quinta-feira, agosto 31, 2017

AS FORÇAS DAS TREVAS e involutivas estão contra a Mulher.




O MEDO DAS MULHERES SE DIZEREM

O medo das mulheres em se exprimirem, de forma espontânea e natural,  esse medo atávico, que as oprime e que apesar de toda a liberdade de expressão nos dias ainda tem, sobretudo no que diz respeito ao que sentem vindo do mais fundo de si, tem a ver com o calamento secular da sua verdade essencial, desde que foram votadas ao descrédito por Apolo (no mito de Cssandra, ultima profetisa da Deusa). Essa incapacidade das mulheres de se expressarem do mais fundo de si, revelando ou exprimindo o seu pressentir e intuição, tem a ver com  forma  como foram obrigadas a silenciar e como forma submetidas e reprimidas no circulo familiar e dentro do contexto religioso, a calarem-se e isto durante anos e anos a fio - e que vem já lá detrás, muitos anos antes, vem das avós e das mães e da sociedade em geral que reprimiu o Feminino profundo e calou as mulheres na expressão do seu ser mais autêntico, transformando-as em marionetas do sistema.
O lado feminino e as suas qualidades,  intuitivas, preceptivas e emocionais, foram suprimidas e renegadas e tratadas como inferiores e insignificantes e dai as mulheres serem consideradas loucas, despropositadas face a logica masculina, consideradas histéricas ou megeras e bruxas, diabólicas, se não se comportassem bem e de acordo com o que os homens ditavam para elas: pais, avós e irmãos tios e filhos e padres.  Qualquer homem tinha poder de mandar calar as mulheres e de mandar nelas como propriedade sua,  fossem mães, filhas ou irmãs - os homem tinham a tutela das mulheres como hoje a têm ainda os muçulmanos no mundo árabe e assim eram igualmente com as suas mulheres os judeus e os cristãos. As três religiões patriarcais que desprezam e maltratam as mulheres nas suas escrituras sagradas.
Dizem-me as vezes que não é tanto assim hoje em dia, mas eu conheço ainda filhas e netas, conheço muitas mulheres de 50 anos e menos que foram assim desautorizadas e reprimidas por pais e mães até...e que continuam submissas e incapazes de se libertarem de pais maridos e até filhos...incapazes  de se exprimirem em todos os sentidos da sua natureza abundante e profícua de mulheres mães e geradoras de filhos e pródigas em atributos.
Toda a natureza da mulher em termos da sua magnificência e poder magnético, o seu poder  sensual e sexual e afectivo está cativo e prisioneiro de normas e conceitos que são como que um espartilho que a mulher moderna usa a nivel psicologico tal como as mulheres dos seculos XVII usavam no corpo. As mulheres deste século libertaram o corpo, mas não libertaram o seu ser profundo e a sua alma, bem pelo contrário. Dai as mulheres no nosso tempos terem acabado por optar pelo pensamento e ego masculino e a visão racional das feministas em geral. O feminismo transformou a mulher em macho e matou o que restava na mulher do feminino (ontológico) e hoje quando uma mulher se quer exprimir como mulher através da sua sexualidade fá-lo de forma grosseira e superficial, volúvel mesmo, e não tem a dimensão de excelência nem a grandeza e beleza que só a sacralidade confere a Mulher desperta, a mulher plena, tão distante das mulheres comuns, mesmo as de sucesso ou supostamente livres como as atrizes cantoras e as empresárias, médicas, advogadas e deputadas etc. por todas estas razões e a mulher estar tão longe da sua essência os homens pensam que podem aceder a esse feminino mudando apenas de aparência...

Enganámo-nos todas com a aparência de uma suposta liberdade ocidental alcançada de há um século a esta parte e em um séculos de avanço sobre os muçulmanos, mas esta igualdade e liberdade das mulheres, pela qual as feministas lutaram  foi só em parte verdade e em parte aparente, prova-a o facto de, neste momento, estarmos perante um enorme retrocesso civilizacional e ainda por cima com a ameaça cada dia mais clara da invasão islâmica, tanto como pela as ultimas referencias de presidentes ocidentais,  padres, bispos  e governantes, que defendem de forma subliminar a volta da mulher ao lar e que no fundo qualquer homem comum, (se não for gay) bem lá no fundo deseja: ele deseja  que as mulheres não lhes façam sombra e que voltem para "o lar":  fiquem em casa de novo a serví-los e a tratar dos filhos para que não só deixem o trabalho para eles como querem que elas continuem submissas e debaixo da sua pata. Prova-o o facto de não mostrarem grande preocupação com a ofensiva islâmica sobre as suas mulheres e filhas...poucos homens se insurgem perante esta ofensiva brutal de violações e perseguições a mulheres europeias por parte de migrantes em toda a Europa! Recentemente o presidente da Chechénia (um imbecil qualquer para não dizer um "chéché) ...decretou uma lei de que as mulheres separadas deviam voltar para casa para os maridos e tomar contas dos filhos...

AS mulheres no Ocidente entretanto convenceram-se que tinham ganho a sua liberdade e garantido a igualdade de direitos, mas agora em pleno sec. XXI,  elas  começam a perceber que não estão tão  livres como pensaram e   veem-se perante este impasse de terem que regredir na sua  maneira de vestir e não andarem sozinhas nem de noite como já era natural nas principais cidades da Europa livre, como Berlin, Roma, Paris ou Estocolmo. Desde que a invasão migratória (consentida pela Alemanha e a União Europeia) de islâmicos começou esses  padrões de liberdade e afirmação das mulheres começa a regredir e elas  a recuar com medo das violações e ataques com armas brancas na rua e a evitar um certo tipo de roupa, a esconder o corpo e a evitar sair sozinhas para não serem molestadas pelos migrantes tal como nos países árabes e diríamos até que a policia e os Estados estão a ser coniventes com isto - eles escondem e não denunciam as ofensas a integridade física das mulheres, as violações e os abusos,  porque tudo isto é orquestrado com o fim de fazer a mulher voltar ao lar e a ser de novo a escrava directa de cada homem para assim o manter preso e a produzir melhor...
Portanto se a mulher não romper este medo e este ciclo vicioso, não indo para a rua despir-se nem aos gritos, mas cada uma sustentadamente tomar consciência de tudo isso,  poderão então fazer a diferença, em vez de se irem na boca do lobo com reivindicações que nunca serão satisfeitas ...tal como o não foram senão aparentemente estes anos de pseud libertação. Uma verdadeira libertação da mulher está na Consciência de si e do seu valor intrínseco como mulher e não na sua afirmação social por direitos e igualdade...que estão em vias de voltar a perder, porque não fizeram o trabalho de verdadeira consciência de si como mulheres e apenas quiserem ser iguais  imitar os homens...

rlp 

O QUE DEFINE UM SEXO NÃO É A ROUPA NEM A MAQUILHAGEM...

PORQUE NÃO É TODA A GENTE APENAS
UM SER HUMANO?

Primeiro (no meu tempo) era o conservadorismo total - a ideia comum do "normal" -, a única coisa aceite pela sociedade civil ou pela igreja católica e as massas viviam vinculadas à moral vigente. Depois, houve muitos movimentos de libertação  e revoluções e as coisas foram evoluindo e o diferente foi aceite, incluído...como diferente. As minorias foram aceites e veio o orgulho Gay lésbicas, como bandeira e o Lobby Gay que tudo quer dominar...Assim, essas minorias extrapolam tudo e  inverteram-se todos os valores, e temos os Mídea a fazer  a apologia da diferença ou da "anormalidade" (não falo de anomalias)  em tudo - e a dita "normalidade" (o consenso e comportamento das maiorias) passa a ser visto como um crime grave, lesa minorias...e acaba nesta loucura de que todos temos de ser homossexuais e transsexuais e até as criancinhas...e parece que se é obrigadão a conviver em total harmonia para além da aceitação temos todos de pensar o mesmo e ser coniventes com as maiores aberrações que a mente humana fabrica.
Desse modo estamos a assistir a esta descaracterização do feminino e do masculino, por um lado saudável, uma vez que a mulher sempre foi uma imagem inventada pela moda, e essa imagem se está a desconstruir, mas por outro lado cai-se no outro extremo e a mulher parece que tem de se transformar agora  num travesti do homem, e o homem UM TRAVESTI da mulher (inventada) o que já aconteceu há umas boas décadas. Isto tudo é algo que aflige qualquer pessoa de bom senso. Posso até pensar e admitir que somos tod@s andróginos psiquicamente ou até talvez tod@s bissexuais, mas daí a termos de nos mascarar indefinidamente mulheres de homens e homens de mulher...e vir gritar para os palcos...ai, o meu género...?

QUANDO É QUE FATO E GRAVATA É FACTOR DE MASCULINIDADE? Quando é que maquilhagem e silicone e vestidos decotados é factor de feminilidade?

HÁ TERRORISMOS que matam e terrorismos que contaminam...

rlp

A continuidade de consciência



MORREMOS MILHÕES DE VEZES NUMA VIDA...

"A pessoa sábia sabe que, na realidade, vive-se a morte a cada momento. Nós morremos milhões de vezes em uma vida, e milhões de vezes nós nascemos. Cada momento que passa é como um momento de morte. Um momento morre e outro momento nasce; uma experiência morre e outra entra em ser. A morte precede o nascimento e o nascimento precede a morte, mas nós experimentamos uma continuidade de consciência através destas mortes e nascimentos."

in - a psicologia perene do Bhagavad Gita Por Swami Rama

AS CARICATURAS DA "MULHER"


TRANSGÉNEROS:  "CONSIDERO ESTA PRATICA COMO UMA VIOLAÇÃO CRIMINAL DOS DIREITOS HUMANOS"

Numa entrevista com “The Weekly Standard” a escritora Camille Paglia, que nunca teve medo de confrontos (identificando-se publicamente como lésbica na década de 1960) fez alguns fortes comentários sobre o transgenderismo, dizendo: "A fria verdade biológica é que as mudanças de sexo são impossíveis "
Jonathan Last perguntou-lhe porque não houve um confronto aberto entre o feminismo e o trans...genderismo, Paglia respondeu que esse confronto já aconteceu no Reino Unido, mencionando os ataques da comunidade “transgender” à icónica feminista Germaine Greer e á feminista australiana radical Sheila Jeffreys, a autora de “Gender Hurts”.
Paglia observou: "Jeffreys identifica o transexualismo com a misoginia e descreve isso como uma forma de"mutilação ". Ela e as suas aliadas feministas encontraram prolongadas dificuldades em obter um local seguro para falar em Londres, devido às ameaças e agitação por parte dos activistas transgêneros".
Ela continuou:
Sou altamente céptica sobre a actual onda transgênero, que eu creio ter sido produzida por factores psicológicos e sociológicos muito mais complicados do que o actual discurso do género permite. Além disso, condeno a crescente prescrição de bloqueadores da puberdade (cujos efeitos a longo prazo são desconhecidos) para crianças. Considero esta prática como uma violação criminal dos direitos humanos. É certamente irónico como os liberais que se colocam como defensores da ciência quando se trata de aquecimento global (um mito sentimental não apoiado por evidências) fogem de toda referência à biologia quando se trata de género.
Então, o tiro certeiro:

"A verdade fria biológica é que as mudanças de sexo são impossíveis. Cada célula do corpo humano permanece codificada com o género de nascimento para a vida. Podem ocorrer ambiguidades intersexuais, mas são anomalias de desenvolvimento que representam uma pequena proporção de todos os nascimentos humanos ".

Paglia acrescentou: "Como Germaine Greer e Sheila Jeffreys, rejeito a coerção patrocinada pelo Estado para chamar alguém de" mulher "ou de" homem "simplesmente com base no seu sentimento subjectivo sobre isso.”

NÃO ESQUEÇAM: A MULHER NASCE MULHER



AVISO ÀS MULHERES CONSCIENTES DE SI...

Acreditem minhas amigas...estamos num tempo em que as armadilhas do patriarcado e os seus tentáculos se estendem cada vez mais e por todos os lados e que de todas as maneiras nos querem iludir e desviar do verdadeiro caminho da Mulher que é Ela mesma. Ela é um Manancial fechado...e tem de se dar ela mesma à Luz...não há ensinamento nem guias - só a mulher tem acesso a esse Manancial.
O Segredo e o Tesouro da mulher e da Deusa está guardado no seu coração e no seu Utero - dai "Antes do verbo era o Utero"; E é a voz do Utero que nós temos de acordar - a nossa intuição profunda - e não a voz da mente, da logica e do conhecimento racional - dando voz ao predador em nós, pois todas as ideias que assimilamos e que defendemos mesmo sem saber, são do homem, sobretudo o aliado maior do patriarcado o nosso ego masculino que assimilamos em defesa dos nossos direitos...e que corresponde ao nosso desejo de vencer e ser maior do que as outras, como vemos estar a acontecer por todo o lado com o dito Feminino Sagrado que até homens transexuais reivindicam como seu...e procuram desse modo desvalorizar o facto incontornável de se NASCER MULHER e a mulher ter em si o Poder de dar a Luz e Iniciar o homem.
Isto é um AVISO para aquelas que querem mesmo seguir o seu caminho de dentro e não colher louros da divisão e da  farsa patriarcal que se mascara de todas as formas para enganar e desviar as mulheres do seu caminho iniciático: elas mesmas.

A inveja do Útero e o ódio a Mulher e à Mãe está disseminado e disfarçado de muitas formas - ela pode travestir-se de muitas maneiras e toda a linguagem está adulterada e engana as mulheres mais ingénuas e ignorantes...Grassa a maior superficialidade e ignorância de valores e princípios indiscutíveis, desde o conhecimento biológico, ontológico e cosmológico.rlp.

segunda-feira, agosto 28, 2017

O SOFRIMENTO



"O sofrimento que conduz a um Eu genuíno difere diametralmente do sofrimento que opta pela redenção pela identificação com algo que lhe é exterior. Só se formos capazes de não fugir ao nosso sofrimento poderemos diferenciar-nos."

"A TRAIÇÃO DO EU" Arno Gruen

Se eu fosse eu



"Metade das coisas que eu faria se eu fosse eu, não posso contar. Acho, por exemplo, que por um certo motivo eu terminaria presa na cadeia. E se eu fosse eu daria tudo que é meu, e confiaria o futuro ao futuro."
clarice Lispector

Se eu fosse eu

"Quando não sei onde guardei um papel importante e a procura se revela inútil, pergunto-me: se eu fosse eu e tivesse um papel importante para guardar, que lugar escolheria? Às vezes dá certo. Mas muitas vezes fico tão pressionada pela frase "se eu fosse eu", que a procura do papel se torna secundária, e começo a pensar. Diria melhor, sentir. E não me sinto bem. Experimente: se você fosse você, como seria e o que faria? Logo de início se sente um constrangimento: a mentira em que nos acomodamos acabou de ser levemente locomovida do lugar onde se acomodara. No entanto já li biografias de pessoas que de repente passavam a ser elas mesmas, e mudavam inteiramente de vida. Acho que se eu fosse realmente eu, os amigos não me cumprimentariam na rua porque até minha fisionomia teria mudado. Como? Não sei. Metade das coisas que eu faria se eu fosse eu, não posso contar. Acho, por exemplo, que por um certo motivo eu terminaria presa na cadeia. E se eu fosse eu daria tudo que é meu, e confiaria o futuro ao futuro.

"Se eu fosse eu" parece representar o nosso maior perigo de viver, parece a entrada nova do desconhecido. No entanto tenho a intuição de que, passadas a primeiras chamadas loucuras da festa que seria, teríamos enfim a experiência do mundo. Bem sei, experimentaríamos enfim em pleno a dor do mundo. E a nossa dor, aquela que aprendemos a não sentir. Mas também seríamos por vezes tomados de um êxtase de alegria pura e legítima que mal posso adivinhar. Não, acho que já estou de algum modo adivinhando porque me senti sorrindo e também senti uma espécie de pudor que se tem diante do que é grande demais."

Clarice Lispector 

deusa das aguas



"Oh Deusa das águas, tens dentro de ti a seiva que dá vida.
Alimentas-nos com ela, como as mães dão o peito...

O teu seio inesgotável, Sarasvati, que flui como o alimento de vida
e que tu usas para nos nutrir, com tudo o que possamos desejar,
dá-se-nos sem que receis perder o teu incomensurável tesouro..."


in Rig Veda - UPANISHADS

quinta-feira, agosto 24, 2017

as coisas dolorosas




A CONSCIÊNCIA ESTÁ ACIMA DAS EMOÇÕES

“Quando as coisas são dolorosas, vemo-las no campo das emoções e não no campo da consciência."*

"O modo como o outro nos fez sentir, embate primeiro no campo das emoções. É o cordão que nos liga à evolução das espécies, ao crepúsculo que nos tornou humanos, à força que não nos separa da infância....
A dor ou o conforto põe-nos a nu, e maturidade, diplomas ou capacidade intelectual, pouco servem perante as dolorosas sensações que chegam. Do profundo poder que escorre delas, será preciso contar com um longo trabalho do pensamento e da linguagem, da consciência, para as compreender, aceitar e as tornar suportáveis.
Dão alento aos dias, as outras, as coisas calorosas que dispensam o raciocínio."


Cristina Simões
*João Redondo, psiquiatra

APRESSA-TE AMOR...






















Não te fies do tempo nem da eternidade
que as nuvens me puxam pelos vestidos,
que os ventos me arrastam contra o meu desejo.
Apressa-te, amor, que amanhã eu morro,
que amanhã morro e não te vejo!
Não demores tão longe, em lugar tão secreto,
nácar de silêncio que o mar comprime,
ó lábio, limite do instante absoluto!
Apressa-te, amor, que amanhã eu morro,
que amanhã morro e não te escuto!
Aparece-me agora, que ainda reconheço
a anêmona aberta na tua face
e em redor dos muros o vento inimigo...
Apressa-te, amor, que amanhã eu morro,
que amanhã morro e não te digo...

Cecília Meireles, in 'Retrato Natural"





quarta-feira, agosto 23, 2017

quero dizer-te...

AUSÊNCIA


" Quero dizer-te uma coisa simples: a tua
ausência dói-me. Refiro-me a essa dor que não
magoa, que se limita à alma; mas que não deixa, ...
por isso, de deixar alguns sinais - um peso
nos olhos, no lugar da tua imagem, e
um vazio nas mãos, como se as tuas mãos lhes
tivessem roubado o tacto, São estas as formas
do amor, podia dizer-te; e acrescentar que
as coisas simples também podem ser
complicadas, quando nos damos conta da
diferença entre o sonho e a realidade. Porém,
é o sonho que me traz a tua memória; e a
realidade aproxima-me mais de ti, agora que
os dias correm mais depressa, e as palavras
ficam presas numa refracção de instantes,
quando a tua voz me chama de dentro de
mim - e me faz responder-te uma coisa simples,
como dizer que a tua ausência me doí. "



Nuno Júdice


Não...



Compreender não é sentir...
"Muito se fala e muito se escreve acerca da empatia, e eu própria me questiono porque também o faço, aqui e agora.
Talvez o faça porque a empatia esteja na base do laço social, da compreensão e compaixão pelo semelhante, que a cultivar, nos enche de esperança de um futuro melhor. Mas talvez o faça, também, por razões egoístas, para evitar cair no engano de julgar que se a minha emoção faz impressão no outro, e se gera a partir daí um contágio emo...cional, a denominada simpatia, eu fui compreendia, e ele sente o mesmo que eu sinto, como se tivesse vivido ou estivesse a viver a minha situação. Sente empatia por mim.
Em suma, posso iludir-me, se julgar que emocionar-se com o meu relato, coloca-o a habitar o meu mundo emocional, ou seja, “É como eu”.
A empatia de acordo com Boris Cyrulnik em, ”Do sexto sentido”, é então, uma construção em duas etapas “compreendo o que você sente”, mas que ainda pode dar azo a não tomar o meu lugar, serve de base para uma emoção profunda, a um sentimento “compreendo o que você compreende”, que permite ver o mundo com os meus olhos, o que implica ter sentido essas experiências no passado, e ficar comigo, por que a empatia também se faz se se ousar deixar correr a alegria da comunhão.
Podemos então admitir, que é a linha da empatia na qual todos nós nos situamos, compreender o outro, que não é uma tarefa fácil, mas possível para os psicopatas, até à emoção profunda, o sentimento, que não está ao alcance destes, porque não tiveram a vivência emocional. "


Cristina Simões - psicóloga
in incalculável imperfeição

sábado, agosto 19, 2017

PERDÃO...


Perdão PERDÃO perdão PERDÃO


[ Sentara-se à soleira da porta. Sentira-se tão cansada. O tempo passava como se fosse irreal. Pusera-se a tricotar um pequeno cachecol com cachos de uvas penduradas. Tricotar, permitia-lhe meditar. Entrava em ressonância com qualquer coisa desconhecida, e sempre, tão íntima. Por vezes um medo lhe invadia a mente... era o desconhecido, esse que habita à porta de nós mesmos e que está sempre espreitando os nossos olhos.
 Nesses momentos de profunda ''tricotagem'', há um voo de passagem que  chega e quase sempre  incomoda. É preciso estarmos preparados e, a maioria das vezes, nunca estamos. No reino da mente, há milhares de discursos, de invasões, ou, de vozes. Ela é como um comboio sobre linhas, contínuo é o seu movimento... diria-se que, a mente,  sofre de ''doença crónica do pensar''! Quanto mais a reprimimos, mais ela ladra... a sua natureza, é de criar cada vez mais pensamentos e gerar todas as formas de emoção!

Nesse dia, mal sentara-se e começara a tricotar... um pensamento saíra voando do fundo da Mente e logo, se agregara à emoção, criando uma vibração sentida.  Dissera para si mesma: '' e se alguém, ainda vivo, nesta terra esteja amando-a em silencio? Portanto, sofrendo por isso.''...  Não um amor de família, de amizade... e sim, um amor no sentido de relacionamento afectivo - amoroso. 

Continuara a dizer para si mesma, ''e se alguém, nesta terra à beira-mar plantada, estiver amando-me em segredo, por tantas razões e por isso, manter-se em silencio, por outras tantas razões? Oh que dor mais insuportável!!! Se existes, oh Alma, que me amas assim tanto... quero pedir-te perdão PERDÃO por me amares assim tão silenciosamente!! Só de pensar nisso, dói-me toda a carne do corpo... e um peso toma-me a alma!! Perdoa-me PERDOA-ME a carga desse amor que carregas por mim e que eu não sei.
Amar em silencio, sem ser correspondido, ou poder confessar tal amor, deve ser um sofrimento tremendo, uma solidão sem fundo... como são os sofrimentos de quem ama e deixou de ser amado!!! 


O Amor entre os Humanos, em especial os afectivos-amorosos, são um terreno fértil de desencontros e encontros e, o palco de experiências dolorosas.
 
Criatura, oh criatura, PERDOA-ME esse sofrimento que te causo na solidão de não poderes abrir a tua boca... Não gostaria de amar alguém em silencio como tu, porque não suportaria ter o coração preso sem uma resposta. Não importa quem sejas, onde estejas... PERDOA-ME o que te faço sentir!!! PERDOA-ME se sentes dor. PERDOA-ME!!!????

Uma Alma não amada, que não se sente amada, é uma alma presa... PERDOA-ME!!! POR FAVOR, PERDOA-ME. Ajuda-me a abrir também o meu coração ao perdão de saber  perdoar-te e perdoar-me e perdoar os desígnios indiscretos da vida!!

No entanto, se o Amor que sentes por mim, é INSPIRAÇÃO e VIDA... abençoada é a vida que te ilumina... porque esse Amor liberta-te e liberta-me!! 

Se alguém que também, eu tivesse deixado, e continue a amar-me com o desejo de ainda ter-me, quando já não amo e não consegue desapegar...  também peço PERDÃO... todo o PERDÃO do Universo, e vou mais longe...  PEÇO às FORÇAS  MAIORES DA VIDA, que conduzam ao seu caminho, alguém capaz de neutralizar e transformar todo o amor dessa pessoa por mim, e que a deixe fluir num novo encontro de amor... mais pleno que aquele que viveu comigo. Assim, poderá também libertar a minha própria alma e amar também mais!!!  Porque as almas, precisam de se libertar para serem novamente amadas e amarem... só assim, a Humanidade caminhará para a evolução!!! PERDOEM-ME... por favor?? POR FAVOR, PERDOEM-ME???!!!...''

Quando parara de tricotar, já o sol havia descido no céu. Os pensamentos surreais deixaram-na surpresa... mas a maior surpresa, foi constar que todo o cachecol estava escrito com as palavras PERDÃO... cada uva tinha uma palavra com PERDOA-ME. ]



NãoSouEuéaOutra in « Aquilo que desconhecemos em nós, o PERDÃO. »
03/06/13 21:58

não sei que vidas vivi



«Não sei que Vidas vivi. Senti-me sempre um Palhaço. Como se uma Legião Oculta tivesse tido a ousadia de comandar todos os sectores que me pertenciam à nascença. Um dia, veio um Turbilhão, que se transformou num Holocausto e levou o que restava do Palhaço. Quebrou todos os risos, todos os sonhos, e o pior, a inocência que fazia mover esta engrenagem que me levava pela mão adentro em direcção ao mundo. Onde todos os lugares me pertenciam a bem ou a mal.

Essa podridão, quebrou todos os códigos para que pudesse cheirar o seu Fel, e como tal, viesse a feder tanto, que nenhum congénere se aproximasse desta Criatura. Levando, então, essa marca, insígnia prosaica que denunciava o castigo; essa a qual não deveria ter sido submetida, por não me pertencer.

O resto do Palhaço que me habitava, vive vomitando os vermes. Coça noite adentro, cujo abismo é feito de pesadelos. Pesadelos que viajam até ao reino interdito aos comuns dos mortais. Posto que, outorgaram-me um destino vil, ácido e contra-corrente.

Hoje em dia, chamam-me de Palhaço Negro. Pareço um pedaço de carvão. 

Talvez, a Fénix, seja condescendente e me dê a Vida, mais uma vez.»

NãoSouEuéaOutra in «Caderno Escorpiónico»

entre a terra e o ceu


"Quando o divino soprar a pena,
ele faz dela um anjo, para que a magia se escreva em inspiração num sussurrar de asas, em que o espaço aberto oferece horizontes..."


«Todo o cuidado é pouco nestas veredas da vida. Seres que se achegam e nos apartam de nós. São como Duendes da Desatenção. A princípio, charmosos e eloquentes, e logo reviram as moléculas nos afastando do essencial. Da trilha da vida. Da Nossa Trilha. São pequenos sorvedouros de água, Água Anímica.
A Bela tem sempre consigo a figura do Monstro ou da Besta. São quase indissociáveis. É preciso estar alerta para perceber as suas movimentações. Na maior parte do tempo, rouba-nos as faculdades de pensar uma palavra, e de pensá-la com clareza. Agora, imaginemos, se tivéssemos a ousadia de nos estendermos para lá do seu terreno de actuação? Viríamos como, a sua perspicácia, é atordoadora. Diria que: "Come-te, esse lado do hemisfério onde habitam as ciências da escrita, a construção das palavras. Obriga-te a esquecê-las. Anseia por desejá-las todas para si."

Há pessoas que constroem bibliotecas interiores, por meio de aspiração. Limpando cérebros, sorvendo-lhes o pouco que têm. Tornando-te mais inconsciente de Ti e de Pensares e de Evoluíres. Eles não querem a tua Evolução. Eles anseiam a tua ignorância e aspiram assim, o Poder da tua Inteligência. São sagazes nessa construção, e usam quem tu menos esperas para servirem de sorvedouro das tuas mais ricas capacidades.
Eles desejam o açaimo e a burka de toda a tua Alma e Corpo. Eles anseiam que descentralizes o mais que puderes de Ti, e te juntes à imbecilidade. Eles não querem a tua evolução e sim, o teu desastre humano. Eles são mais pobres de espírito, do que a tua pobreza física. Eles são os ávidos de Luz. Anseiam apagar a Luz da Vida. A tua Luz de Vida.

Eles nunca te dirão nada, dos seus reais intentos. Nunca. Nunca! Certifica-te disto, miúda. Mas serão hábeis, a fazer de ti um pião. Eles são egoístas, pensam em favor de si mesmos. Nada mais!!»


NãoSouEuéaOutra in «Cadernos Escorpiónicos

*(Quand le divin, souffle à la plume,
il fait d'elle un ange, afin que la magie écrive en inspiration dans un frémissement d'ailes, ce que l'espace ouvert offre d'horizons)

quinta-feira, agosto 17, 2017

Todas as estruturas são frágeis


Todas as estruturas são frágeis

O ego deseja sempre obter alguma coisa das outras pessoas ou das situações.
Há sempre um interesse dissimulado, uma sensação de que «ainda não chega», de insuficiência e de carência que tem de ser preenchida. O ego usa as pessoas e as situações para alcançar aquilo que deseja e, mesmo quando o consegue, nunca permanece satisfeito durante muito tempo. Muitos dos seus objetivos são frustrados e, para a maior parte das pessoas, o abismo entre «o q...ue eu quero» e «o que acontece» é uma fonte constante de preocupação e angústia. A famosa e já clássica canção pop «(I Can't Get No) Satisfaction» é a canção do ego.
A emoção dominante em todas as ações do ego é o medo. O medo de não sermos ninguém, o medo da não-existência, o medo da morte. Todas as ações do ego têm como derradeiro objetivo eliminar este medo, mas o máximo que ele consegue fazer é dissimulá-lo temporariamente através de um relacionamento íntimo, de uma nova aquisição ou ganhando isto ou aquilo. A ilusão nunca nos satisfará. Apenas a verdade de quem somos, quando sentida, nos pode libertar.

Porquê o medo? Porque o ego nasce da identificação com a forma e, no fundo, ele sabe que nenhuma forma é permanente, que todas são efémeras. Por isso, existe sempre uma sensação de insegurança em torno do ego, mesmo que, exteriormente, ele pareça confiante." ...

Eckhart Tolle (Um Novo Mundo, pág. 71)

A VIOLÊNCIA PSICOLOGICA



MULHERES PENSEM NISTO - pensem...por favor!


"Tem sido dado ênfase à violência doméstica que atinge as mulheres, na forma física. Acontece que, absolutamente mais comum e infinitamente mais danosa é a violência psicólogica, que não acontece apenas no ambiente doméstico sendo que esta, por ser continuada no tempo, até mesmo sem ser identificada pela vítima, é a forma de abuso mais difícil de ser identificada, porque não deixa marcas evidentes no corpo ( exceto talvez, uma postura corporal ). A agressão psicológica pode ficar camuflada em doenças alérgicas e auto-imunes.

Ela é comumente camuflada pela sutileza das relações intra-familiares mas causa sofrimento e conduz a mulher à alterações de comportamento, postura corporal e/ou reações psicossomáticas. Ainda o fato de esta mulher, acossada, diminuída em sua autoestima, repassar aos filhos, o amargor, mesmo que involuntária e inconscientemente levando à perpetuação, igualmente perversa ao criar modelo deste tipo de violência na vida adulta dos filhos.

O abuso psicológico também permeia todas as outras modalidades de abuso e isto é o mais dramático, pois exacerba o nível de possibilidades de toda a família em apresentar distúrbios de ordem psicológica adentrando nas suas relações afetivas, dificultando-as. O acúmulo da vivência desse tipo de violência, faz elevar os índices de frequência aos hospitais psiquiátricos, elevar globalmente o nível de distúrbios mentais, bem como elevar o índice das estatísticas dos suicidas.

Pode-se considerar que essa forma silenciosa de violência, vivida pela mulher casada no seu cotidiano, é pouco ou nada considerado até agora. Mas essa violência não acontece apenas com as mulheres, muito mais às crianças e adolescentes, vítimas mais disponíveis.

