"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

sexta-feira, fevereiro 11, 2011

CORPO ALMA E ESPÍRITO


“... o espírito e o corpo são um mediante a alma que está junto ao espírito e ao corpo. Se a alma não existisse, o espírito e o corpo se separariam um do outro pelo fogo; mas se a alma está unida ao espírito e ao corpo, o todo não é afectado nem pelo fogo nem por outra coisa qualquer no mundo.”

O CORPO É VÉNUS...

“O corpo é Vénus e feminino, o espírito é Mercurio e masculino; assim sendo, a alma enquanto “vinculum” entre o corpo e o espírito seria hermafrodita, ou seja uma “coniunctio” de “sol e lua”. O hermafrodita por excelência é o Mercurius. Poderiamos concluir desta passagem que a rainha representa o corpo e o rei, o espírito, mas sem a alma eles não se ligam, pois ela é o “vinculum” que a ambos mantém unidos. Assim, enquanto não existir o laço do amor, a alma não está presente neles. O elemento unificador é, de um lado, a pomba vinda de cima,e, por outro, a água vinda de baixo. Este é o “vinculum”, isto é, justamente, uma substância meio corpória, meio espiritual, uma “anima media natura” (alma de natureza intermédia), como a
definem os alquimistas, um ser hermafrodita que une os opostos, que no indivíduo jamais é completo sem a relação com outro ser humano.

O ser humano que não se liga a outro, não tem totalidade, pois esta só é alcançada pela alma, e esta, por sua vez, não pode existir sem o seu outro lado que sempre se encontra no “tu”. A totalidade consiste em uma combinação do eu e do tu, ambos se manifestando como partes de uma unidade transcendente, cuja natureza só pode ser apreendida, simbolicamnete, como por exemplo pelo símbolo da rosa, da roda ou da “coniunctio solis et luna”. Sim os alquimistas chegaram até a dizer que o “corpus, anima et spiritus” (corpo alma e espírito) da substância arcana são todos três em uma e a mesma coisa, “pois todos vêm do Uno e com o Uno, o qual é a sua própria raiz. Um ser que é fundamento e origem de si mesmo não pode ser outra coisa senão a própria divindade...”

Carl Gustav Jung

Copiado de: http://espelhosdatradicao.blogspot.com/

Sem comentários: