quarta-feira, junho 14, 2017

UM GÉNERO OU UMA MODA?

E quem é que  inventou o cor-de-rosa menina e o azul do céu menino? 


OS "TRANSGENEROS" e a moda...

Creio que nos afastamos tanto do ser natural e original - não digo "normal" que é apenas um conceito, mas de um ser NATURAL que é nascer-se com um corpo "fêmea ou macho" à partida e SER SÓ HUMANO.
O SER Humano não tem de se definir pela sua sexualidade, como um animal sexual - e esse "animal sexual" tanto é o homo como hétero como o trans...

Um SER HUMANO PLENO é apenas livre de amar...sem ter de se mascarar de mulher ou de homem. Há em toda esta questão e de pessoas e até crianças se sentirem estar no corpo errado uma enorme perversão que é a cultura moderna dos estereótipos e a moda totalmente alienadas  de um sentido ontológico e transcendente do que é a Vida e o SER  humano...
Querer definir género pelo aspecto de uma pessoa, pelos suas tendências sexuais (gostar de seres do mesmo sexo?) ou por se ter uma sensibilidade dita feminina (como se a sensibilidade não fosse de ambos os sexos) ou por gostos aleatórios (como a maquilhagem ou outros utensílios ou acessórios, como carteias brincos e saltos altos hoje atribuídos  ao feminino, quando em seculos passados também os homens calçavam sapatos de tacão alto, folhos e rendas) ou ainda pelos trajes interiores ou exteriores) uma mera identificação inicial do menino com  a mãe...ou de uma  menina com o pai...? que não tem de ser reprimido nem censurado - tudo isto é como digo uma falsa questão que parte de uma  cultura de plástico ou de uma  aculturação diria e da ignorância e estupidez natural de tudo o que é informação nos nossos dias - tudo isto não passa de uma alienação do Ser em si...
Tudo isso não determina ou obriga que os seres humanos mudem de sexo ou se tenham de submeter a intervenções cirúrgicas ou hormonais para serem "normais" ou estar de acordo com o que sentem?
Toda esta aberração tem a ver com um mundo que vive de estereótipos grotescos da moda, da musica pop e do cinema de ficção e uma cultura superficial sem qualquer profundidade. É de resto não ter em conta que todos os seres humanos são de si tão variados como as flores...mas as flores não tem que se transformar noutras flores para serem belas e livres de ser o que são...
(Uma rosa é uma rosa uma rosa...assim o cravo e o malmequer...)
rlp

Sem comentários: