quinta-feira, janeiro 02, 2014

Ó curadora de almas


 

"Vem, ó noite anunciadora de todas as mortes, mão de todas as feridas e de todas dores, apaziguadora e benigna. Tu, encoberta com os véus de todas as tristezas da terra; tu, que a todas curas da febre com o imenso lenço de estrelas com que ...cobres os rostos mais velados e o teu, que de estrelas aparece coberto de raízes que são veias e dedos de uma transparente, solene e pacífica multiplicação de rosas de água sobre as feridas da alma. Fica, pela noite adentro, a velar-me o sono, e derrama sobre o rosto da terra, a bênção da tua face límpida, viajante nocturna que alivias de asas a barca pesada."
 
 
Maria Sarmento 
 

1 comentário:

Ana Nazaré disse...

"Vem, ó noite anunciadora de todas as mortes, mão de todas as feridas e de todas dores, apaziguadora e benigna. Tu, encoberta com os véus de todas as tristezas da terra; tu, que a todas curas da febre com o imenso lenço de estrelas com que ...cobres os rostos mais velados e o teu, que de estrelas aparece coberto de raízes que são veias e dedos de uma transparente, solene e pacífica multiplicação de rosas de água sobre as feridas da alma. Fica, pela noite adentro, a velar-me o sono, e derrama sobre o rosto da terra, a bênção da tua face límpida, viajante nocturna que alivias de asas a barca pesada."
Maria Sarmento