No caso das mulheres casadas, consideramos que se de um lado existe o criminoso, em geral o marido, agindo através do poder financeiro e econômico, cultura do ciúme e mais atual, a evitação da independência da mulher no imaginário que está em formação, da ascendência profissional vista como concorrência, do outro lado está a própria mulher que, principalmente, se ama o marido, aceita a posição de vítima como uma demonstração de amor. Com certeza não é difícil alcançar que o poder econômico e financeiro do marido pode servir de alavanca da medida e do grau de dependência financeira da mulher em relação ao parceiro.

Esta mulher casada, que ama o companheiro, quando vítima de atrocidades psicológicas tende, quase sempre ao sentimento de culpada, invariavelmente. Ou não consegue identificar a capacidade do companheiro em arquitetar e manietar. Sente-se confusa pois não acredita na possibilidade de intenção e mesmo não acreditam ser esta, uma forma de violência. Não acredita que o marido a está fazendo sofrer deliberadamente fazendo-a sentir o sabor do poder que ele detém.

A "confusão" sentida e vivida pela mulher vítima de atrocidades psicológicas reside, na maioria das vezes, no equívoco de "confundir" os sentimentos. Desvalia, ódio, rejeição. Esta mesma mulher que pensa que ama, pode não amar o marido. Muitos outros motivos podem estar contribuindo para que ela viva o sentimento de "confusão". Medo de encarar outra realidade que ela pensa ser mais difícil, que ela pensa que não vai conseguir alcançar. O medo da separação, do divórcio. O medo de ter "fracassado" no seu casamento e por fim, também a possibilidade de ela confudir-se no sentimento de culpa e perder-se no desconhecimento da auto-punição ou auto-destruição.

Essa violência pode estar sendo demonstrada através da ridicularização do físico mulher - gorda, magricela, pele e osso, velha, relaxada, não capaz de ganhar dinheiro para ajudar a família etc - da incapacidade intelectual - burrinha, desinformada, fora da realidade. Atitudes constantes de censura, pressões, cobranças, comparações, a exemplo.

Pode-se considerar que a forte pressão psicológica alcança características de tortura quando movida por objetivo definido da qual a vítima é o meio. Muitos exemplos poderiam ser extraídos. O marido que premeditadamente força a pressão psicológica até que ela chegue a atingir níveis insuportáveis pela vítima que cede diante da fragilidade psicológica e emocional. Esse objetivo pode ser, conseguir o descrédito da mulher ao ser considerada mentalmente incapacitada para administrar patrimônio, por exemplo. Outro tipo de tortura com objetivos de conseguir informações; essa seria a tortura política e objeto de outro enfoque."

- Encontrei esse artigo e achei interessante. Pouco ou quase nada se fala sobre isso.

(texto enviado por uma leitora, sem nome de autor?)

A ALMA GÉMEA



“A fantasia universal de ter um gémeo (alma gémea)"….
….
"Segundo Melanie Klein esta figura gémea representaria aquelas partes dissociadas que o individuo deseja recuperar com a esperança de conseguir a plenitude. Tive ocasião de verificar que esta fantasia estava implícita nos estados de enamoramento ou dependência extrema de alguns indivíduos para com certas pessoas que possuiriam, por identificação projetiva, as características vivenciadas como correspondentes às qualidades perdidas. Comportavam-se às vezes, como verdadeiros dependentes destes objetos, cuja companhia procuravam desesperada e compulsivamente, com a finalidade de recuperar esses aspetos.”* 
 

A alma gémea que muitos secretamente desejam encontrar e que com ela acreditam que irão viver um estado de simbiose, ou julgam já o ter alcançado, não é mais do que a ilusão de ver no outro, partes de nós mesmos que desconhecemos, mas que nos fazem falta para que nos possamos compreender e sentir compreendidos. Revela-se um amor narcísico.
O desejo de se complementar, na expressão do autor, é um sentimento de solidão interior que não conseguimos situar.
Nós somos inteiros e a esperança deveria estar em não vivermos em função da ideia da alma gémea, mas aprendermos a cuidar de nós próprios e a sermos capazes de integrar as características inesperadas do outro.


Mulher Ventre do Ser

Não há outro caminho de entrada no mundo que não seja pelo corpo da mulher. ...
A mulher é o portal para o universo. Ela é também o ventre do Ser.
Cada pessoa no mundo começou a vida como um traço minúsculo nas profundezas da mãe cujo ventre é o espaço onde esse traço se expande e se abre para assumir a forma humana.
Em termos de futura identidade e destino de uma pessoa caminhando pelo mundo, este é o tempo de máxima formação e influência.
No encontro humano, nada chega a ser mais próximo do que isso; nunca dois seres poderão estar mais perto como quando um está se formando nas profundezas do outro.
Naturalmente a relação é imensamente desequilibrada: um é uma pessoa completa, o outro é minúsculo, apenas começando sua jornada rumo à identidade absorvendo vida da mãe.
Porém, na noite do corpo materno, cada um está desesperadamete aberto ao outro.
Homem nenhum chega mais perto de uma mulher.
Mulher nenhuma chega mais perto de outra mulher.
Esse intricado nutrir e desabrochar de identidade se dá debaixo da luz no subconsciente físico de seu corpo.
A mãe não vê nada. A jornada é inteiramente às escuras. É a mais longa jornada humana do invisível ao visível. De cada via interna, o labirinto de seu corpo aporta um fluxo de vida para formar e liberar esse peregrino interno.
Imagine os incríveis eventos necessários para formar o embrião; de como cada partícula de crescimento equivale à formação de um mundo oriundo de fragmentos.



Do livro Beauty, The Invisible Embrace (Beleza, O Abraço Invisível) - John O’Donohue - poeta teólogo irlandês



domingo, agosto 13, 2017

ela renascerá numa saudade



«Todos os fins são dolorosos. Todos sem excepção. Não há substitutos para a dor, seja ela qual for. Uns podem lidar melhor com ela, do que outros, e isso não implica que sejam fortes. Os que vão adiante, sem dor e com desprezo total e rindo-se das atrocidades que fazem, ou daqueles que ficam pelo caminho, são meros psicopatas (como é moda ser referido pela psicologia moderna).
Todos os fins são dolorosos. Desde o fim de um amor, à morte de um ente próximo. Tudo aquilo que é ...preponderante e vital na vida, carrega sempre um preço: a dor. A dor, não tem contratos, ela é senhora do seu tempo, e é quem decidirá os termos da sua finitude. Nessa medida, não adianta nossos jogos para tapá-la, porque tem um comportamento de Lobo vestido de Cordeiro. Há sempre uma hora que ela tira a máscara e grita das profundezas.
Um dia, toda a dor, se tornará tristeza. Um dia, muito tempo depois, ela renascerá numa saudade.»


