"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

sexta-feira, junho 09, 2017

A MANIPULAÇÃO DA MULHER



 AS 15 acusações feitas por uma mulher ao Sistema patriarcal

1. Acuso a indústria farmacêutica de ter transformado todos os processos naturais da mulher em doenças extremamente rentáveis: Menstruação, an...ticoncepcionais, gravidez, parto, amamentação, criação e menopausa.


2. Acuso a pílula contraceptiva (e todos os produtos hormonais em geral em mulheres saudáveis) de ter mudado totalmente o nosso equilíbrio delicado endócrino e de roubar as mensagens intuitivas que chegam do inconsciente com as diferentes fases do ciclo menstrual feminino, pela relação Entre os ovários, determinadas hormonas e atividades de hemisférios cerebrais. Este é um dos problemas de base surpreendentemente escondido. As mulheres não se desligarem no parto de si mesmas, pela primeira vez, mas que levam anos dissociadas da sabedoria feminina ancestral e mais unidas a um laboratório que a seu próprio corpo.

3. Acuso o negócio da fecundação artificial de se aproveitar das mulheres desesperadas para engravidar e submetê-las a dolorosos, caros e longos processos, em vez de analisar as causas verdadeiras (e corrigíveis) do fracasso na gravidez, e que nos faria Repensar o ritmo e o estilo de vida que levamos a todos os níveis.

4. Acuso a indústria da alimentação de seu macabra e eficaz estratégia para convencer a meio século de mulheres e fazer com que o leite de um animal (cujo cérebro é muito menor do que o humano) quimicamente tratada fornecida em plástico e, por Mãos frias, muitas vezes, tenha substituído ao calor, amor e o milagre de uma teta meloso. Este triunfo económico significou uma condenação à morte de milhões de crianças em países menos desenvolvidos, e alto risco de doenças, menos nível cognitivo e desapego nos países ricos. Ausência de amamentação significa ausência de ocitocina e menos paixão entre mãe e filho, e a partir daí uma longa cadeia de comportamentos artificiais.

5. Acuso o sistema obstétrico de ter transformado a normalidade do parto em patologia, de tê-lo medicalizada até ao delírio de 50 % de cesarianas em alguns países, de não ter respeitado a extrema fragilidade do recém-nascido e de ter transformado o sagrado Ato do nascimento em uma simples extração e manipulação de bebés.

6. Acuso os pediatras de ter confundido as suas crenças e preconceitos com a verdadeira ciência, de ter frustrado milhões de potenciais de amamentação bem sucedidas com falsas normas, de ter transformado em doença um padrão de sono mamífera e de colocar os seus critérios para as recomendações de A OMS.

7. Acuso os neurologistas e psiquiatras de sobre-diagnosticar a hiperatividade e de drogar e anular a uma geração de crianças (apesar dos constatados e relatados efeitos secundários) com ritaline / Rubifren: a cocaína pediátrica

8. Acuso os psicólogos que se progride à custa de todos os erros do sistema em educação, de não fazer jus ao seu nome (psiqué=alma), de criar teorias que justificaram a contínua domesticação das crianças anulando o ligeiro instinto materno que restava (Superproteção, falta de limites, permissividade por mimar demais, mimos, etc. ), e de ter inventado uma falsa socialização precoce que não existe até muito mais tarde (6-7 anos de idade quando é estabelecida a lateralidade cerebral).

9. Acuso os falsos gurus de criação: Spock / Ferber / Valman / estivill e capangas comportamentais de fazer apologia de métodos de sócio-tortura e vender insensibilidade, crueldade e falta de respeito para com as crianças. Se houvesse um tribunal de haia emocional, todos esses personagens seriam condenados por sofrimento à humanidade.

10. Acuso as feministas clássicas de ter podado as mulheres humilhando a nossa feminilidade e maternidade, e de ter vendido aos nossos filhos por uma falsa libertação que foi simplesmente uma mudança de lugar de opressão, e que perpétuo e potenciou o sistema e os Valores dominantes: Masculinidade, competência, predação, hierarquia. Nunca houve nenhuma revolução social, mas sim um continuismo com outra cara. Sim é compatível com o trabalho e a educação, mas para isso temos que transformar o sistema e não abducirnos a nós e abandonar as criaturas.

11. Acuso as revistas femininas da promoção de modelos de mulheres descerebradas, consumistas, siliconadas hipersexuais que quando tiverem filhos tornam-se mães virtuais que atendem por controle remoto às suas criaturas a golpe de visa e continuam com seu difícil vida sem pestanejar nem Um salto.

12. Acuso o sistema educacional de precocidade, de ter planos obsoletos que não correspondem às verdadeiras necessidades de aprendizagem através do jogo e da liberdade de expressão, de promover a submissão e obediência e impedir os processos de pensamento independente e criativos que permitem Encontrar o próprio caminho na vida.

13. Acuso a toda a sociedade de ser adultocentrista e ter excluído os bebés e crianças da vida diária, de subestimar a maternidade e paternidade como uma perda do talento da mulher mas sim valorizar a esta como produtora dentro do sistema econômico ( Nem como reprodutora ou como cuidadora).

14. Acuso o estado de bem-estar de ter sequestrado a vida dos bebês prendê-los em creches precoces que tornam-se assim uma espécie de "Orfanatos de dia" bem decorados, enquanto obriga os seus dois pais a trabalhar longe de casa para subsistir em Um modelo de vida sufocante, de ter passado do conceito de "é preciso uma aldeia para educar uma criança" a solidão e o desamparo de 8 bebés por cuidadora, de ter políticas de conciliação familiar-Laboral miseráveis, de ausência de Apoio às famílias decentes, e obviamente de ter criado uma sociedade do desconforto em que segundo a OMS, em 2020 a depressão será a segunda doença.

15. E, claro, acuso as mulheres para não ouvir o seu coração, nem o seu instinto, de ter sacrificado a seus filhos para que o sistema os devore (porque elas já estavam), de aceder à maternidade e parto com muito pouca Informação e, consequentemente, com uma atitude de meninas dóceis que delegam o seu papel em todos os outros, de não lutar ou se exilar deste injusto modelo económico nem dentro do lar, mas sim de gerir a raiva e a frustração (consciente ou não) contra seus filhos, Tornar-se insensível o seu choro e chamadas noturnas, de ficar obcecado pelo treino e as regras (que, no fundo, ajudam-nos a elas para ter uma estrutura e ordem e desculpabilizarse do seu abandono real), e de concentrar todas as suas forças em aspectos externos ao Lar.

Texto: Maria Del Mar Jimenez Redal

Sem comentários: