sábado, abril 22, 2017

A mulher terra e raiz...



A MULHER INTEIRA - a mulher terra e raiz...

(...) A Mulher que quiser ser Mulher inteira tem de definitivamente resgatar o seu ser de dentro dela própria, ir alem de todos os estereótipos, tem de se recuperar inteiramente de uma velha fracção - de fraccionar: partir, dividir, fragmentar, seccionar, romper - do seu ser em duas ou mais e que se baseia na sua divisão interna em duas mulheres, a santa e a puta, e para isso tem que recuperar a sua identidade profunda, ir ao mais fundo de si e da sua psique e integrar a sua totalidade MULHER.

As mulheres em geral, sejam elas jovens maduras ou velhas, sejam elas homossexuais bissexuais ou heterossexuais…serão sempre Mulheres se forem fiéis à sua natureza profunda, onde nascem mulheres e não se deformam, e são Mulheres em si antes da moral e da cultura, mas elas só terão acesso a essa Mulher Raiz se acordarem em si esse potencial interior e despertaram por elas mesmas (sem o conceito ou ideia drama ou ficção do seu anulamento no príncipe encantado, no homem de sucesso ou no macho alfa) porque dentro da mulher há um manancial enorme de amor, uma fonte…de poder e beleza que só por si lhe pode valer uma totalidade de SER!
Para se encontrarem a si mesmas, bastaria às mulheres  serem  fiéis a essa essência e a si próprias a partir dos movimentos da vida que se geram autónomos dentro do seu ser - para lá da gravidez gestação e parto - a fim de descobrir esse Amor raiz centrado em si e a partir de si; nessa altura a mulher autónoma conheceria o seu potencial e saberia ver o seu real valor, o seu valor intrínseco e assim também reconheceria o valor da outra mulher, de qualquer mulher, sem precisar de depender de ninguém em especial nem do sexo, nem de remédios, nem de estímulos exteriores para se sentir mulher e viva e plena! E isso pode acontecer a todas as mulheres que se busquem e encontrem dentro de si nas raízes mais fundas do seu SER, no sentido mais puro da vida, que reside no seu âmago e não fora, no outro, seja o amante seja o filho. Então e só então elas verão por si mesmas como foram anuladas da sua identidade e como sofreram toda a sua vida sujeitas à milenar exploração do Homem e como seres humanos  explorados por outros; veriam como o Sistema usou a mulher e a fez escrava de um escravo, o Homem que nesta sociedade  de domínio a tem usado e explorado o seu corpo e o seu sexo e que até aos nossos dias a usa e abusa dela, a subestima, despreza e maltrata.

Republicando

Excerto de texto in mulheres & deusas

rosaleonorpedro

Curar a Nossa Psique com o Abraço da Mãe

Todos nós sentimos falta do Amor da Mãe - a ternura reconfortante e estimulante de estar nos braços da nossa mãe, perto dos seus seios. Quando o Amor da Mãe falta nas nossas vidas, nós nos sentimos sozinhas/os e privadas/os da nossa necessidade mais básica de ser incondicionalmente amadas/os e cuidadas/os.

"Dia 19 de Abril o Sol entrou em Touro

Touro, o segundo signo do Zodíaco desperta-nos para o facto de que nossa vitalidade está num corpo físico e estamos a viver numa realidade física no Planeta Terra. É uma nova dimensão da existência estar num corpo, perceber que temos necessidades e precisamos cuidar dos nossos corpos.

Quando o Sol brilha em Touro começamos a perguntar - O que fazemos com a nossa energia? Como podemos cuidar melhor de nós mesmos no mundo físico? Como passamos dos desejos e necessidades para satisfação e contentamento? Como nos podemos sustentar e elevar da sobrevivência para a prosperidade.

Curar a Nossa Psique com o Abraço da Mãe
A nossa mais profunda ferida psíquica arquetípica é a nossa separação da nossa mãe. O patriarcado perverteu a nossa psique definindo o Divino como exclusivamente masculino. Quando o Feminino e a Mãe foram excluídos da definição do Sagrado, os nossos corpos, sentimentos, emoções, a Terra e as mulheres foram desvalorizados e até julgados como coisas más.

Todos nós sentimos falta do Amor da Mãe - a ternura reconfortante e estimulante de estar nos braços da nossa mãe, perto dos seus seios. Quando o Amor da Mãe falta nas nossas vidas, nós nos sentimos sozinhas/os e privadas/os da nossa necessidade mais básica de ser incondicionalmente amadas/os e cuidadas/os.

HOMENS - Muitos homens nunca resolvem a dolorosa cisão interior que resulta da separação inevitável da sua mãe física. É minha opinião que a principal fonte de abuso e desdém em relação à mulher, a exploração gananciosa da Terra e a causa da guerra é a incapacidade do homem de evoluir (amadurecer emocionalmente) precisar de uma mulher física para servir como sua mãe para se conectar com o Amor Da Mãe Primordial. Quando os homens sentem o Seu Amor, eles só a querem servir a Ela, o que significa servir a vida. Até que essa conexão interior aconteça, eles irão representar as suas frustrações de maneiras indiferentes, destrutivas e incivilizadas e justificar e apoiar sistemas económicos, sociais e políticos que o façam.

MULHERES - A mulher é de facto a personificação da Mãe Divina. No entanto, através do treinamento negativo num mundo dominado pelos homens, muitas mulheres rejeitam e sentem-se inadequadas por serem quem são e inconscientemente rejeitam a sua feminilidade e até preferiam ser homens. A dor da indignidade agrava-se e atrai o abuso interior e exterior.
Quando uma mulher abraça e honra a experiência de carregar o ventre da criação dentro do seu próprio corpo, ela pode relaxar na sua divina essência feminina e desfrutar da Terra como o útero na realidade física. A sua expansão interior desperta-a para o universo como o Útero Cósmico.

Touro representa a Mãe Terra e a nossa conexão com a Mãe Terra.
Através dos nossos sentimentos profundos no nosso corpo, podemos nos conectar com Ela. Todas as mulheres precisam dessa conexão, que foi suprimida pelos sistemas espirituais do chakra superior. Quanto mais abrimos os nossos corações para a nossa feminilidade, mais gostaremos de encarnar o Divino Feminino."

Guru Rattana.

quarta-feira, abril 19, 2017

Até que a mulher saia do casulo...


PERGUNTA E REPOSTA.

- Será possível que possam homens e mulheres renascerem simultaneamente inteiros do patriarcado? M. M.

- Penso que não. O Sistema nunca deixará isso acontecer a não ser que paulatinamente as mulheres se vão consciencializando de si e os homens também como partes integrantes de uma completude. Mas é difícil para os homens abdicar do seu poder sobre as mulheres e de as inferiorizar ou submeter......
Vejo porém e sinto que há homens que se estão a aperceber disso, e que não se identificam com o patriarcado e o domínio pela força porque o seu lado feminino se está a manifestar - a emoção e a intuição - mas os homens tem um grande problema em admitir e reconhecer que o seu masculino sagrado passa pela mulher sagrada e só quando a virem como tal e se submeterem a Ela a Deusa-Mulher - ora o que eu acho é que muitos deles não quererem ser identificados com a mulher nem passar por ela...querem ter as prerrogativas do masculino e do feminino sem essa rendição, sem essa consciência, sem esse amor. É claro que o feminino anima está no homem como o masculino animus está na mulher, mas a minhas questão é sempre a mesma: enquanto a mulher não for inteira e não se souber em si e expressar esse potencial de forma unificada, como essência mágica e magnética é muito difícil tanto a mulher encontrar-se como ao homem reconhecê-la...

"...Primeiro: o homem deve passar por ela para passar a Ser. A Mulher toda a mulher, é a verdadeira iniciadora do homem, sua via para o Ser. Segundo: o sistema patriarcal privou o homem das mulheres verdadeiras, perigosas pela sua supremacia. Em resposta, a mulher deve tornar-se consciente da Mulher que nela dorme: já é tempo que ELA saia do casulo." *

Eu penso que os homens tem de se render a Deusa dentro deles e reconhecer a mulher como Sua (dela) manifestação e sem isso eles não podem expressar o seu masculino sagrado que só faz sentido passando pela Mulher...no sentido do Par alquímico e da união dos polos opostos complementares, do Rei e da Rainha...
Quero dizer e mais uma vez que sem Mãe-mulher não há Filho e sem Mulher-iniciadora não homem iniciado...dificilmente os homens aceitarão esta rendição à Natureza Mãe expressa na mulher que é a sua dádiva...eles recusam-na...e por isso a maltratam tal como maltratam e destroem a natureza etc. E vão para o cumes fálicos dos seus arranha céus e armas mortíferas...eles preferem a morte a submeterem à Essência Vida que lhes dá a Vida...esse é para mim o maior drama desta humanidade actual...e talvez desde há mais de 5 mil anos desde que eles destronaram a Grande Mãe e prestaram culto ao Pai e a deus e aos seus heróis...sempre homens!

Até porque - "A nossa civilização, baseada nos falsos valores do patriarcado, está em plena ruína, até no plano material. Para evitar a autodestruição, é preciso despertar o culto da feminilidade, que é o único a permitir o pleno desenvolvimento tanto do homem como da mulher."*

rosa leonor pedro


E AINDA A PROPÓSITO - O PODER DO HOMEM?

A NEW AGE tem-se vindo a apoderar aos poucos do Feminino Sagrado como movimento inicial de uma nova Consciência das mulheres, de libertação e independência dos homens e temos agora os homens a vir afirmar o seu Poder no terreno da Deusa por via do masculino sagrado? O Poder do masculino? O poder de serem homens? Quando é que o Poder do Homem lhe foi negado? Nunca...
Não entendo portanto esta miscelânea e a sua defesa porque os homens sempre tiveram o Pode...r: quer seja ele o poder temporal quer seja o religioso, e tendo tido sempre toda a liberdade sexual, e expressão de identidade, o que não é o caso das mulheres, e portanto um movimento que era de libertação do jugo das mulheres do Poder Patriarcal, com esta associação do homem ao movimento da Deusa, de novo a mulher está em risco de se perder de si ao se focar no Homem!
Se o homem quer fazer a incursão no Feminino, se quer fazer a integração do seu feminino, então sim, ele deve apoiar as mulheres pelo culto e devoção da Deusa Mãe e da Amante iniciadora - a Sacerdotisa do amor - e não de novo vir reclamar um Poder do Homem também no domínio da Deusa ... Inverter estes termos de novo é um perigo e implica a subversão dos princípios para voltar à estaca zero deste movimento, ou seja voltar ao domínio do Homem...
Digamos que O Poder do Homem se vem subtilmente estender agora sobre as mulheres dos Círculos, apoderando-se do movimento do Feminino Sagrado e voltando o seu Foco para o masculino e lá vão as mulheres - totalmente inconscientes de si - de novo cair na subordinação ao deus macho e ao falo e renunciar à sua essência-matriz...
De novo, como há 5 mil anos, um retrocesso cultural e histórico nos ameaça...
rlp
*André Van Lysebeth

terça-feira, abril 18, 2017

A MULHER REALIZADA


A SABEDORIA É FEMININA


"A sabedoria é mesmo feminina. Correndo o risco de me repetir ou citar a mim mesma, direi que a «sophia» é feminina. A sabedoria é feminina e a filosofa é masculina. O homem enamora-se da sabedoria, mas nunca chega lá. E o percurso para... A mulher, ela própria, é ovularmente o segredo do Universo. Ela contém em si a sabedoria. As vezes não têm é consciência disso."


Entrevista (1983), Natália Correia


..."A mulher tem em si a sabedoria, um tipo de sabedoria inata, um catalizador único da realização. (...) A mulher potencialmente está directamente ligada ao conhecimento e a sabedoria, que são as duas forças complementares da grelha de base.* A mulher realizada domina a dualidade e ajuda o homem a transcendê-la. Enquanto o homem tem acesso ao conhecimento que está no início de tudo e além disso da vontade."

A mulher já é portadora do mundo transcendental - a Virgem Maria, Ísis, as Virgens negras. O homem, em contacto com a mulher, teria acesso ao germe da iluminação. E o casal alquímico exteriorizaria isso.


Etienne Guille in O HOMEM ENTRE A TERRA E O CÉU


'' As mulheres são efectivamente sábias por natureza, mas para os homens a sabedoria tem de ser ensinada pelos manuais.''

Do drama indiano "O pequeno cesto de barro" escrito pela mão do rei Śūdraka, sec II A.C.   

domingo, abril 16, 2017

Agi sempre para dentro...

Nunca toquei na vida...

Agi sempre para dentro... Nunca toquei na vida... Sempre que esboçava um gesto, acabava-o em sonho, heroicamente... Uma espada pesa mais que a ideia de uma espada... Comandei grandes exércitos — venci grandes batalhas, gozei grandes derrotas — tudo dentro de mim...
Gostava de passear sozinho pelas alamedas e pelos grandes corredores e de comandar as árvores e desafiar os retratos das paredes... No grande corredor sombrio que há ao fundo do palácio passeei com a minha noiva muitas vezes... Eu nunca tive noiva real... Nunca soube como se amava... Apenas soube como se sonhava amar... Se eu gostava de usar anéis de dama nos meus dedos é que às vezes queria julgar que as minhas mãos eram de princesa e que eu era, pelo menos no gesto das minhas mãos, aquela que eu amava...
Um dia foram-me encontrar vestido de rainha... Eu estava sonhando que eu era a minha esposa régia... Gostava de ver a minha face reflectida porque podia sonhar que era a face de outra criatura — porque era de formas femininas, que era de minha amada que era a minha face reflectida... Quantas vezes a minha boca, tocou na minha boca nesse espelho!... Quantas vezes apertei uma das mãos com a outra, quantas adorei meus cabelos com a minha mão alheada para que parecesse dela ao tocar-me. Não sou eu que te estou dizendo isto... É o resto de mim que está falando.

s.d.

in Livro do Desassossego
FERNANDO PESSOA

Há escritas sublimes...no meio de tudo...fica sempre o poeta!

sexta-feira, abril 14, 2017

"Nascemos para manifestar a glória da Deus(a)"


"Nascemos para manifestar a glória da Deus(a)"

"A Deusa foi violentada quando devia ser honrada. Foi insultada quando devia ser adorada. Foi paciente quando podia ter sido enérgica. Mas alguma coisa mudou.
Ela nascerá através de nós, e seremos nós a determinar se o seu reaparecimento será violento ou se, pelo contrário, será doce e amigável. Ela está aqui. Não há maneira de a fazer recuar. Mas a forma como ela se vai manifestar é escolhida por cada uma das mulheres e, em certa medida, por cada um dos homens. Em meu entender, este é o sentido da libertação da mulher: a mulher que existe dentro de nós e as mulheres à nossa volta devem libertar-se da mentalidade grotesca e degradante que ainda é dominante e que considera o feminino como coisa fraca e sem valor, que não é necessário escutar e que não é importante o amor."
*

- Estes dois excertos intercalados, um em cima e outro em baixo,  pertencem à mesma autora - o primeiro de um livro fantástico *O VALOR DE UMA MULHER  e o segundo, não sei exactamente de que livro, mas tem um teor bastante diferente do primeiro; O 1º cuja tónica é colocada na Consciência da Mulher e da Deusa deixa de ser no segundo  excerto, e isso deve-se creio à conversão da autora ao LIVRO DOS MILAGRES, ou seja em Deus e portante em vez da  enfase estar na mulher e na Deusa como o fizera inicialmente a autora virou-se para Deus e o homem e os seus valores ...e esqueceu a luta e talvez o valor da mulher em si e a sua luta crucial neste mundo...
Esta diferença de discurso e de postura causou-me um enorme choque dado que sendo o primeiro livro um grito de liberdade da mulher, o segundo é um retrocesso e um voltar ao espírito cristão que é histórica e culturalmente de forma absoluta redutor da Mulher e da sua liberdade e valor.
Deixo os dois (mais um) excertos ao vosso critério - para mim esta mudança foi uma perda para a mulher...e embora ela continue a falar da mulher, a perspectiva é claramente idealização...ela esqueceu-se ? de que vivemos num mundo em que a mulher ainda continua escravizada e abusada e que a sua liberdade não depende inteiramente dela...nem de deus nem do universo...e menos ainda de uma recompensa divina...
rlp

"Nosso maior medo não é de sermos incapazes.
Nosso maior medo é descobrir que somos muito mais poderosos do que pensamos.
É a nossa luz, e não as trevas, aquilo que mais nos assusta.
Passamos a vida a perguntar-nos: quem sou eu, que me julgo tão insignificante, para aceitar o desafio de ser brilhante, sedutora, talentosa, fabulosa?
Na verdade, porque não?
Procurar ser mediocre não vai ajudar em nada o mundo, ou os nossos filhos.
Não existe nenhum mérito em diminuir os nossos talentos, apenas para que os outros não se sintam inseguros ao nosso lado.
Nascemos para manifestar a glória de Deus(a) - que está em todos, e não apenas em alguns eleitos.
Quando tentamos mostrar esta glória, inconscientemente damos permissão para que nossos amigos possam também manifestá-la.
Quanto mais livres formos, mais livres tornamos aqueles que nos cercam. " 

Marianne Williamson

Para reforçar a ideia inicial deixo um excerto de um seu discurso que mudou muito desde esse primeiro livro,  O Valor de Uma Mulher em que já nem sequer fala da mulher mas fala apenas sobre Deus o Universo e o Curso de Milagres:

"A LEI DA RECOMPENSA DIVINA"

"Há pessoas que entram numa sala e parecem ter a palavra «vencedor» escrita na testa. Não sabemos necessariamente qual é o seu segredo, mas gostávamos de saber. Terá sido a programação que receberam na infância? Os conhecimentos da família? Algum talento extraordinário? Existem tantas pessoas bem-sucedidas no mundo como razões para o sucesso. No entanto, existe uma espécie de abundância material que provém de um carisma que parece não ser deste mundo, uma sensação de magia que algumas pessoas trazem consigo como se fosse uma aura do destino. Podem ter tido ou não experiências passadas que normalmente associamos ao sucesso material; é quase como se o seu sucesso viesse de outra coisa."
(...)
"Ao alinhar-se com pensamentos de amor infinito por si e pelos outros, consegue dominar as formas de pensamento mais baixas do mundo.
Este caminho não é tanto um substituto para qualquer trajetória mundana para o sucesso, mas antes um caminho interno que informa todos os outros. É uma trajetória para a abundância material através de meios imateriais e um conjunto de chaves espirituais para o poder terreno. Os caminhos do espírito não são caminhos de sacrifício, 
mas antes uma forma de se abrir plenamente aos esplendores do universo. Os esplendores estão lá. Só estão à espera que os aceite. Segue-se uma explicação do que são, como funcionam e como pode aceder a eles."

