"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

terça-feira, abril 28, 2015

A MATRIZ ORIGINAL

- Qual é o seu lugar? Reconhece-o?

"- Tenho dificuldade, não sei. É o lugar natal? É o útero da mãe? É a matriz original?
A que lugar se refere? Ao lugar em que entro numa espécie de meio amorfo de felicidade ideal e inexistente? Então, não me interessa um lugar assim. Se o lugar que procuro é realizável, apesar de utópico, então sim."


- José Gil

NO CORAÇÃO DE MAAT
(...)

Nos meus altos e baixos, nos meus reveses, nas minhas lutas e fúrias internas, nas minhas contradições e paradoxos, nos meus amores e nos meus desamores...nesta mistura constante e veloz alternada voluptuosamente entre a dor e o prazer, e que se misturam alquimicamente dentro de mim, acima de todas as antinomias, é que sou transportada ao mais puro êxtase, ligando-me a essa corrente de vida que me dá acesso ao mais elevado estado de Consciência.
Desdenhem-me os mornos e os mansos, os tíbios e os "bem intencionados" da moral vigente, que chegarão a algum lado permanecendo só de um lado da vida...
Ah os mancos da vida...que tanto pensam no céu, e vivem criando o inferno à sua volta...
A Terrra tem uma saída sim, quando cada mulher souber quem é, e for fiel à sua essência de Mater a Matriz, como Matriz Original.
A dualidade inerente à manifestação (Materia-Energia) que se manifesta nos polos opostos (complementares e não antagónicos) tem um meio de ser integrada... ao meio, ao centro, dentro de cada ser humano, mas cada ser humano precisa de ter consciência de si para além dessa dualidade, mal e bem, macho e fêmea, ao nívil psíquico, anímico e espiritual, o que não têm, separando e dividindo tudo.
A espiritualidade à partida, digo a religião muito particularmente, é o pretenso meio de se atingir esse estado...mas apontando para algures no céu e um deus e não para dentro do indivíduo e do seu potencial anímico.
E o que está em causa aqui é apontarmos para dentro e para a CONSCIÊNCIA do SER e não do ter, como o faz esta sociedade alienada...O Ser Humano pode atingir essa consciência da Consciência dentro de Si, se se elevar equilibradamente - quer dizer mantendo os pratos... da Balança (Justiça e verdade - Maat) ao mesmo nível.
Ora essa Conciência do SER EM SI, não se faz sem que a Mulher seja respeitada e elevada a sua condição de mediadora das forças cósmico/telúricas.
No entanto essa mulher realizada, no início foi através da difusão da ideia/ religião/cultura de mal associado à mulher, atingida no seu cerne e dividida ao meio, impedida assim de ser o instrumento de realização do homem também.
Todo o drama desta humanidade passa pela separação, e o mais grave pela divisão intrínseca na Mulher.
Ao dividir-se a mulher em dois arquétipos, como nomeadamente a religião católica fez, a mulher cindida ("a virgem e a pecadora" - uma mulher em casa e a outra no prostíbulo) a mulher verdadeira integral deixou de existir em si, como indivíduo, para se tornar mera escrava do homem (e este, mero escravo do trabalho), das funções reprodutores e do seu prazer, e assim a mulher ainda é brutal ou sofisticadamente tratada nos nossos dias neste mundo...
Escamotear isto, é querer continuar na mais pura ignorância e alimentar o caos da nossas sociedades.

Rosa Leonor Pedro

Sem comentários: