quarta-feira, março 16, 2011

O GATO É UMA LEI EM SI MESMO



“O gato é uma lei em si mesmo. Nunca perdeu o seu despótico ar de indolência e luxúria oriental. Era demasiado feminino para os gregos, amantes do masculino. Referia-me à invenção da feminilidade por parte dos egípcios, uma estética prática e social extraída do brutal feminino mecanismo da natureza. O traje das aristocratas egípcias, uma requintada túnica de linho transparente, com pregas, só pode ser qualificado de cingido (…)
Elegantes são também os furtivos movimentos do gato durante a noite. Os egípcios admiravam a macieza… (…)
Mas o carácter furtivo representa a sinuosa arte da obscuridade demónica, que o gato traz para a luz do dia.


Os gatos têm pensamentos secretos, uma consciência dividida. Nenhum outro animal é capaz dessa ambivalência, dessas ambíguas correntes de sentimentos cruzados, como quando um gato ronrona ao mesmo tempo que crava os dentes, em sinal de aviso, no nosso braço.
Quando um gato está preguiçosamente recostado, o seu drama interior é telegrafado através das suas orelhas, que se movem continuamente a fim de detectar qualquer ruído distante enquanto os seus olhos se fixam nos nossos, em fingida adoração; mas também através da cauda, que se agita ameaçadoramente mesmo quando o animal está a dormitar. Por vezes o gato finge não ter qualquer relação com a sua própria cauda, atacando-a de uma forma esquizofrénica. A sua cauda nervosa e chicoteante é o barómetro ctónico do mundo apolíneo do gato. É a serpente no jardim que golpeia e devora com premeditada malícia. A ambivalente dualidade do gato é representada pelo seu humor volúvel, pelas abruptas transições do torpor e do frenesim, com as quais ele refreia a nossa presunção: “Não te aproximes. Eu sou incognoscível”

In Personas Sexuais de Camille Paglia

Sem comentários: