quinta-feira, março 29, 2012

A manipulação da mulher nas mais variadas formas...

O ÚTERO É SAGRADO


Em todo o mundo e em todos os países houve e há ainda a perseguição ou a manipulação da mulher nas mais variadas formas. Na Europa e na idade média pelos padres e pelo clero culminando com a Inquisição e agora digamos a “ciência”, com os média e os médicos à cabeça.
Os médicos e os fármacos são os modernos guardiães negros (vestidos de branco...) que mantêm o controlo da mulher…

A publicidade por um lado e as receitas por outro levam as mulheres a consumir químicos (pílulas) como ninguém mais e eles sabem que a mulher é uma presa fácil…Como já não era possível aos padres exercerem o medo das fogueiras sobre elas, aparecem os médicos e os cientistas que falam das doenças e da velhice, impregnando as mulheres de medo e insegurança, obrigando-as a tomar químicos por tudo e por nada ou a fazer operações plásticas, o que as mina e paulatinamente as matam…Por tudo e por nada eles cortamos seios os ovários o útero e o mais que podem…

“A escola de medicina é um processo para lhes tirar a sensibilidade. Ensinam-lhes que as pessoas não conseguem ver sangue “(…)
“Os médicos exercem um controlo fenomenal sobre os humanos e muitos deles sabem que a sangria intensifica tremendamente a vitalidade. (…)

Os químicos são minas que explodem silenciosamente no corpo das mulheres ao longo dos anos. Começou com a pílula em nome da liberdade sexual. Continuou na menopausa com anti-depressivos perigosos, e agora o bombardeamento é total: químicos para impedir a menstruação e “libertar” a mulher da escravidão do sangue…vacinas para prevenir o cancro do colo do Útero a adolescentes, aos milhares e “oferecidas” pelo Governo…Como se a doença fosse natural e endémica na mulher. Como se as causas não existissem e não fossem sócias e psicológicas…

Tudo isto afinal são formas variadas de manipulação "genética" e não só que visa a destruir o poder interno da mulher sediado nos ovários – o correspondente na mulher à força que os testículos representam para os homens – assim como os químicos de “prevenção” visam a anulação do instintivo e a natural evolução da mulher!

Em nome da doença e do perigo da possível doença, atacam o sistema imunitário e os ciclos naturais da mulher quer a ovulação quer a evolução da consciência. Esta Identidade perdida dos ciclos lunares e a força vital do sangue a que a mulher está ligada é progressivamente destruída.
“Eles”, OS QUE CONTROLAM, sabem que o sangue contém o mistério da vida humana, nomeadamente o das mulheres que sangram com a lua…esse é o mais antigo e temido mistério da mulher. Por isso esses magos negros - que são os médicos em geral, ELES PRÓPRIOS MANIPULADOS, tudo fazem para destruir o poder inato da mulher cortando a eito as suas entranhas e agora preparam-se para as convencer a tomar uma pílula para não menstruarem…como inventaram uma pílula para não ficarem grávidas e as mulheres ignorantes e divididas em si mesmas estão convencidas que foi um grande avanço para elas não ficarem grávidas enquanto iam ficando doentes do colo do útero e tendo cancros da mama e por todos o corpo…

Enquanto isso em África e no Oriente a barbárie é total. Faz-se a excisão dos genitais da mulher por um lado e por outro a mulher é sistematicamente violada e torturada como no Congo. Lá não é só a violência doméstica, é a guerra total cujo principal inimigo a  destruir  é a mulher…tratada pior do que os animais e acossada por todos os lados.
Por tudo isto, eu acho de facto urgente que comecemos a perceber o porquê das doenças "femininas" e a sua perseguição no mundo...e cabe às mulheres mais lúcidas esse papel.

A ferida da mulher no seu âmago como mulher e como mãe é a que provoca o cancro e todas as doenças tipicamente femininas…
Cabe portanto às mulheres que ao moverem-se na procura da essência divina devem encontrar primeiro a sua essência feminina que já é divina... esse é o segredo que foi escondido e causa do ataque cerrado à sua natureza por parte do SISTEMA de controlo pelo homem, para que a Mulher não se cumprisse e desse a verdadeira dimensão da nossa Humanidade homem-mulher...
Como eu já disse aqui a causa da violência sobre a mulher é a mesma da doença que a mata…

A mulher é ferida de morte todos os dias pela sociedade patriarcal…
rlp

terça-feira, março 27, 2012

A "CIÊNCIA" QUER - FAZER CALAR O FEMININO EM NÓS

IMPORTANTE "é SE DAR CONTA de que a INQUISIÇÃO ainda não terminou - apenas transformou a forma de FAZER CALAR O FEMININO EM NÓS - uma forma cada vez mais sutil e, portanto, cada vez mais eficaz."

 

COMO SE PODE "Viver sem menstruar"?

Menstruo porque sou MULHER... porque desde que ajuntamos pó de estrelas suficientes para formar nosso corpo, a cada mês, o MEU CORPO, o MEU TEMPLO, o fruto da engenharia PERFEITA da NATUREZA, se prepara para proteger e nutrir a VIDA. E, se uma vida não é formada, despejo meu SAGRADO SANGUE para fertilizar toda a TERRA. Tenho TPM porque vivo numa sociedade (ainda) patriarcal e machista que TEME tudo aquilo que NÃO ENTENDE e, portanto, quer eliminar tudo aquilo que AMEAÇA a sua ILUSÃO de estabilidade, de permanência.Tenho TPM porque a PAUSA é parte FUNDAMENTAL de uma vida saudável, plena, FELIZ... Tenho TPM porque vivo num mundo que não respeita as minhas pausas, as minhas necessidades individuais... nem as minhas, nem as de ninguém. Tenho TPM porque fui criada como um Ser sensível às vibrações de todos os níveis de realidade, não somente os mais visíveis, e tenho dentro de mim a SABEDORIA de ser um canal de COMUNICAÇÃO entre eles. No entanto, vivo num mundo onde o Deus CHRONOS, com seus moldes, fôrmas, estruturas pré-definidas e tic tacs devoradores da vida, persegue e crucifixa diariamente o Deus KAIRÓS - padroeiro da CRIATIVIDADE, da ESPONTANEIDADE, da LIBERDADE... Menstruo porque a NATUREZA foi GENEROSA para comigo e minhas irmãs - incrustou em mim a SABEDORIA da nossa avó LUA: a de SABER ESVASIAR-SE para, então, tornar-me plena novamente. Menstruo pois a LUA DENTRO DE MIM conhece os CICLOS DA VIDA e sabe, mesmo que lá no fundo, que é necessário SABER MORRER para poder RENASCER, limpa de tudo aquilo o que é velho. AMO menstruar - mesmo com minhas cólicas, seios inchados e outras formas que meu corpo encontra para me dizer: PARE, este momento é SEU (e não do seu chefe!), pois tenho a CORAGEM de experimentar a VIDA com tudo o que ela tem: com suas dores e seus Amores... seus prazeres e desprazeres... seus ABSURDOS e suas GRAÇAS... e, à cada mês, recebo uma sublime aula sobre a IMPERMANÊNCIA de tudo o que existe. Não sou hoje a que fui ontem... nem serei amanhã a que hoje sou. Fui criada para saborear brisas e tempestades e a VIDA dentro de mim PULSA PELO MOVIMENTO. MENSTRUAR É MOVIMENTAR! AMO MENSTRUAR pois acho PURA POESIA viver as fases da LUA dentro de mim... e as minhas fases me ensinam que é preciso HUMILDADE para compreender o SENTIDO de tudo aquilo que acontece. A vida não evoluiu por milhões de anos para criar um ser que adoece a cada mês: mais HUMILDADE, senhora medicina, fiel súdita da indústria farmacêutica. Tens apenas poucas centenas de anos e tu simplesmente não existirias, enão fosse a GENEROSIDADE da mesma natureza que nos criou assim como somos. Mais CUIDADO senhores médicos: não se pode falar com propriedade daquilo que não se experimentou com seu próprio corpo, suas próprias emoções ou, pelo menos, a partir da sua capacidade de EMPATIA. Saúde, já dizia meu pai, é saber DANÇAR COM AS ESTAÇÕES. E as estações de fora são as mesas de dentro. MULHERES, Temos a BENÇÃO de ter um corpo que flui com a VIDA à cada mês, não importa o quão desconectadas estejamos da HARMONIA do mundo em que vivemos. Deixaremos mais uma vez nos CALAR a VIDA que pulsa dentro de nós? Entregando nossos corpos, nossos TEMPLOS, para pessoas sem rostos e sorrisos em salas FRIAS E ESTÉREIS para os forçar a se ADEQUAR à um sistema que encontra-se profundamente DOENTE?
E, no final, descobriremos que a questão não é menstruar ou não... não é descobrir se quem pari é a mulher ou o médico... é SE DAR CONTA de a INQUISIÇÃO ainda não terminou - apenas transformou a forma de FAZER CALAR O FEMININO EM NÓS - uma forma cada vez mais sutil e, portanto, cada vez mais eficaz.

in TEIA DE THEA - Reflexões de Belinha Crema sobre o movimento "viva sem menstruar"

sexta-feira, março 23, 2012

DA HISTÓRIA AO MITO...da ficção a realidade...

COMO É  ENCARADO O FEMININO 
NAS SOCIEDADES OCIDENTAIS...

Porque esta obsessão da negação das mulheres pelas religiões patriarcais?
Esta impureza das mulheres mas mais do que isso, esta profunda misoginia, esta negação da humanidade no sexo feminino, encontramo-la nas três religiões monoteístas de forma exacerbada.
Também a encontramos noutros lugares. Esse caminho também foi percorrido pela Índia. Mas aquilo que espanta e também nos atrai é que ainda persiste a imagem do Grande F
eminino.
Nos templos, podemos encontrar a divindade feminina. Enquanto no ocidente, tem-se a impressão de se tratar apenas de folclore bárbaro, pura imaginação. Mesmo com as universitárias, falar do divino feminino parece lhes algo de carnavalesco. Para elas o divino feminino é unicamente mítico. Elas não vêm que o mito foi história. É nesse ponto que se fixa o meu trabalho. Contrariamente ao que dizia Jung, a mitologia não é um arquétipo fixo, é também história. Ora se ficarmos no mito apenas, por exemplo, o das amazonas, das mulheres fortes, portanto no inconsciente colectivo, isso não fará mal a ninguém porque o castramos da sua historicidade para deixar isso numa terra de ninguém, fora do tempo e do espaço. Então é aí que se torna curativo sublinhar que existiu um outro feminino para além da visão patriarcal, que não foi nem sujo nem demonizado. O casamento sujo é o casamento patriarcal, que é o casamento de um dominado e de um dominador.
Entretien avec Françoise Gange - Février 2001
 
LISBOA - 22 DE MARÇO DE 2012


Esta entrevista da qual extraimos esta nota, é de 2001, mas como poderemos fácilmente observar, não mudou ainda muito coisa sobretudo na Europa e menos ainda num País como Portugal em que a violência sobre as mulheres é já pública e oficial pelas "forças de segurança"...Esta violência é também reflexo da violência doméstica e vice-versa. Dois  jornalistas foram brutalmente agredidos, um deles mulher, em passeio de turistas onde a manifestação pacífica se desenrolava...pela tarde lisboeta...Os "brandos costumes" estão a desaparecer e o retorno ao fascismo muito evidente e as imagens não destoam nada das imagens de agressões as mulheres no Egipto...
Ora este texto releva de forma clara o que é a causa e está na origem da misoginia e ódio às mulheres muito visível na foto...Essa foto que ilustra o texto foi tirada ontem a tarde em plena Baixa Chiado...num brutal ataque aos manifestantes pacíficos a que não escaparam esplanadas centenárias nem o Café Brasileira percorrido na enxurrada da violência policial.
Minhas amigas, eu sei que vai ser muito difícil não olhar para este mundo e ficarmos estarrecidas com tudo o que se passa nele de gritante e de aberrante, de violento...Nós sabemos, ENTRE MUITAS OUTRAS COISAS E MUDANÇAS PLANETÁRIAS, que a faixa magnética da terra se está a alterar e que isso ameaça a completa loucura das massas...por todos os lados essa loucura estará patente...portanto o melhor é não olhar sequer para aquilo que não podemos mudar. Eu sei que custa, eu sei e falho tantas vezes em querer ainda lutar contra a injustiça... como sei  que é quase impossível, quando uma circusntância aberrante nos toca circunstancialemtne a nós de repente...mas também sei que isso de nada adianta e só nos faz a nós perder forças.
A questão mais profunda é o que nos está a ser  pedido neste momento para defesa isso sim da nossa sanidade: é que nos mantenhamos afastados dos centros de conflito...e manter a nosso própro centro...trabalhar para essa união interior de ser consigo mesma, nós mulheres, sim falo por nós...porque se bem que as mulheres estejam no mesmo barco que os homens, essa violência e agressão do Sistema é praticamente manipulada e criada e expressa pelos homens...nos Governos nas Instituições...nas polícias e nos militares.
Bem sei que são atacadas mulheres e homens, que os homens também sofrem, que também são vítimas dele, mas quem faz a guerra e a promove e desenvolve são os próprios homens. Eu não estou contra os homens, nossos pais filhos e irmãos...mas apenas consciente  de que o Sistema patriarcal que divide o mundo e mata, que afastou o feminino da nossa realidade, é um sistema regido e construido filosófica e ideologicamnte por homens, a parte masculina da humanidade, e que as mulheres são apenas nesse contexto, mesmo como soldados e nas guerras, sujeitas e vítimas das suas guerras e que mais depressa as encontramos nos hospitais como enfermeiras e médicas, também por sua vez másculas e desumanas...ou mesmo voluntárias da cruz vermelha etc. sempre fiéis aos seus líderes e leis, sempre manietadas e manipuladas pelo sistema, onde quer que ele mande...Há  algum sítio onde o sistema não tenha entrado e corruido e estragado, destruindo todos os valores da mais simples humanidade? Não são os hospitais e lares exemplo da maior indiferença mecanização do ser e até violência psicológica, e como vimos ontem violência brutal nas ruas?
Por mim, só espero poder livrar-me de tudo o que seja o domínio do Sistema patriarcal, cada vez mais corrupto e agressivo, e poder reunir PACIFICA E INTELIGENTEMENTE as pessoas que nele não se enquadrem. Como e quando eu não sei, mas sei que é cada dia mais urgente as mulheres unirem-se entre si e aos seres que amam, homens ou mulheres...
rlp

quinta-feira, março 22, 2012

GAIA - NOSSA MÃE TERRA


"A Mãe, inicialmente como a própria Terra divina e depois em suas muitas formas como Grande Deusa ou Deusa Mãe, e também em seu papel dirigente, como representante humana ou como rainha que governa com autoridade da Deusa, manteve a raça humana sob o seu domínio até à aurora dos tempos. Assim aconteceu de acordo com a tradição antiga até que os homens foram superando a sua infantilidade da raça e (...) começaram a usar sua capacidade activa de agressão. No nível transpessoal, os deuses arrebataram o poder da Grande Mãe Mãe e o seu séquito. No nível político, os novos patriarcas substituiram os matriarcados de autrora."
IN ANDROGINIA
Rumo a uma nova sexualidade - JUNE SINGER

Celebração de Bastit...



Celebração do Dia
22 DE MARÇO

Celebração de Bast, a deusa solar egípcia com cabeça de gato e padroeira dos gatos, um dos animais mais sagrados para os egípcios. Ao morrerem, todos os gatos eram embalsamados e depois enterrados na cidade sagrada de Bubastis, dedicada ao culto da deusa Bastit.

O GATO NO ANTIGO EGIPTO

 A Deusa com cabeça de gata, Bastit, era a irmã de Sekhemet da qual ela representava o aspecto doce. Ela bebe leite enquanto que Sekhemet bebe sangue...
(...) Algumas vezes Bastit tem na sua mão a cabeça de Sekhemet, para mostrar que ela pode esconder esse outro lado...
O gato era o animal sagrado em Bubaste,onde Bastit tinha o seu Templo; os gatos eram intocáveis e quando morriam eram embalsemados.
O gato tem um aspecto lunar e um aspecto solar. Ele é dotado de uma extraordinária flexibilidade da coluna vertebral e dum poder energético intenso.

In HER-BAK “DISCIPLE”
( Isha S. De Lubicz)  

 

terça-feira, março 20, 2012

QUE FEMININO?


"Ser mulher exige muita coragem e sacrifícios: sair da zona do conforto." - Else Sch

Fico realmente perplexa ao aperceber-me que não é fácil para as mulheres falar do Feminino...nem todas, ou raras são as mulheres que conseguem identificar a sua essência...a razão sem dúvida é estarem tão longe as mulheres dessa sua essência feminina - elas são no nosso mundo muito mais animus que anima - que dificilmente conseguem ir para além dos conceitos ou ideias que têm em geral da mulher, na arte na cultura e nos midea, todas elas redutores dessa essência, onde nem sequer ela é aflorada e que as mantêm ou contêm aprisionadas numa carapaça de mulher, um travesti do imaginário masculino, reduzida às funções de procriadora, de amante e hoje em dia de modelo ou actriz. De modo que, se pedirmos a uma mulher para falar da sua essência feminina, ela vai titubear e falar do que gosta, precisamente da moda, da maquilhagem, da culinária ou então dos filhos e do marido...ou dos amantes…sim, principalmente dos homens…é inevitável.

Elas não conseguem ser ou ver-se no seu “feminino” intrínseco não tem ideia do que isso seja, e tudo o que dizem é em função da sua relação ou em função dos homens… Do seu falar, a única forma de conhecimento a que tem acesso…dos seus psicanalistas do seu deus e do seu falo… e se, se lhes falar do seu próprio sexo é como se não existisse…digo da vagina ou do clítoris…isso incomoda-as e quando falam é de forma depreciativa envergonhada ou brejeira…

Elas são incapazes – e eu falo de mulheres de todos os tipos e regra geral, não falo como é óbvios daquelas que se buscam num caminho próprio…e fazem a diferença, mas daquelas que são a grande maioria e vivem completamente esquecidas de si. Essas mulheres não relacionam o amor que sentem com elas mesmas, como uma capacidade de se sentirem, de sentirem esse fogo interior que é a paixão do SER e da VIDA em essência, mas sim e quase sempre as mulheres pensam que esse fogo está associado apenas à sexualidade e amor pelo homem...que é o homem que as faz sentir assim e sem ele nada sentiriam; mas não é de todo assim. Essa é a minha experiência e de algumas mulheres que conheço...Porque esse amor vem essencialmente da natureza e da consciência de SER MULHER; pode parecer uma acepção talvez mística da vida...mas esse fogo está no coração ardente...na consciência do ser e na sua totalidade ainda e só como mulher, porque é essa a sua natureza intrínseca, ela é transcendente, isso é, mas é tão real como ela mesma...basta ligar-se ao seu coração e as suas entranhas, a esse todo que é a Mãe terra e respirar o céu...

Esse é o amor condensado, substancial, transfigurado no coração da mulher depois de tanto sofrer, amando e não amando desejando e querendo mais...que a torna grande e a torna capaz  de sofrer e dar tanto e tantas vezes sem nenhum retorno…sem ver que esse amor que dá  é só dela e é nela que nasce e floresce…e não morre se ela o mantiver ligado a sua fonte de vida…se ela sentir o seu centro, na união de si consigo mesma...Com a sua outra parte oculta, tão escondida e tão amesquinhada que ela nem sempre ousa abrir-se a ela...Mas precisa resgatar essa mulher cindida, unir as duas e agora a três com a idade...porque ela é a eterna Jovem a eterna Mãe e a eterna Velha, a sábia...
Sim, com o tempo e a idade a mulher vai aprendendo a sentir-se e a libertar-se de amarras. Pode perder umas coisas mas ganha outras e nada é mais belo do que se reconstruir a si mesma e agarrar todo os pedaços de si que foi deixando aqui e ali, forçada, perdulária...ou roubada...
É pois um erro pensar que a mulher madura ou mesmo a velha não ama com intensidade...sabedoria talvez mais do que sensualidade… mas ambas as coisas se misturam e a pura emoção que se requinta na medida que anos passam é cada vez mais secreta e misteriosa e erótica, porque não?

A mulher foi ao longo da sua vida confundida com aspectos variados de uma natureza multifacetada e imperiosa que a mantém amarrada e contida nesses estereótipos, sobretudo nela foi calada a sua voz de dentro, a Voz do Útero, retida a Voz do Oráculo no inicio da nossa civilização grego ou romana. E assim durante milénios impingiram-nos as faces da deusa Mãe, banida a Deusa da superfície da terra, com as mulheres todas à bulha por Zeus no Olimpo, como falsos arquétipos o que na verdade são apenas os aspectos que correspondem ao carácter da mulher nas suas diferentes fases ou aspectos da Deusa Mãe outrora Una, agora dividida pelas religiões patriarcais.

Assim, o feminino essencial, o feminino na sua essência/beleza/sensualidade...é coisa que a mulher comum não sabe...ou pode até saber intelectualmente e imitar...numa imagem estereotipada da mulher sensual ou fatal...mas da essência em si, para lá de todos esses estereótipos, pouco ou nada sabe; porque essa essência é outra coisa, trata-se da consciência ontológica do SER MULHER e trata-se essencialmente da Alma...e isso só é possível na mulher integrada e não em nenhuma das metades ou fragmentos que todas pensamos que somos ou ...Afrodites, Atenas, Hestias ou aquelas...

Não, a Mulher Essência é muito mais do que isso. A Mulher Essência é Fogo puro, chama ardente...é paixão sublime, pode ser e é... a Musa a Dama, a Amazona e a Rainha, a Grande Mãe e a Deusa de todas as coisas...

Rosa Leonor Pedro

segunda-feira, março 19, 2012

«Amor, Conhecimento e Beleza».


ESTÁ A MULHER CONSCIENTE DA SUA MAGNIFICÊNCIA?
OU APENAS DIVIDIDA E EM LUTA CONSIGO MESMA...



"A humanidade deve conscientizar a majestosa Lei Cósmica da equivalência e da grandeza dos dois Princípios como a base da Existência. A predominância de um Princípio sobre o outro criou desequilíbrio e destruição, que podem ser agora notados em toda a vida. Porém, que a mulher que compreendeu esta lei e que aspira ao equilíbrio dos Princípios, não perca a beleza da imagem feminina; que ela não perca a ternura do coração, a sutileza dos sentimentos, o auto-sacrifício* e a coragem da paciência.

... A mulher, portadora do conhecimento sagrado, pode tornar-se uma força que convoca, acendendo com palavras ardentes as almas que estão prontas. É necessário dar a cada mulher de acordo com sua consciência e sem impedir seu crescimento natural e individual. É necessário, com toques cuidadosos, alargar o horizonte sobre a base do Ensinamento da Vida. Que cada alma se desenvolva de maneira natural, trazendo à luz o melhor que e a puder, de acordo com o nível de sua consciência. A beleza está na variedade, mas tudo deve ter uma base geral — a base de aspirar ao Bem Geral. A mais ampla cooperação está inscrita na Bandeira da Mãe do Mundo. Portanto, mostremos a maior tolerância."
(...)
 

Nos dias difíceis dos levantes mundiais, da desunião humana, da negligência de todos os princípios superiores do Ser, que são os únicos doadores verdadeiros de vida, e que levam à evolução do mundo, deve ser ouvida uma voz chamando para a ressurreição do espírito e para a introdução do fogo da conquista em todas as acções da vida. E, com certeza, esta voz deve ser a voz da mulher, que durante milénios bebeu o cálice do sofrimento e da humilhação, e forjou seu espírito na maior paciência.
Agora, que a mulher — A Mãe do Mundo — diga: «Haja Luz», e que ela afirme suas conquistas ardentes. Como será esta Luz, quais das suas conquistas serão as grandes e ardentes? A bandeira do espírito será hasteada e nela será inscrito «Amor, Conhecimento e Beleza». Sim, só o coração da mulher, a mãe, pode unir sob esta Bandeira as crianças de todo o mundo, sem distinção de sexo, raça, nacionalidade e religião.
A mulher — mãe e esposa — testemunha do desenvolvimento do génio do homem, pode avaliar o grande significado da cultura do pensamento e conhecimento.
A mulher — inspiradora da beleza - conhece toda a força, todo o poder sintetizador da beleza.
A mulher — portadora do poder sagrado e do conhecimento do espírito — pode verdadeiramente tomar-se «A Líder».
Portanto, ergamos sem demora a grande Bandeira da Nova Era — a Era da Mãe do Mundo. Que cada mulher amplie os limites de seu lar para abranger os lares de todo o mundo. Estes inúmeros fogos fortalecerão e enfeitarão seu próprio lar.
Sabendo que a limitação leva à destruição e que a expansão gera a criação, aspiremos com todas as nossas forças à expansão de nossa consciência, ao refinamento do pensamento e do sentimento, de modo que possamos acender nossa própria lareira com o fogo criativo resultante.
Coloquemos na base da União da Mulher a aspiração ao conhecimento verdadeiro, aquela que não conhece demarcações nem limitações humanas. Porém, podem nos perguntar como se pode alcançar o verdadeiro conhecimento. Responderemos: «Este conhecimento existe no seu espírito, no seu coração. Seja capaz de acordá-lo».

helena roerich

AUTO-SACRIFÍCIO...

* Eu sei que na nossa perspectiva a ideia de "auto-sacrifício" da mulher é tenebrosa...porque por um lado foi isso que anulou as mulheres na sua força interior, uma vez que era feito de fora para dentro e por imposição: porque foi o que as igrejas pediram sempre às mulheres, para se sacrificarem em nome do pai e do filho e renunciarem a si mesmas; por isso eu percebo  algumas reacções contra esta ideia da parte de mulheres que lutam ainda pela sua liberdade de serem mulheres autênticas.  Mas no contexto desta abordagem do Conhecimento sagrado e espiritual, o sacrifício é outra coisa. Trata-se de um nível de consciência mais elevado, que tem portanto a ver com uma abnegação humana, capacidade de dar, o dom puro de si, inerente à mulher de facto, mas isso a meu ver só pode e deve acontecer quando a mulher parte de uma consciência integrada, como mulher total e não enquanto mulher submetida e submissa aos padrões do patrismo e às voz dos padres...Não é fácil entender isto e pode parecer da minha parte uma contradição. Mas há aqui valores mais altos...uma outra consciência, mais elevada e integrada. Isso significa e corresponde a um Caminho já feito, depois da mulher se consciencializar dela mesma como um ser integral, mas até lá, acontece como diz uma amiga "a mulher é a maior padecedora na sua falta de consciência sobre si, de seu papel em si e sua auto-realização na realidade. Agir, ação de ir em busca, porém mostremos a maior tolerância; é algo totalmente paradoxal que define o ser mulher. Cabe às mulheres refletir a cisão ou a união "...e aqui estamos nós...a reflectir...a sentir e a ir cada vez mais longe...

rlp

sexta-feira, março 16, 2012

Mordi as rosas brancas de Ispaã ...



Nihil novum

Na penumbra do pórtico encantado
De Bruges, noutras eras, já vivi;
Vi os templos do Egito com Loti;
Lancei flores, na Índia, ao rio sagrado.

...
No horizonte de bruma opalizado,
Frente ao Bósforo errei, pensando em ti!
O silêncio dos claustros conheci
Pelos poentes de nácar e brocado...

Mordi as rosas brancas de Ispaã
E o gosto a cinza em todas era igual!
Sempre a charneca bárbara e deserta,
Triste, a florir, numa ansiedade vã!
Sempre da vida ? o mesmo estranho mal,
E o coração ? a mesma chaga aberta!



Florbela Espanca

as mulheres são mais dotadas de qualidades espirituais

Guru tântrico
Justamente como no esquema da criação, Shakti é a criadora e Shiva a testemunha de todo jogo, no tantra a mulher tem o status de guru e o homem de discípulo. A tradição tântrica é verdadeiramente passada da mulher para o homem. Na prática tântrica, é a mulher que dá a iniciação.
É somente por seu poder que o ato de maithuna ocorre. Todas as preliminares são feitas por ela. Ela coloca a marca na testa do homem e conta-lhe onde meditar. Na interação comum, o homem toma o papel agressivo e a mulher participa. Mas no tantra, eles trocam de papéis. A mulher torna-se a operadora e o homem o seu mediador. Ela tem que poder despertá-lo. Então, neste mesmo momento, ela deve criar o bindu assim ele pode praticar sahajoli. Se o homem perde seu bindu, significa que a mulher falhou em desempenhar suas funções com propriedade.

No tantra é dito que Shiva é incapaz sem Shakti. Shakti é a sacerdotisa. Entretanto, quando vama tantra é praticado, o homem deve ter uma absoluta atitude tântrica em direção à mulher. Ele não pode comportar-se com ela como os homens geralmente fazem com outras mulheres. Ordinariamente, quando um homem olha uma mulher ele torna-se apaixonado, mas durante o maithuna ele não deveria. Ele deveria olha-la como a mãe divina, Devi, e desenvolver com ela uma atitude de devoção e rendição, não com luxúria.

De acordo com o conceito tântrico, as mulheres são mais dotadas de qualidades espirituais e seria uma coisa sábia se a elas fosse permitido assumir posições elevadas nas questões sociais. Então, existiria maior beleza, compaixão, amor e compreensão em todas as esferas da vida.
O que nós estamos discutindo aqui não é uma sociedade patriarcal versus uma sociedade matriarcal, mas tantra, particularmente tantra da mão esquerda.
Ambos parceiros devem ser absolutamente purificados e possuir auto-controle tanto interna e externamente, antes de praticarem o maithuna. Isto é difícil para as pessoas comuns compreenderem porque para a maioria das pessoas, a interação sexual é o resultado de paixão e atração física e emocional, também para procriação ou prazer.

É somente quando você está purificado que estes impulsos instintivos são ausentes. Isto é porque, de acordo com a tradição, o caminho do dakshina marga deve ser seguido por muitos anos antes de poder entrar no caminho do vama marga. Então a interação do maithuna não ocorre para a gratificação física. A proposta é muito clara – despertar do sushumna, a subida da energia de kundalini do muladhara chakra, e a explosão das áreas inconscientes do cérebro.

 (...)
Texto retirado do livro: Kundalini Tantra escrito por Swami Satyananda Saraswati
Tradução: Teresa Cristina Muniz

 in pistas do caminho

A DEUSA DOS PRIMÓRDIOS...


ASHERAH:


A DEUSA ESQUECIDA…


“Este artigo tem por objectivo realizar uma reconstrução da imagem da Deusa Asherah no Antigo Israel, como possibilidade de representação feminina no sagrado. Após a contextualização do processo de elaboração do monoteísmo em Israel, voltamos a um processo anterior, o politeísmo, onde vislumbramos a presença das Deusas e Deuses no contexto cananeu, em especial Asherah, para posteriormente identificarmos a relação conflituosa que se estabelece entre os escritos bíblicos e Asherah.
Palavras-chave: Deusa Asherah, Deus Yahweh, politeísmo, monoteísmo, Antigo Israel.

Para a maioria das pessoas que lêem a Bíblia, a ideia de um único Deus de Israel, Yahweh, parece ser clara. No entanto, descobertas arqueológicas das últimas décadas vêm demonstrando que nem sempre foi assim. Nem sempre Yahweh esteve solitário. Antes da ascensão do monoteísmo em Israel, o Deus Yahweh fazia parte de um contexto politeísta onde havia um panteão de Deuses e Deusas, sendo que provavelmente foi adorado ao lado de sua consorte, Asherah.

Reconstruir a presença da Deusa Asherah na vida de mulheres e homens no antigo Israel é um esforço de, a partir de uma perspectiva feminista e de género, trazer elementos que nos ajudem numa maior aproximação do que foram os espaços religiosos e vitais deste povo. Esta reconstrução é algo necessária, uma vez que estamos diante de textos sagrados marcados pelo sistema patriarcal, onde há o domínio do pai e quiriarcal, onde há o domínio do senhor (Gossmann, 1997: 371-374). Sistemas que projectaram historicamente um Deus masculino, legitimando práticas e funções masculinas, com isso silenciando mulheres, suas representações sagradas, tudo aquilo que pudesse lhes garantir espaço e voz. Por isso, faz-se necessária a nossa reflexão voltar a um ponto anterior ao monoteísmo patriarcal, até religiões nas quais uma Deusa era a imagem divina dominante ou então era emparelhada com a imagem masculina de uma forma que tornava a ambas modos equivalentes de aprender o divino (Ruether, 1993: 46).

(…)
Reflectindo sobre os textos bíblicos que mencionam a Deusa Asherah teremos como pano de fundo o contexto que Silvia Schroer tão bem elucida, os/as repatriados/as da Babilónia tinham integrado a questão da culpa de tal maneira que consideravam sobretudo o culto às deusas como motivo da ruína de Israel. Os expoentes deste grupo conseguiram banir de Judá quase completamente o culto às deusas dentro de um século e de apagar, o máximo possível, as memórias dele. Não é por acaso que o culto clandestino à deusa acontece no contexto de proibições misóginas e xenófobas de casamentos mistos. Todas as tentativas que seguem, de integrar a deusa pelo menos na linguagem teológica, são tentativas assentadas dentro do sistema monoteísta (Schroer, 1995:.40).

A partir desta perspectiva, de demonização da Deusa ou das Deusas, tentaremos constatar, nos escritos bíblicos, os impactos e as consequências que tal visão e atitude trouxe para a imagem da Deusa Asherah, que aos poucos passa a se tornar a Deusa proibida, a causa dos males e da ruína de Israel.

A marginalização do feminino, das mulheres é um processo que também se dá e se sustenta por meio de escritos bíblicos justificadores de uma sociedade patriarcal, actuando assim no que podemos chamar de “desempoderamento” das mulheres a partir do sagrado, o que trouxe e traz fortes impactos nas dimensões culturais, religiosas, sociais, económicas e políticas. A seguir, em dois momentos, analisaremos citações bíblicas sobre Asherah. Primeiramente as que mencionam Asherah como Deusa, depois as que aparecem com o nome “poste sagrado”, símbolo da Deusa.

A Deusa Asherah: Há uma preocupação dos redactores bíblicos de excluir qualquer suspeita da Deusa Asherah ao lado de Yahweh, como sua consorte, de tal forma que os escritos bíblicos possivelmente foram redigidos com a intenção de apagar e demonizar a presença da Deusa.
As inúmeras citações sobre Asherah demonstram seu peso no contexto religioso, o que faz dela uma grande ameaça ao monoteísmo javista em ascensão.

(…)
Podemos claramente perceber que a elaboração e instituição do monoteísmo não se deu de forma democrática e muito menos pacífica. A partir de um contexto politeísta, a centralidade em Yahweh é um processo violento, de destruição da cultura religiosa do outro e da outra, de proibição do diferente, demonizando-o e tornando-o uma ameaça. Um processo nítido de intolerância religiosa.

 A supressão do culto e da imagem da Deusa Asherah traz consigo consequências profundas para as relações entre os géneros, afectando em especial aos corpos das mulheres, que tinham na Deusa uma possibilidade de representação do feminino no sagrado. A religião judaica vai se constituindo em torno de um único Deus masculino, legitimando historicamente uma sociedade patriarcal. Este poder divino imaginado somente como Deus afetou as mulheres, as crianças, a natureza, pois quase sempre partiu de um pressuposto de dominação, opressão e hierarquização das relações, tanto humanas como ecológicas.
Afirmar Asherah como Deusa é polémico, mas necessário à religião e à pesquisa bíblica. Dar voz a uma época em que Deuses e Deusas eram adorados, em que o próprio Yahweh foi adorado ao lado de Asherah, nos impulsiona a re-pensar não só as relações pré-estabelecidas entre homens e mulheres, bem como, a própria representação do sagrado estabelecida.

 Re-imaginar o sagrado como Deusa é re-imaginar as relações de poder, não numa tentativa de apagar a presença de Deus e sim de dar espaço ao feminino no sagrado, novamente o feminino não como um atributo do Deus masculino, mas como Deusa.

 Esta talvez seja uma grande contribuição da reflexão feminista, que nos desloca e nos provoca a re-imaginar o sagrado, como possibilidade de re-imaginar a sociedade e as estruturas cristalizadas secularmente."


ASHERAH: THE FORBIDDEN GODDESS

Ana Luisa Alves Cordeiro

Graduanda do Bacharelado em Teologia pela Universidade Católica de Goiás. Assessora do Centro Ecuménico de Estudos Bíblicos (CEBI). Correio electrónico: analuisatri@yahoo.com.br

IN PISTAS DO CAMINHO

quinta-feira, março 15, 2012

história e mitologia...


SOB O  DOMÍNIO GREGO...

"A amazona é aquela que recusa essa distribuição de competências, pois pura e simplesmente eliminou os homens de sua estrutura política e social. Na Ilíada, essas guerreiras são chamadas por Homero de antianeira (anti-homem). O prefixo grego anti, nesse caso, pode ter o sentido de “contra” o homem, mas também de “igual” a ele.

As subversivas e sedutoras amazonas

A mitologia colocou em cena esse povo estranho, formado por mulheres-soldados aguerridas, que recusavam a autoridade masculina e encarnavam o avesso do que pregava a sociedade antiga   - por Catherine Salles

As amazonas pertencem ao domínio da transgressão. Essas guerreiras mitológicas simplesmente desprezavam os valores femininos vigentes na Antiguidade. Por isso, os gregos as viam como um desafio a qualquer “lei natural” ou social. Mais ainda, como um mal encarnado e ambíguo, que causava repulsa e, ao mesmo tempo, seduzia os homens. De fato, elas tinham em si uma centelha revolucionária, capaz de virar pelo avesso todas as certezas da sociedade grega.