AS BRUXAS...


 O MAIOR PRECONCEITO ANTIFEMININO DE NOSSA CIVILIZAÇÃO.

"...Personificações do diabo na prédica cristã, as bruxas absorveram a herança das sibilas, magas e sacerdotisas, as quais consumaram seu mais alto êxito na cultura druídica ao lado de fadas que ideavam as cidades anglo-saxônicas. Acentuaram-lhes a fealdade ao relacioná-las ao pecado; reduziram -nas à ponte emblemática entre o visível e o tenebroso, habitantes de um mundo intangível ou irreal, e a mera travessura da criação entre o humano e o sobrenatural, até diminuírem-nas à caricatura humanoide de Lúcifer. Ao tipificar a perversidade na mulher madura, que traz às costas a experiência e, seguramente, muitas tristezas não resolvidas, os moralistas impingiram à elas O MAIOR PRECONCEITO ANTIFEMININO DE NOSSA CIVILIZAÇÃO.


Mesmo em nossos dias, com ideias próprias e juízos críticos, AS MULHERES QUE DESAFIAM O DIFERENTE OU O PROSCRITO AINDA SÃO QUALIFICADAS DE BRUXAS, especialmente quando manifestam condutas contrárias ao preestabelecido, embora se tente camuflar este termo com o de "velhas terríveis", aplicado aquelas inconformistas que provocam medo por causa de seus atrevimentos ofensivos às pessoas de "boa consciência".

In: "MULHERES, MITOS E DEUSAS, feminino através dos tempos", Martha Robles, ed. Aleph

O HUMANISMO DO HOMEM...não é o da mulher...



"A literatura feminina do nosso tempo reivindicou primeiro para a mulher o direito a ser homem. Ela começa agora a reivindicar o direito a ser uma mulher.”
- Kanters

"Com um desgosto comum a todas feministas que vem tentando participar do tão aclamado humanismo dos homens, apenas para descobrir por experiências amargas que a cultura dos homens não admite a participação de mulheres honestas, Virginia Woolf escreveu:

"Eu detesto o ponto de vista masculinista. Estou entediada do seu heroísmo, virtude e honra. Eu acho que o melhor que esses homens podem fazer é não falar mais deles mesmos."

Os Homens têm aclamado o ponto de vista humano; eles são os seus autores; eles são os seus possuidores. Os Homens são humanistas, humanos, de humanismo. Os Homens são estupradores, violentadores, espoliadores, assassinos; esses mesmos homens são profetas religiosos, poetas, heróis, figuras de romance, aventura, performances, figuras enobrecidas pela tragédia e pelo fracasso.
Os Homens vem aclamando a Terra, clamando por 'Ela'. Os Homens arruinaram-na a 'Ela'. Os Homens têm aeronaves, armas, bombas, gases venenosos, nous gases, belicosidade tão perversa e mortífera que eles desafiam qualquer imaginação humana. Os Homens batalham entre si e Ela ; as mulheres batalham para serem admitidas na categoria 'humano' na imaginação e na realidade. Os Homens batalham para manter a categoria 'humano' longínqua, circunscrita pelos seus próprios valores e atividades; as mulheres batalham para mudar o significado que os homens deram à palavra, para transformar esse significado difundindo-o a ele na experiência feminina."

_
Andrea Dworkin - pornography: men possessing women _

segunda-feira, abril 10, 2017

A MULHER OCULTA NA MULHER


"E que gozo sentir-me em plena liberdade, longe do julgo atroz dos homens e da ronda da velha sociedade." Gilka Machado




UMA MULHER É UMA MULHER...

E sempre que uma mulher tem essa consciência de si e não se deixa submergir exclusivamente pelo amor dos filhos, marido ou amantes, ela mantem em si a chama de um fogo não extinto que  não é apenas desejo sexual ou paixão amorosa, mas anseio de ser inteira e ser ela mesma acima de tudo e de todos por maior que seja o seu amor por eles.
O que aqui está em causa é ela  perceber o que lhe falta para  preencher o seu ser de algo que a sociedade e a família e o patriarcado lhe roubou...essa sua essência primeira que dá corpo a mulher inteira. A essência da mulher que para além de ser mãe e amante, é um poder de amor que exala dela, uma  força e magia - um puro magnetismo -  independentemente de quem seja dentro da família e do circulo que a aprisiona e obriga a viver dentro desses padrões que a limitam e condicionam ao amor parental, seja condicionada pelos conceitos e preconceitos vigentes e atávico, da mulher como pertença do lar, ou castrada de si mesma pela educação tendo ficado castrada nessa sua força natural de mulher selvagem e desse modo sem ter acesso a essa energia latente que a define como uma mulher inteira, integral, integra e dona de si mesma, ficando apenas uma cópia frágil de sim mesma porque   dividida em duas: a santa do lar e a prostituta na rua, negando a sua naturezas selvagem, aprisionada ao padrão que a define por um lado como uma mulher perigosa e fatal, a mulher sensual e livre e por outro a esposa cativa do lar e casta, e que  assim mantem a mulher dividida dentro de si mesma obrigando-a a cumprir um papel especifico e definido a  partida em detrimento da sua liberdade de ser e de se expressar na sua totalidade. Desse modo tem o patriarcado mantido a mulher abusivamente prisioneira dos seus interesses  há séculos e a emancipação da mulher não passou de uma falsa bandeira que deu essa ilusão à mulher mas que se está a desmontar o cenário cada dia mais com o avanço da violência sobre a mulher e o feminicídio o que prova que essa emancipação não passou de uma montra cultural e politica, para melhor se servirem das mulheres..

É essa Mulher oculta na mulher, essa mulher tantas vezes adivinhada, pressentida, que a sociedade não permitiu ser, essa mulher que a sociedade não permitiu expandir-se, a mulher amante da Natureza, a Mulher amante de si mesma, a mulher amante dos animais, a mulher amante  por excelência e que também  é a adivinha, que é a profetisa, que é a feiticeira, que é a curandeira e a parteira, a mesma mulher poderosa e bela que foi esmagada e queimada nas fogueiras: Essa é a mulher integral, a mulher que todas as mulheres de hoje tem de resgatar ligando-se de novo às forças ctónicas e telúricas da Terra e fazer a ponte com a mulher psíquica de hoje, a mulher culta, a  que estudou e usa também o intelecto e a mente.

A mulher não se pode voltar a perder agora caminhando no sentido oposto ou  contrário da mulher moderna...nem pode negar as suas conquistas no mundo moderno de hoje. Ela tem de ir ao seu passado e resgatar esse poder e essa memória de que foi privada e resgatar a herança das suas ancestrais, mas ela não pode nem deve ficar presa num mundo que já não é a  nossa realidade, como eu vejo tantas mulheres começarem a fazer...ao se virarem exclusivamente para rituais e práticas que as afastam da sociedade e desta realidade.
A minha mensagem - se há uma mensagem nas minhas  palavras - é para que a mulher se complete e não que se subtraia, para que a mulher de hoje possa sentir essa mulher atávica que nela dorme, que ela foi outrora mas sem abandonar o lugar na sociedade onde conquistou um lugar ou não. Isto não quer dizer que sirva o Sistema, que não esteja consciente de como o Sistema a escravizou, mas enquanto estiver nele inserida tem de ser uma mulher deste mundo e não apenas do passado para assim poder fazer  essa ponte e passar essa experiência da mulher ctónica que tanto faz falta às mulheres mundanas, completamente alienadas de si e desse eterno feminino, dar um exemplo a essas mulheres modernas que se creem emancipadas mas que esqueceram por completo quem foram e um passado de mulheres livres, verdadeiramente mulheres em todo o sentido da palavra...
E não basta  juntarmo-nos em grupos fechados e ficarmos felizes porque estamos a evocar  a Deusa ou a sua ancestralidade esquecendo o presente e sem nos voltarmos para a vida real e aquilo que nos rodeia e perdermos todo o bom senso.
Acredito que a mulher do futuro é a mulher moderna que recuperou a sua ancestralidade e fez a fusão das duas mulheres divididas em si e integra a consciência do passado com a consciência psicológica  do seu presente e tudo o que descobriu e viveu ao longo da sua vida e da sua experiência humana. É muito importante a mulher não se ficar pela imitação de deusas e sacerdotisas ou xamãs e fazer desses modelos apenas um modus vivendi...ou se tornarem as vendidas do Templo...ou as prostitutas sagradas...comercializando o que devia ser apenas livre e CONSAGRADO À  DEUSA E À MÃE de alma e coração. Sem especulações, sem mercados...

Rosa Leonor Pedro

O PATRIARCADO NÃO É UMA IDEIA OU CONCEITO, É UM SISTEMA ESCLAVAGISTA DA MULHER.

"Patriarcado é uma cultura, um sistema, uma civilização, um sistema econômico, um sistema político, um sistema legal, um sistema religioso, um sistema científico, e assim por diante. Mas acima de tudo, o patriarcado é um PODER. Um poder que se manifesta em todos os lugares, instituições, pessoas, hábitos, culturas, religiões, ideologias, mesmo entre mulheres. Isto porque o patriarcado socializa ...com os papéis e as hierarquias de gênero que existem entre homens e mulheres. O patriarcado existe há tanto tempo pois promove a sociabilidade entre homens, que se tratam como irmãos (fraternidade), atribuindo-lhes poder. Enquanto isso, obriga as mulheres a reproduzirem e sustentar materialmente os homens, socializadas entre si como inimigas, servindo aos interesses do desejo masculino."
Texto adaptado de: “O que é feminismo” de Dra. Elida Aponte Sánchez

MAGIA NEGRA E CIÊNCIA


O INCONSCIENTE E O DUPLO


"As verdadeiras diferenças do inato estão no inconsciente.
O inconsciente, não é somente o que é reprimido, é também o acesso directo ao nosso duplo (...) e através dele ao continente perdido. Essa fonte viva de energia vibratória foi totalmente inibida. O inato é sobretudo o que está no inconsciente, mesmo biologicamente. Esse ADN foi chamado de ADN-lixo pelos genecistas. Podes imaginar as consequências." *
...

