quarta-feira, setembro 28, 2011

DIZER O CORAÇÃO...


In A METÁFORA DO CORAÇÃO

E assim, o amor faz transitar, ir e vir entre as zonas antagónicas da realidade, penetra nela e descobre o seu não-ser, os seus infernos. Descobre o ser e o não-ser, porque aspira a ir para lá do ser e o não ser; de todo o projecto. E desfaz todo a consistência.
Destrói e dá nascimento à consciência, sendo como é a vida plena de alma. Eleva ao obscuro ímpeto de vida; essa avidez que é a vida no seu fundo elementar, leva-a na alma. Mas, ao mostrar a inanidade de tudo aquilo em que fixa, revela à alma também os seus limites e abre-os à consciência, fá-la dar nascimento à consciência. A consciência aumenta após um desengano de amor, como a própria alma se dilata com o seu engano.
Mas não existe engano algum no amor, que, por o haver, obedece à necessidade da sua essência. Porque, ao descobrir a realidade no duplo sentido do objecto amado, a consciência de quem ama não sabe situar essa realidade que a transcende. Se não houvesse engano não haveria transcendência, porque permaneceríamos sempre encerrados dentro dos mesmos limites. (...)

Maria Zambrano
***

Há em mim a Mulher, como género da espécie humana e há em mim o SER acima do género e da espécie...
Enquanto mulher eu luto por ser inteira e pela espécie ser mais humana...Como Alma que ama e anseia sempre mais, busco o Amor mais profundo e Universal e desejo fundir-me com O Todo que sou...

rlp

2 comentários:

Gaia Lil disse...

Muito lindo esse texto...Seu blog também, adorei está uma doçura este layot...Beijos

Rosa Leonor disse...

De vez em quanto é preciso mudar...e aqui o outono começou...aí a primavera!

grande beijinho para si!!!

rl