segunda-feira, março 07, 2016

Lilith, a Mulher por excelência.




SOBRE MULHERES, O FEMININO
E BABACAS REINCIDENTES...


Há gente demais que enxerga no Dia da Mulher apenas o aspecto da violência e consequente combate! Sim, há extrema violência contra a Mulher, violência em todos os sentidos!
Por isso mesmo, existe, por exemplo, a Lei Maria da Penha, não porque haja mulheres violadas e violentadas, mas porque há um expressivo número de homens violadores e violentadores. A Lei Maria da Penha revela (muito mais que liberta!) que há essa turminha aí que nasce olhando para o próprio falo, que faz culto ao falo, que exibe o falo e, finalmente, com ele, real ou artificial, espanca, humilha e impõe-se sobre a Mulher. E o número dos tais não é inexpressivo, não!
Qualquer Mulher que alcançar um posto de referência, qualquer que seja ele, o posto, até chegar ao Poder Legislativo, Judiciário, ou, mais individualmente, à Presidência da República, será objeto de constante, ininterrupto e brutal violência. O Brasil é isso - e nada mais!
Mas, nem quero falar sobre isso. É pleonástico falar em violência contra a Mulher e violência contra as Juízas, Parlamentares e Presidente da República. É a mesma coisa e o mesmo fato!

Vou fazer homenagem ao Feminino. Sim, homenagem ao Feminino que os homens, idólatras dos seus próprios falos doentes, delinquentes e delirantes, insistem em esconder - ou mascarar...
Farei homenagem ao Feminino Criador dos Céus e da Terra (Ruach HaElohim), a Letra de Fogo, capaz de concentrar em suas mãos todas as Forças criativas do Universo. O Ser que criou o Universo é Feminino, conforme o texto original da Bíblia.
Farei homenagem, não a Adão, o homúnculo patife do Éden, mas a Lilith, Mulher, anterior a Adão e anterior a todas as cópias posteriores fakerizadas de Eva. Lilith, que desafiou Adão e o fez ficar terrificado. Lilith, a Mulher por excelência.
Farei homenagem a Sulamita, Negra, que fez o Rei Salomão parar seu reino e, atônito, escrever e dedicar-lhe a glória merecida! Ela mesma, Sulamita, a Negra, que fez as mulheres submissas de Jerusalém emudecer e cobrir-se de trapos!
Farei homenagem a Miriam de Magdala (Maria Madalena), a mulher de Jesus, com quem, não apenas deliciou-se em amores judaicos, mas de quem engravidou. Madalena, ela mesma, a Mulher do Rabi Jesus e a grande alma que fez os pescadores machistas e seus substitutos históricos, apagarem seu nome da história. Ao menos, em vida, nenhum deles foi superior à aquela grande Mulher!
Farei homenagem a Saphos, Capitu, Bovary, (e, também à Mulher da "origem do mundo" de Gustave Courbet!).
Farei homenagem às minhas Alunas que, fortes e maravilhosas, lutam contra um universo jurídico machista, patriarcal, fálico e decadente, a fim de se estabelecerem no mundo. Que todos os dias devem vencer o olhar idiotizado dos colegas (fálicos) que as enxergam como pernas e tetas! Farei homenagem às mulheres que são senhoras absolutas de seus corpos - e com eles podem fazer o que quiserem - sem intervenção jurídica ou religiosa!
Enfim, minha homenagem é para tais Mulheres!
E não farei homenagem alguma aos homens que destruíram a Criadora dos Céus e da Terra, aos que humilharam e expulsaram Lilith, aos que trataram Sulamita como estranha. Nem, muito menos, aos que apagaram da história de Jesus, seu grande amor. Aos que queimaram, em nome de deuses patriarcais, as mulheres-bruxas. Nem aos que vêem tetas e pernas em sua frente, e nunca, por incompetência e ignorância, enxergam cérebros femininos. Em hipótese alguma farei homenagem aos celibatários e repressores da sexualidade feminina (ou do contato com o feminino).
A elas, tudo! A eles, a sombra religiosa, a maldição, o taco, o arroto e, lógico, no caso do Brasil, a Lei Maria da Penha!
 
Pietro Nardella Dellova
*

Sem comentários: