"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

segunda-feira, agosto 22, 2011

DONA DOIDA...





Estou no começo do meu desespero


E só vejo duas saídas:


Ou viro Doida ou viro Santa


Como abrir a janela se não for Doida?


Como fechá-la se não for Santa ?

(Dona Doida, Adélia Prado )



A mulher encontra-se constantemente face a este dilema: abrir a janela à sua natureza mais profunda, instintiva , sensual , a doida, ou então; fecha-la, e corresponder a ao modelo da mulher bem comportada, a santa, a inocente, a que ama de um amor dedicado e generoso, a mãe.

Viver estes dois aspectos do “ser mulher” em simultâneo, remete para um exercício de contorcionismo que só muitos anos de vincada paciência e muitos conflitos (internos e externos) podem leva-la a ver as rugas deixadas por estes estereótipos e conduzi-la à mulher consciente da sua natureza unificada.

Enquanto a mulher não tiver libertado estes dois aspectos do seu ser não se sente inteira e transfere para o homem o poder de fazer dela mulher, tornando-se assim, escrava do comportamento do homem e eternamente insatisfeita consigo e com os outros. É como se a mulher dissesse: Faz de mim mulher pelo teu desejo, pelo teu ardor. Dar-te-ei tudo de mim com a condição que tu fiques inteiramente comigo e que eu seja tudo para ti.

Não se trata contudo de integrar nada, como ouvimos frequentemente dizer, mas sim de conhecer profundamente as suas facetas e liberta-las das amarras das polaridades para que elas se unifiquem.

ANA VIEIRA

Sem comentários: