"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

segunda-feira, outubro 03, 2011

MORTE ÀS MULHERES PELA "HONRA" DE QUEM? DE ALA, OU DE UMA CORJA DE FANÁTICOS ?


Paquistão: Família recusa ‘matar’ filha

Com apenas 17 anos, Kainat Soomro está no centro de uma batalha judicial no Paquistão. Em 2007, a jovem foi raptada e violada repetidas vezes por quatro homens durante três dias. Conseguiu fugir, mas enfrenta agora um conflito maior: um tribunal condenou-a à morte por ter perdido a virgindade fora do casamento.

A lei paquistanesa condena as mulheres que perdem a virgindade fora do casamento a sofrer uma “morte de honra”. Kainat foi raptada quando saía da escola e se dirigia a uma loja por quatro homens. Mantida em cativeiro, e violada inúmeras vezes, a jovem conseguiu fugir e contou à polícia o drama vivido.


O conselho tribal ilibou os suspeitos do crime sexual, considerando que as declarações da jovem eram insuficientes e condenou-a à pena de morte. A família de Kainat opõe-se à decisão e já mudou da pequena cidade onde vivia para Karachi, mas continua a ser alvo de protestos.


“Só quero justiça. Não vou desistir enquanto não tiver justiça”, assegurou a jovem. A família quer levar o caso ao Supremo Tribunal do Paquistão.


O mais recente relatório da Comissão dos Direitos Humanos no Paquistão estima que, em 2009, 46 por cento do total de mulheres mortas se tenha ficado a dever à “honra”. A imprensa noticiou nesse ano 647 casos. Mas os números podem ser muito mais negros. A maioria dos casos não chega ao conhecimento das autoridades e as mortes acabam por ser justificadas com suicídios.


Apesar da maioria dos casos se reportar a mulheres, as estatísticas indicam ainda que 30 por cento das “mortes de honra” reportam a casos envolvendo homens.

in correio da manhã

Sem comentários: