoridades competentes nada fazem ou fazem tão pouco? Porque os políticos, os polícias e todos os homens em geral, salvo as tais honrosas excepções, são coniventes com a “necessidade” da prostituição porque no fundo desprezam e temem a mulher e inconscientemente pensam que elas merecem e que não servem para mais nada.

Sim, para eles, sejam fascistas ou democratas, qual é o valor real de uma mulher que não a “sua”?



E a NOSSA MÃE DO CÉU?

Se ela existisse teríamos a quem dirigir as nossas preces e diríamos:

Madre nossa que estais no céu, santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino - das mulheres, claro -, venha a nós a sua benevolência, não queremos mais violência. Sejam ouvidos os nossos apelos, assim na terra como no céu. A Paz nossa de cada dia nos daí hoje e perdoai as nossas ofensas - fofocas, má-lingua, bisbilhotices, vaidade, inveja - assim como nós perdoamos a tirania, traição, imoralidades, bebedeiras, insultos, dos nossos maridos, amantes, namorados, companheiros e outras relações que nem sei nomear...Não nos deixeis cair na tentação de imitar a loucura deles - beber, maltratar, roubar, expulsar, casar e divorciar, violar, escravizar, comprar, usar, abusar e nem nos deixeis morrer nas mãos desses tiranos - mas livrai-nos do mal, Amén.

Uma mãe celestial nos dava muito jeito, sem dúvida nenhuma."*

*Excertos de NIKETCHE - uma história de poligamia
Paulina Chiziane

quarta-feira, janeiro 27, 2010

A voz do útero....


A VOZ IMPOSSÍVEL



“os vivíparos”*

(…)


“Ouvimos a nossa voz com a garganta.


Ouvimos a voz dos outros com os nossos ouvidos.

A literatura define o que nos permite ouvir a voz do outro com a garganta. Por seu intermédio, o que não se pode partilhar é recebido, comunicado directamente de mundo íntimo para mundo íntimo.

É assim que a comunicação literária passa através da voz irreconhecível.

A literatura, à superfície social do tempo, certamente, mas também na profundidade vertical da experiência íntima, está ligada à impossibilidade de reconhecimento.

Sugiro, por fim a que a oralidade silenciosa corresponde provavelmente à voz impossível entre os vivíparos. A voz impossível é a que pertence ao corpo do primeiro mundo, a que nada na água do ventre materno, ignora o ar atmosférico, ignora o sopro que nesse ventre começa a erguer-se, ignora a pulmonação que nesse ventre ocorreria, ignora o ritmo que, a partir dessa saída para o ar inverosímil, galgaria o pulsar do seu coração.


O pequeno vivíparo não tem capacidade de emitir voz no sopro: Por isso ouve. É mera obediência. Ouve sem nunca ter pensado em falar. Ouve a voz materna, que não pode voltar a captar.


A literatura e a voz da garganta, a voz que passa directamente de garganta apra garganta, de angústia para angústia, a voz sem lábios nem ouvidos, ou ainda a oralidade sem pulmões, a "psique anaeróbica", tem a ver com a mulher impossível de conhecer, a mulher, por isso mesmo, irreconhecível, a mulher que precede, a mulher que espera um filho. A mulher grávida, a mulher gorda, a mulher cada vez mais gorda das grutas do Paleolítico, tem a ver com a mulher invisível: é a mulher da cena final. Por outras palavras, a mulher-cepa tem a ver com a mulher de Outrora, quando copulava com o pai. Ora, ninguém viu a cena que o gerou, para poder afirmar que reconhece os traços dos rostos que se uniram e a que os seus próprios traços tão estranhamente correspondem.”

»

In Histórias de amor de outros tempos

Pascal Quignard



* “os vivíparos”*



"Nos vivíparos o embrião depende directamente da mãe para a sua nutrição, que ocorre por meio de trocas fisiológicas entre mãe e feto. Não existe casca isolando o ovo. Como regra o desenvolvimento embrionário se completa dentro do corpo materno e os indivíduos já nascem formados. O custo energético é especialmente alto, pois as fêmeas investem energia na nutrição e no desenvolvimento do embrião dentro de seus corpos. Nos casos dessas espécies, forma-se um maior número de embriões, mas eles têm maiores chances de sobrevivência. É vivípara, por exemplo, os mamíferos placentários, como é o caso da espécie humana.”
++++

Porque eu creio... e não creio...


