sexta-feira, outubro 18, 2013

DIVISÃO DAS MULHERES....

 
 
 
Percebo que tanto homens como mulheres se sintam incomodados por vezes por eu “defender” as mulheres e por isso me acusam de radicalismo. Tanto os homens como as mulheres reagem às minhas tomadas de posição e me acham exacerbada ou tendenciosa.
 
O que eu queria porém esclarecer é que de facto eu não pretendo criar antagonismo nem divisão entre o homem e a mulher. Não é aí que está o cerne da questão. O meu trabalho nada tem a ver com oposição ou antagonismo em relação ao ser homem. Apenas trabalho com a consciência do ser mulher em si dado o afastamento da mulher comum dos nossos dias da Mulher original, coisa que os próprios homens não podem entender à partida e naturalmente julgam-se injustiçados por eu defender as mulheres sem evocar os homens bons ou justos…os homens femininos… (curiosamente acho que a virilidade de um homem está mesmo no seu feminino integrado, o contrário disso são os machos que hoje em dia preferem machos a fêmeas).

Eu sou uma Mulher, e é como mulher que reflicto e expresso o que sinto. Falo da natureza do ser Mulher. Não entendo como há mulheres a falar sobre a natureza dos homens nem como há homens a falar sobre a natureza das mulheres, porque obviamente são naturezas distintas e reflectem aspectos de um olhar a vida quase que opostos, ainda que complementares (no caso de ambos os seres estarem ao mesmo nível de evolução e consciência interior, digamos assim), o que não acontece em geral e na vida real em que há esse desfasamento tremendo entre a condição da mulher e Homem.
O que acontece com a mulher, do meu ponto de vista (e não com o homem) é que ela está dividida basicamente em dois aspectos de si – de um lado o maternal e do outro o erótico – e isso causou uma cisão na própria mulher que a divide em dois tipos distintos de mulher e que se opõem.
Pretende-se que hoje essas diferenças não existam, mas é pura ficção. Será assim tão difícil de ver o que é tão óbvio na nossa sociedade, a existência das duas mulheres? Não é assim que olhamos, de um lado a pobre prostituta e a desgraçada, ou ainda a mulher fatal/sensual e do outro lado a mulher honesta, casta, séria e recatada, ainda hoje?
…De onde vem essa divisão das mulheres, onde é que ela começa senão na cabeça dos homens que a projectaram nas mulheres considerando uma mulher boa - a casada e fiel - e na outra má  - a solteira divorciada ou a pecadora...-  de acordo com os interesses das instituições (o casamento)  e os conceitos religiosos de quase todas as tradições patriarcais que olham a sujidade da mulher associada ao sangue da vida, à menstruação e toda essa inacreditável pregação milenar religiosa que sempre perseguiu as mulheres como culpadas da queda e do desejo do homem?
É mentira que a Inquisição existiu? Que perseguiram e mataram milhares de mulheres em fogueiras os cristãos? Que a percentagem de mulheres e homens queimados faz a diferença abismal dos 90 por cento ou mais?
E podemos ignorar que nos dias de hoje milhares de mulheres no mundo inteiro além de violadas, são exploradas sexualmente e vendidas por Mafias incluindo esta "civilizada" e estúpida Europa?
Isto é só para repensar um pouco as coisas...

rlp
 
(republicando)

Sem comentários: