segunda-feira, novembro 30, 2015

Onde começam as aberrações sexuais...

 


A PEDOFILIA

Vamos pensar e reflectir um pouco no que leva que homens ditos cultos, religiosos (padres e bispos) e intelectuais e filósofos (esquecendo os gregos e os romanos) a esta prática abusiva e destruidora da identidade humana da criança pelo abuso sexual, sejam eles pedófilos ou meramente misóginos, sejam eles homossexuais ou heterossexuais: Trata-se sem duvida e à partida preponderantemente do medo da mulher adulta e da sua natureza instintiva, sensual e feminina, tida por esses homens e  entidades - as eclesiásticas - como pecaminosa - já de si certamente eles mesmos abusados em crianças, violentados na sua inocência por uma educação perversa e obscura que trata a sexualidade como coisa obscura e pecado e à mulher como o Mal, no caso dos religiosos e não só, porque esse é o registo mental infelizmente da maioria dos homens comuns...

O medo da mulher e da sua sexualidade independente, foi o inicio deste atentado à verdadeira identidade da mulher. Esse medo da mulher livre e de ela não parir filhos só seus - a adúltera e promíscua - fez com que o Homem e o Sistema religioso e patriarcal, baseasse toda  a sua ideologia nessa divisão da mulher - tal como a Igreja o preconizou entre santa e prostituta - e  que, por conseguinte, levou a mulher a ser apenas uma metade de si, causando no próprio filho homem (sobretudo na  mulher) essa mesma cisão interior reflectindo-se na recusa e medo da mulher sensual ou sexual plena, gerando assim uma imaturidade emocional e sexual no homem e na mulher, gerada tantas vezes  pela mãe castradora, autoritária ou histérica o que leva os homens de poder a esta degeneração e a cometerem as maiores atrocidades no plano sexual contra crianças assim como a todas as aberrações de carácter sexual contra a mulher incluindo a violência doméstica pela inexistência de uma Mãe e  Mulher adulta e plena na sua infância.

O homem para garantir a sua paternidade teve que  aprisionar a mulher a um contrato de casamento que garantisse  a sua descendência e os seus bens. Foi o casamento como instituição que criou  essa fissura na mulher, criando essa dicotomia entre a santa e a puta, sendo o que mais infantilizou a mulher em geral,  impedindo-a de ser um ser pleno no usufruto do seu potencial seja de mãe seja  de amante em simultâneo, sujeita ao escrutínio patriarcal e às suas leis e ao julgamento da sua vida pautada por essas leis  e apenas significativa através do casamento contrato. 

É sem dúvida esta divisão secular e psicológica  da mulher em si, como mãe por um lado e prostituta por outro, que provocou a falta de respeito pela mulher na vida social e familiar impedindo-a de toda a  legitimidade de ser em si mesma uma mulher livre e independente; é esta relação de amor ódio a mulher e à mãe que leva estes homens  de hoje  e em todas as culturas  ao mais sinistro e macabro dos atentados à integridade da criança indefesa.
E isso acontece tanto no homem adulto erudito ou culto, religioso ou ateu,  como no mais bastardo dos homens, ignorante e estúpido, que por todos estes motivos é levados a perseguir e  a escolher crianças inocentes e indefesas - meninas e rapazes -  para a prática do seu instinto sexual de predador, impotentes e castrados, sem respeito algum pela vida e pela natureza, incapazes de amar uma mulher naturalmente.
Isso acontece porque os homens não tiveram uma Mãe numa Mulher inteira e depois porque essa mulher-mulher não existe já nos nossos dias e portanto o homem tal como a mulher  encontra-se completamente alienado do seu lado feminino e ontológico, desprezando os aspectos sensíveis da sua natureza, a sua emoção e a sua intuição, assim  como acabou por acontecer com a mulher nas nossas sociedades que apregoam uma suposta igualdade entre sexos o que obriga as mulheres a serem masculinas e a perderem também a sua feminilidade .
Os aspectos sensíveis, os sentimentais e instintos naturais da vida humana foram negados e altamente  desprezados e são-no ainda, tanto por homens como por mulheres e por ultimo, quer o materialismo dialético quer  as sociedades materialistas em geral, ateias, tanto como as religiões mais fanáticas de antigamente,  levaram os seres humanos a um afastamento cada vez maior de um sentido de vida transcendente cósmico e ontológico da vida vivida em profundidade, na ligação do céu com a terra e minando o respeito e a natureza de cada um , tornando as relações humanas num inferno de violência, sofrimento, competição e dor...
Creio que esta ideia é sumariamente aproximada de uma realidade social e psicológica de todos ignorada ou branqueada.
Voltarei ao assunto.

rosaleonorpedro
  

3 comentários:

vania jones disse...

Todos eles têm medo da Mulher madura da Mulher adulta a qual não sabem enfrentar, daí eu penso que venha essa aberração e eles elejam as "presas" mais vulneráveis para cometar atos loucos e doentios. uma brutal insanidade tocar em uma criança desse jeito. À partida quase que acabam com a vida de um Ser Humana. Atacam por todos os lados...

rosaleonor disse...

O sistema é o que faz...

vania jones disse...

É sim..