"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

quinta-feira, junho 30, 2011

A MULHER QUE SE NÃO REVÊ NELA PRÓPRIA...

"CABE ÀS MULHERES REDESCOBRIR O FEMININO, DAR À LUZ UMA ALMA NOVA, CAPAZ DE ASSUMIR A SUA DIMENSÃO CÓSMICA" Antónia de Sousa


SIM, MAS A  BUSCA DA ESPIRITUALIDADE ANTES DA CONSCIÊNCIA PSICOLÓGICA E DE UMA INTEGRAÇÃO DAS DUAS MULHERES EM SI, NÃO É FAVORÁVEL À MULHER...


Penso que a mulher deve resgatar, antes da sua dimensão cósmica, a sua dimensão humana, numa imagem corpo de mulher que a dignifique e devolva a sua integridade...Há muitas mulheres a fugir para uma dimensão espiritual sem resolver os seus conflitos entre a imagem da mulher que os mídea e a cultura em geral lhes oferece de si e as avilta e deforma, e a sua realidade física e psicológica...
Muitas mulheres buscam consolo e compensação para o que julgam ser os seus complexos e inibições ou frustrações em terapias ou caminhos espirituais sem primeiro terem consciência do que realmente as oprime e sem se aperceberem sequer do quanto precisam de consciencializar-se do seu ser essencial enquanto Mulher-mulher.

A mulher parte muitas vezes ou quase sempre para a sua busca espiritual sem primeiro entender a sua natureza intrínseca e isso leva-a a viver processos simulados porque a sua estrutura interior e a sua consciência enquanto mulher integral não está activa...Isso acontece sistematicamente porque a mulher estando dividida em esteriótipos e fragmentada na sua pessoa, (carregando sempre consigo a imagem da mulher séria e a da pecadora) luta antes de tudo consigo mesma e espelhando essa luta contra as outras mulheres através da competição, do ciúme e da inveja, tal como o faziam com filhos e maridos e pais...fazem-no agora com os mestres e guias...e mentores.
Desta forma o grande e maior perigo é que "A espiritualidade pode tornar-se uma nova forma de alienação para a mulher..."*
rlp


*Luiza Frazão acrescentou: "A espiritualidade pode tornar-se uma nova forma de alienação para a mulher..."

2 comentários:

Maruska disse...

obrigada por publicar os textos anteriores. sinto-me estranha ao vê-los.

parece uma outra parte de mim a escrever!

Um abraço da Maruska Danuska

Ana Nazaré disse...

Sem dúvida! Eu acredito que a mulher deve aprender a desenvolver sua individualidade, sua forma de estar no mundo, deve desenvolver sua psique, retomar o seu centro perdido.. Não sei oq pode acontecer, não sei como seria uma nova sociedade, não consigo imaginar oq aconteceria depois...Mas vejo o quão importante (e pq não, REAL), essa necessidade de conscientização...