segunda-feira, novembro 30, 2015

LEMBRAR FERNANDO PESSOA


LEMBRAR FERNANDO PESSOA - fez hoje 80 anos que morreu...Um dos mais lúcidos escritores do nosso tempo...

"CERCA-ME um vazio absoluto de fraternidade e de afeição. Mesmo os que me são afeiçoados não me são afeiçoados; estou cercado de amigos que não são meus amigos e de conhecidos que não me conhecem. Sinto frio na alma; não sei com que me agasalhar; para o frio da alma não há manta nem capa. Quem o sente não esquece. Quer isto dizer que não tenho verdadeiros amigos? Não; eu tenho-os; mas não são meus amigos verdadeiros. Ai daqueles que foram tocados do transcendental e a quem tudo dói por frio, inexpressivo e distante..."


(Prosas Intimas de Fernando Pessoa)

Onde começam as aberrações sexuais...

 


A PEDOFILIA

Vamos pensar e reflectir um pouco no que leva que homens ditos cultos, religiosos (padres e bispos) e intelectuais e filósofos (esquecendo os gregos e os romanos) a esta prática abusiva e destruidora da identidade humana da criança pelo abuso sexual, sejam eles pedófilos ou meramente misóginos, sejam eles homossexuais ou heterossexuais: Trata-se sem duvida e à partida preponderantemente do medo da mulher adulta e da sua natureza instintiva, sensual e feminina, tida por esses homens e  entidades - as eclesiásticas - como pecaminosa - já de si certamente eles mesmos abusados em crianças, violentados na sua inocência por uma educação perversa e obscura que trata a sexualidade como coisa obscura e pecado e à mulher como o Mal, no caso dos religiosos e não só, porque esse é o registo mental infelizmente da maioria dos homens comuns...

O medo da mulher e da sua sexualidade independente, foi o inicio deste atentado à verdadeira identidade da mulher. Esse medo da mulher livre e de ela não parir filhos só seus - a adúltera e promíscua - fez com que o Homem e o Sistema religioso e patriarcal, baseasse toda  a sua ideologia nessa divisão da mulher - tal como a Igreja o preconizou entre santa e prostituta - e  que, por conseguinte, levou a mulher a ser apenas uma metade de si, causando no próprio filho homem (sobretudo na  mulher) essa mesma cisão interior reflectindo-se na recusa e medo da mulher sensual ou sexual plena, gerando assim uma imaturidade emocional e sexual no homem e na mulher, gerada tantas vezes  pela mãe castradora, autoritária ou histérica o que leva os homens de poder a esta degeneração e a cometerem as maiores atrocidades no plano sexual contra crianças assim como a todas as aberrações de carácter sexual contra a mulher incluindo a violência doméstica pela inexistência de uma Mãe e  Mulher adulta e plena na sua infância.

O homem para garantir a sua paternidade teve que  aprisionar a mulher a um contrato de casamento que garantisse  a sua descendência e os seus bens. Foi o casamento como instituição que criou  essa fissura na mulher, criando essa dicotomia entre a santa e a puta, sendo o que mais infantilizou a mulher em geral,  impedindo-a de ser um ser pleno no usufruto do seu potencial seja de mãe seja  de amante em simultâneo, sujeita ao escrutínio patriarcal e às suas leis e ao julgamento da sua vida pautada por essas leis  e apenas significativa através do casamento contrato. 

É sem dúvida esta divisão secular e psicológica  da mulher em si, como mãe por um lado e prostituta por outro, que provocou a falta de respeito pela mulher na vida social e familiar impedindo-a de toda a  legitimidade de ser em si mesma uma mulher livre e independente; é esta relação de amor ódio a mulher e à mãe que leva estes homens  de hoje  e em todas as culturas  ao mais sinistro e macabro dos atentados à integridade da criança indefesa.
E isso acontece tanto no homem adulto erudito ou culto, religioso ou ateu,  como no mais bastardo dos homens, ignorante e estúpido, que por todos estes motivos é levados a perseguir e  a escolher crianças inocentes e indefesas - meninas e rapazes -  para a prática do seu instinto sexual de predador, impotentes e castrados, sem respeito algum pela vida e pela natureza, incapazes de amar uma mulher naturalmente.
Isso acontece porque os homens não tiveram uma Mãe numa Mulher inteira e depois porque essa mulher-mulher não existe já nos nossos dias e portanto o homem tal como a mulher  encontra-se completamente alienado do seu lado feminino e ontológico, desprezando os aspectos sensíveis da sua natureza, a sua emoção e a sua intuição, assim  como acabou por acontecer com a mulher nas nossas sociedades que apregoam uma suposta igualdade entre sexos o que obriga as mulheres a serem masculinas e a perderem também a sua feminilidade .
Os aspectos sensíveis, os sentimentais e instintos naturais da vida humana foram negados e altamente  desprezados e são-no ainda, tanto por homens como por mulheres e por ultimo, quer o materialismo dialético quer  as sociedades materialistas em geral, ateias, tanto como as religiões mais fanáticas de antigamente,  levaram os seres humanos a um afastamento cada vez maior de um sentido de vida transcendente cósmico e ontológico da vida vivida em profundidade, na ligação do céu com a terra e minando o respeito e a natureza de cada um , tornando as relações humanas num inferno de violência, sofrimento, competição e dor...
Creio que esta ideia é sumariamente aproximada de uma realidade social e psicológica de todos ignorada ou branqueada.
Voltarei ao assunto.

rosaleonorpedro
  

ESCREVER PARA NINGUÉM...



Hoje sinto-me particularmente ferida, enfim,  diria antes magoada, mais pela própria vida do que pelas pessoas, pelo que ela tem de cruel e irreparável...pela incompreensão profunda que nos assola a todas nesta vida do dia a dia e mesmo das pessoas amigas, sejam familiares ou conhecidas, as pessoas com quem nos confrontamos quer queiramos quer não. Como se já não bastasse a incompreensão do que é para cada o sentido da vida ou a nossa incapacidade de fazermos ou sermos aquilo que idealizamos...como é o caso  de quase toda a gente!
É sempre a mesma dor da incompreensão de nós e do outro...e a noção da nossa solidão face aos outros/as, sempre incompreensíveis e inatingíveis no seu amago...Podemos disfarçar isso, lidar com eles apenas à superfície...tentar conciliar as coisas, fazer concessões, pois somos especialistas em "estar bem", em contemporizarmos com as amizades ou os nossos interesses e dizermos a tudo que sim para não criar conflitos inúteis...ou porque não temos coragem de dizer o que sentimos e pensamos ou porque sabemos que cada pessoa tem a sua razão ou o seu nível de compreensão e experiência da vida, e não há qualquer hipótese de entendimento - por isso eu e no meu caso escrevo para ninguém...hoje escrevo aqui...e sei que de entre quem me lê habitualmente  fique a pensar...mas afinal... 
Onde está a solidariedade a fraternidade o sonho de união e a comunhão e a amizade quando discordamos e debatemos ideias e entramos em disputa pelas ideias mesmo sem querer ...?
Para mim é como se não estivesse na nossa mão controlarmos essas diferenças e a necessidade de conflito latente de extravasar sentimentos ou mesmo fazer recair sobre os outros a nossa raiva por descompressão, na busca de alívio do que nos oprime...acontece tanto entre familiares e amigos que ultrapassamos a noção dos limites...
Isso está a acontecer em geral nas relações humanas, no mundo e na sociedade e agrava-se cada dia mais e nós não escapamos ao confronto...

Ontem aconteceu comigo e uma amiga de longa data discutirmos politica... mas não era a politica nem as ideias que estavam em causa, era a oposição, a energia de antagonismo que está em nós por outras razões que se manifesta na necessidade de contrariar, de ripostar, de querer ter razão, lutar contra...Acontece tantas vezes que nem damos por isso e caímos sempre nesta armadilha...
Sim, caímos vezes sem conta neste fogo cruzado de palavras como bombas e armas que ferem, dizem-se coisas que não fazem bem a ninguém e ai podemos ver como está o mundo e porque toda a gente discute e ninguém se entende...
Há uma energia de contenda e de guerra que também nos apanha a nós...que nos domina mesmo sem querer neste momento. Tomamos partido, julgamos, condenamos, defendemo-nos, acusamos o outro de arrogância ou de cobardia...vemos as suas incongruências, os seus defeitos, como se nós fossemos melhores e isto dói tanto.

Hoje sinto-me ferida dentro desta realidade e na minha essência e por mim mesma - sei que ao entrar em combate agrido sem querer e sou agredida...Mas no fundo vejo também a minha tentativa de amar e compreender e ver que se calhar o outro pensa de mim a mesma coisa e também se sente ferido pela minha incompreensão. Que fazer para sermos realmente AMÁVEIS? Sim, sermos ou tornar-nos amáveis (dignos de amor) sem nos trairmos a nós mesmas e ao que pensamos? Sem perder o amor (?) do outro/a ou a atenção ou o respeito, enfim a amizade?
O que eu sinto é que não podemos fazer nada...e apenas perceber que esta é a humanidade que temos e não conseguimos mais nada...apenas ter a compreensão profunda de que estamos sós...e que só essa solidão nos dá a dimensão de quem somos - e se o outro/a perceber isto, enfim...temos algo em comum e do alto ou do baixo dessa compreensão perdoarmos e aceitarmos-nos todos/as tal como somos...sem julgar nem condenar, sem achar que se tem razão...aceitar esta condição...de ainda não sermos verdadeiramente humanos e menos ainda capazes de amar incondicionalmente como apregoamos.
rlp

domingo, novembro 29, 2015

a mulher que dorme na mulher...



A MULHER E A ANIMA...

"A psicologia da criação artística é uma psicologia especificamente feminina
Quer pense o poeta que sua obra nele se cria, germina e amadurece, quer imagine que deliberadamente dá forma a uma invenção pessoal, isto em nada altera o facto de que na realidade a obra nasce do seu criador, tal como uma criança de sua mãe. A psicologia da criação artística é uma psicologia especificamente feminina, pois a obra criadora jorra das profundezas inconscientes, que são justamente o domínio das mães. Se os dons criadores prevalece, prevalece o inconsciente como força plasmadora de vida e destino, diante da vontade consciente; neste caso, a consciência será muitas vezes arrastada pela força impetuosa da corrente subterrânea, tal como uma testemunha desamparada dos acontecimentos. A obra em crescimento é o destino do poeta e é ela que determina sua psicologia.”

(...)

In O Espírito na Arte e na Ciência
De C.G. JUNG

As verdadeiras relações...





 
"O jovem de hoje, quando pergunta se você “está ligado?”, não está sendo tonto e nem superficial, como podem pensar os seus pais. Não se trata no “tá ligado?” de uma banal linguagem fática, de testagem do canal comunicativo. O que ele pergunta é se o que faz sentido para ele, de uma forma única, faz sentido para você. Sentido e não significado. Algo que toca um, também toca o outro, mas de maneira diferente. E essa diferença é sustentável. As pessoas não precisam compartir o mesmo significado para estarem juntas."

Jorge Forbes Girassois clinicando as psicoses.


Cada um de nós ao longo da vida experienciou situações diferentes, com pessoas distintas, e em contextos emocionais irrepetíveis. Dessas vivências, em particular na família, vingaram significados pessoais sobre as coisas – a posse do outro sinónimo de “amor”; mais tarde, numa relação, achar que não é amado quando o outro se distancia….
O princípio de ficar próximo é compreendermos que, com este património pessoal de significados, ouvir o outro é mudarmos a nossa percepção, desbravar memórias até ao osso, por vezes chegadas de tão longe, de maneira a nos aproximarmo-nos do seu real pensar e sentir, e encontrarmos, não necessariamente o mesmo significado – que milagre seria -, mas sentidos partilhados.
Não perceber o que toca ao outro, a persistir, é a expressão da não ligação, sem violência, sem crueldade, mas desoladora. Não há vida em conjunto para viver.


por Cristina Simões
in incalculável imperfeição
 

sábado, novembro 28, 2015

CRIMES CONTRA A NATUREZA E A MULHER

 


O QUE PODE LEVAR UMA MULHER A ESTA ABERRAÇÃO?
 
Mas pior ainda - é haver mulheres que acham isto normal e dizem.."desde que se sinta bem" - onde é que chegou a loucura e a alienação, diria mesmo a "carnificina" cometida contra o próprio corpo...que doença sofre esta criatura para assim se cortar, se transformar, impiedosamente...
 
Que doença, que vazio, que falta de amor próprio e que falta de consciência interior e anímica  afecta esta mulher e outras como ela para se sentirem bem nesta pele, na pele do Monstro...de um boneco ou de uma imagem de ficção - como é que a imagem projecta da mulher pelo cinema e a ficção pode levar as mulheres a querer copiar a custo de tamanha atrocidade...15 operações...e a mutilição completa do seu ser...
Estas mulheres tem que ter um grande desprezo e mesmo ódio do seu corpo para fazerem estas atrocidades consigo mesmas. Mas mais grave é não haver uma ética ou uma lei que criminalize este atentado ao corpo humano pela parte de médicos e isto em nome da liberdade e da escolha de uma pessoa...uma pessoa que não pode nem está na posse da sua sanidade mental...

ISTO É UM CRIME CONTRA A NATUREZA E DEVIA HAVER UMA DEONTOLOGIA MÉDICA QUE IMPEDISSE A CRIAÇÃO DESTES MONSTROS...
rlp
 
Anónimo Anónimo disse...
 
"O livro o mito da beleza de Naomi Wolf, é esclarecedor sobre a massiva e ininterrupta campanha que o patriarcado faz através de todos os meios de comunicação, impondo esses padrões abusivos, irreais e masoquistas de beleza. E os homens capitalistas, da industria de 'beleza', os cirurgiões, os fashionistas lucrando BILHÕES com as inseguranças que criam nas mulheres. Somos ensinadas desde pequenas a crer que só seremos dignas de amor se nos encaixarmos nesses padrões absurdos de beleza. A Feminilidade é uma arma de destruição em massa do psiquismo e do corpo das mulheres."

O QUE É A CONSCIÊNCIA DA CONSCIÊNCIA, OU A VERDADEIRA INTELIGÊNCIA?




"A CONSCIÊNCIA TEM FUNDAMENTALMENTE DOIS ASPECTOS:
UM É O RESULTADO DE COMPARAÇÕES, O OUTRO É O RESULTADO DA IDENTIFICAÇÃO; UMA É ORGÂNICA OU CEREBRAL, A OUTRA VITAL OU FUNCIONAL."(...)
...
A Inteligência do Coração, que estabelece a relação da Consciência inata com a observação do facto, é a Identificação.
Identificação significa viver com e no feito observado, sermos nós próprios o feito, experimentar e actuar, sofrer, alegrar-se com ele. Esta é a “Consciência Simpática” e não uma consciência subjectiva que a lógica pretende opor à Consciência objectiva. Sem dúvida, presta-se a confusões: a consciência cerebral se inscreve de maneira cerebral como acabamos de dizer e a Consciência inata inscreve-se na natureza dos organismos, ou seja, que o móbil da sua função é o impulso da sua necessidade, a Ideia o princípio de Harmonia. No ser humano, no animal superior, isto cria a emotividade.

Quanto maior é a sensibilidade emotiva, melhor se pode expressar a Consciência inata. Se o feito observado provoca uma “sensação”, uma reacção tipo egocêntrico, com que estamos ante a consciência subjectiva. Se o feito é observado por uma pessoa em estado de neutralidade, um estado impessoal, estamos diante da Consciência simpática. Daí todos estes problemas se resolvem numa cultura que implique um desprender-se do egoísmo e do domínio da parte mental (do filme cerebral).
(...)
in “ESOTERISMO E SIMBOLISMO”
De: R.A. SCHWALLER DE LUBICZ

A CONSCIÊNCIA DE SI



CONSCIÊNCIA E SOMBRA...


Uma das coisas fundamentais para se entrar num processo de evolução da consciência, qualquer que ele seja, é preciso entender a essência do ser e não deixar que o Ego e a susceptibilidade, os complexos e medos  se entreponham nele...

Ninguém inicia um caminho interior ou exterior de consciência de si sem que se proponha primeiro despojar do seu Ego, da máscara, da couraça, sobretudo se este for inflacionado por uma ideia ou imagem baseada em crenças, grandes ideias, utopias, e velhos moralismos...
Há muitos processos e métodos que nos prometem vias muito certinhas, como o equilibrar os chakras, equilibrar as emoções, meios de caminhar "seguras e positivas", que passam por caminhos de construção e correcção dos nossos sentimentos negativos, das nossas feridas e bloqueios etc. Mas qualquer caminho ou método que não desconstrua primeiro e não nos faça ver os defeitos ou os saliente, que não nos mostre os porquês das nossas dores ou toque nas nossas feridas mais profundas...não são senão o tapar ou o encobrir do que nos afecta e perturba, e só servem de anestésicos ou remédios, que atacam os sintomas, mas nunca curam...

Há sempre que saber lidar com a nossa Sombra...e fugir a ela é catastrófico...Tanto a nível individual como colectivo.
Não são as guerras uma irrupção brutal do inconsciente colectivo que emerge e se solta colocando-se do aldo do bem contra o mal e vice-versa por parte de seres totalmente ignorantes da sua dualidade humana como o são os lideres religiosos e os militares de carreira ou os poderosos que apenas se interessam com o lucro, mesmo a custo das vidas humanas, como é o caso dos banqueiros? 

Penso que as mulheres poderiam fazer a diferença uma vez conscientes do seu ser instintivo e por isso seria desejável que cada vez mais, mais mulheres pudessem tomar consciência de si como um ser total, que percebessem que lidam apenas com partes fragmentadas de si, e evocar a imagem da Mulher primordial, uma mulher não cindida em duas, dividida em estereótipos e sair de vez de todas estas abordagens de pacote e de fim de semana "new age" que por aí proliferam e que não são mais do que tentativas de a voltar a manipular através de métodos ditos “espirituais”, todos muito certinhos e “dignificantes” da condição da mulher “BOAZINHA E PURA”, sempre seráfica e doce, obediente, em que se busca apenas controlar e educar as emoções da mulher genuina que desperta, a mulher profunda e selvagem,  e libertar  a  mulher renegada pelos preconceitos atávicos, de acordo com um propósito, que quanto a mim foi e é mais uma vez o de alienar a mulher de si mesma e da sua psique ancestral e a impedir de seguir um caminho próprio de que a afastaram há milénios os patriarcas do deserto….
(...)
rosaleonorpedro

sexta-feira, novembro 27, 2015

O NATAL Á PORTA...e o botox!

A MENTIRA GLOBAL

Às vezes tolhe-me o desânimo e simplesmente deixo de acreditar que valha pena este esforço ou esta persistência em continuar no escuro a falar para as mulheres...a falar de Consciência do Feminino essencial e da Deusa Mãe...do amor ou da paz interior!
Hoje dá-me quase vontade de rir - para não chorar - continuar a acreditar que alguma coisa muda...
Sim, quando olho e vejo as mulheres em geral a fugir de si próprias e continuarem apenas dedicadas ao mesmo de sempre, a cultuar a sua prisão...a polir as suas grades...a construir os seus castelos de areia no mar da ilusão, à volta dos sonhos e fantasias sobre o homem ou do amor ideal ou da casa fantástica, a decoração ou mesmo das causas perdidas ou da fé cega,  perante um deus que as oprime e divide e faz das mulheres um bode expiatório, subalterno aos homens e continuarem a viver como meros objectos sexuais, sejam as casadas sejam as solteiras ou divorciadas  - ver como tudo lhes serve para se confundirem e distraírem e alienarem de si próprias...
Elas vão ao encontro de tudo, compram tudo, sem discernimento, sem consciência de si nem de nada, sempre em busca de esquecimento ou prazer...e não veem como são usadas e exploradas em todos os sentidos. Vão atrás de tudo o que as move no exterior...ideias, modas, carros, casas, operações estéticas...e não é meramente por necessidade de beleza, não!

Fazem-no porque as mulheres são à partida e na grande maioria destituídas de um valor intrínseco,  desconsideradas enquanto pessoas, quase sempre inferiorizadas e só são mais valia se corresponderem aos estereótipos da moda e do consumo - e é ai mesmo que isso acontece com a maior parte das mulheres fracas e fragilizadas pelo Sistema que as usa indiscriminadamente - é precisamente para tapar esse buraco dentro de si, colmatar esse vazio, que as mulheres acabam sendo vitimas e exploradas, porque formatadas no sentido de se produzirem, de se "repararem", de se enfeitarem, elas são usadas por todo o tipo de Mafias desde a que trafica jovens para a prostituição até à Mafia Médica...que usa as doenças e o medo para promover os seus produtos tóxicos. 
E a exemplo disso ouvi a noticia há dias de uma qualquer farmacêutica que comprou uma empresa de BOTOX por milhões e milhões de euros e percebi aí que eram justamente as mulheres, sim nós mulheres, que alienadas, todas nós, sustentamos estas industrias...para mutilar o corpo, para parecer bonecas insufladas ou ser como os modelos ou  como as artistas de telenovela e cinema ou para ter um homem, sermos atractivas,  ou nos mantermos "jovens"...

Por tudo isto, hoje sinto uma agonia e uma dor que nada consegue disfarçar ou atenuar.
 

Desculpem- me, mas efectivamente, pensem, somos nós mulheres que sustentamos todas essas empresas milionárias da cosmética...e do cinema...e dos perfumes e das roupas...em todo o mundo. Somos nós que sustentamos essas supostas elites que admiramos e copiamos os modelos de vida, que lemos as revistas com as suas vidas estéreis e fúteis...e suspiramos por não ter aquelas casas  e festas e luxo...
Sim, somos nós que sustentamos a escravidão de milhares de crianças e mulheres que trabalham dia e noite por causa dos nossos sapatos e malas... anos a fio e sem mais nada na vida que a escravidão a exclusão e a violação ...
 

Mulheres...somos nós que sustentamos este mundo torpe e mentiroso e artificial que nos mata e corrói por dentro nessa ilusão de uma felicidade exterior que nunca existiu e nós continuamos a comprar tudo e compramos e compramos...
 

Desculpem-me...eu hoje acordei assim...agoniada e sem conseguir acreditar neste mundo. Talvez porque o Natal se anuncia neste horror de consumo de inutilidades e farsa sentimental e em que comemos animais como os animais... enquanto morrem milhares de crianças de fome e sem água no mundo...enquanto morrem milhares de seres humanos em guerras inventadas para manter este caos que esta sociedade comercial em que tudo se vende e compra...doentes todos os humanos doentes a pensarem-se civilizados, mas apenas a viver como bichos, formigas, a PRODUZIR A CONSUMIR E A MORRER, sem mais nada...
Desculpem...mas hoje não consigo ser positiva nem olhar o lado bom das coisas...
rlp

quarta-feira, novembro 25, 2015

Os relacionamentos de amor...



Relacionamentos amor/ódio...


