"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

quarta-feira, dezembro 30, 2015

ESTA CEGUEIRA



«Nunca choraremos bastante quando vemos
O gesto criador ser impedido
Nunca choraremos bastante quando vemos
Que quem ousa lutar é destruído
Por troças por insídias por venenos ...
E por outras maneiras que sabemos
Tão sábias tão subtis e tão peritas
Que não podem sequer ser bem descritas.»


Sophia de Melo Breyner Andresen,
In “Livro Sexto”, 1962


 
Cada dia que passa me sinto mais perplexa em como os seres humanos se enganam na afirmação de um suposto amor - seja ele individual seja ele universal - sem que se apercebam da sua própria falta de amor ou sem que tenham o menor amor e respeito por si mesmos...
Fico perplexa sim como cada pessoas se projecta constante e diariamente sobre o amor do outro ou sobre o mal dos outros, os pobres os migrantes, os infelizes, sem que se vejam ou enxerguem minimamente a si próprios.
Esta cegueira endémica do Homem (e da Mulher) torna os humanos vulneráveis, fracos, confusos, desordenados e completamente pedintes de um amor que não existe senão dentro deles próprios....e sem que o descubram em si primeiro JAMAIS poderão amar ou ser amados fora, ou amar a família, o amante ou o vizinho ou a sociedade...Enfim, nunca poderão amar o próximo. Por isso enquanto se projectam no amor dos outros sem saberem amar-se a si mesmos, ninguém entende que o axioma "ama-te a ti mesmo como deus te ama" não tem sentido nenhum pois ninguém sabe o que é o amor em si nem o que é deus...


rlp

2 comentários:

Ana Nazaré disse...

Querida Rosa, dê uma olhada nesse material:

http://www.enciclopedia-dacica.ro/?option=com_content&view=article&id=694&Itemid=341

Ana Nazaré disse...

( vc pode pedir para o google traduzi-lo para você) . Não é lindoo ?? S2 S2