"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

quarta-feira, dezembro 04, 2013

DA RIVALIDADE ENTRE MULHERES...



"Creio que inciaticamente, toda a mulher nasce uma segunda vez de outra mulher que não é a sua mãe. Pela confiança noutra mulher, que já não é vista como uma rival, ela reconhece o seu feminino, abre-se a uma outra dimensão de amor." - paule Salomon


(…)
E como tenho dito algumas vezes aqui, a mim interessa-se o processo iniciático vivido pela mulher em si mesma e creio firmemente que uma mulher que se busca no mais fundo dela mesma só pode acordar para esse fundo, depois de passar por esse segundo nascimento-iniciação através de outra mulher que não a sua mãe. Porque, como diz a autora, só depois de ganhar essa confiança noutra mulher, ela ultrapassa o registo ancestral da rivalidade entre as mulheres. SEM essa iniciação, sem essa integração da Deusa e a Consciência do Feminino Sagrado viv...
ido na sua pele e no seu coração, o que prevalece entre as mulheres e acaba por minar todas as relações afectivas entre elas, seja no âmbito da família seja no trabalho, e até em movimentos feministas é o ódio baseado na competição e na rivalidade. O padrão social dominante é esse, é o padrão que passa de forma escandalosa ou subliminarmente, nos romances, nos filmes e telenovelas que impregnam e marcam as mulheres comuns e a forma de pensarem e sentirem umas contra as outras. Foi assim que foram programadas durante séculos e sem serem de novo consciencializadas do seu poder interno e pela fidelidade à sua essência, a mulher é sempre uma rival de outra mulher.

Lilith a Grande Serpente…começa a despertar na Mulher.

rlp

**
No princípio era Lilith. Digam o que disserem, na origem era o Andrógino. E depois do seu exílio, senão mesmo do seu desterro, o Éden nunca mais voltou a ser o que era antes.” 

- Joelle de Garavelaine
 

Sem comentários: