"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

sexta-feira, maio 05, 2017

A ALMA É LUZ



Maria Filomena Molder


Telhados de Vidro n.º 20, Lisboa, Averno, Setembro de 2015


"No fundo, talvez ele [Emerson] esteja muito perto de Pickpocket de Bresson: ter viajado tanto para chegar àquela que esteve sempre ao seu lado, chegar ao mais próximo de si, obedecer às intimações da proximidade. É que a exigência de viver no presente - e, portanto, acima do tempo ou no seu coração mais secreto - é a condição do esclarecimento de que a alma não é viajante: “onde ela se encontra, encontra-se o dia” (p. 37).


A alma é luz:
cada ser basta-se a si próprio se responder às “exortações para ficar em casa, para entrar em comunhão com esse oceano interior”. Não ter contratos mas proximidades, agora citando a passagem completa: “Que cada um saiba que, doravante, não obedeço a nenhuma lei senão a eterna. Não quero outras obrigações senão as da proximidade” (p. 44).


A lei eterna é a de considerar e aceitar tornar-se aquilo que se é, sem uma noção teórica disso que se é […].�Aquele que viaja para se divertir, ou para obter uma coisa que não traz consigo, viaja para se afastar de si próprio e envelhece mesmo sendo jovem: eis o estilhaçamento da temporalidade própria de cada um: aquele que vai ter com as ruínas ancestrais, sem ter mais nada para dar a não ser o vazio da sua curiosidade, acrescenta ruínas às ruínas.”

Filomena Molder

Sem comentários: