"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

segunda-feira, abril 13, 2015

O SER DESPERTO



O CONTINENTE PERDIDO...
A superação da dualidade...(para lá dos cinco sentidos...)


A LINHA DE RECIFES QUE NOS SEPARA DO CONTINENTE PERDIDO

“Creio que um ser "desperto" é aquele que não se deixa guiar pela ilusões e pelos caprichos dos seus cinco sentidos. Não deduzo daí que toda e qualquer emoção esteja necessariamente armadilhada. De facto, a maioria dos indivíduos normalizados, de certo modo adormecidos e mesmo anestesiados,, funciona unicamente sobre um circuito fechado que implica a satisfação das necessidades elementares, sustentadas pelos poderes mediáticos. A sociedade de consumo é também uma sociedade de consumo de emoções e de sensações grosseiras, tais como as ilustradas pelos ‘reality shows’ da televisão. É um método maravilhoso para nivelar os níveis de consciência dos indivíduos de uma sociedade e sobretudo para os impedir de fazer progredir a sua consciência.
O "Ser desperto" é aquele que domina a dualidade das forças opostas e complementares ou, para ser mais preciso, que a transcende e pode então alcançar os níveis vibratórios e, por consequência, os níveis de consciência correspondentes à grelha integrada.
(…)
Para utilizar novamente uma imagem espaciotemporal favorita: o "ser desperto" é aquele que pode transpor em qualquer lugar as linhas de recifes que separam o continente perdido do continente acessível aos nossos cinco sentidos.”

(...)

..."O ser "desperto" é aquele que pode ultrapassar em qualquer lugar as linhas de recife que separam o continente perdido do continente acessível aos nossos sentidos . Isso não significa que ele não sofra mais ao atravessar os obstáculos num sentido ou noutro, mas, conhecendo a natureza das causas dos seus sofrimentos, se liberta deles...Ele continua a experimentar emoções, a sentir, a amar e...tc., mas as suas sensações são magnificadas e iluminadas porque nascem do continente perdido. É um retorno ao centro, à unidade principal do ser que faz com que não estejamos mais à espera da satisfação dos nossos cinco sentidos. Ao mesmo tempo, os prazeres da vida não nos são estranhos, mas mudaram as suas qualidades ao adquiriram uma nova densidade. Eles se encontram agora enriquecidos pela luz da alma e do espírito, uma luz interior que irradia até a menor das nossas células.
Os caminhos que levam ao despertar são caóticos e semeados de obstáculos imprevistos. Eles envolvem processos de desestruturação e reconstrução tais como são hoje assinalados nas fases de renovação dos seres humanos. "

(...) 
in O HOMEM ENTRE A TERRA E O CÉU -DE ETIENNE GUILEÉ  ed. Dinalivro, 2008

Sem comentários: