"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

segunda-feira, fevereiro 25, 2013

OS CONTOS DE FADAS...


ABRIR A PORTA...

"As questões da alma feminina não podem ser tratadas tentando-se esculpi-la de uma forma mais adequada a uma cultura inconsciente, nem é possível dobrá-la até que tenha um formato intelectual mais aceitável para aqueles que alegam ser os únicos detentores do consciente. Não. Foi isso o que já provocou a transformação de milhões de mulheres, que começaram como forças poderosas e naturais, em párias na sua própria cultura. Na verdade, a meta deve ser a recuperação e o resgate da bela forma psíquica natural da mulher.

Os contos de fadas, os mitos e as histórias proporcionam uma compreensão que aguça nosso olhar para que possamos escolher o caminho deixado pela natureza selvagem. As instruções encontradas nas histórias nos confirmam que o caminho não terminou, mas que ele ainda conduz as mulheres mais longe, e ainda mais longe, na direção do seu próprio conhecimento. As trilhas que todas estamos seguindo são aquelas do arquétipo da Mulher Selvagem, o Self instintivo inato. Chamo-a de Mulher Selvagem porque essas exalas palavras, mulher e selvagem, criam llamar o tocar a Ia puerta, a batida dos contos de fadas à porta da psique profunda da mulher. Llamar o tocar a Ia puerta significa literalmente tocar o instrumento do nome para abrir uma porta. Significa usar palavras para obter a abertura de uma passagem.

Não importa a cultura pela qual a mulher seja influenciada, ela compreende as palavras mulher e selvagem intuitivamente. Quando as mulheres ouvem essas palavras, uma lembrança muito antiga é acionada, voltando a ter vida. Trata-se da lembrança do nosso parentesco absoluto, inegável e irrevogável com o feminino selvagem, um relacionamento que pode ter se tornado espectral pela negligência, que pode ter sido soterrado pelo excesso de domesticação, proscrito pela cultura que nos cerca ou simplesmente não ser mais compreendido. Podemos ter-nos esquecido do seu nome, podemos não atender quando ela chama o nosso; mas na nossa medula nós a conhecemos e sentimos sua falta. Sabemos que ela nos pertence; bem como nós a ela."
(...)
MULHERES QUE CORREM COM OS LOBOR

CLARISSA PINKOLA ESTEES 

3 comentários:

Else Schumann disse...

Posso estar muito errada, mas muitas das mulheres que considero mais sintonizadas com sua essência foram prostitutas (porém não a "garota de programa" e sim, a que por necessidade se prostituiu), cartomantes, ou seja, as recusadas pela sociedade.
Antigamente (e hj em dia tb, claro, porém de outra forma) as mulheres que se recusavam a ser dominadas, seja na sua sensualidade, seja na vontade, tiveram um caminho muito duro, pois uma mulher "sozinha" não é ninguém, logo ela devendo ganhar o seu pão, usa seu corpo.
Não quero aqui estereotipar.

Else Schumann disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Nazaré disse...

Sim, nossa mente foi esculpida exatamente nos moldes do patriarcado..Nossos medos, nossos desejos, até nossos próprios sonhos! Agora é o momento de nos livrarmos do cárcere das ilusões, abrirmos os olhos pra realidade, pra nossa separação, pro nosso medo do mundo, quando somos parte dele...