"O cepticismo ajuda a fé, dos dois juntos nasce a Luz"

in O Milagre Egípcio
S.L.

AS EMOÇÕES...

“La ciencia ha descubierto que con cada emoción que experimentamos en nuestros cuerpos sufrimos cambios químicos en aspectos como el ph y las hormonas. A través de las experiencias positivas como el amor, la compasión y el perdón, y las emociones negativas del odio, los prejuicios y la envidia, cada uno de nosotros tiene el poder para afirmar o negar nuestra existencia en cada momento del dia. Además, la misma emoción que no da este poder en el interior de nuestros cuerpos extiende esta influencia hacia el mundo cuántico que está mas allá de nuestros cuerpos”

(La Matriz Divina)


segunda-feira, janeiro 25, 2010

Em que mundo vivemos? E que anjo nos salvará?



"O OCIDENTE: UMA PODRIDÃO QUE CHEIRA BEM,

UM CADÁVER PERFUMADO."


Emile Cioran



Será justo falar de “amor alquímico” e “verdadeiro amor” no tempo das armas geofísicas? No tempo do terror mascarado, disfarçado de desastres naturais?


Será justo falar do feminino e da alma da mulher, do feminino sagrado, de que ninguém quer ouvir falar, ou falam as causas virtuais para se entreter, neste tempo da loucura e insanidade total dos que controlam o planeta e as mentes humanas? Em que se não hesita já em matar milhares de pessoas seja de que maneira for ou em nome não sabemos bem de quê, para lá de todos os palcos televisivos com que nos atordoam como falsas crenças, vidas e valores?


As televisões que exploram continuadamente a morte, o crime e o terror com uma única finalidade, a de manter as audiências sob controlo, subjugadas ao poder alienatório e destruídas animicamente pelo medo, alimentadas por gritos de futebol, enredos mediáticos e programas imbecis ou bestiais, cada vez mais degradantes e fúteis!

Será que o acordar do verdadeiro Feminino e a da Mulher podem ajudar a acordar a nossa Mãe Terra para esta violência inaudita e única, para esta guerra sem limites e deflagrada por meios desconhecidos dos humanos?

Confesso que há momentos como este em que já não sei NADA...


E se há como se pretende, e eu às vezes até acredito, planetas habitados no cosmos e seres inteligentes noutras Galáxias, estes permitem, sendo mais evoluídos e tendo mais consciência do Universo Uno, em nome do livre arbítrio do povo da terra, que este crime contra a terra mãe e os seus filhos, dentro do seu ventre dentro das suas entranhas?

E SE ASSIM É, "Que anjos aparecerão para rearranjar nosso corpo de luz, de forma que possamos ressoar uma oitava mais alta. Isto pode ser verdade, mas se anjos ou outros seres dimensionais estão fazendo isto, isto é muito teórico e sobrenatural."*


O AVATAR?


Eu fui ver o Avatar e fiquei doente…toda aquela violência fez-me mal, PORQUE ela não é ficção não, não é nenhum efeito especial: ela estava ali toda, estava ali tão bem expressa, contra a fauna e a flora e o seu povo azul… essa violência contra a Terra Mãe e a DEUSA, contra as suas árvores sagradas, os seus templos feitos de raízes…

Essa violência brutal doeu-me tanto na alma que o meu corpo ficou doente e eu agoniada e sem forças…


Quando saí do cinema eu vomitava esta Raça de predadores…


Eu vivi na minha pele toda aquela violência como real porque ela é completamente actual, eu sei que ela é REAL e o meu corpo sabe, as minhas células sabem, reconhecem o facínora do general americano e os seus autómatos mercenários, na sua mentalidade de escravos, robots do Império do medo, os mesmos de todas as guerras, manipulados pelos mesmos grandes banqueiros deste ocidente putrefacto e das grandes famílias que detêm todo poder na Terra, dos Mercados das Economias, que dominam e controlam os Media e as Farmacêuticas e que só vêem dinheiro e poder, esses Hitleres invisíveis que matam sem escrúpulos e destroem povos e terras…por PODER, por ouro, pedras ou petróleo, essa é a nossa historia AGORA!

Essa é a nossa História a do Sec. XXI e que apenas começou…


PODE O ACORDAR DA TERRA, DA MÃE E DA MULHER mudar a face do Mundo?

Este é o ano decisivo…

rlp


"NÓS ESTAMOS TODOS NO FUNDO DO INFERNO
EM QUE CADA INSTANTE É UM MILAGRE"


Emile Cioran


A ERA DAS ARMAS GEOFÍSICAS

Desde 2003, que estamos vivendo o começo de uma nova era de armas geofísicas, capazes de modificar o clima à escala local e podendo ser empregadas contra países, proporcionando o favorecimento de interesses dos países que a possuem.


Projecto HAARP: Caixa de Pandora

http://www.youtube.com/watch?v=c5zCeclHfSw

(…)

“Tudo isto significa que o sistema inteiro de Guerra nas Estrelas poderia ser usado para atacar nossos sistemas imunológicos e o bem-estar mental. Já sabemos que 400 a 450 MHz é a frequência para a janela da consciência humana; e 435 MHz é a frequência específica relacionada com a aparição de UFOs. Ela também provém da Via Láctea, e pensa-se que é a frequência por trás de nossa realidade. O sistema Guerra nas Estrelas, ou pelo menos parte dele, transmite um sinal entre 1000 e 1200 MHz que é derivado de um raio de partículas baseado no nitrogénio. Este sinal é uma multiplicação de 435 MHz, a frequência por trás de nossa realidade.

Os sinais que captei durante esta pesquisa electromagnética estavam entre 1080 MHz (2,7 vezes 400) e 1124 MHz (2,7 vezes 416 MHz), e supõe-se que a frequência de 1100 MHz seja a janela para o DNA humano. Não pude conseguir que o geneticista a ligasse a uma frequência exacta, então isto é uma aproximação. Ele disse que era entre 1000 a 1200 MHz. Uma maior corroboração desta teoria é fácil de reconhecer, se você percebe que a estrutura molecular de proteínas contém nitrogénio como ingrediente primário. Isto faz com que a relação nitrogénio/ar comece a ter mais sentido. O aparecimento do nitrogénio em proteínas não contradiz o fato de a vida ser baseada no carbono. A vida evolui para formas de ordem mais elevada, e esta desenvolve proteínas, que consistem de nitrogénio.


A programação genética sugere alguma coisa muito além do espectro de guerra biológica: sugere também a possibilidade de misturar ou rearranjar o nosso DNA. Este tipo de pensamento prevalece em certos dogmas da New Age, os quais indicam que a raça humana está passando por uma mudança transdimensional.

Que anjos aparecerão para rearranjar nosso corpo de luz, de forma que você possa ressoar em uma oitava mais alta. Isto pode ser verdade, mas se anjos ou outros seres dimensionais estão fazendo isto, isto é muito teórico e sobrenatural.
Se o governo secreto ou o complexo industrial-militar possui esta capacidade, nós estamos lidando com um cenário inegavelmente real. Há muitas possibilidades.

O que penso sobre isto é que as elites que detêm o poder neste planeta estão receosas de desistir disso tudo. Seu interesse em controlar o nosso DNA estaria em evitar uma migração para outra dimensão. Daí a razão de eles estarem pesquisando esta tecnologia.

Uma segunda possibilidade é que eles estão nos ajudando, em nosso próprio benefício. Este seria um pensamento esperançoso, para dizer o mínimo.


Uma outra possibilidade é que todo o projecto esteja sendo orquestrado para uma vasta experiência. Ele poderia ser para o melhor ou pior do contínuo [espaço]. Pode ser que os maus tenham planos, seja para entrar ou no mínimo subjugar toda a raça humana. Ao mesmo tempo, os bons, ou mestres ascenços, estão deixando-os agir até que possam pará-los no último minuto, e levar-nos todos para o próximo nível. Alguma variação deste tema também é possível. Há muitos diferentes mestres fantoches que poderiam estar envolvidos.

Há uma ilha infame na bifurcação norte de Long Island, que é chamada Plum Island [Ilha das Ameixas]. É um território proibido para a mídia ou para qualquer um, e há muito tempo que se pensa que é um centro de pesquisas bacteriológicas, que inclui guerra biológica. Isto foi verdade por muitos anos, mas eu sei que hoje eles estão preocupados com pesquisas genéticas humanas, baseadas em aceleradores de partículas. Estes aceleradores não são secretos, e podem ser vistos do ar.

Nenhuma destas informações é incluída com intenção de assustar alguém. É de nosso máximo interesse saber de tudo que possa ser usado contra nós. Não significa que serão, mas saber sobre isto constitui a primeira linha de defesa.”


*Preston Nichols e Peter Moon

Excerto do capítulo "Guerra nas Estrelas e Transmissões de Controlo da Mente", em Encontro nas Plêiades, uma Visão Interior dos UFOs

O PAR VERDADEIRO, OU O ÚNICO AMOR


O PAR ALQUÍMICO

- “Amo-te de tal forma que creio ter-te sonhado”



Essa atracção, que parece racionalmente inexplicável (...), envolve energias vibratórias de qualidades bem específicas. Assim, o ser amado nos é totalmente desconhecido, significando que não conhecemos nada de sua vida passada e no entanto temos a impressão de conhecê-lo desde a eternidade no sentindo em que o nosso duplo é antecipadamente o complementar seu. É nesse nível subtil que se faz a comunicação entre as energias vibratórias, de duplo a duplo.

*
O QUE É O AMOR À PRIMEIRA VISTA?


Uma troca vibratória de tal modo intensa entre dois seres que transcende cada um deles. Nesses momentos privilegiados, sentimos uma energia muito especial invadir o nosso ser. Somos irradiados de luz, transformados. Quando dois tipos de energias vibratórias complementares se encontram, elas podem se fundir se não existir nenhum freio da parte de um dos dois protagonistas e um novo ser começa a emergir: o casal alquímico. É um momento inesquecível e não é possível falar de complementaridade strictu sensu: devemos invocar então uma verdadeira sinergia, que tem sua fonte nos espaços-tempos transcendentes, dando acesso, ao menos, ao menos transitoriamente, à eternidade. É condição necessária para que o germe do casal comece a crescer.
(...)
Quando falo de casal alquímico, é geralmente homem-mulher, mas, como esta é uma escala distanciada da sexualidade strictu sensu, é possível imaginar casais homem-homem ou mulher-mulher.

A BUSCA DO ABSOLUTO

No verdadeiro casal alquímico, nenhum dos dois componentes se nutre da “substância” do outro, substância tomada no sentido mais nobre do termo. Existe um prodigioso crescimento qualitativo das energias vibratórias do conjunto homem e mulher.

(...)

EM BUSCA DA MULHER MÍTICA


A satisfação das necessidades materiais mesmo não elementares não conduzirá nunca a progressos correspondentes da consciência. O inverso não é verdadeiro, ou seja, não é necessário privar as pessoas a todo o custo, fazê-las sofrer de qualquer modo, para as fazer evoluir, o que significaria que temos que adoptar um comportamento masoquista ou sádico. De facto, penso que existe no casal alquímico uma dinâmica subtil. Pode ser que eu tenha acesso melhor ao meu duplo descobrindo-o no olhar do outro, o olhar do outro desempenhando o papel de espelho para ver a outra face de minha dupla alquímica, e reciprocamente. Estou interessado na busca do absoluto. Humanamente, eu só tinha três soluções. Seja a mulher mítica, seja todas as mulheres com os seus limites desesperantes, seja nenhuma, e minha liberdade estava condicionada pelos meios que eu utilizaria para descobrir essa mulher ideal. Para mim esse esforço e esse caminho de conhecimento são ligados ao sagrado, à busca da mulher mítica. *


* IN O HOMEM ENTRE O CÉU E A TERRA -
De ETIENNE GUILLÉ

sábado, janeiro 23, 2010

EM BUSCA DA MULHER VERDADEIRA



"Tu, palidamente, tu, flébil, tu, liquidamente,
Aroma de morte entre flores, hálito de febre sobre margens,
Tu, rainha, tu, castelã, tu, dona pálida, vem..."
A.C.

