"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

sábado, fevereiro 26, 2011

A eco-activista e feminista Starhawk



«Because I believe the earth is a living being, because we are all part of that life, because every human being embodies the Goddess, because I have a fierce, passionate love for redwoods and ravens, because clear running water is sacred, I'm an activist. And because the two hundred richest people in the world own as much wealth as the poorest forty percent, because every ecosystem, traditional culture, old growth forest and life support system on the planet is under assault, and because the institutions perpetuating this unjust system are global, I'm kept very busy!»
Starhawk

Simos Miriam, a escritora norte-americana, eco-feminista, anarquista e activista anti-globalização que se destacou no cerco e boicote à Cimeira da OMC em Seattle há 10 anos atrás, conhecida pelo nome de Starhawk.

(…)
O seu último livro, publicado em Junho de 2009, tem sintomaticamente como título The Last Wild Witch, uma vez que a autora é uma das figuras de proa do neo-paganismo contemporâneo que articula espiritualidade, respeito pela terra e um activismo ecológico que passa tanto pelas práticas de permacultura como por acções directas em defesa da natureza-mãe.
«A física moderna reconhece hoje que aquilo que os xamãs e as feiticeiras sempre souberam: que a energia e a matéria não são forças separadas, mas formas diferentes da mesma coisa.».

Daí decorre que a feiticeira neo-pagã trabalhe para dar a cada um a consciência do seu próprio poder, e ao mesmo tempo reforçar os laços com os outros e com o mundo. Ao «poder-sobre», ao poder da autoridade, imposto do alto, ela opõe o «poder-de-dentro». Assim se explica os rituais em contexto situacional, nas barricadas, em plenos tumultos de rua, e nos solstícios. Propostas como estas, e outras similares, são motivo de grande discussão entre os activistas mais ortodoxos que desconfiam do fundamento e efeitos destas crenças e do ritualismo que lhe está associado.

Como quer que seja, certo é que os seus livros são textos estimulantes contra a Razão triunfante dos nossos dias, essa Loucura que nos submerge sob a aparência do racionalismo cientificista tentacular e totalitário. E as técnicas preconizadas por Starhawk – o empowerment ( a capacitação das pessoas e dos grupos sociais) e o Reclaim the Commons – mostram bem que o seu activismo eco-feminista e espiritual não deixa para amanhã – nem para os outros – a inadiável mudança social. Porque um outro mundo, não só é possível, como é, face à injustiça e à guerra, urgente e necessário. Aqui e agora.*

*Texto de Viriato Porto copiado em: http://blogosocialportugues.blogspot.com/2009/08/eco-activista-e-feminista-starhawk.html

Naomi Klein, escreve:

A escritora norte-americana, eco-feminista, anarquista e activista anti-globalização que se destacou no cerco e boicote à Cimeira da OMC em Seattle há 10 anos atrás, conhecida pelo nome de Starhawk (...) O seu último livro, publicado em Junho de 2009, tem sintomaticamente como título The Last Wild Witch, uma vez que a autora é uma das figuras de proa do neo-paganismo contemporâneo que articula espiritualidade, respeito pela terra e um activismo ecológico que passa tanto pelas práticas de permacultura como por acções directas em defesa da natureza-mãe.

Starhawk é, com efeito, reconhecida internacionalmente como uma activista do movimento pacifista. (...)

A cientista belga, Isabelle Stengers,
que se tem dedicado a desmistificar e dessacralizar a toda-poderosa ciência moderna, tem divulgado a sua obra e pensamento para o mundo francófono, tendo ambas sido co-autoras de um livro comum com o título «Mulheres, Magia e Política» ( Femmes, magie et politique). Por sua vez, Stengers escreveu o livro «A Feitiçaria Capitalista: práticas de desocultamento» (La Sorcellerie Capitaliste: pratiques de desenvoutemente) onde tenta analisar como o capitalismo é um sistema de feitiçaria, e a consequente e imperiosa necessidade de capturarmos e denunciar o seu perigoso feitiço.

Sem comentários: