quinta-feira, janeiro 12, 2017

PARA NINGUÉM



Eu já escrevi

"Poemas sobre alguém simultaneamente real e imaginário. Não são mensagens, apenas versos um pouco absurdos na sua inútil clareza. Falam de quem,  com quem, desconhece o que imaginei. Inutilidade maior das palavras assim  agrupadas, dirigindo-se a quem não as conhecerá nem as poderá entender.  Cartas para ninguém, que é alguém sob a verdade das imagens. Ignoro até que ponto é esta a realidade. Verdade, realidade, criei-as ou fui por elas inventado? Num exacto  momento elas introduziram factos na minha vida. O poder da visão tornou-me real e levou-me a imaginar que eramos reais: alguém não existindo, com a existência que a minha mente lhe dera, estava diante de mim; e eu estava diante de alguém que via a minha visão e ignorava o que nela era a sua própria realidade. "

Gastão Cruz

Sem comentários: