"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

sábado, fevereiro 26, 2011

MULHERES PIONEIRAS - DE ONTEM E DE HOJE


O ABSOLUTO QUE PERTENCE À TERRA

"É Aqui nesta terra que todas as metamorfoses e todos os anseios se engendram. A cadeia dos seres que se estende para além dela só é reconhecida a partir dela. Àquele que a excede está prometido por isso um duplo regresso: ao arco-íris e à mina profunda do coração."

in O ABSOLUTO QUE PERTENCE À TERRA
Maria Filomena Molder
“Plantar árvores é não só amar a natureza. Mas ainda ser previdente quanto ao futuro, e generoso para com as gerações vindouras. Cortá-las ou arrancá-las a esmo, sem um motivo justo, é praticar um acto de selvajaria”. (16/2/1913)
(...)
“A árvore é um tecto, nos dias em que o sol ou a chuva nos surpreendem em plena estrada. A árvore é a cadeira onde nos sentamos para estudar, trabalhar e descansar das fadigas do dia.
(...)
A árvore é a essência medicamentosa que fornecerá o alívio aos tormentosos males que cruciam a precária humanidade. A árvore é confidente discreta dos namorados e a desvelada protectora dos pássaros – esses poetas do ar. A árvore é a maior riqueza da gleba, o maior tesouro dos campos e o maior encanto da paisagem!” (15/3/1914)

Alice Moderno – uma mulher pioneira (1867-1946)



“A revolta da mulher é a que leva à convulsão em todos os estratos sociais; nada fica de pé, nem relações de classe, nem de grupo, nem individuais, toda a repressão terá de ser desenraizada (...) Tudo terá de ser novo. E o problema da mulher no meio disto, não é o de perder ou ganhar, mas é o da sua identidade.”*


*Do livro Novas Cartas Portuguesas de Maria Isabel Barreno, Maria Velho da Costa e Maria Teresa Horta, publicado em 1972

Sem comentários: