domingo, setembro 22, 2013

A CEGUEIRA DO HOMEM FACE A MULHER...

AS DUAS FACES DA MULHER...

PÉROLAS A PORCOS...

"Neste trabalho retratarei o lado negativo, a face obscura, destruidora e fatal do feminino, a qual infelizmente corresponde nos decadentes dias atuais à esmagadora maioria das mulheres. Não abordarei seu lado divino e celestial mas apenas o aspecto infernal e monstruoso, o qual deve ser vencido para que a mulher nos entregue as chaves do paraíso. As mulheres são seres deliciosamente terríveis, de dupla face, que nos fazem sofrer terrivelmente. Atormentam-nos com seus jogos contraditórios e incoerências, nos levando à loucura. Quando as vencemos, elas nos presenteiam com os segredos que reservam aos eleitos."
***


Este pequeno excerto do texto que apresentei hoje aqui e que convém ler, e do qual tirei  este pequeno trecho, para podermos olhar e ver como  só por si ele aborda na totalidade o amago do problema da mulher e a cegueira "congénita" do homem. Mas essa cegueira também é da mulher...porque ela não vê nem quer ver essa sua divisão intrínseca e como ela é estrangulada por ela à partida e a sua vida e integridade dependem da união dessa duas mulheres em si o que é tema constante deste Blog.

Isto não é uma guerra de sexos nem uma guerra de egos...como dizia uma amiga, é apenas a consequência lógica da anulação da mulher em si como um todo e da recusa do homem em aceitar a sua natureza ontológica, pela negação secular das forças telúricas e instintivas na mulher e diríamos o seu medo da morte e do mistério do nascimento que a mulher encerra, sendo que é desse medo que nasce essa divisão que aparecem então "as duas mulheres" e  torna de facto uma evidência que as duas espécies de mulheres, mulheres de duas faces...se dividem e opõem, aparecendo na literatura e na filosofia e religiões, representada como a face do anjo ou a face do demónio afinal de contas, sempre a mesma divisão secular da santa e da puta...e as suas variantes...

Claro que antigamente quase todas as mulheres eram santas esposas...e as prostitutas não se deixavam ver...mas nestes tempos "decadente" de hoje como diz o autor (que nem me dei ao trabalho de ler, tal a minha ira...) as mulheres são realmente quase todas a outra face, a terrível, que corresponde à das prostitutas...mulheres livres que afirmam a sua sexualidade quase exclusivamente.Aqui não há mais senãos...há apenas duas mulheres cindidas pelo patriarcado e o continuar dessa divisão na falsa compreensão do problema pela parte dos homens e infelizmente também e mais gravemente pela parte das mulheres.
Ora este espaço e os meus livros tanto como o que eu escrevo já há muitas anos incide na necessidade da mulher perceber a sua cisão e a partir de dentro e não intelectualmente e dar-lhe uma resposta e essa resposta só pode ser a Mulher INtegral, a Mulher IN...para dentro e de dentro transformar-se na mulher total, casando as duas mulheres em si e sendo a sua soma...e sendo a sua liberdade, sim, mas sem cisão...sem se digladiar com a sua sombra nem com a outra mulher rival para ser apenas uma ora uma ora outra...puta ou santa...sexual-sensual e indomável e infiel ou então passiva frígida e obediente e fiel ao homem...
Mas ela só pode ser a sua soma...quando perceber em si e ser em si essa Mulher In-teira e tudo aponta para dentro, para uma consciência de si ao nível das profundidades e das suas entranhas, da sua psique, e não ao nível das mentalidades e do conhecimento filosófico ou religioso científico etc.
Para mim o que o homem diz ou escreve não tem a menor importância e em vez de lhe darmos ouvidos e ficarmos indignadas, vamos tentar ler e compreender o que nos dizem as mulheres que fazem o caminho para si...


VAMO-NOS CONCENTRAR NA UNIÃO DA NOSSA MULHER INTERIOR fragmentada e assim dividida em duas e  deixar de lado o que o homem pensa...já chega, BASTA!
É claro que para as mulheres mais novas e sedutoras que foram educadas e esvaziadas de si só para viver para os homens e filhos e que os amam  dê para onde der,  é natural que ainda precisem de viver essa sedução, tudo bem, mas que saibam com o que é que tratam e tratem de ensinar os homens e os filhos, senão, o que não faltarão no futuro serão mais imbecis destes como o autor do texto (citação acima)  a debitar à conta e contra as mulheres...porque eles sozinhos não são mesmo  nada...esse é que é o seu drama...
Mulheres...ensinar os homens e amá-los pode ser essa a vossa tarefa, mas de certo essa não é a minha! Por minha parte não tive filhos e não acredito nos homens dentro deste sistema que os formatou,  nem que haja algum que queira de uma mulher algo muito diferente do que esse imbecil que escreveu o texto, mas desde que as mulheres tenham suporte para lhes fazer face...ou queiram viver essa afronta, porque por mim não vejo senão duas hipótese...ou as mulheres se libertam de todo do sexo como pulsão animal e carência imperiosa ou apenas viverão  para o seu prazer e pouco mais....pois se quiserem "construir uma vida com um homem" - centenas de anos de exemplos -  já sabem como é...e com o que podem contar...ser uma ou a "outra"...se alguma mulher conseguir ser INtegra e Inteira com um homem...é porque encontrou uma agulha no palheiro...
Felicidades pois, o amor a dois é necessário, mas para mim a Liberdade interior e total da mulher está primeiro, mas isso digo-o agora porque já sou velha...mas compreendo como as mulheres se deixam totalmente tomar pela necessidade de  um parceiro...do par ideal, do homem para a mulher e vice-versa, mas neste estado de coisas e dentro deste Sistema patriarcal...é uma escolha, só agora possível....ou tu ou ele...a não ser que a realização e a consciência da mulher e do homem sejam de um nível tão elevado que o que estará em causa é a Grande Obra e o Casamento Alquímico, perfeito...
rlp


"Depois de fazer amor com o marido, Violante sentia-se mais só do que nunca, não como uma mulher triste que ouve um pássaro no jardim, mas como um pássaro sem jardim, sem árvore e sem asas."

In a Segunda Morte de Anna Karenina

1 comentário:

Ana Nazaré disse...

LINDO !!!!!!! E a mulher NUNCA é amada.. é impossível pra ela o ser, enquanto ela não afirmar a sua verdadeira identidade...