domingo, julho 16, 2017

UMA MULHER QUE "SABE O QUE SABE"



"São mulheres individuais, conscientes, que devem guiar o caminho.
Isso é muito difícil para os homens - tão perigosamente expostos, nesta era, à possessão pelo intelecto, pela tecnologia, ou por sua feminilidade inferior desintegrada -, descobrir o sentido de eros sem essa mediação de mulheres verdadeiras que não apenas vivem essas coisas instintivamente, mas "sabem que sabem".



Existe uma carta escrita por Jung a Aniela Jaffe em 1947, que ilustra belamente o valor, para um ...grande homem, do sentimento receptivo de uma mulher que "sabe que sabe". Isso foi escrito em resposta a uma carta dela, na qual falava, evidentemente, do ensaio sobre .a Trindade. Ele escreve: Agradeço de todo o coração sua resposta ao meu "Trindade": não poderia imaginar resposta mais bonita. É uma reação "total" e teve um efeito "total" sobre mim. Você imaginou perfeitamente o que eu tinha imaginado em meu trabalho. Tornou-se novamente claro para mim, em sua carta, o quanto se perde quando não se recebe nenhuma resposta ou nem um mero fragmento, e que alegria é experimentar o oposto - uma ressonância criativa que é, ao mesmo tempo, uma revelação do ser feminino. É como se um vinho - que à força de muito trabalho e suor, preocupação e cuidado, se torna finalmente maduro e bom — fosse despejado numa caneca preciosa. Sem este receptáculo e aceitação o trabalho de um homem permanece como uma criança delicada, seguida por olhos duvidosos e solta no mundo com ansiedade interior. Mas quando uma alma se abre ao trabalho, é como se uma semente fosse colocada em terra boa, ou como se os portões de uma cidade fossem fechados à noite para que ela goze de repouso mais seguro. Ao ler essas belas palavras, como parece horrível a atitude dessas mulheres que estão tão ocupadas fazendo coisas e exigindo seus direitos, pessoal ou coletivamente, que rejeitam essa "caneca preciosa", o Graal do ser feminino que recebe o vinho do mistério para que muitos possam beber no tempo devido."


Via Kesller Campos

sábado, julho 15, 2017

QUE MULHER OS HOMENS FABRICARAM


O ÓDIO AO QUE HÁ DE MAIS FEMININO...


- Michel Onfray, um popular filósofo francês, vê nas religiões monoteístas um entrave à ciência, à ética e à política...

Diz ele: “As mulheres encarnam o desejo sem limites, e os homens temem não poder satisfazê-las. Aos olhos deles, o feminino das mulheres surge como uma reprovação potencial, desencadeia um processo de castração contra o qual os homens se rebelam. Eles não toleram as mulheres senão quando já mataram o que há de feminino nelas e as reduziram a seu status de esposa e mãe.

Nesses dois estados, a sexualidade feminina deixa de ser perigosa: confinadas à casa, pertencentes a um macho, reduzidas a assegurar a educação das crianças no lar, com uma jornada dupla de trabalho, elas não têm mais tempo ou oportunidade de ter desejo imperioso. São essas angústias de castração sublimadas que geram a codificação religiosa. E o monoteísmo é insuperável no ódio ao que há de feminino na mulher e na celebração da virgem ou da esposa que gera filhos”



OS LIMITES DO SEXO?
OU OS LIMITES DA INSANIDADE?


Estava a refletir sobre a falsa imagem da mulher sobrevalorizada pelo sexo num excesso e demência dos sentidos, exacerbados por uma especulação cultural e libertina de fim (princípio) de século que dá a imagem da mulher super sex e capaz de engolir trinta machos por dia e como a própria mulher se expõe e dispõe a esse papel degradante na sua pele, quer nos filmes pornográficos onde a mecanização e a aviltação se misturam no mais gratuito dos intuitos ou na mais abjecta das prostituições do corpo corrompendo as leis do desejo natural e a beleza da intimidade gerada no amor, quer nos filmes ditos de qualidade em que a promiscuidade visual apesar de mais cuidada é igualmente abjecta. E chamar amor a essa adição ou alienação do ser, homem ou mulher, em função de um acto primário e básico que só o amor transforma, é pura violência psíquica e emocional para quem porventura se sujeita a ler ou ver a expressão da maior aviltação do ser humano no ecrã ou na "literatura"...