A MULHER DEUSA...
É A MUSA E A INICIADORA DO HOMEM


Essa Mulher só poderia ser a mulher que integra as duas mulheres na sua plenitude e consciente da sua sabedoria inata e não a mulher dividida e dominada pela cultura patriarcal debaixo dos efeitos perniciosos do poder religioso misógino, destituída dessa identidade profunda desde que nasce numa sociedade feita para homens, seria a antiga eleita Dama ou Rainha adorada pelo cavaleiro, ou a “soror mística” dos alquimistas, a Musa dos poetas, a iniciadora por excelência que elevaria o homem ao espírito uno, e portanto todo o ser humano a um plano de consciência divina. Pela integração dos pólos opostos complementares cada ser humano pode chegar à realização ou consumação dos dois princípios recuperando assim a unidade perdida, mas essa consumação passa pela mulher amante.

Sem que a Mulher porém se realize ela própria e atinja essa plenitude do seu ser que é aceder ao seu próprio potencial, para assim poder ter acesso à Consciência do Poder do Feminino, nem ela nem o homem poderão atingir um grau superior de Consciência Cósmica.

E como diz Jung, "O ser humano que não se liga a outro, não tem totalidade, pois esta só é alcançada pela alma, e esta, por sua vez, não pode existir sem o seu outro lado que sempre se encontra no “tu”. A totalidade consiste em uma combinação do eu e do tu, ambos se manifestando como partes de uma unidade transcendente, cuja natureza só pode ser apreendida, simbolicamente, como por exemplo pelo símbolo da rosa, da roda ou da “coniunctio solis et luna”. Sim os alquimistas chegaram até a dizer que o “corpus, anima et spiritus” (corpo alma e espírito) da substância arcana são todos três em uma e a mesma coisa, “pois todos vêm do Uno e com o Uno, o qual é a sua própria raiz. Um ser que é fundamento e origem de si mesmo não pode ser outra coisa senão a própria divindade...”*1

rlp


*1 C.G.JUNG


O homem a mulher, o casal alquímico.

"(...) no homem existe a vontade, vontade de se realizar e de fazer isso em contacto com a mulher. Enquanto a mulher tem em si a sabedoria, um tipo de sabedoria inata, um catalisador único da realização.
(...)
A mulher potencialmente está ligada ao conhecimento e à sabedoria que são duas forças complementares na grelha de base. A mulher realizada domina a dualidade e ajuda o homem a transcendê-la. Enquanto o homem tem acesso ao conhecimento que está no início de tudo e além disso tem a vontade.
(...)
A busca da verdade é também a busca do outro. Essa questão toca bem claramente o problema da dualidade masculino /feminino, dia/noite...Quando essa dualidade é dominada, leva a um outro nível de consciência, tal como a expressão na grelha integrada. A mulher - conhecimento/sabedoria - tem um substrato de facto, enquanto o homem precisa partir sem demora em busca de si mesmo. A mulher é para ele uma iniciação ao progresso, um catalisador de futuro. Nesse sentido a mulher parece Ter vantagem em relação ao homem.
(...)
Chegarei mesmo a dizer que, nessa evolução do conhecimento, a mulher leva vantagem, mas não tenho a certeza se ela sabe disso. Ainda mais que em ralação à situação actual ela se choca com o poder do homem. Sejamos claros: constitutivamente, não existem relações de superioridade ou inferioridade entre homem e mulher. Tudo depende do contexto sociocultural da época considerada cujas consequências extremas se manifestam nas sociedades do tipo patriarcal e matriarcal.
(...)
A mulher já é portadora do mundo transcendental - a Virgem Maria, Ísis, as Virgens negras. O homem, em contacto com a mulher, teria acesso ao germe da iluminação. E o casal alquímico exteriorizaria isso."*2

*2 In O HOMEM ENTRE O CÉU E A TERRA
De Étienne Guillé