No mundo real, a mulher era sempre um ser menor, e sua função essencial era parir os futuros cidadãos da Grécia. O homem e a mulher eram complementares, mas sua natureza, de acordo com a vontade dos deuses, era essencialmente diferente, daí serem considerados unicamente viris o trabalho no campo, a caça, o treino desportivo e a guerra. Por extensão, as gregas também eram alijadas do poder político.

As virtudes femininas eram a obediência e o pudor. Um texto de Aristóteles evoca bem o modo como os gregos justificavam pela ordem natural as relações entre sexos e define por antítese o que seria impossível para a mulher: “A natureza criou um sexo forte e um sexo frágil. O primeiro, em razão da sua virilidade, está mais apto a afastar os adversários, o segundo está mais apto a realizar-se sob a guarda masculina, devido a uma tendência natural para o medo. O primeiro traz para o domicílio os bens do exterior, o segundo vela sobre o que está em casa”.

O texto prossegue da seguinte forma: “Na divisão do trabalho, o primeiro, menos afeito ao descanso, encontra prazer no movimento. O segundo está mais apto a levar uma vida sedentária e não tem forças suficientes para a vida ao ar livre. Enfim, se os dois sexos participam na geração das crianças, o bem destas últimas irá exigir de cada um dos pais um papel particular: a mulher terá a função de alimentá-las, o homem, a de educá-las”.
A amazona é aquela que recusa essa distribuição de competências, pois pura e simplesmente eliminou os homens de sua estrutura política e social. Na Ilíada, essas guerreiras são chamadas por Homero de antianeira (anti-homem). O prefixo grego anti, nesse caso, pode ter o sentido de “contra” o homem, mas também de “igual” a ele.

A deusa Ártemis (Diana para os romanos) era venerada pelas amazonas, pois, como elas, habitava os espaços selvagens, recusava a sociedade dos homens e se dedicava à caça

 Representadas sempre como guerreiras e caçadoras, desde pequenas montavam cavalos (com as pernas abertas) e aprendiam a manejar o arco, o dardo, a espada e o machado de combate. Para atirar melhor, elas cauterizavam (ou cortavam) o seio direito, o que, para Hipócrates, “desloca toda a força e desenvolvimento para o ombro e braço”.

 O nome das fabulosas criaturas vem dessa prática: a-mazos significa “sem seio”. Por alguma razão, porém, a iconografia disponível costuma mostrá-las com os dois seios intactos. Além do significado prático, a mutilação do seio tem um aspecto simbólico: elas permaneciam mulheres pelo lado esquerdo e tornavam-se homens pelo direito.

 As guerreiras veneravam Ártemis, que, como elas, habitava os espaços selvagens, recusava a sociedade dos homens e dedicava seus dias à caça. Os relatos antigos sobre esses lendários seres informam que sua sociedade era dividida geralmente em duas tribos, cada qual com sua rainha. Enquanto uma estava ocupada com a guerra, a outra permanecia sedentária, para proteger seu povo. Sua hipotética “cidade” chamava-se Themiscrya, situada além do mar Negro, às margens do rio Termodonte.

 As amazonas podiam fazer longínquas incursões. São atribuídas a elas invasões na Ásia Menor e na Grécia. Em uma delas, Myrina, à frente de 20 mil guerreiras a cavalo e 3 mil a pé, declarou guerra aos habitantes de Atlântida, tomou conta da cidade, massacrou os homens prendeu mulheres e crianças. Elas eram temidas por andarem armadas e em bandos, mas também porque, não aceitando a presença de homens em seu meio, acasalavam como os animais, desprezando as regras do casamento entre humanos. Uma vez por ano, se entregavam aos povos vizinhos e obrigavam os homens a ter relações com elas. Tudo acontecia aleatoriamente, na escuridão, de modo que não pudessem reconhecer seus parceiros. Eram elas que violentavam e “usavam” os homens.

 Quando nasciam as crianças, conservavam as meninas e matavam os meninos. Recusavam-se a amamentar as filhas, com medo de deformar os seios, e criavam-nas com leite de égua.
 Não conheciam a navegação nem a cultura dos cereais – daí vem a outra etimologia proposta para seu nome, a-maza também quer dizer “sem cevada”. Alimentavam-se de carne crua.



Aventuras pela História e pela literatura


Encontro entre o exército de Alexandre, o Grande, e o grupo de guerreiras liderado por Talestris. Segundo textos ela teria passado 13 noites com o conquistador macedônio
Para os gregos, as amazonas não pertenciam apenas ao domínio da lenda. Muitos escritores procuraram emprestar fundamentos históricos às aventuras das guerreiras anti-homens.

Heródoto consagrou-lhes inúmeros capítulos da obra Investigações. Segundo ele, quando os gregos conduzidos por Hércules voltaram para tomar o cinturão de Hipólita, trouxeram amazonas como prisioneiras. Elas reagiram em dado momento, mataram-nos e jogaram os corpos no mar.

 Ignorando tudo o que dizia respeito a navios e navegação, as mulheres deixaram então que a embarcação seguisse à deriva até encalhar no território dos citas, que viram no episódio uma ameaça de invasão. Partiram para o ataque, até perceber que os “inimigos” eram mulheres. Decidiram, então, “domesticá-las”, para gerar filhos corajosos. As amazonas aceitaram se unir aos jovens citas, mas logo tomaram as rédeas da coabitação: eles foram obrigados a deixar seu país e suas famílias para acompanhá-las até suas terras.

As amazonas foram reencontradas em textos históricos posteriores. Por três vezes, entre 331 e 324 a.C., os exércitos de Alexandre, o Grande, encontraram as guerreiras. Sua rainha, Talestris, foi ao encontro do rei macedônio e passou 13 noites com ele.

Em 63 a.C., o general romano Pompeu, perseguindo o rei Mitridates, chegou ao pé das montanhas do Cáucaso, onde enfrentou os albaneses. Após o combate, encontrou sobre o campo de batalha escudos leves e sandálias femininas. De acordo com algumas fontes, entre os prisioneiros de guerra encontravam-se inúmeras mulheres que, por falta de termo melhor, os romanos chamaram de amazonas.
Nestes dois últimos exemplos, há uma grande distância entre as mulheres-soldados e as lendárias amazonas. Mas, penetrando em terras distantes, onde mal conheciam os povos e costumes, os ocidentais enfrentaram exércitos locais em que as mulheres combatiam como os homens – por falta de outra referência, gregos e romanos viram nelas a encarnação das guerreiras mitológicas.

Na literatura, as amazonas foram protagonistas de algumas histórias imortais. Em uma delas, Teseu, tendo acompanhado Héracles (ou Hércules) em sua expedição até o reino das guerreiras, foi seduzido pela beleza de uma delas, Antíope. Sob o pretexto de lhe mostrar seu navio, ele a levou a bordo e zarpou imediatamente rumo a Atenas.
Furiosas com o rapto, as amazonas atacaram a cidade tempos depois. Teseu conseguiu convencer seus compatriotas a enfrentar o temível exército feminino, e começou uma batalha aos pés da colina de Pnyx. No começo, elas levaram vantagem e perseguiram os adversários fora dos muros de Atenas. Depois os homens adquiriram vantagem e venceram a guerra. Antíope morreu atravessada por um dardo durante o conflito. Ela tivera tempo de dar a Teseu um filho, Hipólito, que herdou da mãe o gosto pela caça e era muito casto. – C. S.

quarta-feira, março 14, 2012

O QUE SÃO AS "TRAIÇÕES" DOS HOMENS?

AS MULHERES CHORAM EM CIMA DE LEITE DERRRAMADO...


As traições dos homens...

Será que existe tal coisa ou isso é só e apenas uma das consequência das relações de dependência que a mulher tem e aceita do homem? A mulher quando casa, desde há muitas gerações e a começar pela minha avó e a minha mãe NUNCA mudaram e sejam o que forem os homens de hoje...modernos, cultos, evoluídos, espirituais ou mesmo  femininos, muito compreensivos...etc., nunca deixam de ser homens a não ser que virem gays... mas mesmo assim serão sempre homens, serão sempre hemisfério masculino a funcionar e a rebaixar a mulher, a tutelar a mulher,  a prender a mulher a controlar a mulher e por fim até a imitar a mulher, a querer ser mulher...e suprimir a mulher como género... esta é uma formatação milenar do homem na sua forma de ser e de pensar, e esta é a única forma da relação homem-mulher. Ela nunca mudou. Não há outro modelo e eu vou-vos dizer porquê...

Um homem que casa ou se apaixona por uma mulher tem todas as garantias e todas as leis, história, arte, música e cultura, até publicidade a seu favor: a favor dessa forma de pensar, que diga-se o que disser, nunca mudou ao longo dos anos e só meramente na aparência e de forma muito, muito, mas muito superficial por vezes podemos ficar com um ideia diferente de um homem...e dizermos... Ah! Este homem é diferente. Mas não é. Porque essa não é a natureza das coisas...Aquilo que está lá no fundo, que é o exemplo dos pais e irmãos e até das mães e a de todos os machos da família, incluindo os amigo e amigos dos amigos, lhe deram explícita ou implicitamente desde criança. O homem domina e a mulher submete-se. Mesmo que a mãe tenha mandado lá em casa  porque o pai era fraco…ele fará justiça a esse pai…Um homem nunca larga as suas benesses nem o património que lhe foi legado…
Agora queremos saber que mulher é essa face a este homem.
E aqui temos então de olhar para a Mulher porque aquele é Sempre o Homem...E nem o teu filho nem o teu pai será ou foi diferente...

PORQUÊ, sim PORQUÊ?

PORQUÊ A TRAIÇÃO NÃO É TRAIÇÃO MAS APENAS SEQUÊNCIA DE FACTOS, de realidades incontornáveis...

Vamos então ver as coisas como elas são e não com as sonhamos ou pensamos que são...

A mulher, QUEM É A MULHER, em relação a esse homem no mundo, que mulher é a mulher sujeita como o homem às mesmas circunstâncias, sujeita como o homem as mesmas influências sócias económicas e outras...sem dúvida, mas afinal de contas…todas elas viradas contra si…pois ela é a “vítima”, ela é o sujeito-objecto de utilização em causa…o suporte desse sistema, desse machismo milenar, dessa prepotência masculina; a escrava do lar, a esposa fiel, a mãe dedicada, a fiel e submissa…amante… de nada…porque pouco ou nada sobra para ela. Mas a mulher habituou-se, sujeitou-se e rendeu-se há muito a todas essas circunstâncias. Ela nem percebe como está subjugada. Pois esta é a parte que lhe cabe no jogo/jugo social e psicológico da história da família e do mundo. Uma mulher explorada e violentada. Uma mulher passiva, submetida, entregue, que sacrificou a sua vida e o seu curso e fosse o que fosse que ainda podia ter, liberdade aparente porque o papá era liberal…ou distraído ou indiferente...para ter o Homem da sua vida...

Uma mulher que é forçada a abdicar da sua vida e individualidade para cumprir uma função social/sexual...

Portanto é esta mulher cativa e humilde que aceita tudo o que homem lhe impõe a que corresponde pois a esse homem-social, a esse perfil psicológico arcaico….arcaico? Não actual…
Mas eu ainda não disse porque o homem afinal trai essa mulher que se dá e entrega sem mais, que dá tudo e se renuncia a si mesma…

Não.

E não adivinham?

Pois então lá vai…a razão da traição do homem a esta mulher submissa e passiva que ele domesticou… é que este homem afinal que quer a mulher em casa e fechada…precisa das duas mulheres…ele precisa da santa e da puta…ele não se contenta com uma metade mulher…e ele quer assim…uma metade em casa fiel e  a outra metade que lhe falta na “outra”…na eterna rival da santa…na rua no bordel ou no bar ou seja uma colega emancipada e moderna,  mais livre que a sua tão querida e requintada esposa…

Ora aqui temos a questão fundamental da traição…nenhum homem pode prescindir da MULHER INTEIRA, mas como ele a dividiu há séculos…tem de ter as duas ou talvez três ou quatro, depende do garanhão ou do simulacro impotente do dom Juan que não é capaz obviamente de amar nenhuma…

Mas voltemos a Mulher…

Porque a mulher está cindida em duas, entre a Santa Maria e a M. Madalena, a prostituta arrependida, (assim reza a bíblia) fragmentada em faces de Eva…ou já antes com os romanos e gregos a mistura, as faces da deusa em Héstia ou aquela…nunca sendo completa, tantas faces como a Lua tem a Mulher – mais uma desculpa para nunca ser inteira – e assim o coitado do homem é óbvio que ele precisa mais de uma mulher: precisa da mulher casta e da fatal…da mulher sexual, da Afrodite se a sua mulherzinha é uma tímida Perséfone, raptada por Hades…ou uma Atena envolvida no seu sucesso profissional que não tem tempo para ser uma senhora…na cama…

E aí está o quadro…a mulher dividida e fragmentada que não sabe de si que não se encontra nem se busca senão em função do homem do par e do amante ou mesmo do filho…essa mulher não é uma mulher inteira.

É ESSA MULHER PORTANTO QUE ESTÁ SUJEITA A TODAS AS TRAIÇÕES…E SABEM PORQUÊ?

Porque a sua maior traição é a si mesma, à sua essência…porque ela não se encontra como MULHER em si, e não é senão um ser dividido e repartido em duas, e em todas as situações da vida, em vez de se encontrar a si mesma, como ser individual, ela não faz mais do que se precipitar na busca do par, do homem, de forma a preenche esse vazio que é a falta de uma parte integrante de si mesma, a falta da sua outra mulher que ela odeia na outra…e que é a sua rival, mas não passa de um espelho…Porque assim foi educada para servir o homem…esvaziando-se de si…

Por tudo isto É tempo, mais que não seja ainda pelo amor do homem, sim, e já nem falo do seu amor por si, do respeito por si própria, que não tem nem nunca teve, que se reveja então em qual é neste caso o inconveniente de não ser ela própria inteira também; que veja como o não ser inteira ela mesma, reunindo em si essas “duas”mulheres, (e não é na cuequinha vermelha que está a integração de Vénus, nem na camisinha… de noite…), integradas a sua natureza instintiva e sexual e a maternal afectiva, a prejudica; que veja como a continuar essa divisão de si lhe trás esse prejuízo em relação ao homem… que afinal tem sido e é o centro do seu interesse na vida. Sim, mais que não seja por isso…

E quando a mulher se virar para si mesma, para dentro de si e verificar que o que lhe falta é uma parte de si, que é a ela mesma que ela procura no homem e que portanto não é no par que encontra a felicidade, mas sim que o que lhe falta de facto é uma parte dela própria, então talvez um dia ela conheça e possa formar ou educar um homem que não a traia…e lhe seja fiel para sempre como ela o é a SI MESMA!

rosaleonorpedro

segunda-feira, março 12, 2012

O QUE ESPERAMOS NÓS DO OUTRO/a?

GESTO MÁGICO

"Certa pessoa comporta-se como quer que o objeto se comporte, movida pela expetativa mágica de que a vista deste gesto forcará o objeto a imitá-lo. Na realidade, o gesto mágico não é antecipação do que o objeto vai fazer, e sim do que a pessoa deseja que o objeto faça. Claro, portanto, que o gesto mágico difere da “empatia” objetiva, a qual consiste em identificação temporária com um objeto para o fim de antecipar aquilo que o objeto vai fazer.


Por forma análoga consiste a empatia, em dois atos: a) identificação com a outra pessoa e b) consciencialização dos sentimentos próprios após a identificação; daí, consciencialização dos sentimentos do objeto."

Otto Fenichel Teoria Psicanalítica das Neuroses Edições Atheneu


Empatia versus gesto mágico, que segundo Fenichel é um conceito de Theodor Reik, filósofo e psicanalista, e que me parece útil para retratar aquelas situações em que por razões diversas como ignorância, insensibilidade, não nos preocupamos em saber o que o outro pensa e sente (e se somos capazes de realizarmos o que pretendemos), e mesmo assim, julgamos que basta um gesto (intervenção sem qualidade), para que ele se comporte como desejamos.

Embora utilizado como estratégia de educação infantil, o verdadeiro gesto mágico pode ser entendido como forma de acalmar consciências, ou então como forma de manipulação, e é inerente aos inúmeros acontecimentos da nossa vida pessoal, profissional e política.

SEM TÍTULO


UMA NOTA A MARGEM...

Curisosamente tenho-me apercebido que cada vez é mas raro haver comentários aqui...talvez o Facebook tenha alguma influência nisso, pois é mais fácil interagir e comentar lá.
Mas de qualquer modo, atingindo um pico de MIL Visitas o Blog...é difícil aceitar que ninguém diga nada...apenas que... gosta...ou não gosta... como no Face...É isso que falta aqui, e tornar visível imediatamente esses comentários..
Por outro lado é cada dia mais difícil alguém sentir-se motivado para se expressar uma vez que cada vez mais tudo é feito e pensado por nós...cada dia mais somos passivos/as e alheia/os ao que se passa a volta...
Será?
rlp

sexta-feira, março 09, 2012

SER OU NÃO SER FEMINISTA...



Eu sou feminista  - por  JOSÉ MANUEL PUREZA
(jornalista)
in DN


"Sempre me causaram grande incómodo os depoimentos de mulheres que afirmam "eu cá não sou feminista porque nunca me senti discriminada". Reduzir a História a uma condição pessoal é um malabarismo que confunde as coisas. Martin Luther King não precisou de ser escravo para saber que os negros eram efetivamente discriminados e de assumir a luta contra essa discriminação como a causa da sua vida. O conhecimento da realidade obriga-nos a escolhas. Isso basta.

Mais incómodo me causam aquelas expressões tão triviais de homens que dizem: "Feminismo? Deve haver engano: isso é com elas." O feminismo não é coisa de mulheres. É coisa da democracia. São feministas - mulheres e homens - aquelas/es que olham para a sociedade e veem nela o apoucamento das mulheres por serem mulheres. E que diagnosticam nessa discriminação a presença de relações de poder antigas, culturalmente entranhadas, que aberta ou subtilmente reservam para as mulheres um lugar subalterno no terreno social.

Há quem ainda o faça à bruta - as 14 700 queixas de violência doméstica apresentadas à polícia só no primeiro semestre do ano passado atestam-no bem. Mas o tempo e a denúncia desses atavismos encarregaram-se de revestir a discriminação das mulheres de invólucros sofisticados. Hoje, mais do que justificar a discriminação, desqualifica-se o discurso que a denuncia. É o que se passa desde logo com a absolutização dos casos de sucesso ("ela tornou--se respeitada no local de trabalho, contra todos os preconceitos, estão a ver?" ou "discriminação das mulheres era dantes, agora 65% dos licenciados são mulheres"). O caminho feito nunca justifica a cegueira do caminho por andar. E se há hoje condições sociais e culturais em que a dignidade das mulheres é equacionada em termos diferentes dos que existiam há meio século, o mínimo que apetece dizer é que mal seria se assim não fosse. Mas isso não é, não pode ser, álibi para que não reconheçamos a persistência de uma cultura de disponibilidade para menorizar as mulheres como seres humanos plenamente autodeterminados."
(...)

in DN

 

- "não sou feminista, sou antropologicamente lúcida"

Quando eu digo que não sou feminista, mas sim "antropologicamente lúcida" não nego o feminismo dentro do seu contexto histórico e político, mas contraponho à ideia de "igualdade" e "direitos iguais", um feminino ontológico, um feminino integral, uma mulher total...e não considero que a mulher deva ficar em casa a cuidar das crianças, nem pegar em armas e ir a guerra...nem 8 nem 80...

A Mulher está por redefinir e por se encontrar a ela mesma. Dentro de si...e não fora...e essa é a minha ideia e posição: trabalhar por uma consciência de SER MULHER muito para além deste jogo social económico e político ou guerra de sexos!


Sim, penso e é bastante evidente, que no caso do feminismo em geral a tónica está sempre toda nos aspectos sociais - direitos iguais, por certo uma conquista válida mas que prendeu a mulher aos valores do masculino tendo acabado por se ressentir da falta de uma dimensão do verdadeiro feminino e do feminino sagrado...Ao recusar a religião opressora dentro da ideologia marxista – as lutas feministas estão quase todas associadas ao marxismo - perdeu a sua dimensão ontológica. Perdeu uma metade de si...e tem andado assim ao longo dos séculos...ora sendo uma ora sendo outra e esse é jogo do jugo patriarcal...dá-lhe uma coisa e tira-lhe a outra, mas sempre despojando-a do seu valor e poder intrínseco...

rlp





AS BRUXAS...





Las Brujas sabias dicen la verdad con compasión y no comulgan con lo que no les gusta, pero no tienen la rabia de las mujeres más jóvenes.

 Algunos hombres excepcionales pueden llegar a ser Brujas, los que tienen compasión, sabiduría, humor y no están supeditados al poder.

 Las brujas sabias son capaces de mirar hacia atrás sin rencor ni dolor;
son atrevidas, confían en los presentimientos, meditan a su manera, defienden con firmeza lo que más les importa, deciden su camino con el corazón,
escuchan su cuerpo, improvisan, ni imploran, ríen, y tienen los pulgares verdes.
Cuando un hombre estresado se encuentra con otro, ambos segregan testosterona, que provoca huida o enfrentamiento. Pero si ese mismo hombre se encuentra con una mujer que le comprende, una bruja sabia, su adrenalina baja y su autoestima sube. Y basta solamente con que se siente a su lado.
Las mujeres tienen la oportunidad de cambiar el mundo en las próximas décadas. Pero que si no lo hacen ya, probablemente ya no lo harán.



JEAN SHINODA BOLEN

quinta-feira, março 08, 2012

HOJE E SEMPRE MULHER

HOJE...SAUDEMOS A BELEZA NATURAL E ETERNA DA MULHER...
CONTRA... TODOS OS ESTEREÓTIPOS FABRICADOS PELOS MIDEA, PELA PUBLICIDADE, PELA COSMÉTICA, PELOS ESTILISTAS, PELAS MARCAS E MODAS...que nos aprisionam a conceitos de um falsa estética e nos amarram com correntes a conceitos de felicidade e de realização que nada têm a ver com a nossa essência e a nossa verdade.

quarta-feira, março 07, 2012

NÃO À MODA - NÃO À ALIENAÇÃO DA MULHER




AS LOLITAS
(SÃO AS LILITHS, VELHA SOMBRA MÍTICA DA MULHER...)
O que a moda...e as marcas, e os lobbys gay fazem das menina-mulheres...
há por detrás disto pais e mães que o permitem por fama e dinheiro, POR PURA DEFORMAÇÃO MORAL E PROSTITUIÇÃO DE VALORES.
SIM, um mundo prostituído que vende as filhas e uma sociedade "civilizada" (consumista e pervertida) que compra as ditas revistas e marcas e as promove...Os Midea são o factor promotor mais alienante da destruição da imagem da mulher e começa com crianças, em França ou em Londres não é só na índia e na China...

E há ainda mulheres e homens bem-intencionados que se negam estas evidências...e não lhes dão relevância...eles estão a compactuar com a venda das crianças como qualquer proxeneta e depois fazem campanhas contra a pedofilia...Esta é a grande hipocrisia das nossas sociedades "cultas" modernas...


...E NÃO VÊEM QUE ISTO É UM HORROR...?


O que tudo isto no fundo e inconscientemente reflecte é o mesmo medo atávico da Mulher Madura, da Mulher feita, da Mulher ctónica e livre, reflecte o medo dos homens em geral da Mulher autêntica, da mulher agora cada vez mais forte e competitiva, "igual" a ele, o que os leva a já não apenas a infantilizar as mulheres como o fizeram durante séculos, mas agora a buscar uma mulher menina que podem formatar ou violar como no Irão e no mundo muçulmano em geral, a fim de a domesticar e para que não lhes façam frente.
A moda além de um Empório Gay é também um meio de anulação da mulher em si, do seu corpo natural e genuíno, que assusta uns, os gays e que intimida os heterossexuais, procurando assim anular o medo/inveja ancestral que têm da MULHER verdadeira.
Deveriam as mulheres estar conscientes e serem advertidas deste atentado ao seu corpo, ás suas formas aos seus seios e à sua liberdade de ser natural, em vez de contribuir - sim, são no mundo as mulheres que afinal compram as revistas de moda e as compram contra si próprias...e se vestem de acordo com as mesmas revistas e estilistas gays? - continuando a alimentar esta alienação, fonte de sofrimento, depressão e  loucura e morte de tantas jovens mulheres e não só, que se auto-destroêm para manter uma imagem de acordo com a que vem nas revistas...
É este o mundo em que queremos  viver?

rosaleonorpedro

segunda-feira, março 05, 2012

EXISTE A MÃE?


" ... Classicamente, a psicologia e a psicanálise descrevem um mecanismo de construção da identidade: por identificação de modelos. A pessoa identifica-se com o pai, com a mãe, o professor, um jogador de futebol, um grande filósofo. Fazemos mais dois processos de identificação que... são mais importantes do que este. Um joga com a identificação imagoico-imagética, em que nos identificamos à imago e à imagem que os nossos pais e o mundo nos atribuíram." 

- Temos um desejo de corresponder a essa identidade? 

Coimbra de Matos: Os portugueses têm muito isto. Vamos um bocado nessa cantiga - assimilar a identidade dos nossos políticos, dos nossos pais, o que a História nos vai infiltrando. O indivíduo assimila a imago, que é uma coisa menos consciente, e a imagem, que é uma coisa mais nítida, que o outro atribui."

IN INCALCULÁVEL IMPERFEIÇÃO
«««
COM QUE MÃE OS HOMENS SE IDENTIFICAM?
ONDE ESTÁ O PODER DO FEMININO NA SOCIEDADE PORTUGUESA, PATRIARCAL E CATÓLICA?

Numa sociedade que quando muito omite a mãe e a Deusa...para não dizer que claramente a despreza e a maltrata,  que imago ou imagem há da Mãe e da Mulher na sociedade portuguesa?
Ela certamente não existe e a existir apesar de  se afirmar que é a mãe que educa o filho - precariamente e em estado de revolta/submissão e desordem emocional - que mãe é esta pois que nos serve de modelo? Forçosamente uma Mãe ausente e em lugar de uma Mãe condigna e uma Mulher plena, temos  uma mulher precária deprimida doente ou histérica...ou ainda  se pode dar o caso de ser também ou uma puta ou uma drogada...
Portanto os portugueses não podem ter uma grande auto-estima com uma mãe demente ou ressabiada, uma mãe vítima de violência doméstica, ou sujeita ao tratamento depreciativo do pai...e os hipócritas senhores da cultura e do conhecimento, omitem pura e simplesmente, branqueam questões de classe quando a própria classe média é afectada por esta desordem atávida. A suposta inferioridade da mulher...mas não é de estranhar pois as próprias mulheres palermas querem se convencer que não é verdade, que já não são assim tratadas...sim, uma minoria de elite... mas mesmo assim não sei se muitas escapam de serem violentadas psicologicamente ou fisicamente...sim, as senhoras respeitáveis e as mulheres resolvidas  da letras e da política...vangloriam-se de serem livres...
rlp

A ANIMA



um PEQUENO CONTRIBUTO PARA ANIMA…

(ou a  minha fúria uterina…)

“Quando o arquétipo da mãe não é activado, a criança à falta dessa conexão vital, anseia por que tal suceda. (…) E o ardente desejo dessa ligação em falta pode continuar na idade adulta. Um mulher de 49 anos que participava comigo num grupo de mulheres, chorava ao falar da morte  da mãe, porque estando a mãe morta essa ligação tão desejada nunca viria a desenvolver-se.”  In AS DEUSAS EM CADA  MULHER – Jean Shinoda Bolen

DA ANIMA E DO ANIMUS…

Sinto-me cada dia mais revoltada com esse legado pernicioso para as mulheres de hoje, com as inúmeras confusões dos psicanalistas e psicólogos que fizeram escola e que mundialmente são referência...quando me apercebeo como quase todos eles nos tramaram. Falo à partida dos dois principais, Freud e Jung (mas também da grande maioria dos seus seguidores), que acabaram zangados e de costas viradas. Digamos que Freud já nem toca no assunto, mas Jung faz essa tremenda asneira de dizer que ao homem cabe a Anima e a mulher o Animus, embora de algum modo saibamos que dentro de cada um dos sexos exista o seu oposto, mas essa é outra questão, mais do domínio da Alquimia do que da psicologia em geral.

Sem dúvida que a sua anima, no caso de Jung – justiça lhe seja feita - a sua interioridade, a sua intuição, era mais notória certamente do que a das mulheres muito mais “masculinas” (regidas exclusivamente pelos valores do masculino e em conflito interno com a negação dos seus sentimentos), que na época conheceu e tratou, nomeadamente a rapariga do filme recente de Cronenberg ("o filme não inventa nada, e "é muito rigoroso". Todo ele se baseia em cartas e documentos onde Freud e Jung detalhavam "o que comiam, o que sonhavam, as suas vidas sexuais, quantos cigarros Freud fumava". E esta abertura entre eles, e com Sabrina - que veio dar "a perspectiva feminina, num tempo em que não era suposto que as mulheres tivessem uma educação ou uma vida sexual" )
  
Sabrina, personagem com quem se envolveu Jung e que sofria, como a maior parte das mulheres, do complexo de Édipo ou incesto - inicialmente atracção do filho pela mãe de acordo com o mito grego, mas a que Freud nem se deu ao trabalho de procurar outro mito que dissesse respeito à mulher - e por isso, neste caso,  resulta de um mito… invertido…ou ao contrário…não do filho pela mãe mas a atracção da filha pelo pai…E aí está de facto uma chave para a incapacidade de o homem entender ou perspectivar a Mulher fora de si. Esta noção mitológica, tão nobre e tão erudita e académica, aceite universalmente, esta visão…é afinal redutora e quase ridícula sobre o que são os complexos e os sexos…e é sobretudo no que diz respeito à mulher, uma CARICATURA de si mesma. E daí advir uma imagem caricata da mulher no seio da nossa sociedade. Uma imagem/caricatura que quase todas e  as mulheres, regra geral, intelectuais e espirituais aceitam para si e assim se definem, obedientes aos seus mestres…como o foram ao pai, ao marido ou ao padre – as autoridades vigentes – sem nunca terem percebido o fundamento da sua cisão psíquica e fragmentação anímica a que estão sujeitas desde que nascem desde há milhares de anos e cujos relatos bíblicos e outros referem escandalosamente.

Se posteriormente, à mulher, em dado momento histórico e cultural, os religiosos até lhe recusaram a Alma, os psicólogos contemporâneos colocam a Anima no homem (e o animus na mulher). Colocaram a linguagem como propriedade do Falo e do homem e o Silêncio da Mulher e de acordo com a sua própria inversão classificaram assim a mulher que do exterior e fragmentariamente se lhes oferece ao estudo ou a aversão/rejeição...

E a razão disso é nem um nem outro – no caso dos primeiros, Freud e Jung - se aperceberam de que as mulheres não se exprimiam de forma alguma ao nível da sua psique e menos ainda ao nível da sua alma e muito menos ainda ao nível do seu sexo verdadeiro... As mulheres daquela época e de épocas anteriores eram mulheres cindidas, reprimidas, totalmente fragmentadas e incapazes de assumir a sua anima, por assim dizer, a sua essência…a sua profundidade, e a sua vontade (impossibilitadas de manifestar uma vontade própria), divididas nos seculares estereótipos de santa e de prostituta, como meninas do papá, decentes e bem comportadas a ou então as ordinárias filhas de ninguém…mulheres da rua, pobres e desgraçadas que jamais entrariam nos seus consultórios. Algumas ricaças e intelectuais ou mesmo nobres que eram “histéricas” e tratadas como tal ou sofriam de esquizofrenia…Pudera…como não sofrer de esquizofrenia, prisioneiras de conceitos e com pais tarados, primatas e austeros e mães caladas esvaziadas, anuladas há séculos?

ASSIM: "A Mulher não existe" - para  Lacan

Mas o que mudou no último século?
Como é que as mulheres durante décadas – a partir do momento que acedem as universidades e ainda aos movimentos feministas – continuam a seguir fielmente os patronos da psicologia masculina, Freud ou Jung ou Lacan - Nome-do-Pai e o Falo - e Foucaul (autoproclamado homossexual, morreu vítima da AIDS em 1984) – estes últimos ambos, obviamente misógino o primeiro e homossexual o segundo…

O que é que estes homens podem discernir e aprofundar da psique feminina a partir do exterior e do conceito e pior ainda a partir do preconceito MILENAR e do dogma religioso instituído nunca posto em causa e que é no fundo a supremacia do homem e a inferioridade da mulher…

Sim, como é que estes patriarcas, pederastas e misóginos poderiam pensar ou intuir a MULHER? Se eles de facto só consideravam a importância do Falo?

E mais grave ainda como é que as mulheres podem continuar sem VER nem saber que elas foram sistematicamente alienadas da sua essência feminina, do seu sexo interno, do seu clítoris, dos seus seios, do seu útero, da sua natureza intrínseca, que elas próprias continuam a negar, por puro desconhecimento e recusa do seu lado instintivo ou intuitivo, mediúnico, de ligação às forças ctónicas e telúricas, à sua capacidade orgânica e uterina de poder interior de fazer de forma privilegiada a ligação entre a Terra e o Céu; ou seja, de as mulheres serem dotadas inatamente de uma capacidade de leitura daquilo que não é apenas racional nem lógico e do plano linear e por isso terem acesso a dimensões e estados e níveis de conhecimento que não são apenas o conhecimento meramente intelectual e psicológico e com o qual nunca chegarão a si nem ao fundo ou totalidade da sua psique. A Mulher só por si pode ir além desses 10% do seu cérebro e aceder quer ao inconsciente quer ao supra-consciente se não anular essas suas capacidades e as desenvolver de dentro. Ora acontece que de facto, é negada às mulheres essa capacidade, ridicularizada pelas elites intelectuais, para que e por essa mesma razão, dividir as mulheres entre si e em si, neste caso em duas partes…para anular o seu poder intrínseco, que representava um perigo para o domínio patriarcal religioso, e para a hegemonia masculina: e assim  ela foi desligada do útero e dos seus ovários – fonte ontológica do poder feminino e da sua expressão, e por isso se lhos tiram (os médicos)  a qualquer pretexto… por serem a fonte do Oráculo, anulando-as como videntes de um outro mundo. * (Ver nota sobre Delfos, no fim do texto)

E a partir daí os homens, quer do “conhecimento” quer da espiritualidade continuam a negar e a desconhecer essa Mulher que negam e da qual têm medo e que receiam do mais profundo e inconsciente de si mesmos…eles continuam a ter MEDO de serem engolidos pela sexo — vida – caverna – túmulo - iniciação que é o corpo Vaso da Mãe terra e da Mulher corpo e…por isso, impelidos por esse medo atávico, a violam a desprezam e a negam em todos os planos da existência. Ora acontece que o homem ao fazer isso ele também é joguete das forças de controlo que dominam o planeta e o mantém em separação e em guerra. A guerra dos sexos só existe por isso…pelo ódio e medo da mulher para que esse estado se possa reflectir também nas outras guerras de ódio e controlo no mundo.

A falta da Mãe…gera o ódio e a guerra no mundo.

 É curioso notar que em filmes de guerra assim como nos filmes de aventuras e ficção, esse padrão dominante filha/pai é mesmo nos dias de hoje uma constante subliminar…em que a rapariga heroína aparece a defender o papá, marcada com o abandono do pai ou decepcionada por ele não ser como ela o projecta ou não lhe dar a atenção que ela busca, e que acaba sempre por ser o seu grande herói, amor ou fixação…Isto é deveras estranho. É como se de facto a mãe não existisse e não tivesse qualquer importância e explora-se o amor da filha pelo pai ou fazendo o pai ser o bom da fita e a mãe bêbada prostituta ou drogada… Assim se faz, como no mito grego em que Zeus engole a deusa Metis para lhe roubar a gravidez da filha Atena que ameaça tirar-lhe o seu trono quando crescer,  Atena  acaba  por nascer saindo  da cabeça de Zeus ou da sua perna. Aí acabou o reino da Rainha Mãe para o reino do Pai. Esta é a mensagem que passa num universo masculino de culto do pai e onde a mulher e a Mãe é desprezada/anulada. Portanto, ligando essa psicologia das “profundidades” com a psicologia das massas  de hoje e a new age com os seus filmes (realizado por artistas escritores e intelectuais actuais) aos famosos psicólogos, não há dúvida que a Mulher não tem Anima nem sequer tem uma referência maternal. Ela é apenas a amante sexual potencial do pai e do amante, o futuro herói que irá preenche-la e tomar conta dela, dominando-a. Ainda há meia hora vi um bocado de um filme na televisão com a Angelina Jolie em que ela era essa mesma protagonista rodeada de homens à procura do paizinho que era um Iluminati…

E assim ficamos, nós mulheres,  apagadas da História, da Igreja e entregues aos Iluminatti…
Até quando permitirão as mulheres que assim seja?
 Rosa Leonor Pedro


* NOTA: - Oráculos Ofídios de Delfos =Útero que foi destruído por Apolo ao destruir o culto da Grande Deusa Mãe e da Terra e do conhecimento transcendente. Durante esse período que vai até ao cristianismo assistimos à fragmentação da Deusa inicial e da Deusa-Mãe/amante/sacerdotisa, às muitas faces da deusa dividida em imensos estereótipos, desde a Héstia e como eu gosto de ironizar à Aquela…e que são  todas divididas entre si e a bulha por causa de Zeus  e que hoje consideramos arquétipos, mas que apenas representam a partir de um dado período, a mulher cindida em muitas faces, a mulher dividia que resulta nossos dias ainda na dicotomia extrema entre Maria Madalena e a Virgem Maria como arquétipos da mente feminina moderna mas não como arquétipos básicos que são  anteriores ao patriacalismo – e que são os correspondentes do homem: a rainha/mãe, a amante-sacerdotisa e a  amazona/heroína …
rlp