Chamar arte ou poesia à pornografia, chamar liberdade à insanidade e à promiscuidade, amor a um mecanismo igual ao dos animais, (estes bastante mais naturais!) expandi-los para os outros de forma ostensiva não passa de aberração e falta de dimensão verdadeiramente humana, ou falta de consciência (ou experiência) do verdadeiro prazer...

A mulher que o cinema e a moda projecta, mesmo no cinema de elite, não passa de um instrumento usado para instintos e intuitos os mais baixos e puramente comerciais; a mulher serve exclusivamente a imagem que o realizador ou o estilista projecta dela, o seu imaginário do feminino, a sua ficção da mulher. E o mais grave é que é a partir desse imaginário redutor e deturpado do homem que ficciona a mulher dos seus sonhos ou dos seus pesadelos, que a mulher comum vive, traindo a sua verdadeira natureza! E não se importa de ser ninfomaníaca, prostituta, sedutora, mulher fatal e submeter-se a toda a espécie de cenas degradantes para ser estrela e ganhar o Óscar... O "cinema" impôs (ou revela) uma sexualidade à mulher que não é a dela!

Que o homem use a mulher como sempre o fez e a faça fazer os papéis que ele quer ou sonha, que seja seu agente ou gigolô eu estou habituada, mas que seja a própria mulher a por na sua boca e no seu estilo o imaginário masculino isso a mim custa-me. Sim custa-me que a Mulher se reveja em imagens deformadas da sua feminilidade.

Custa-me que a mulher aceite a degradação do seu ser, que desconheça a sua essência e ache normal haver prostituição...e travestis  e transsexuais!

Custa-me que todos os dias as mulheres na rua na sociedade na telenovela e óbviamente no cinema seja a inimiga da "outra" e a destrua é uma luta antiga e estúpida de um Mundo fracturado em duas metades em que o homem é o dono e senhor há séculos. Que as mulheres perpetuem esse estado de coisas é que me indigna. Que não tenham consciência da sua divisão interna e externa e vivam coladas a ídolos do cinema (do grego: "figuração de uma falsa divindade") deixa-me perplexa e assustada.

rlp







JÁ NÃO ESTOU A ESPERA



A Vida na meia-idade

Já não estou à espera de uma ocasião especial; queimo as melhores velas em dias normais.
 Já não estou  à espera que a casa seja limpa; eu encho-a de pessoas que entendem que até o pó é Sagrado.
Já não estou  à espera que todos me compreendam, esse não é o sua papel....
Já não estou à espera de crianças perfeitas. Os meus filhos têm os seus próprios nomes que ardem tão intensamente como qualquer estrela.
Já não estou à espera que de dar o outro passo e cair, já o dei e cai, e sobrevivi.
Já não estou  à espera do tempo certo; o tempo é sempre agora.
Não estou mais à espera do companheiro que me vai completar; estou grata por eu ser tão calorosa e terna.
Já não estou à espera de um momento calmo; o meu coração  fica em paz sempre que o chamo.
 Já não estou  à espera que o mundo esteja em paz, eu alcanço e respiro a paz dentro e fora de mim.
Já não estou  à espera de fazer algo grande, basta-me estar desperta e carregar o meu grão de areia, isso é suficiente.
Já não estou à espera de ser reconhecida, sei que danço num círculo sagrado.
Já não estou à espera de Perdão.
Eu acredito, eu Acredito.




Autor: Mary Anne Perrone
Irmandade de mulheres selvagens

quarta-feira, julho 12, 2017

SÓ A ALMA ELEVA...



Como hei-de segurar a minha alma para que não toque na tua?
Como hei-de elevá-la acima de ti, até outras coisas?
Ah, como gostaria de levá-la até um sítio perdido na escuridão até um lugar estranho e silencioso que não se agita, quando o teu coração treme.
Pois o que nos toca, a ti e a mim, isso nos une, como um arco de violino que de duas cordas solta uma só nota.
A que instrumento estamos atados?
E que violinista nos tem em suas mãos?
Oh, doce canção.

Rainer Maria Rilke

segunda-feira, julho 10, 2017

VEM A TONA...




"O feminino é a consciência Integral à beira da evolução do corpo e da mente de uma mulher. Pode-se dizer que ela é uma manifestação da consciência evolutiva, encarnando o desenvolvimento com um sabor especial feminino. Na medida em que ela está consciente, na medida em que ela aprende e se desenvolve, ela tem a capacidade inata de se expandir e abrir em uma identificação cada vez maior com todas as coisas."

"A iluminação não é limitada pelo tempo e espaço, mas, paradoxalmente, é realizada através da consciência que ocorre em nosso tempo e lugar, nesta cultura, e sob essas condições em que a pergunta "o que é o feminino Integral?" vem à tona.



Diane Hamilton Musho

como olhos em brasa



"O que te escrevo não vem de manso, subindo aos poucos até ao auge  para depois ir morrendo de manso.
Não: o que te escrevo é de fogo como olhos em brasa"

Clarice Lispector

A NOVA PROSTITUIÇÃO


O PREÇO DE UMA CRIANÇA...
uma nova forma de prostituição das mulheres pobres de leste...

"Quem são essas mulheres que aceitam "emprestar" a sua barriga?

São mulheres pobres vindas dos países do leste, da Bulgária, da moldávia e, por vezes, das mães sós que estão a tentar escapar-se. Inicialmente, elas vinham para a Grécia, em Atenas, para ocupar postos de ajuda ao domicílio para os idosos, para as ajudas domésticas e para as amas. Com a crise, a média burguesia grega parou de ...usar estas mulheres e muitos ficaram sem dinheiro. Esta prática apresenta-se então como a única solução. Primeiro, começam por dar os seus óvulos e quando não é suficiente ou são muito velhos, eles continuam a alugar o seu útero. São reformadas e recrutadas assim pelos médicos. Anteriormente não havia, ou poucos gregos, que aceitavam ser barriga de aluguer, pois o peso da religião e da família ainda é muito pesado, mas com a crise, cada vez mais mulheres aceitam."


OS FILHOS SEM MÃE...
E AS "MÃES" POR CATÁLOGO...e com contrato!


O HEROI DA BOLA PORTUGUÊS - o "macho lusitano" culto  da nação futeboleira...e o filho por encomenda.


O jornal britânico Daily Mail fornece inúmeros pormenores sobre o processo de conceção das crianças, que como se sabia até então, foi realizado através de uma barriga de aluguer.
Segundo a publicação, o primeiro passo foi escolher uma das muitas agências que existem na Califórnia, onde este tornou-se um negócio de milhões, pelo facto das leis serem muito favoráveis aos candidatos. Neste estado, pessoas solteiras podem recorrer ao processo, ao contrário de outros locais, como Espanha ou Inglaterra.
Na Califórnia uma agência pode receber 135 mil euros para a conceção de gémeos, dos quais 39 mil vão para a mulher que se prontifica a engravidar. Ao que tudo indica, Cristiano deverá ter escolhido uma dadora de óvulos, que normalmente recebe 6700 euros. A escolha varia entre milhares de mulheres presentes num catálogo. O esperma foi do próprio craque tendo em conta as claras parecenças entre Cristianinho e o jogador, coisa que também deverá ter acontecido com os gémeos.
Para além disso, duas mulheres estiveram envolvida no processo: uma para a doação de óvulos, outra para a gestação. A ideia é que nenhuma delas crie laços de afetividade com as crianças.
Antes do embrião ser implantado, Ronaldo e a pessoa responsável pela gestação assinam um contrato com todas as responsabilidades a serem cumpridas por ambas as partes.
O jornal adianta ainda que a mãe deverá ser mexicana.

in noticias do minuto

domingo, julho 09, 2017

UM RETROCESSO CIVILIZACIONAL


Ronaldo: comprar “filhos” é imoral

07 jul, 2017 • Opinião de Henrique Raposo


Será que Ronaldo pagou IVA pelos filhos? Não, não se riam, porque o caso não é para rir. Se Ronaldo pagou uma fortuna à barriga de aluguer e se pagou outra fortuna à clínica, então estas crianças foram de facto adquiridas mediante o pagamento de alguns impostos.
Milionários como Elton John e Cristiano Ronaldo compraram os seus filhos no mercado das barrigas de aluguer. Esta é uma prática imoral, aliás, é um retrocesso civilizacional, porque devolve o ser humano à categoria de bem transacionável, retira ao ser humano o seu carácter sagrado, inviolável e não comercializável, transforma a vida humana em algo equivalente ao carro de luxo. Isto devia ser dito de forma clara por um coro indignado de milhões, mas não se ouve nada, nem um pio, nem uma hashtag, só alguns colunas de opinião dispersas. Não se percebe o silêncio. E não se percebe a forma como o debate tem sido introduzido na sociedade. Fala-se dos "afectos" da pessoa que quer muito ser pai; diz-se que essa pessoa tem "o direito a ser pai". Não, não tem. Ser pai ou mãe não é um direito, muito menos um direito natural. O que é de certeza um direito natural de todos os seres humanos é a garantia de que não podemos ser tratados como produtos submetidos às regras da oferta e da procura. Não pode existir um mercado para seres humanos. E, apesar de estar mascarado pelos "afectos" e pelo Instagram, este é um mercado de bebés humanos. Repare-se que nem sequer falo da separação atroz entre bebé e mãe, ou seja, nem sequer estou a invocar o direito à mãe de todas as crianças. Julgo que já estamos numa fase mais grave e profunda do debate: como é que em 2017, século e meio depois de Lincoln, a sociedade ocidental aceita que seres humanos adultos e vacinados transformem outros seres humanos em bens que podem ser comprados num circuito de fabricação, comercialização e lucro?

E será que Ronaldo pagou IVA pelos filhos?
Não, não se riam, porque o caso não é para rir. Se Ronaldo pagou uma fortuna à barriga de aluguer e se pagou outra fortuna à clínica, então estas crianças foram de facto adquiridas mediante o pagamento de alguns impostos. Em 2017, bebés humanos geram lucros e impostos. Não é caso para rir, talvez seja caso para chorar.

Tão ou mais chocante do que o acto em si tem sido o silêncio acrítico da sociedade.
Ronaldo ficou à espera de duas crianças da mesma forma que nós ficamos à espera de dois DVD encomendados na Amazon, mas não houve "ondas de choque" nem hashtags de indignação. Ronaldo encomendou crianças da mesma forma que encomenda fatos no alfaiate ou carros no stand, mas não houve "polémica"; as redes sociais não se "incendiaram", como agora se diz. Se as hordas da net não se insurgiram, as figuras da elite também não. Onde é que estão os intelectuais e políticos que ganham a vida a criticar os "ricos"? Aqui está uma situação em que a riqueza é mesmo sinónimo de impunidade, aqui está um caso em que o dinheiro coloca o milionário literalmente acima do bem e do mal; aqui está uma situação em que a riqueza cria de facto uma esfera amoral onde não se fazem perguntas morais ("será legítimo fazer isto?") e onde só se fazem perguntas materiais ("é possível fazer isto? Se sim, quanto é?"). Onde estão os indignados do costume?

E onde é que estão os autoproclamados defensores das crianças e os pediatras famosos? Aqui está uma situação em que o superior interessa da criança é rasgado. Para terminar, onde estão os constitucionalistas, os professores de direito, os intelectuais públicos, os senadores, os comentadores, os teólogos? Como dizia há pouco, aqui está uma clara violação da sacralidade da vida humana.

Este e outros silêncios revelam um deserto amoral. Nós, enquanto sociedade, estamos moralmente desarmados. A sociedade pós-moderna não tem ferramentas mentais e morais para se reconstruir, para reconstruir a decência, para desenvolver um discurso que contemple o certo e o errado, a decência e a indecência. Durante décadas, a linguagem e os raciocínios morais foram atacados e retirados do espaço público. Só se aceitava a argumentação técnica (que é amoral por natureza) ou o discurso cínico e engraçadista (que também é amoral por natureza). O resultado está à vista: a sociedade nem sequer conhece as palavras necessárias para se insurgir moralmente contra a comercialização de seres humanos

quinta-feira, julho 06, 2017

OS MONSTROS DE CULTO




OS FILHOS DO PAI...ou filhos da put...que os pariu a eles?

CRIANÇAS COMPRADAS A "BARRIGAS DE ALUGUER" - um crime legalizado em sociedades degeneradas e sociopatas que fomentam o nascimento de crianças sem Mãe...
Crianças nascidas já como mercadoria - sem elos nem laços às mães, sem serem amamentadas - estas crianças sendo privadas de Mãe à nascença serão profundamente afectadas a nível celular e psicológico, e nenhum dinheiro do mundo lhes pagará essa falta...
rlp


TEMOS DE TER EM CONTA QUE "O nosso subconsciente é programado pelas nossas primeiras experiências com a nossa mãe e como fomos criados. A medida em que nos sentimos nutridas/os e incondicionalmente amadas/os determina a forma como as impressões da nossa mãe se traduzem numa sensação de proteção, segurança e confiança no ser, na vida e em poderes superiores, ou não.
Quase todos carregam feridas relacionadas com as suas impressões de maternidade precoce. Nós experimentamos essas feridas como pessoais, mas de facto são geracionais e culturais. A nossa mãe passou para nós o que foi passado para ela, e assim por diante por um longo, longo tempo. Essas impressões dizem respeito à programação cultural em relação ao valor e ao poder de ser mulher. A nossa cura, neste momento, não é a culpa das nossas mães ou de nós mesmos, mas percebermos que temos a oportunidade de libertar a programação baseada no medo que suprimiu o feminino, as mulheres, as emoções e, de facto, toda a humanidade por muito tempo." Guru Rattana

“Detrás del aura de felicidad que muestra Elton John, hablando de los bebés y de una noción de familia moderna, hay una industria que compra y venta de bebés que son diseñados para satisfacer las necesidades de los países ricos”, esta es la principal conclusión de una comisión de expertos suecos después de investigar, a petición del Gobierno, los vientres de alquiler.
“Desde hacía años se sabía que algo en la maternidad de alquiler no estaba bien”, se recoge en el informe, y es que en este tipo de prácticas, reguladas sin ningún tipo de pudor por Naciones Unidas, “la madre es considerada como la nada, pues ni siquiera tiene el derecho a ser llamada mamá y todo responde a los deseos del comprador”.
Actuall depende del apoyo de lectores como tú para seguir defendiendo la cultura de la vida, la familia y las libertades.
Haz un donativo ahora
Por ello, la investigación pone de manifiesto la necesidad de prohibir toda forma de maternidad sustituta, sea comercial o no, incluida la publicidad de estos, a pesar de ser una fórmula apoyada por el lobby gay y homosexuales de renombre mundial como Elton John.
El caso del “Bebé M”, cuya madre se vio obligada a entregar a su hijo entre lágrimas a un millonario japonés que había ordenado su compra dentro de un paquete de 16 niños que adquirió en varios hospitales de Tailandia, es uno de los ejemplos que cita The Guardian, donde se ha publicado el informe sueco.



En el artículo, titulado “Cualquier tipo de maternidad subrogada es explotación”, se destaca que en los vientres de alquiler se da la “verdadera mercantilización de la vida humana que mediante un clic, elige la raza y color de ojos; paga, y puede obtener al niño”.
Hay madres obligadas a abortar después de que los compradores conocen que los niños tienen algún tipo de malformación
Algunos de casos más terribles que se dan terminan con las madres obligadas a abortar después de que los compradores conocen que los niños tienen algún tipo de malformación o que son más de uno, y el cliente exige que se aborte a todos menos a uno.

Fábricas de niños

Pero el asunto pasa de castaño oscuro cuando el informe se centra en los casos de la fábricas de niños, en especial en Nigeria, donde se las conoce como “baby factory”. La periodista Milena Castigli sacó a la luz la realidad que se vive en el país africano donde miles de mujeres son esclavizadas para proveer hijos a parejas ricas, tanto heterosexuales como homosexuales.
La periodista italiana habla de jovenes mujeres  que “son secuestradas, segregadas, violadas durante meses y utilizadas como incubadoras para los recién nacidos, que serán después vendidos al extranjero para fines desconocidos”.
“Las denominadas fábricas de niños no son más que chozas donde decenas de mujeres y chicas muy jovenes viven abarrotadas como ganado, las tienen escondidas en secreto hasta el momento del parto, con torturadores pagados por poderosos grupos criminales locales. ¿Qué ocurre con estas madres después del parto?, no se sabe. ¿Y con los niños? Tampoco”, denuncia Castigli.



Muchos de ellos son “colocados” como mercancía dentro del circuito de las adopciones internacionales y “vendidos a un alto precio a las parejas heterosexuales u homosexuales. Sin embargo, de muchos otros se pierde la pista y existe el temor de que son usados para la venta de órganos o utilizados para la pornografía infantil”, alerta la periodista.
Emanuele di Leo, Presidente de Steadfast (una organización sin ánimo de lucro que opera desde hace años en Nigeria junto a los más pobres) explica que los compradores “son occidentales que tienen problemas de fertilidad, tanto parejas heterosexuales como homosexuales, aunque también hay nigerianos ricos que buscan perpetuar su propio patrimonio genético”.

¿A qué se debe el silencio sobre esta atrocidad?

“Esta nueva frontera de explotación sexual es una práctica abominable que se salió a la luz hace unos meses pero lleva años vigente, con el silencio cómplice de muchas personas que no han denunciado la situación”, denuncia la nota de la periodista Castigli.
“En uno de estos lugares se encontraron 32 mujeres embarazadas encadenadas a la pared como vacas en un establo”
Y es que se calcula que el valor de un recién nacido “subrogado” oscila entre los cuatro mil y los diez mil euros. Un valor que, unido a la venta en el extranjero de cientos de mujeres para convertirse en “madres subrogadas”, convierte a este negocio en uno de los más lucrativos.
En los últimos años han sido descubiertas, sólo en Nigeria, al menos 20 fábricas de niños en las que las chicas son aprovechadas durante los embarazados para acabar después no se sabe cómo.
“En uno de estos lugares infernales descubiertos por la Policía, se encontraron 32 mujeres encadenadas a la pared como vacas en un establo, por supuesto, todas ellas embarazadas, finaliza la denuncia de Castigli.

AS BORREGÃS dos reis são agora as barrigas de aluguer dos ricos

Davam a mãe para serem filhos do CR7


As "barregãs" que viam o filho reconhecido pelo rei, eram recompensadas "pelo uso do seu corpo" (a expressão é mesmo esta), e os infantes criados na corte, educados com todos os privilégios que o divino sangue paterno ditava. Soa familiar?

Sei que é politicamente incorreto dizê-lo, mas indigna-me o aparente consenso com que as pessoas acolhem o "episódio" Cristiano Ronaldo e os gémeos, aceitando alegremente a versão de que foram gerados por uma barriga paga a preço de ouro. Como se não houvesse nada de chocante em que as crianças fossem entregues como se não passassem de um qualquer gadjet, encomendado pela internet, e que se espera ansiosamente tenha a nossa cara. Como se, em sendo verdade (e elas aceitam que sim) não houvesse nada de especial em mandar fabricar crianças propositadamente órfãs de mãe, exibindo-as narcisicamente como um produto exclusivo. Nem sequer vejo estranhar uma opção destas tomada por alguém que tem na própria mãe uma heroína, indispensável em todos os momentos.

Espantam-me os milhões de gostos quando alguém declara que aos filhos basta terem "pai e um pai inacreditável" como ele, como se não soubéssemos todos que é exatamente quando um dos pais se acha tão extraordinário, que a criança mais precisa do contraponto de alguém "normal" na sua vida.

Estranho porque é que tantas pessoas se calam, nomeadamente gente com responsabilidade na defesa dos direitos das crianças, e que sabem bem que o direito a uma mãe ou a um pai, não é uma prorrogativa de quem a procriou, mas da própria criança. Porque não tornam pública uma opinião fundamentada sobre o que acontece não só neste caso mas no de tantos outros "famosos" que repetidamente enchem as páginas dos media, uma opinião que nos ajude a refletir?

Deixa-me perplexa porque é que os sábios não se chegam à frente para perguntar alto se é realmente isto que queremos, um futuro onde o dinheiro compra a técnica para tornar as crianças num produto consumível, produzido cada vez mais "à carta"? Consubstanciando, além do mais, um negócio de compra e venda de seres humanos.

E, já agora, porque estão silenciosos os Historiadores, que sabem bem que embora mascarado de admirável mundo novo, o que vemos agora acontecer é, na essência, um retrocesso civilizacional. Os homens ricos e poderosos punham, sem pestanejar, o corpo das mulheres ao seu serviço. As "barregãs" que viam o filho reconhecido pelo rei, eram recompensadas "pelo uso do seu corpo" (a expressão é mesmo esta), e os infantes criados na corte, educados com todos os privilégios que o divino sangue paterno ditava. Soa familiar? Muito, mas convinha também recordar como os direitos das mulheres e das crianças evoluíram desde aí, como de pouco vale pugnar por quotas nas empresas se aceitamos fechar os olhos a coisas como estas.

E nós todos, cidadãos comuns, mas que temos voz e voto, em que é que ficamos? Basta uma vista rápida aos comentários à notícia para perceber que, para muitos, a fama e o dinheiro parecem compensar tudo. Se a criança pergunta pela mãe, que importa que lhe digam que morreu ou viaja (como li nas declarações de uma das irmãs Aveiro), se em troca pode entrar pelo campo adentro ao lado do pai mais famoso do mundo (com todo o mérito), que diferença faz que um dia deixe de perguntar por ela e se remeta a um silêncio deprimido, se pode viajar, viver numa mansão de infinitos quartos, realizar todos os desejos e herdar um dia a fortuna do craque? Decididamente, talvez tantos se calem porque, secretamente, davam a mãe para serem filhos do Cristiano Ronaldo.

Jornalista - Isabel Stilwell

sábado, julho 01, 2017

A MÃE COMO CÁLICE...


MÃE, MÃE, MÃE,

(grito o teu nome para exorcizar a tua morte no mundo dos homens...)

Mãe,
...
Conheço a tua força, mãe, e a tua fragilidade.
Uma e outra têm a tua coragem, o teu alento vital.
Estou contigo mãe, no teu sonho permanente na tua esperança incerta
Estou contigo na tua simplicidade e nos teus gestos generosos.
Vejo-te menina e noiva, vejo-te mãe mulher de trabalho
Sempre frágil e forte. Quantos problemas enfrentaste,
Quantas aflições! Sempre uma força te erguia vertical,
sempre o alento da tua fé, o prodigioso alento
a que se chama Deus. Que existe porque tu o amas,
tu o desejas. Deus alimenta-te e inunda a tua fragilidade.
E assim estás no meio do amor como o centro da rosa.
Essa ânsia de amor de toda a tua vida é uma onda incandescente.
Com o teu amor humano e divino
quero fundir o diamante do fogo universal.

António Ramos Rosa, em 'Antologia Poética'