"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

sexta-feira, julho 08, 2016

O FEMININO É A MATRIZ DA CRIAÇÃO

 

 
"O feminino é a matriz da criação. Esta verdade é algo profundo e elementar, e toda mulher a conhece desde as células do seu corpo, desde a profundidade de seu instinto. A vida surge da substância de seu próprio corpo. As mulheres podem engravidar e dar à luz, ser participantes do maior mistério, que é trazer uma alma para o mundo. E, no entanto, nos esquecemos, ou nos foi privado, da profundidade deste mistério, de como a luz divina do alma cria um corpo no seio da mulher, e de como as mulheres participam neste mistério, entregando O seu próprio sangue, o seu próprio corpo, aquilo que vai nascer. O foco de nossa cultura em um Deus desencarnado, transcendente, deixou às mulheres despojadas, negando-lhes o carácter sagrado deste simples mistério do amor divino.
O que não nos damos conta é de que esta negação patriarcal não só diz respeito a todas as mulheres, mas também a própria vida. Quando negamos o mistério divino do feminino, também estamos negando algo fundamental à vida. Estamos separando a vida de seu núcleo sagrado, da matriz que alimenta toda a criação. Separamos nosso mundo da única fonte que pode curar, alimentá-lo e transformá-lo. A mesma fonte sagrada que nos deu a vida para cada um de nós é necessária para dar sentido à nossas vidas, para alimentá-las com o que é verdadeiro, e para revelar o mistério, o propósito divino de estar vivos."

Llewellyn Vaughan-Lee
O regresso de o feminino e a alma do mundo

Sem comentários: