"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

domingo, fevereiro 15, 2015

Eva Mitocondrial


Eva Mitocondrial

“O pouco que sei tirei de algumas páginas, é o estudo das células na evolução humana – sendo uma mulher a que deu inicio a o que hoje somos (anatomia). “Eva mitocondrial é o nome pelo qual é conhecido o ancestral comum mais recente matrilinear de todos os seres humanos vivos hoje. O seu DNA mitocondrial (mtDNA) foi passado de geração em geração e está agora presente em todas as pessoas.
Os geneticistas construíram uma árvore genealógica para o gênero humano, na base da qual estava a Eva Mitocondrial, a grande avó de todos os humanos. Isto não significa que ela foi a única mulher existente em sua época, mas que foi a única que produziu uma linhagem direta de descendentes por linha feminina que persiste até a presente data.”
Diz-se que temos duas heranças principais: a biológica (orgânica) e a cultural (superorgânica). A herança biológica onde se transmite toda a informação genética. Logo a herança cultural é o mecanismo de ensinar e aprender em determinado tempo e espaço. As duas heranças oferecem informações enraizadas sobre aspectos espirituais ou religiosos. O DNA mitocondrial (DNAmt) é herdado de uma maneira peculiar, ou seja, exclusivamente ao longo da linhagem materna.
(Lux Iris Lux)

 
Em Of Woman Born, Rich explica a sua crença no biologismo dizendo que a biologia das mulheres…tem implicações bem mais radicais do que até agora temos tido em consideração. O pensamento patriarcal limitou a biologia feminina às suas especificações mais estreitas. A visão feminina foi rechaçada da sua biologia por estas razões; a nossa corporalidade ressurgirá, creio, como um recurso em vez de um destino. Com vista a vivermos uma vida humana plena necessitamos não só do controlo sobre os nossos corpos…temos de tocar a unidade r a ressonância da nossa corporalidade, a base corporal da nossa inteligência. ”

Elaine Showalter, Género, Identidade e Desejo. págs 40, 50

 
"Antes de sermos concebidos, existíamos em parte como um ovo no ovário da nossa mãe. Todos os ovos que uma mulher vai ter formam-se enquanto ela é um feto de quatro meses de idade no ventre de sua mãe. Isto significa que a nossa vida celular como um ovo começa no ventre de nossa avó. Cada um de nós passou cinco meses no ventre de nossa avó e ela, por sua vez, dentro do ventre de sua avó.
Nós vibramos com os ritmos de sangue da nossa mãe antes de ela própria ter nascido. E este ritmo é o fio de sangue que corre desde lá detrás desde as avós da primeira mãe. Nós todos compartilhamos o sangue da primeira mãe - somos verdadeiramente crianças de um só sangue.

 Os homens não podem transmitir esta continuidade de energia celular para seu esperma. O pai não passa a marca de uma vida, mas apenas a energia fugaz de poucas semanas. A natureza do homem é, em muitas formas metafóricas, uma rápida ascensão e queda - o desaparecimento e ressuscitar de energia refletida em tantos dos antigos deuses masculinos."

- When The Drummers Were Women de Layne Redmond

4 comentários:

Anónimo disse...

Os mistérios da vida, levou homens, misóginos que são, a impor o patriarcado na esperança de que controlando o corpo (sexualidade, vida) das mulheres, estariam controlando os processos de criação da vida.
E depois o misógino sexista Freud, cria toda uma falsa teoria da inveja do pênis.
Está bem claro para mim, que a inveja é e sempre foi, a do útero.

rosaleonor disse...

Absolutamente verdade...grata por corroborar...e é tem toda a razão...quanto a Freud ..

Anónimo disse...

Li um texto de feministas onde esclarecem que Freud tinha um pai que abusava das filhas e que sua teoria sobre sexualidade, buscava achar nas crianças, a culpa pelo incesto, dizendo que as mesmas tinham desejo pelos adultos. Sem falar na falsa inveja do penis, que pra mim não passa de uma tentativa de invalidar a insatisfação feminina com a sua condição dentro do patriarcado e por isso aquelas q n aceitavam ou se rebelavam de sua condição de inferioridade, tinham inveja do penis e por isso queriam ser homens ou se igualar a eles, quando na verdade mulheres só estão reivindicando serem consideradas seres humanos e não o 'outro sexo' ou 'aquele sexo diferente e inferior'.

Eu realmente não considero as teorias freudianas como nada além de teorias, diferentemente da maioria das pessoas que as encaram como dogmas e leis. Em sendo um homem patriarcal e por isso mesmo sexista e misógino, é claro que Freud criaria toda uma teoria para manter o status quo dos homens.

Freud tinha tanto apreço pelas mulheres que foi capaz de deixar pra trás as 4 irmãs ao fugir do nazismo e todas morreram em campos de concentração.

Ana Nazaré disse...

No livro da Rachel Pollack ela fala que o embrião é primeiro feminino, e então, se houver o gameta Y, vem os órgãos masculinos. Não sei se isso é verdade, aprendi que o embrião não teria sexo nos primeiros dias, mas assim como a Arqueologia as raízes da Medicina se fincaram no patriarcado, então não duvido nda que não tenham dado atenção a isso e possa ser verdade...