"A não ser que, você aceda à frequência consciente da presença, todos os relacionamentos, e particularmente os relacionamentos íntimos, serão profundamente imperfeitos e até mesmo disfuncionais. Poderão parecer perfeitos durante algum tempo, como por exemplo quando você está "apaixonado", mas invariavelmente essa perfeição aparente será destruída à medida que começarem a ocorrer, com repetida frequência, as discussões, os conflitos, a insatisfação e a violência emocional e até mesmo física. Dir-se-ia que, na sua maioria e a curto prazo, os "relacionamentos de amor" se transformam em relacionamentos amor/ódio. O amor poderá então, num abrir e fechar de olhos, transformar-se em ataques selvagens, sentimentos de hostilidade e perda total do afeto. Isto é considerado normal. Então, durante algum tempo (alguns meses ou alguns anos), o relacionamento oscilará entre as polaridades "amor" e ódio, e dar-lhe-á tanto prazer como sofrimento. Não é raro os casais tornarem-se viciados nestes ciclos. O drama fá-los sentirem-se vivos. Quando se perder o equilíbrio entre as polaridades positiva e negativa e os ciclos negativos e destrutivos ocorrerem com uma frequência e uma intensidade cada vez maiores, o que mais cedo ou mais tarde acabará por acontecer, então não demorará muito o relacionamento chegar ao fim."


Eckhart Tolle

segunda-feira, novembro 23, 2015

o positivismo científico provocou a dessacralização do amor





"A carruagem da masculinização, que trouxe numa mesma braçada o racionalismo religioso e o positivismo científico, provocou a dessacralização da sexualidade e a redução do eros a festim da corporal – se é que ainda é festim!
(…)
Reina tanto mais a confusão quanto uma clivagem se cava no coração da humanidade; está em ressonância quase completa com aquela que eu exprimia mais atrás, separando o homem da mulher: de um lado estão aqueles, homens e mulheres, que por enquanto só olham para fora (…), a seu ver normativa em si mesma; do outro estão os que se viram para o oriente. Os primeiros debatem-se num dilúvio de violência e não sabem mais do que sobreviver radicalizando ao extremo, no terror de uma perda de segurança, os velhos esquemas masculinizados das éticas religiosas, políticas, sociais, etc; os segundos, começam a aceitar morrer para esses valores passados, porque aceitam morrer para esses valores passados começam a viver."
o feminino do ser - Annick de Souzenelle

Esta volta para a Mãe (Mar)...



"Esta volta para a Mãe (Mar), quer seja considerada sobre o ponto de vista psicológico, ou o ponto de vista político, precisa ser indubitavelmente ligado ao acto sexual. O acto sexual é com efeito, com toda a clareza, uma tentativa brutal do homem para retomar lugar no ventre da mulher, e para a mulher uma tentativa de retomar a sua criança desaparecida (e isto inconscientemente numa mulher mesmo que não tenha tido ainda nenhum filho)."
(...)
“No acto sexual e no de fecundação que se encontra estreitamente ligado, fusiona-se numa só identidade, não somente a catástrofe individual (nascimento) e a última das catástrofes da espécie, mas também, todas as catástrofes sofridas desde a aparição da vida; portanto o que se exprime no orgasmo, não é somente a calma intra-uterina e uma existência apaziguadora, assegurada por um meio mais acolhedor, mas também a calma que precede o aparecimento da vida, quer dizer a paz morta da existência inorgânica”

in Le Mythe Celtique de l’origine
(Do livro de Jean Markale, “La Femme Celte”).

domingo, novembro 22, 2015

UMA VISÃO OPTIMISTA DA MORTE...


REGRESSO A MÃE

"A Terra-Mãe, é sentida, escreve Mircea Eliade, como "a matriz universal, como a fonte ininterrupta de toda a criação. A morte, em si própria, não é um fim definitivo, não é a aniquilação absoluta, tal como é por vezes concebida no mundo moderno. A morte é assimilada à semente que, enterrada no seio da Terra-Mãe, fará nascer uma planta nova. Pode assim falar-se de uma visão optimista da morte, pois a morte é considerada como um regresso à Mãe, uma reintegração ...provisória no seio materno."

Via Pedro Silva - escritor 

Os temas fraturantes

 
VAMOS LÁ REPENSAR AS COISAS
e ir para além dos estereótipos fabricados pelo Sistema...


É falaciosa esta imagem e deturpa a realidade da Mãe, da Criança e da Mulher. Sejam elas duas mães ou pior ainda dois pais. Corroboro e concordo inteiramente com o que nos diz aqui a autora deste texto:

"Acredito que é impossivel substituir a mãe na sua representação biologica, psicologica e espiritual e que o sistema está efectivamente contra o poder que brota do amor materno, e que defende a vida pela vida. Crianças sem mãe não vão ter acesso a essa dimensão da sacralidade da Vida e tornam-se adultos fáceis de manipular, pouco rebeldes contra injustiças básicas e por isso o sistema defende-se ao criar situações que perpetuem o próprio sistema autofágico que não defende a mulher nem a familia mas cria uma caricatura de ambas.
 

Sou contra, não por moralismo mas pela criança, pelos futuros adultos. Disseminaram a máxima "Uma criança adoptada por um casal gay foi abandonada por um casal hetero" sem questionar à partida quais as dificuldades que os pais, e principalmente a mãe, tem de enfrentar quando tudo conspira contra a célula base do desenvolvimento dos individuos enquanto pessoas na verdadeira acepção da palavra. E assistimos a uma vaga de ficção televisiva em que as mulheres são histéricas e desequilibradas mas os casais gay são a familia perfeita, a estatistica não o confirma e até o contradiz, a violencia domestica entre casais do mesmo sexo é igual para pior. 
Aqui há alguns anos uma jovem mãe de Cascais perdeu um filho para uma instituição e mesmo deslocando-se diariamente até a essa instituição para poder amamentar e recuperar o filho, a criança acabou por ser deslocada para uma outra instituição no Algarve. A familia fez várias manifestações e todas as diligências para que pudessem reunir de forma efectiva. Não conheço o desfecho desta história mas representa a luta de muitas outras mulheres."

por Ananda Krishna Lila
 

sábado, novembro 21, 2015

UM MUNDO SEM MÃE É LETAL



TODO O DRAMA HUMANO
se basea na FALTA DA MÃE


O drama desta Humanidade sob o domínio de Deus Pater, é que o homem não tem Mãe - Ecce Homem despreza e maltrata a mulher, a mãe e a filha, se não a sua a do próximo!
Que Mundo, que Sociedade que Família pode este homem sem Mãe gerar em amor e em paz? O homem viola, prostitui e assassina e vende a mulher há séculos. Como é que se continnua a branquear e a escamotear esta realidade e fazer leis e a fingir que tudo está bem?

O povo mais violento e assassino de mulheres, o Islão e a sua Lei é o povo que mais odeia e maltrata as suas mulheres - e aqui podemos ver onde chega a sua demência...no seu ódio e no seu desprezo pelos seres humanos. Homens sem mãe...filhos do Pai alá maomé ou jeová, filhos de mulheres sem nome e sem voz...
rlp

sexta-feira, novembro 20, 2015

MÃE HÁ SÓ UMA

REVERENCIANDO NUESTRA FEMINEIDAD*

*"Busquemos a la madre verdadera, a la madre nutridora, la nutrición desapareció de este mundo con el patriarcado. El resentimiento del hijo/a hacia la madre, se debe a esa falta de nutrición, si bebemos de ella, recuperamos el amor y la plenitud perdida".



Só a Mãe é Mãe e não há duas mães, nem dois pais...
Mãe é única e só uma - sim, "mãe há só uma"!

A Família é uma instituição patriarcal fundamentada exclusivamente na propriedade privada da qual a mulher se torna propriedade do homem.  A família é baseada num contrato social patriarcal, fundada no casamento-contrato que consiste na compra e posse da mulher procriadora  com a finalidade de assegurar descendência ao Pai e manter e dar ao filho varão o nome do Pai e a propriedade. Tudo isto foi escamoteado ou ignorado deliberadamente, mas mantem-se tudo na mesma.
A Família é uma construção baseada inteiramente no poder do homem sobre a mulher, antes óbvio hoje subentendido,  que é em si anulada desde menina e sujeita a todas as normas e conceitos que estabelecem a sua predestinação e "destino": ser vendida ou  comprada ao pai pelo marido, negócio estabelecidos pelos interesses de ambos ou ambas as famílias. As mulheres que não tem "dote"...dinheiro beleza e virgindade...condenadas a prostituírem-se...isto mudou na aparência mas continua  a ser igual no fundo e nos bastidores das famílias - com outros nomes...
Pensar que isto mudou é portanto uma fraude porque só aconteceu na aparência mas  as estruturas psicológicas mantem-se e o modelo arquetípico continua o mesmo, mesmo que a cultura moderna queira dizer o contrário.
A verdade é que esta sociedade moderna continua a não defender a mulher nem a Mãe nem as filhas. As mulheres são ainda consideradas e tratadas como espécie subalterna e submetida ao poder e à lei do mais forte, o Homem, sem expressão ou conhecimento de si, sem linguagem sua ou terminologia,  nem nomenclatura própria. Elas não entram no dicionário, senão em função do homem e como função mulher-esposa-mãe...
Dai, uma sociedade em que a Mãe e a mulher não sendo respeitadas nem tendo identidade nem direitos ou dignidade criam filhos sem mãe, sem maternidade, sem amor, ou seja, pequenos monstros tal como o Islão, onde a mulher não tem qualquer valor nem na família nem na sociedade e em que é vendida menina em mercados e violada ou morta sem qualquer impedimento por lei ou apedrejada em  defesa da honra do macho, dono, marido pai ou proprietário, sempre que queiram.
Assim, a violência e o ódio e as guerras, perpetradas no mundo de homens desde os impérios grego e romano, é o de filhos sem Mãe e o que estas mulheres fizeram ao longo de séculos foi  criar seres que não têm qualquer amor nem gratidão pela mãe nutridora nem pela vida ou pela Terra.   

"Matar el agradecimiento natural de cualquier criatura hacia su madre, es la base de todo este desastre ecológico".


rlp

 

quinta-feira, novembro 19, 2015

A ACULTURAÇÃO DA MULHER


E A LEMBRANÇA DO SEU PARANTESCO ABSOLUTO
COM O FEMININO SELVAGEM...

"Não importa a cultura pela qual a mulher seja influenciada, ela compreende as palavras mulher e selvagem intuitivamente.
Quando as mulheres ouvem essas palavras, uma lembrança muito antiga é acionada, voltando a ter vida. Trata-se da lembrança do nosso parentesco absoluto, inegável e irrevogável com o feminino selvagem, um relacionamento que pode ter se tornado espectral pela negligência, que pode ter sido soterrado pelo excesso de domesticação, proscrito pela cultura que nos cerca ou simplesmente não ser mais compreendido. Podemos ter-nos esquecido do seu nome, podemos não atender quando ela chama o nosso; mas na nossa medula nós a conhecemos e sentimos sua falta. Sabemos que ela nos pertence."


Clarissa Pinkola Estes

A PSIQUE FEMININA


A NOSSA META...


" As questões da alma feminina não podem ser tratadas tentando-se esculpi-la de uma forma mais adequada a uma cultura inconsciente, nem é possível dobrá-la até que tenha um formato mais intelectual e aceitável para aqueles que alegam ser os únicos detentores do consciente. Não. Foi isso o que já provocou a transformação de milhões de mulheres que começaram como forças poderosas e naturais, em párias na sua própria cultura. Na verdade a meta deve ser a recuperação e o resgate da bela forma psíquica natural da mulher"

Clarissa Pínkola Estés - Livro " Mulheres que correm com os lobos"

quarta-feira, novembro 18, 2015

O PODER DA MULHER - AGORA



MAS CABE-NOS A NÓS E SÓ A NÓS MULHERES A DESCOBERTA DA NOSSA ESSÊNCIA E O SEU RESGATE - mesmo quando os homens dizem destas verdades...


"O número de mulheres que se aproxima agora do estado de consciência plena já excede o dos homens e crescerá ainda mais rapidamente nos próximos anos. No final, os homens poderão chegar ao nível delas, mas durante um período de tempo considerável haverá um hiato entre a consciência dos homens e a das mulheres. As mulheres estão a recuperar a... função que lhes cabe por direito, daí que lhes seja mais fácil do que aos homens ser uma ponte entre o mundo manifesto e o Não-Manifesto, entre o físico e o espírito.

A principal tarefa agora, como mulher, é tratar de transmutar o corpo de dor para que ele não se interponha entre ela e o seu verdadeiro eu, a essência de quem ela é. É evidente que também terá de lidar com o outro obstáculo à iluminação, que é a mente que pensa, mas a intensa presença que a mulher cria ao lidar com o corpo de dor também a libertará da identificação com a mente."

Eckhart Tolle (O Poder do Agora, pág.175)

O ASSUMIR DA ANCIÃ...





 

 O SOFRIMENTO QUE SE CALA
E ...ESQUECE...

A mulher é tão poderosa que consegue sofrer brutalmente logo que nasce; ela consegue viver e sobreviver toda a vida como se não tivesse nenhum desse sofrimento...
Porque esse sofrimento está escondido, escamoteado, branqueado e em nome desse sofrimento, sofremos as maiores difamações de histérica, maluca, faladora, provocante, insípida, fria, frígida, cabra … é um painel infinito de epítetos em que nenhuma de nós escapou, nomeadamente ao principal (o pior de todos, a puta!)
As nossas mães avisaram-nos, preparam-nos e nos castraram nesse potencial de mulher,  Ser mulher integral – agora a nossa função, a nossa missão, a nossa realização é ir buscarmos essa mulher que ficou nos confins desse esquecimento. Que momento trágico, nefasto ou simplesmente absurdo, o que ficou no obscuro total da nossa vida: O momento em que a nossa mulher emergiu de maneira inocente e foi brutalmente condicionada (cala-te, veste-te, nunca mais faças isso...) coisa que não acontece com os meninos e vai ser um bom macho.



- Rosa Leonor Pedro no encontro No Ninho da Serpente de 18 de Abril de 2015, em Lisboa
Transcrição - Carla Ávila
Fotografia - Sara Rica Gonçalves no Retiro da Anciã, Novembro de 2015

segunda-feira, novembro 16, 2015

ESTA GUERRA NÃO É NOSSA


A VIDA DIVINA E O NOVO SER

"Esse ser, “é o futuro, será o ser supra-mental (o ser que viverá para além do mental*), é o ser impossível de ser “fabricado” com todo esse tecido de mentira mortal. É um ser que será construído… divinamente.
(…)
Quero dizer que a “vida divina”, começa quando começamos a desenraizar esta impostura (de nós*), a ter uma base que seja de vida PURA. É aí que a vida divina começa. Essa vida que…eu não sei, não a vejo ainda, mas ela virá. Não será de certeza uma via divina filosófica! Será uma vida divina muito…material.
(…)
Ele nasce seguramente das súplicas de um certo número de pessoas – ou talvez mesmo de muitas… Súplicas, (orações?) digo. Há muita gente com coragem apesar de tudo que se diz:
“Verdadeiramente, meu deus, isto não é possível!”
Enfim há tanta gente que sofre, não é verdade? Então há súplicas ignorantes e outras mais conscientes. Com certeza que todos os pedidos (e orações *) contribuíram para isso. Se não houvesse ninguém desde lado a chamar o que haja de mais verdadeiro, porque é que o Divino se daria ao trabalho de se manifestar? Nós podemos chamar-lhe O Divino…O movimento de chamamento é precisamente o movimento que nos começa a libertar. Não há “indivíduos” aí – há chamamentos. Há chamamentos PUROS – talvez não muitos, mas há. Sim, há. E há os outros que sofrem.” *


*Satprem – La vie sans mort -

EM TEMPOS NORMAIS



A Inconsistência Humana

"Que todos os homens são iguais é uma proposição à qual, em tempos normais, nenhum ser humano sensato deu, alguma vez, o seu assentimento. Um homem que tem de se submeter a uma operação perigosa não age sob a presunção de que tão bom é um médico como outro qualquer. Os editores não imprimem todas as obras que lhes chegam às mãos. E quando são precisos funcionários públicos, até os governos mais democráticos fazem uma selecção cuidadosa entre os seus súbditos teoricamente iguais.
Em tempos normais, portanto, estamos perfeitamente certos de que os Homens não são iguais. Mas quando, num país democrático, pensamos ou agimos politicamente, não estamos menos certos de que os Homens são iguais. Ou, pelo menos - o que na prática vem ser a mesma coisa - procedemos como se estivéssemos certos da igualdade dos Homens.
Identicamente, o piedoso fidalgo medieval que, na igreja acreditava em perdoar aos inimigos e oferecer a outra face, estava pronto, logo que mergia novamente à luz do dia, a desembainhar a sua espada à mínima provocação. A mente humana tem uma capacidade quase infinita para ser inconsistente. "


Aldous Huxley, in "Sobre a Democracia e Outros Estudos"

NÃO DUVIDEMOS...



A INFANTILIDADE DOS HOMENS

"A grande maioria dos homens no nível cultural presente nunca avança além do significado maternal da mulher e esta é a razão pela qual a alma raramente nele se desenvolve além do nível infantil, primitivo da prostituta. Como consequência, a prostituição é um dos principais produtos do casamento civilizado."
 


C. G. Jung
  
 
 

A MENTIRA IDEOLÓGICA...



A DIVISÃO E O ANTAGONISMO ENTRE AS MULHERES É DE RAIZ RELIGIOSA, SOCIAL E POLÍTICA, muito atávica  e perdura em todas as ideologias e sistemas patriarcais desde há milénios.

A citação que vos vou introduzir é pura demagogia e pertence à teoria e ao idealismo marxista que falhou retumbantemente em todos os países porque enquanto a mulher não for consciente de si e do seu poder interno e intrínseco, consciente do seu ser ontológico, como mulher integral, não dividida entre a santa e a prostituta, tal como perdura em todas as sociedades actuais desde as mais "civilizadas" às mais atrasadas, a mulher nuca será livre nem una. Enquanto a mulher estiver sujeita a esta divisão ela não pode ser a MULHER AUTÊNTICA E PLENA, nem sequer a Mãe nem a amante ou a mulher emancipada  que escolhe o seu modo de vida sem ter de corresponder a nenhum desses padrões. 


"A luta da mulher proletária por libertação não pode ser similar à luta que as mulheres burguesas travam contra homens da sua classe, pelo contrário deve ser uma luta conjunta com os homens de sua classe contra toda a classe dos capitalistas. Ela não precisa lutar contra os homens da sua classe para romper as barreiras que foram levantadas contra sua participação na livre competição do mer...cado de trabalho… Seu objetivo final não é livre competição com os homens, mas a conquista do rumo político do proletariado. A mulher proletária luta punho a punho com o homem de sua classe contra a sociedade capitalista. " (Zetkin 1984)

ESPANHA, PORTUGAL OU BRASIL...é igual...

A Igreja e o Estado dividem ainda a mulher em duas espécies seja  socialmente, seja psicologicamente (dentro de si na dicotomia da santa e a prostituta) - sejam elas ricas pobres ou remediadas - e portanto os Estados na sua política social dividem todas as mulheres em dois tipos de mulher, seja no capitalismo em que existem de um lado as mulheres sérias (as casadas) e as mulheres de reputação duvidosa, as não casadas, forçadas a vender o corpo. No comunismo  todas puderam trabalhar mas elas eram igualmente tidas como mulheres sérias ou vulgares  e essa divisão mantem-se ainda hoje mesmo que inconscientemente na mente dos homens...
Portanto sejam quais forem os Estados e os Sistemas e as Religiões do mundo, as mulheres estão divididas dentro e fora de si e isso reflecte-se no antagonismo ancestral das  mulheres umas contra as outras, gerando rivalidades e ódios entre si e de classe - ainda e sempre como servas do homem, quer de uma ideologia quer de outra, seja à Esquerda seja à Direita. Ao centro normalmente estão os católicos e os fundamentalistas...E neste caso, o da citação em causa, fala-se dos comunistas como se eles não explorassem, não usassem e não batessem nas mulheres da sua classe...tal como os burgueses ou os nobres faziam! Sim, os homens em todas as sociedades violam e matam as mulheres  como se fossem sua propriedade.
O ódio à mulher é transversal a todas as classes e regimes. Igual em todas as guerras. basta olhar agora o mundo e não só o fundamentalismo islâmico. A morte crescente de mulheres, o feminicídio, é assustador em todo lado e só não vê quem não quer...
Enquanto as mulheres se dividirem e se mantiverem umas contra as outras, elas servem o patriarcado que as submete e maltrata e isso é comum  tanto ao capitalismo como ao comunismo, fosse na Idade-Media ou Idade Moderna e a mais avançada. Nada mudou ou muda  em relação à mulher! No século passado ainda eram cegas as feministas...hoje não há razão para isto! Há que ver o que se quer a força branquear - quer homens quer mulheres o fazem sistematicamente.
Esta citação pois é pura demagogia e aproveitamento político das mulheres socialmente menos esclarecidas do ponto de vista humano e ontológico, porque intelectualmente as mulheres marxistas optaram pela ideologia e não entendem nada de si enquanto seres integrais.
rlp
 

sábado, novembro 14, 2015

MANIPULAÇÃO NEW AGE - e a falsa luz

 
 
Lei Universal e Força Defensiva

(...)
"Na maioria das doutrinas new age, é considerado "não espiritual" ou "involução" até mesmo o considerar mos o uso da força defensiva. Um pequeno adepto da nova era, aparentemente deveria deixar as pessoas e seres parasitas pisar em cima dele, roubá-lo, drenar a sua energia, manipular / implantá-lo, e prejudicá-lo de qualquer maneira que eles escolherem. Não só isso, mas ele também deve suprimir qualquer "emoção negativa" de modo que será, basicamente, "uma vítima feliz" de tais abusos. Este manipulador e enganoso "ensinamento", vem da falsa-luz, e nada poderia estar mais longe da verdade real.
A lei universal primeira é bem simples: Todos os seres são soberanos e tem livre arbítrio para expressar sua criatividade do jeito que quiserem, mas nenhum ser tem o direito de prejudicar outros seres.
O corolário dessa lei também é muito simples: Uma vez que todos os seres são soberanos, os mesmos tem o direito de se defender de atentados contra sua liberdade, usando para isso qualquer tipo de força necessária, até mesmo se isso signifique a destruição do ser que o prejudica.
Os escravizadores da hierarquia espiritual mentirosa se encontram num posição de clara violação da lei universal. Eles evitam a lei natural da atração, que reflete a ação de um ser de volta pra eles, coagindo e manipulando os outros seres em concordar em ser vitimados e escravizados, além de fazer com que os seres assuma a responsabilidade por seus crimes por meio de transferência cármica.

Muitas camadas de engano demiúrgicas se baseiam na GRANDE MENTIRA de que estamos separados da Fonte Infinita. Os seres da falsa-luz reforçam a mentira convencendo os seres que a Lei Universal não existe, que as pessoas não têm o direito inerente de legítima defesa, que devem se submeter a vontade dos merdas do karma", que devem adorar o demiurgo psicopata e seus seres "angelicais", a fim de serem autorizados a entrar no "reino de Deus" um dia.
A verdade é que nós nunca fomos separados da fonte infinita, pois se trata de uma impossibilidade metafísica. Um ser pode optar por ignorar a sua conexão, acreditar que não está lá, e até mesmo acreditar que eles cortaram essa conexão, mas a crença em uma mentira não a torna verdadeira, porque a Verdade não é relativa.
Por exemplo: imagine se um grupo de seres humanos decidiu “sair” da atmosfera pra respirar o ar a partir de um tanque de mergulho. Eles estão realmente separados da atmosfera? Não. Eles ainda existem na atmosfera, mesmo recorrendo a outra fonte para respirar.
No entanto, os seres demiúrgicos são plenamente comprometidos com a sua própria ilusão de separação da Fonte, e, portanto, devem encontrar uma fonte alternativa de energia, que eles “sugam” da humanidade na forma de culto, adoração, crenças, os contratos de contraparte, a sexualidade distorcida, decepção, confusão, apatia, luta, dor, sofrimento, ódio, morte, etc.

A ÚLTIMA coisa que a hierarquia mentirosa quer é que a humanidade chegue a um entendimento da Lei Universal e compreenda o quão escravizada foi pelo engano. No instante em que declarar: "Eu sou Soberano e nenhum ser tem o direito de tirar a minha energia de mim", o jogo muda radicalmente. Ao saber que nós somos soberanas individualizações da Fonte, podemos exercer nossos direitos soberanos, incluindo o uso justo da força defensiva." (...)
Day Cameron

EM NOME DOS DEUSES...

(...) "O corrupto demiurgo tem tido muita dificuldade para controlar totalmente o planeta Terra. Os Humanos já foram seres com grande consciência da sua conexão com a fonte infinita de toda a vida. Por esta consciência não poder ser "varrida pra fora de nós" pelas forças das trevas, um plano foi formado para cooptar a natureza espiritual dos seres humanos.
Primeiro, as religiões patriarcais foram criadas e impostas na maior quantidade de pessoas possível...
. Durante a maior parte da história essas religiões predominaram, até o século passado quando surgiu o movimento “teosófico” que serviu como estopim para a fundação do movimento nova era que emergiu nos anos 50, 60 e 70. O movimento foi ganhando destaque à medida que atraia as pessoas que se afastavam da hipocrisia das religiões patriarcais.
O corrupto demiurgo parece ter “a resposta mais fácil” para todo tipo de infortúnio que os humanos experimentam. Se a religião patriarcal tradicional não serve para uma pessoa, o movimento new age por sua vez cai como uma luva. Tudo, no fim das contas, é o demiurgo, o importante é que façamos a escolha de um “lado” que o mesmo controla. É por isso que precisamos transcender os dois lados.

Os Canalizadores estão sendo enganados" -


Day Cameron

 

quinta-feira, novembro 12, 2015

O PODER NA PONTA DOS DEDOS...




"Meu útero "


Q Meu olho de bruxa

"As mulheres podem ver energeticamente com sua barriga. Don Juan se referia frequentemente à grande paradoxo das mulheres: "têm o poder na ponta de seus dedos - dizia - mas não querem usá-lo". Nós queremos que cheguem a estabilidade necessária, o que implicará a ativação da segunda unidade de interpretação hospedada em seu ventre. A percepção não é uma questão meramente visual. A percepção é executado com o corpo inteiro, esta é a herança do funcionamento de um estado prévio. O nosso esforço é o de avançar além do olho predatório, isso significa avançar ao olho do ventre, as bruxas deram um passo mais além do que as mulheres comuns ao usar seu ventre como ferramenta perceptual e evolutiva."

Carol Tiggs
(bruja do clã castaneda)

Ambígua instituição...


O CASAMENTO - COMÉRCIO

(...)

"O casamento é hoje para mim uma das formas, sem dúvida a mais ambígua de comércio com o outro. Se evolução houve, apenas teria sido no sentido de lhe provar o peso tribal, o que tem, por ser instituição, de mais amplo e restrito que coisa que apenas a dois importa.
Casamento é coabitar e ver-se pelos outros coabitando. É encontro e coacção, o que dificilmente será trágico, se o encontro é de muita esperança e a coacção forte. Quem entenderá com paciência que o muito querer seja mandado?
Qual o desejo do outro que é sempre inquirir do mais, que não se abala ao saber-se compulsivamente, que não unicamente, doméstico, domiciliado em parte certa? Em função do que está em causa quando o amor está em causa, estará assim em causa o casamento? Ou será que falando de amor e casamento conjuntamente ocorremos em lamentável confusão?
Ambígua instituição pois, que ratifica o desejo de devir conjunto, que não deve ser ratificado por mais nada que por seus frutos de aventura moral, pela esperança e promessa que sempre me parecem dever ser coisas livres ou não ser. Aventura e coisa da cidade por oferecida e exposta, não imposta."


Maria Velho da Costa,
in Caderno Casamento da Revista o Tempo e o Modo, 1968.



 

terça-feira, novembro 10, 2015

GRATIDÃO



Oração de gratidão

Para todas as mulheres maduras e espertas que estão aprendendo quando é o momento certo para dizer a verdade, e a não calar, ou calar quando o silêncio é mais forte do que as palavras.
Para todas as mulheres que estão a chegar à maturidade, que estão a aprender a ser gentis quando seria mais fácil serem cruéis...
Que sabem poder ferir quando a situação o reclama, mas com um corte claro e preciso...

Que estão a exercer e a dizer toda a verdade, com toda a piedade.

...Para todas aquelas que violam as convenções e apertam a mão dos estrangeiros saudando-os como se os tivesse visto crescer e conhecidos desde sempre...
Para todas aquelas que estão aprendendo a agitar os ossos, a remover as águas, e a cama, mas também a apaziguar as tempestades...
Para aquelas que ainda mantêm o azeite das suas lamparinas que mantêm a calma na vida quotidiana...
Para aquelas que perpetuam os rituais, que recordam como acender o fogo com um simples fio e um sílice (rocha dura)...
Para aquelas que eles recitam as antigas preces, que recordam os símbolos, as formas, as palavras, as músicas, as danças, e aquilo que os ritos, em outro tempo, procuravam apaziguar....
Para aquelas que que bendizem com frequência e com gosto os outros...
Para aquelas mulheres maduras que não têm medo, ou que se têm, decidem de todos modos de activar com determinação...
Por elas...
Que tenham uma longa vida, em força e em saúde, enviando todas as luzes do seu imenso espírito."



Clarissa Pinkola, em "A Dança Da Grande Mãe"

segunda-feira, novembro 09, 2015

A BESTA DA POLITICA...e o ABUSO da Mulher!

ISTO É INFAME E REPUGANTE!
 



A BESTA DA POLITICA...e
 o ABUSO perpetrado da Mulher!


Aqui temos a imagem de como a Besta politica e o animal jornalista, ilustrador, desenhador ou o que seja, a mente pedófila, torpe e misógina do homem menor e pequenino que só vê o tamanho do seu sexo e impera nos Mídias...e assim faz continuamente da mulher este degradante quadro!

PERGUNTO - quando é que a mulher deixará de ser aviltada por esta mente portuguesa machista, tacanha e repugnante, quiçá pedófila ou gay, e que tanto despreza e tem medo das mulheres para as denegrir assim? Porcos feios e maus...todos estes macacos que ilustram e criticam e vivem de ódios e guerras na dita "politica" portuguesa...
Os homens em Portugal estão habituados ao ABUSO de crianças e mulheres e isso é o que esta imagem rflecte e propaga...
E as mulheres aceitam caladas mais este ABUSO?


rlp

PS
Não sei de onde provem esta montagem ou se é capa de algum jornal ou revista, mas é perfeitamente reveladora de como a mulher é sujeita permanentemente a este ultraje da sua imagem.

sexta-feira, novembro 06, 2015

MÃE DO COSMOS...

"Oh Isis!,
Mãe do Cosmos,
raiz do amor, tronco, botão, folha,
flor e semente de tudo o que existe;
a Ti, força naturalizante, te conjuramos;
Chamamos a Rainha do Espaço e da Noite,
e beijando seus olhos amorosos,
bebendo o orvalho de seus lábios,
respirando o doce aroma de seu corpo, exclamamos:
Oh Noite!
Tu, eterna saudade do céu,
que és a Alma Primordial,
que és o que foi e o que será,
Ísis! a quem nenhum mortal levantou o véu,
quando Tu estejas sob as estrelas irradiantes do noturno
e profundo Céu do Deserto,
com pureza de coração e na flama da Serpente,
Te chamamos".



Shakti:

"O Despertar da Deusa Adormecida na Matéria A energia eléctrica ligada às Plêiades, profundamente impregnada na matéria, é uma expressão da potência da Mãe Divina – Shakti-Kundalini - animando com a sua força o interior da substância. Toda a matéria universal está impregnada de uma Deusa que dorme, esta Deusa representa a potência da Mãe adormecida na matéria. Esta é a condição inicial de uma aventura estrutural cósmica; no entanto, é importante não confundir este estado inicial da matéria, Shakti-Kundalini adormecida, com o estado da Mãe do Mundo envenenada, que aconteceu quando as 4 forças de distorção se introduziram no controle da força planetária. A história do adormecimento do princípio feminino é universal. Uma guardiã de pureza virginal na matéria está ameaçada… Esta realidade é inteiramente consistente com as histórias contadas às crianças como a Branca de Neve ou a Bela Adormecida. Cada unidade de matéria pode, ou não, ter desperta em si a consciência do Paraíso. Existem dois estados de átomos – átomos adormecidos e átomos despertos. Quando os átomos estão despertos isso significa que a radiação da Mãe despertou no seio da matéria. A potência de Shakti-Kundalini despertou e a energia cósmica está cada vez mais acesa e pulsante no âmago da substância. À medida que essa presença/força desperta, revela a Deusa Imanente da matéria. À medida que a Deusa adormecida na matéria desperta, a força dos 4 elementos é liberta numa espiral ascendente, numa corrente que aspira à conexão com a contraparte sagrada de cada partícula no paraíso A matéria evolui de forma rítmica, num movimento em espiral em direcção ao Paraíso onde está a contraparte sagrada para cada partícula."

(Texto e poema enviado por um amigo)

quinta-feira, novembro 05, 2015

AS CANALIZAÇÕES E...

A FALSA ASCENÇÃO

Vou introduzir-vos a um excerto de uma canalização onde se lê o que a seguir transcrevo e onde a autora faz afirmações altamente erróneas do meu ponto de vista e que induz a um erro comum gravíssimo, o mesmo que circula nestas abordagens, como sendo a visão new age e patriarcal da questão do feminino e do masculino sagrado e que corrobora de forma enviusada afinal de contas o branqueamento da mulher cindida - da mulher dividida, muito longe da mulher INTEGRAL e da mulher como iniciadora!

Essa visão "cósmica" do mundo, totalmente virada par o Céu e outras dimensões, é demasiado superficial e redutora de uma realidade concreta  na Terra e do que efectivamente se passa neste momento em que é urgente a integralidade do principio feminino e não do masculino, este demasiado activado e saturado por séculos de exercício da razão, de violência e guerra.
O mais grave nisto tudo  é que o que estas canalizações propagam em geral é ideias e conceitos e abstracções em nome do amor e do divino, como uma forma de alienação, completamente alheadas do plano da Terra e de Gaia e tem  no fundo o propósito de, mais uma vez, afastar as mulheres do seu potencial; sim, creio que é isso mesmo que elas pretendem, para que o poder exclusivo dos homens e a submissão (apagamento) das mulheres continue, desviando as mulheres da sua essência e trabalho interior de consciencialização do seu poder na manifestação e como responsáveis pela encarnação!

Leiam o que ela afirma:
(...)
"Primeiro, houve uma sociedade Matriarcal, onde o Feminino era visto como onipotente, e as mulheres estavam no controle das estruturas sociais e do poder. Esta foi substituída pelas estruturas Patriarcais, onde o Masculino se tornou dominante e assumiu o controle da sociedade. Em ambos os casos, havia uma falta de equilíbrio, e um domínio de um pelo outro." Célia fenn

Ora isto é absolutamente FALSO, PORQUE o verdadeiro matriarcado, centrado na Mater como Matriz de uma sociedade se caracteriza pela distribuição igual de bens, a civilização do CÁLICE, e que era inicialmente e por NATUREZA inerente à Mulher, uma sociedade equilibrada e equitativa, como o é o Principio feminino - hemisfério direito - e portanto esta é a visão que o patriarcado quer dar do matriarcado, tão brutal e cruel como o da Espada....

Depois ela diz:

"Nenhuma destas formas era equilibrada e como tal, não refletia o fluxo da Luz Divina e os Códigos de Luz do Coração Cósmico.
Na Nova Terra, estas Forças Divinas de Deus, conhecidas como o Masculino e o Feminino serão mantidas em absoluto equilíbrio em uma Sociedade da Quinta Dimensão. Não haverá domínio de ninguém por ninguém, e não haverá estruturas sociais que enfraquecerão grandes grupos de pessoas."


- Tudo isto é muito bonito, mas do texto em geral surge a ideia comum que aponta a realização da mulher para a sua união com a energia masculina como complemento e realização de si (e vice-versa), tal como a ideia superficial redutora na mente comum faz com o yin e do yang...e portanto, em vez de apontar para a cisão da mulher e a fracturação da sua psique, causada pelo patriarcalismo, todo o movimento new age aponta para a complementaridade do feminino e do masculino sem mais. Ora acontece que o feminino não está integrado na sua substância e essência primordial na mulher e assim NÃO HÁ MULHER. Não havendo mulher NÃO HÁ HOMEM.

O texto ainda veicula uma outra ideia errada de que é o  masculino que tem de mudar como se a mulher nada mais tivesse que fazer por si e em si senão unir-se ao masculino, para ser completa e portanto é o masculino que vai evoluir para o divino e depois salvar a mulher...ele sim transformado, como em todas as religiões patraircais. Ora a meu ver é a mulher que INICIA O HOMEM E O PODE TRANSFORMAR na medida em que ela se torna Mulher e também Mãe consciente do seu potencial realizado, ou seja a Mulher inteira que as religiões patriarcais dividiram entre a santa e a puta.

Na Terra porém, contrário a todas essas ideias, continua a ser a Mulher a ter de dar à Luz o Homem, seja o filho seja o amante...e é esta inversão que nem as mulheres mais espiritualistas viradas para o Pai conseguem entender que são elas e não eles que têm de mudar a face do Planeta e unir as forças cósmicas e telúricas...

Na verdade esta passagem quimérica da 3ª dimensão para a 5ª é uma utopia que nos desvia do trabalho na Terra Amada e da Mãe e Amante e do Feminino Sagrado, o CÁLICE, o contentor primeiro (nascimento) e a Atenor (fogo iniciático). Porque a Chave da transformação e da Alquimia de Gaia está nas mãos da mulher integrada.
Como diz uma amiga, "Nos círculos em que os textos desta CF são conhecidos e tidos como referencia, o PAI , o masculino, ainda que PAI-MÃE - porque é politicamente mais correto - falar da mulher, como fonte de poder em si mesma,  é heresia.
rlp