"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

terça-feira, junho 21, 2016

MULHERES E HOMENS



DOIS EXCERTOS...

(...)
"Mulheres e homens em todo o mundo estão, pela primeira vez em grande número, a desafiar frontalmente o modelo de relacionamento humano macho-dominador/fêmea-dominada que é o alicerce da mundivisão dominadora. Ao mesmo tempo que a idéia da “guerra dos sexos” está a ser denunciada como uma consequência deste modelo, está igualmente a ser posto em causa o seu resultado adicional de ver “o outro” como “inimigo”. Mais significativamente, existe uma noção crescente de que a ...consciência superior da nossa “parceria” global emergente se encontra integralmente relacionada com o reexame e transformação fundamentais, das funções sociais tanto das mulheres como dos homens."

In O CÁLICE E A ESPADA
De Riane Eisler


"Hoje acordei com esta impressão de que a vitalidade do nosso campo de significantes é limitada. Tal como uma árvore nasce, cresce e morre tenho a impressão de que a linguagem tem a mesma evolução e que as palavras que temos hoje – quase as palavras que somos – têm o tempo de vida da nossa permanência em certos planos de vibração.
Quando os homens* mudam de foco as palavras têm de evoluir com eles ou simplesmente desaparecem. Outros sons, outras partículas significantes virão. Mas o que é a evolução de uma palavra? Ou a evolução do acto de falar? (eu prevejo um renascimento tímbrico, um renascimento mantrico na nossa oralidade colectiva)"

andré louro de almeida

* E as mulheres pergunta-se? Será que nessa mudança da oralidade colectiva a mulher aparece expressa em vez de aglutinada?

Sem comentários: