quarta-feira, fevereiro 01, 2017

a morte da mãe...




ASSIM COMO NA RUSSIA, NO IRÃO OU NA FRANÇA, BRASIL EM ESPANHA E EM PORTUGAL etc.- as mulheres são para usar, casar e ter filhos,  para bater ou abater - assim como em todo o mundo as prostitutas há séculos servem para aplacar o ódio e a frustração dos homens e suportar a sua violência, tal como as mulheres em geral são violadas em todas as guerras...
Esta é a mentalidade patriarcal em vigor há séculos e nada mudou ao nivel do inconsciente colectivo nem das massas...Está tudo a vir ao de cima; o verniz das leis e ideologias está a reverter-se e o que era  para a montra da democracia fingir que há igualdade...deixou de haver na Rússia...na América etc. A Europa tem como representante de um Pais "mais" civilizado da Europa tem a rua Vermelha de Amesterdão que é a marca da Besta...nos outros países está disfarçada e entregue a Mafias que vem de Leste...


"Sabíamos todas: porque éramos mulheres 'cultivadas', com nossas leituras aplicadamente em dia; ou apenas pela história de nossos medos - a face da Mãe fora desfigurada pelo Pai, numa trágica noite, dita de casamento. Ainda que várias invocassem ternuras de seus pais, homens afirmados e consequentes, contra a acidez de suas mães, mais ou menos histéricas; sabíamos todas, e as que se recusavam a piedade a suas mães eram as que mais temiam parecer-se com elas"*

* in A Morte da Mãe de Isabel Barreno

O CASAMENTO (do grego)

Património = patri - dativo, singular de pai, ou 'ao pai'. monos - somente. Assim, "somente para o pai". Matrimónio matri - dativo, singular de mãe, ou à mãe, o que gera "somente para a mãe". Do que se conclui que o homem possui as coisas e que a mulher o lar. Em outras palavras, o gineceu, o que é apenas mais um património. É a história. O matrimónio é o que oficializa a função social da mulher de pertencer à casa e, por extensão, ao homem

Sem comentários: