"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

quarta-feira, fevereiro 11, 2015

"AS 50 SOMBRAS DE GRAY"

 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA?
NÃO...

O conselho aos maridos e namorados e amantes...
"PERCA O CONTROL" - BATA NA SUA MULHER, ESPANQUE-A QUE ELA GOSTA...

A PARTIR DA ESTREIA DO FILME VAI SER ASSIM : "perdeu o controlo e matou a mulher" - em vez de uma mulher morta por dia aparecerão mais uma quantas em todo o mundo a acrescentar à lista...

A propósito da minha crítica ao Filme "AS 50 SOMBRAS DE GRAY" - uma leitora desse poste no facebook comentou da seguinte forma o que eu escrevi e de seguida incluo a minha resposta...


- Admiro muito o que escreve e aprecio de facto a forma como expõe a posição do papel da mulher que assume no aqui e no agora, daí estar muito honrada de puder ler tudo o que partilha. Nesse contexto estou estupefacta com a enfase que esta a dar às sombras de Grey. Não percebo no que é as sombras de Grey...apelam à fomentação e à proliferação da violência doméstica??? Quando o filme retrata uma fantasia sexual, como tantas outras, consentido tanto pelo homem, como pela mulher. Ninguém obriga nada a ninguém. Não faltam por aí filmes com outras ideologias que esses sim são pervesos e autênticas "escolas" de apelo à violência doméstica, tanto para vitimas homens como mulheres. Já leu a trilogia? Quando a trilogia foi publicada...não me recordo de ter sido um prenúncio ao aumento da violência domestica? Mas sim uma correria à libertação sexual, uma correria às sex shop! É perverso isto? Ou será que concorda que continuaríamos a encarnar os papeis de mulher da novela "Gabriela". Isso sim era violência. Dra. Leonor, desculpe a ousadia de uma "pita" de 41 anos que não concorda que porcausa das sombras de Grey o homem vai começar a bater ainda mais na mulher...antes pelo contrário. Este protagonismo dado ao filme só confirma e incentiva a libertação sexual da mulher moderna, sem tabus, sem complexos, sem vergonhas. Não o reverso. Um bem haja e as redes sociais têm destas coisas. Liberdade para puder ser do contra.
 
- Sandra Sousa - compreendo que do ponto vista da modernidade, e da cultura em geral, e ainda da visão liberal e "emancipada" que a mulher de hoje tem do sexo, lhe escape as subtilezas da mente predadora (parecer-lhe-a exagero e até estranha a expressão) do homem que domina os Midea, a Cultura e a Arte, e apesar do livro ter sido escrito por uma "mulher" moderna, justamente, isso traga à superfície "fantasias" que não são do foro íntimo da MULHER Integral, mas da mulher sujeita a esse arquétipo de domínio e posse pelo sexo, mecânico e genital - ainda que consentida e partilhada - como único fonte de prazer e de realização sexual - ah e dada como libertação da mulher - a saber resta se essas fantasias são mesmo pertencentes à sensualidade e sexualidade verdadeiramente feminina ou mais e apenas o imaginário masculino que formata as mulheres desta cultura...e as torna submissas a sua arte...falocrática - sexo e chicote...violência - e que abala todos os alicerces da mulher verdadeira por descobrir...porque a MULHER NÃO EXISTE...e o que resulta da mulher nesta sociedade é sem dúvida apenas esse subproduto que é a mulher patriarcal como somatório de muitas formatações de filmes e propaganda sexista que leva as mulheres a total alienação de si mesmas como SERES INDIVIDUAIS, conscientes de si, vivendo por si e em si sem essas fantasias ...etc.
 
O perigo que eu vejo neste filme consentido socialmente e "cultural"...é muito mais grave e nefasto para a mulher do que os milhentos filmes pornográficos e obscenos que para ai circulam...e que a sociedade culta rejeita...leia Camile Paglia, Personas Sexualis e talvez perceba em que mundo ou sociedade vivemos e o perigo que as mulheres correm em serem apenas um sexo objecto e as suas variantes - sem dúvida que o filme será muito apelativo - e não duvide que os homens irão pensar sim - que o que as mulheres gostam é de serem dominadas e levar pancada...com chicote ou sem ele - dai à violação e a violência doméstica é só um passinho...
 
Na verdade este filme tem ainda outro  perigo acrescido de ser "o milionário"   em vez de um pobre coitado ...etc. e além da violência - a atriz diz que se magoou mesmo quando na repetição de uma cena ele a empurrava para cima da cama - são os estereótipos em causa os de sempre ou seja da coxinha do Tide, a Gabriela, ou a escrava Isaura, a desgraçadinha ou da "gata borralheira"...a menina pobre a empregada ou a estagiária a advogada que é fascinada pelo PODER representado na violência e no sexo...e as mulheres não querem ver. Nós lemos no nosso tempos as histórias românticas e inocentes da Corin Tellado, "Quem foi o culpado" em que os eseterótipos eram os mesmos mas a violência seria so psicológica...etc. as mulheres desta geração não sabem sequer identificar esses estereótipos dominadores uma vez que estão camuflados de tudo e mais alguma coisa...

NOTA:

Não duvido que os homens também sejam vítmas desta sociedade sexista, FALOCRÁTICA, muito mesmo, mas infelizmente cabe-lhes o papel ingrato de serem vítimas e carrascos ao mesmo tempo...e a mulher embora tantas vezes fomentadora dessas fantasias (diria vingativas - a começar na má mãe - mas isto levava-nos para muito longe) não passa de uma vítima e cada dia mais vítima de um fenomeno crescente que é o feminicídio - baseado nesse sexo-amor-ódio..
rlp

1 comentário:

Anónimo disse...

Se os homens são vítimas ou não da sociedade falocrática, eu não ligo, pois somos nós, as mulheres, que estamos indo parar nos cemitérios e hospitais, graças ao "intenso sofrimento" dos machos.