MAGIA NEGRA E CIÊNCIA...


A Matéria é também energia...não só matéria, como a vemos, palpável e mutável. Nós não vemos a olho nu a inteligência da matéria do corpo e da pele e dos órgãos autónomos...e todos ligados - não vemos a mestria do corpo físico... A matéria do corpo é totalmente energia. Átomo, células inteligentes em diálogo, perfeitos na sua acção conjunta...dentro de uma ordem que só pode ser divina e que nos transcende e que a "ciência" por mais que tente não pode... abranger, precisamente porque disseca e corta e separe para "ver" como funciona como se fosse um brinquedo de criança e como ela destrói porque não vê que o corpo humano é sagrado e transcende o homem e a sua visão linear, sempre redutora...
É o coração que nos mantem em vida mas é a alma que nos anima - e nós mutilamos a alma de cada vez que mutilamos o corpo porque lhe tiramos a possibilidade de ela vibrar em nós uma oitava acima...A magia negra da "ciência" dos 5 sentidos redutora de toda a transcendência  contra a magia branca do puro espírito...É o que está a acontecer no mundo cientifico: a destruição vertiginosa da humanidade na sua essência de eternidade pela química e a pseudo-cura. E tudo o que estamos a construir em nome da vida "sã" e a vida prolongada pela ciência que mutila, é macabro: estamos a fazer reviver esse velho monstro que recriamos em nome da vida ...e da não morte e com ela só se está contribuir para a destruição da raça humana...porque destruição e negação da alma e da essência...



rosaleonorpedro

*Étienne Guillé
in O Homem entre o céu e a terra

quinta-feira, abril 06, 2017

A MULHER MODERNA É ANTIGA...


UMA MULHER É UMA MULHER


E sempre que uma mulher tem essa consciência de si e não se deixa submergir pelo amor dos filhos marido ou amantes ela mantem em si a chama de um fogo não extinto que não é apenas desejo sexual ou paixão amorosa, mas anseio de ser inteira e ela mesma acima de tudo e de todos por maior que o seu amor seja por eles.
O que aqui está em causa é ela perceber o que lhe falta e preencher o seu ser de algo que a sociedade e a família e o patriarcado lhe roubou...a sua essência primeira. A essência da mulher que para além de ser mãe e amante ela é um poder de amor que exala dela força e magia independentemente da família e do circulo que a aprisiona e obriga a viver dentro desses padrões que a limitam ao amor parental, condicionada pelos conceitos, castrada de si mesma e sem ter acesso a essa energia latente que a define como uma mulher inteira, geralmente dividia e em duas naturezas a selvagem aprisionada por um lado a mulher sensual e livre e a esposa cativa do lar e casta e assim mantem a mulher dividia dentro de si mesma obrigando-a a cumprir um papel especifico e definido a partida em detrimento da sua liberdade de ser e de se expressar na sua totalidade.


É essa Mulher oculta na mulher, essa mulher tantas vezes adivinhada, pressentida, que a sociedade não permitiu ser, que não permitiu essa mulher expandir-se, a mulher amante da Natureza, a Mulher amante de si mesma, a mulher amante dos animais, a mulher amante mas que também é adivinha, que é profetisa, que é feiticeira, que é curandeira e parteira, que foi esmagada e queimada nas fogueiras, essa é a mulher integral, a mulher que todas as mulheres de hoje tem de resgatar ligando-se de novo às forças ctónicas e telúricas da Terra e fazer a ponte com a mulher psíquica de hoje, a mulher culta, a que estudou e usa também o intelecto e a mente.
A mulher não se pode voltar a perder agora caminhando no sentido oposto ou contrário da mulher moderna...nem pode negar as suas conquistas no mundo moderno de hoje. Ela tem de ir ao seu passado e resgatar esse poder e essa memória de que foi privada e resgatar a herança das suas ancestrais, mas ela não pode nem deve ficar presa num mundo que já não é a nossa realidade, como eu vejo tantas mulheres começarem a fazer...ao se virarem exclusivamente para rituais e práticas que as afastam da sociedade e desta realidade.


A minha mensagem - se há uma mensagem nas minhas palavras - é para que a mulher se complete e não que se subtraia, para que a mulher de hoje possa sentir essa mulher atávica que nela dorme, que ela foi outrora mas sem abandonar o lugar na sociedade onde conquistou um lugar ou não. Isto não quer dizer que sirva o Sistema, que não esteja consciente de como o Sistema a escravizou, mas enquanto estiver nele inserida tem de ser uma mulher deste mundo e não apenas do passado para assim poder fazer essa ponte e passar essa experiência da mulher ctónica que tanto faz falta às mulheres mundanas, completamente alienadas de si e desse eterno feminino, dar um exemplo a essas mulheres modernas que se creem emancipadas mas que esqueceram por completo quem foram e um passado de mulheres livres, verdadeiramente mulheres em todo o sentido da palavra...
E não basta juntarmo-nos em grupos fechados e ficarmos felizes porque estamos a evocar a Deusa ou a sua ancestralidade esquecendo o presente e sem nos voltarmos para a vida real e aquilo que nos rodeia e perdermos todo o bom senso.


Acredito que a mulher do futuro é a mulher moderna que É ANTIGA porque  recuperou a sua ancestralidade e fez a fusão das duas mulheres divididas em si e integra a consciência do passado com a consciência psicológica do seu presente e tudo o que descobriu e viveu ao longo da sua vida e da sua experiência humana. É muito importante a mulher não se ficar pela imitação de deusas e sacerdotisas ou xamãs e fazer desses modelos apenas um modus vivendi...ou se tornarem as vendidas do Templo...ou as prostitutas sagradas ...comercializando o que devia ser apenas livre e CONSAGRADO À DEUSA E À MÃE de alma e coração. Sem especulações sem mercados...

Rosa Leonor pedro
(Republicando)

A MULHER COMO VASO


O CÁLICE

"Assim como o filho da Deusa foi também outrora o seu consorte, na mitologia cristã "Cristo" é, também o noivo de Maria - a Madre Igreja, sua mãe". A pia , ou o cálice, baptismal, tão essencial aos ritos cristãos, é ainda o antigo símbolo feminino do vaso ou receptáculo da vida, como o baptismo, como o descreve o mitógrafo junguiano Erich Neumann, significa "o regresso ao misterioso útero da Grande Mãe e à sua água da vida."

"O CÁLICE E A ESPADA" De Riane Eisler


O VASO DA TRANSFORMAÇÃO

"O Vaso da Transformação só pode ser efectuado pela mulher,
porque ela própria, em seu corpo que corresponde ao da Grande Deusa, é o caldeirão da encarnação, nascimento e renascimento. E é por isso que o caldeirão mágico está sempre nas mãos de uma figura humana feminina, a sacerdotisa e a bruxa".*
...

“A água é o leite vital do corpo do mundo, e o espaço cósmico é um mar de leite”.
Agora que já temos uma noção razoável do amplo escopo do Grande Feminino, que na verdade abrange quase tudo – céu, água e terra, e até fogo – na forma de filho por ele gerado e nele contido -, compreende-se por que esse Feminino não pode ser identificado em hipótese nenhuma, com o telúrico-ctônico, com o meramente terreno e inferior, no que tanto insiste posteriormente o mundo patriarcal mascul...ino, com suas religiões e filosofias. A totalidade do Grande Feminino vai muito mais além da projecção em que ela une os elementos terra, água, ar e fogo. (...)
Entre as experiências mais impressionantes da humanidade estão aquelas relacionadas com a dependência que todos os corpos luminosos e todos os poderes celestes e deuses têm da Grande Mãe, bem como a sua ascensão e seu declínio, o seu nascimento e a sua morte, a sua transformação e a sua renovação. Não só a alternância noite-dia, mas também a mudança dos meses, das estações e dos anos estão subordinados à omnipotente vontade da Grande Mãe.”*


*In A GRANDE MÃE – ERICH NEUMANN

O CORAÇÃO


O coração tem que estar puro para que a intuição venha.


“Minhas intuições se tornam mais claras ao esforço de transpô-las em palavras. Isso eu escrevi uma vez.... Mas está errado, pois que, ao escrever, grudada e colada, está a intuição. É perigoso porque nunca se sabe o que virá – se se for sincero. Pode vir o aviso de uma destruição, de uma autodestruição por meio de palavras.
Podem vir lembranças que jamais se queria vê-las à tona. O clima pode se tornar apocalíptico. O coração tem que estar puro para que a intuição venha. E quando, meu Deus, pode-se dizer que o coração está puro? Porque é difícil apurar a pureza: às vezes no amor ilícito está toda a pureza do corpo e alma, não abençoado por um padre, mas abençoado pelo próprio amor. E tudo isso pode-se chegar a ver – e ter visto é irrevogável. Não se brinca com a intuição, não se brinca com o escrever: a caça pode ferir mortalmente o caçador.”

CLARICE LISPECTOR, in “A Descoberta do Mundo