segunda-feira, fevereiro 06, 2012

Alguns escritores disseram verdades inalienáveis...

das mulheres...

“Não pertencemos a nós próprias. Não somos pessoas, somos coisas. Ocupamos o primeiro lugar no seu amor-próprio, o ultimo na sua estima. “ + Alexandre Dumas A Dama das Camélias

“Como se fosse a ideia de algum homem! Como se eu existisse porum homem ter de mim uma ideia”. +* D.H. Lawrence , The Rainbow

É exactamente assim que tem acontecido. O homem inventou e escreveu descreveu uma mulher e durante centenas de anos a mulher não tem feito outra coisa senão tentar corresponder a essa ideia e imagem.  São centenas de anos de cultura literatudra e psicologia em que o homem procurou moldar a mulher e interpretá-la de acordo com uma ideia, de acordo com uma imagem, sempre fugindo a mulher essencial a mulher ctónica, a mulher original...de que tem medo! De tal modo a Arte e a Literuratura modelaram uma ideia da mulher que a mulher de hoje sofre directamente na pela as consequências, de nunca se ter dito a ela mesma, de nunca ou raramente ter funcionado sem ser em função do amor do homem, do filho e do pai, que a quer à sua imagem e semelhança, digo à semelhança da sua ideia dela...Desde a Génese...
Houve escritoras que tentaram romper essa barreira de silêncio e opressão, houve. E as mulheres (as feministas) conseguiram "direitos e igualdades" relativos...há por aí uma mulher social que se crê livre e emancipada mas quando olhamos para o seu ser interior...o que vemos são fragmentos de mulheres divididas e cindidas em luta com elas mesmas, ao peso das suas múltiplas doenças, sem se interrogram, viradas  umas contra as outras, as suas eternas  rivais...Com essa suposta igualdade de direitos... foram ainda mais sobrecarregadas de tarefas e mais tarefas. Acrescentaram-lhe as profissionais sem lhes tirar o fardo da casa...Sim, elas chegaram a ministras e deputadas...mas a cisão continua  lá e a mulher que se julga livre não vê nem olha a sua parte (irmã) prostituta a ser explorada e morta como na barbárie...e aceita isso na condição de ela continua a ser considerada livre e vende a sua dignidade e a sua integridade...sim, vende-se quando deixa a sua imagem continuar a ser profanada e usada para o prazer do homem e para o comércio sexual e pornográfico. E ela aceita isso porque não é ela...mas a "outra" que se vende...e por vontade própria (como se a outra coitada tivesse vontade própria) e ela não vê que foi assim dividida, entre a santa e a puta...para rimar...
A prostituição para mim é igual à escravidão do homem.
E se a Humanidade acha que chegou a um patamar de evolução ou de civilização porque aboliu a escravatura ele não ABOLIU A ESCRAVATURA DA MULHER (AO SEXO) para os servir ...bem pelo contrário. Esta sociedade, este Sistema, fomenta e cultua ainda a degradação do corpo da Mulher Mãe, da Mulher Amante... e depois reclama que não há educação...e a juventude está   incontrolável...

Sem comentários: