sexta-feira, abril 20, 2012

AS DOENÇAS TERMINAIS



SÃO DOENÇAS CÓSMICAS OU INICÁTICAS


“Sabendo que existem quatro grandes famílias de doenças cósmicas, definimos categorias de exercícios e de actividades a iniciar entre os pacientes atingidos por essas doenças quando provocamos neles a fase de renovação capaz de os levar a uma cura.”*

As doenças terminais, como a Sida o Cancro, a Esclerose em placas e  (?) assim consideradas  segundo Etieene Guillé, significam na vida do indivíduo uma oportunidade de Renovação do ser humano que sofre a doença por não estar a viver em consonância com o seu verdadeiro ser, ou o seu Self e a doença é pois a possibilidade de acesso “forçado” à transcendência…Para este  cientista e espiritualista e escritor, as doenças terminais são uma emergência da Consciência e uma chance para o individuo em causa evoluir  num sentido espiritual e cósmico. E portanto, no caso da manifestação de uma dessas doenças, para haver uma cura tem de haver uma renovação, e para isso é necessário haver uma mudança radical na vida do ser…de concepção de vida e de vivências…   

Diz ele:

“Quando se trata de pacientes atingidos por doenças cósmicas, é fácil compreender que, por causa do seu estado, eles estão prontos a mudar totalmente o curso da sua vida se se conseguirem curar. Mas quantos sabem realmente que é obrigatório mudar o curso das suas vidas para terem verdadeiramente uma chance de cura? Quantos querem curar-se sem mudar nada e atirando sistematicamente em geral e em particular a culpa para os outros?"

(…)

 NÃO HÁ CURA SEM RENOVAÇÃO DO SER...

Essa fase de renovação é sempre um processo de consciencialização do ser em si e da sua existência como um todo indivisível, corpo alma e espírito. Sendo que as pessoas que sofrem dessas doenças, normalmente vivem na superfície do seu ser, apenas no plano físico e mental ou enterradas no materialismo ou ainda em negação do seu ser VERDADEIRO, ou o mais comum EM CONFLITO PERMANENTE ENTRE O SEU INTERIOR E O SEU EXTERIOR. Vivem em compromisso com as normas da sociedade, da família, do "bom nome", da sua ambição pessoal à qual sacrificam tudo ou de preconceitos religiosos, medos etc., que os oprimem e traiem de alguma maneira a sua verdadeira natureza íntima, seja sendo muito "boas" pessoas, seja sendo muito más…elas podem viver apenas  para a sua profissão, carreira ou família, em detrimento das sua própria vida pessoal íntima e interior que sacrificam toda a vida a uma imagem ou a um ego...

No caso das mulheres quanto a mim, as mais atingidas, tem a ver maioritariamente com a sua cisão interna e com a negação da sua sombra, a parte da mulher que foi negada, seja ela qual for, uma vez que a mulher é forçada a viver toda a vida só um aspecto de si, (a esposa ou a "outra") e tem sempre uma zona de não expressão, uma instintividade, digamos, ou emocionalidade reprimidas, vivendo em conflito permanente com a sua natureza profunda…quer disso tenha consciência ou não, seja ela culta ou ignorante.

O drama da mulher tem sido sempre o viver uma existência parcial em relação ao seu ser profundo mais do que o homem a quem não é negada a sua identidade e individualidade à partida…No caso da mulher ela é sempre cindida em duas dentro de si e fora…ora é uma, ora é outra, á escolha do “freguês” que pode ser o pai que a molda a sua imagem o marido ou o amante…

Isto é duro de aceitar e ainda mais de discernir. Mas é uma realidade bem camuflada pela aparência das coisas da cultura e dos costumes…
Quem quiser ver que veja quem não quiser não veja…

RLP

"Existe uma frase de Dom Juan, citado por Castanheda, que é terrível. Ele diz que a maior parte dos seres passa a vida a morrer.

Não “morrer por morrer”, mas uma existência que é apenas envelhecimento."*

* In O Homem entre o Céu e a terra
Etiene Guillé

5 comentários:

Astrid Annabelle disse...

Para você ver como são as coisas na vida e como esta é tramada Rosa. Hoje à tarde, minha filha fará uma biópsia de um nódulo na tiróide detectado ontem via ultrasonografia e mais uma tomografia no pâncreas pois existe uma grande suspeita de estar com câncer ali localizado....e eu aqui lendo tudo isso!!!
Desde ontem , quando soube, estou refletindo sobre todo este assunto,empenhada em compreender. Sei que um dos conflitos que move o interior da minha filha é que sempre quis mais ser homem do que mulher....nada a ver com opção sexual, apenas fica repetindo que para os homens tudo é mais fácil!!!!! Veja a que ponto está separada da sua verdadeira essência!!!
Gostei do que li aqui e encontrarei uma maneira de repassar tudo isso para ela...
C'est la vie...
Beijos
Astrid Annabelle

Rosa Leonor disse...

Ela que leia se acha que tem coragem de ler o livro sobre a doença terminal de Treya com exactamente esse problema, ela queria ser como o pai e não como a mãe e negou totalmente a sua feminilidade essencial, pois aparentemente continuava muito boita...é incrível a sua luta pela consciência do feminino e tudo isso está no livro "Graça e Coragem" que Ken Willber que era seu marido acompanhou e sofreu todo o processo. Leia se puder e passe a sua filha...
abraço grande minha amiga..
nada é acaso...
rl

Astrid Annabelle disse...

Sim, negar a sua feminilidade essencial....isso mesmo. Ser como o pai!
Irei ler este livro. Vou ver se o encontro hoje mesmo.
Um beijo agradecido.
Astrid Annabelle

Rosa Leonor disse...

é GRAVE COMO A MULHER PAGA CARO A SUA TRAIÇÃO AO FEMININO E PARA MIM É MUITO ISSO...e pode parecer cruel dizer estas coisas...e parecer inumana...mas de facto eu não consigo deixar de equacionar logo as causas da doenças como uma traição à essencia...seja do indivíduo seja neste caso particular da mulher a si mesma...
abraço grande

rl

Astrid Annabelle disse...

Paga caro mesmo...
E eu sinto e penso como você!
Bjs
Astrid Annabelle