NãoSouEuéaOutra in «Cadernos Escorpiónicos»
 

"A Eterna Pergunta,

« Quem SOU Eu, oh Espelho? Quem é a mais Bela entre as minhas supostas personalidades? Qual é a que tem mais Força e Audácia de se revelar e dizer, ''Eu Sou o Teu Espelho''? Quem é que não me foge? De quem fujo Eu, para o Espelho virar-me a cara? ».
Neste jogo de espelhos, não há Príncipes e nem podem existir; trata-se de um Diálogo Mudo entre a própria Natureza e o Si-Mesmo Interno! Quem nos carrega pela Vida Inteira, somos nós mesmas... ninguém carrega ...o nosso Corpo, as horas cortadas à Pele... ninguém vive a Emoção da Dor e da Alegria por nós! Se o Espelho se revelar, a Paixão será inevitável, a não ser que a sua pele seja uma Luciferiana, e não cede a um/a ''Deus/a'' maior e mais Belo/a!
(...) A Vida sem Paixão, é Morte e Desalento... é o Deserto dos Sós, da Terra sem Sal. A Paixão, é a Respiração da Vitalidade Maior. (...)"

NãoSouEuéaOutra in «Cadernos Escorpiónicos»

quinta-feira, agosto 10, 2017

O QUE OS HOMENS PENSAM DE SI E DAS MULHERES...

SENHORA, PERDOA-LHES PORQUE ELES NÃO SABEM O QUE DIZEM...
Eis o que o Homem preconizou para a mulher e a sua exclusão!

"Mas agora a Palavra de mim, A Besta, é esta: não só estás tu, mulher,
jurada a um propósito que não é teu; tu és tu mesma uma estrela, e em ...
tu mesma um propósito para ti mesma. Não só mãe de homens tu és, ou
puta de homens; serva à necessidade deles de vida e Amor, sem
partilhar da Luz e Liberdade deles; não, tu és mãe e puta para teu
próprio prazer; a palavra que Eu digo aos Homens, Eu digo a ti nem
mais nem menos: Faz o que tu queres há de ser tudo da Lei!"

in O Livro da Lei comentado por Aleister Crowley

DECLARAÇÃO DE DIFERENÇA

DECLARAÇÃO DE DIFERENÇA
(para ser inserta no Livro do Desassossego)
Bernardo Soares


(...)
"Não somos bondosos nem caritativos — não porque sejamos o contrário, mas porque não somos nem uma coisa, nem a outra. A bondade é a delicadeza das almas grosseiras. Tem para nós o interesse de um episódio passado em outras almas, e com outras formas de pensar. Observamos, e nem aprovamos, nem deixamos de aprovar. O nosso mister é não ser nada.
(...)
A nossa simpatia é grande pelo ocultismo e pelas artes do escondido. Não somos, porém, ocultistas. Falha-nos para isso a vontade inata, e, ainda, a paciência para a educar de modo a tornar-se o perfeito instrumento dos magos e dos magnetizadores. Mas simpatizamos com o ocultismo, sobretudo porque ele soe exprimir-se de modo a que muitos que lêem, e mesmo muitos que julgam compreender, nada compreendem. É soberbamente superior essa atitude misteriosa. É, além disso, fonte copiosa de sensações do mistério e de terror: as larvas do astral, os estranhos entes de corpos diversos que a magia cerimonial evoca nos seus templos, as presenças desencarnadas da matéria deste plano, que pairam em torno aos nossos sentidos fechados, no silêncio físico do som interior — tudo isso nos acaricia com uma mão viscosa, terrível, no desabrigo e na escuridão.
Mas não simpatizamos com os ocultistas na parte em que eles são apóstolos e amadores da humanidade; isso os despe do seu mistério. A única razão para um ocultista funcionar no astral é sob a condição de o fazer por estética superior, e não para o sinistro fim de fazer bem a qualquer pessoa.
Quase sem o sabermos morde-nos uma simpatia ancestral pela magia negra, pelas formas proibidas da ciência transcendente, pelos Senhores do Poder que se venderam à Condenação e à Reencarnação degradada. Os nossos olhos de débeis e de incertos perdem-se, com um cio feminino, na teoria dos graus invertidos, nos ritos inversos, na curva sinistra da hierarquia descendente.
Satan, sem que o queiramos, possui para nós uma sugestão como que de macho para a fêmea. A serpente da Inteligência Material enroscou-se-nos no coração, como no Caduceu simbólico do Deus que comunica — Mercúrio, senhor da Compreensão.

Aqueles de nós que não são pederastas desejariam ter a coragem de o ser. Toda a inapetência para a acção inevitavelmente feminiza. Falhámos a nossa verdadeira profissão de donas de casa e de castelãs sem que fazer por um transvio de sexo na encarnação presente. Embora não acreditemos absolutamente nisto, sabe ao sangue da ironia fazer em nós como se o acreditássemos.

(from above) Tudo isto não é por maldade, mas por debilidade apenas. Adoramos, a sós, o Mal, não por ele ser o Mal, mas porque ele é mais intenso e forte que o Bem, e tudo quanto é intenso e forte atrai os nervos que deviam ser de mulher. Pecca fortiter não pode ser connosco, que não temos força, nem sequer a da inteligência, que é a que temos. Pensa em pecar fortemente — é o mais que para nós pode valer essa indicação aguda. Mas nem mesmo isso às vezes nos é possível: a própria vida interior tem uma realidade que às vezes nos dói por ser uma realidade qualquer. Haver leis para a associação de ideias, como para todas as operações do espírito insulta a nossa indisciplina nativa.

FERNANDO PESSOA

A VELHICE...



O movimento de retorno

"É precisamente através dos primeiros sinais de envelhecimento, de perda ou de tragédia pessoal que a dimensão espiritual tradicionalmente entra na vida das pessoas. Isto significa que o seu propósito interior só emerge quando o seu propósito exterior cai por terra e a concha do ego começa a abrir-se. Tais acontecimentos representam o início do movimento de retorno rumo à dissolução da forma.

Na maior parte das culturas antigas, deve ter existido uma compreensão intuitiva deste processo, pelo que as pessoas mais velhas eram muito respeitadas e veneradas. Eram repositórios de sabedoria e forneciam a dimensão de profundidade, sem a qual nenhuma civilização pode sobreviver durante muito tempo. Na nossa civilização, que se identifica totalmente com o exterior e ignora a dimensão interior do espírito, a palavra «velho» tem sobretudo conotações negativas. Equivale à palavra «inútil», por isso quase consideramos um insulto referirmo-nos a alguém como velho.

Para evitar a palavra, usamos eufemismos como «idoso» e «ancião». A «avó» dos povos indígenas da América do Norte é uma figura com grande dignidade. A «avozinha» atual é, na melhor das hipóteses, «querida». Por que razão são os velhos considerados inúteis? Porque, na velhice, a ênfase muda do fazer para o Ser, e a nossa civilização, perdida no fazer, desconhece o Ser. Pergunta: Ser? O que é que se faz com isso?

No novo mundo, a velhice será universalmente reconhecida e altamente reconhecida e altamente valorizada como uma fase propícia ao florescimento da consciência.
Para aqueles que continuam perdidos nas circunstâncias exteriores da vida, constituirá um momento tardio de regresso a casa, quando despertam para o seu propósito interior. Para muitos outros, representará uma intensificação e um culminar do processo de despertar."

Eckhart Tolle (Um Novo Mundo, pág. 231)

terça-feira, agosto 08, 2017



No Evangelho de Tomé , Simão (São) Pedro disse aos discípulos -

“Que Maria se afaste de nós, pois as mulheres não são dignas da Vida”.

Durante séculos esta premissa marca a vida católica e inconsciente de milhões de homens. O deu fálico e macho, misógino e assassino predomina no inconsciente colectivo ainda...e tem ascendência na maioria dos homens neste mundo. Nomeadamente e de forma explicita, no Islão...

PORQUE SOU ANTI-CLERICAL E PAGÃ


Todas as religiões são a causa directa ou indirecta da divisão da Mulher em duas mulheres, assim mantidas pelo patriarcalismo ao longo dos séculos, como esposas e concubinas, DANDO LUGAR à mais antiga e macabra profanação do SER Mulher, à sua integridade e dignidade como ser, que é a prostituição versus casamento e vice-versa; a Religião, qualquer religião, sempre foi dos homens e para os homens...
A Religião nunca foi das mulheres...mas sempre contra as mulheres...e vivendo muito à conta da ignorância obediência e escravidão das mulheres. Seja Jeová, Buda ou Alá...
As grandes religiões como o Budismo, o Cristianismo e o Islamismo, são todas misóginas e dividem a Mulher em duas, a Deusa Mãe Imaculada no altar ou no culto e a mulher real desprezada e manipulada segundo os interesses das suas crenças e dogmas.
Por isso sou totalmente adversa e antagónica de qualquer religião patriarcal, de ontem e de hoje - assim como às novas abordagem tipo "new age" que continuam a servir-se das mulheres, que maioritariamente alimentem estes párias da sociedade e as continua a manter na sombra e de forma utilitária...como mães de seus filhos e servas dos seus folclores etc. Soe isto a que soar...é preciso dizê-lo sem contemplações nem mais hesitações, doa a quem doer!  

rlp

UMA MISTICA ERÓTICA?



PERGUNTAS A CAMILE PAGLIA
e intercalados comentários meus...
(As respostas da escritora estão todas em itálico...)

"- Recentemente, a senhora foi criticada por declarar que as mulheres deveriam pensar melhor no que vestem para não ficar tão vulneráveis. O que quis dizer?

- Eu apoio totalmente as mulheres que se vestem de maneira sexy. Mas quem faz isso tem de compreender que sinais está enviando. Quando disse isso, estava me referindo às garotas americanas brancas de classe alta, que frequentaram as melhores universidades e terão os melhores empregos. Elas usam roupas sexy, mas seu corpo está morto, sua mente está morta. Elas nem entendem o que estão vestindo..."

Sim, a Mulher está morta na sua beleza intrínseca, no seu magnetismo de mulher - longe do mistério do seu próprio corpo e da vida pujante que em si dorme...séculos de alienação de si e desse poder intrínseco. As mulheres como mulheres modernas de hoje apenas usam um corpo fictício e falso, superficial que enfeitam com os sinais da moda e do dinheiro - tanto como o adulteram através de operações estéticas e se cortam ou colocam silicone, mesmo jovens...todas estas mulheres pseudo emancipadas que vivem há décadas numa sociedade de plástica onde só o dinheiro é importante.

Sim é possível que de algum modo, como diz a autora Camile Paglia que as

"Mulheres na Itália, França, Espanha, Brasil e outros países da América do Sul comunicam melhor sua sexualidade, estão mais confortáveis com seu corpo. Afro-ame­ricanas também sabem fazer isso. Mas as mulheres americanas brancas que estão cursando as melhores universidades… oh! Bom, você deve se lembrar de Sex and the City. Elas são espertas e ambiciosas, mas vivem uma situação em que fazem sexo com uma incrível quantidade de homens e de repente é o homem quem escolhe com quem vai ficar e quando é a hora de casar. E, quando resolvem casar, querem as de 20 anos. É muito difícil. Antigamente não se fazia sexo antes de casar. Mas hoje… as mulheres são entediantes...

- Entediantes...?

- Quando eu vou a Nova York vejo essas mulheres nas ruas: bem cuidadas, lindas, bem-sucedidas, graduadas em Harvard, Yale e entediantes!  Entediantes. Não têm nenhuma mística erótica. Acho que o número de homens gays vem aumentando porque os homens são mais interessantes do que as mulheres."

Aqui eu direi que não considero que a causa de uma maior homossexualidade dos homens, se deve ao facto de eles serem "mais interessantes", mas precisamente porque lhes falta o espelho da MULHER MISTICA E ERÓTICA por excelência - falta-lhe o reflexo de uma Mulher que expresse essa beleza interior do ser mulher. É devido  à ausência do feminino essencial na mulher que os homens perdem a sua referência do feminino - nas mães e nas irmãs e nas mulheres em geral e mesmo tendo as atrizes  do cinema e as cantoras da moda que não passam de uma imitação da mulher erótica algumas com ar  fatal, que ele gay copia e se torna seu travesti. Não duvido que a maior parte dos homens acabam virando-se para homens porque essa mulher feminina não existe e por isso eles não têm ligação emocional-sensual com essa Mulher Mitica; não digo que não haja homossexualidade tanto masculina com feminina à partida e nõa possa ser uma escolha - mas o facto é a grande maioria dos homens crescem e são educados numa sociedade que só valoriza o que é masculino e em consequência disso também as mulheres optaram por um ego masculino, mantendo apenas a aparência de mulheres, mas sem conteúdo...sem alma...e é a falta de alma que move o mundo masculino e machista ou mesmo gay.
 Daí também as mulheres serem entediantes...porque não têm alma...não têm um corpo verdadeiramente sensual e vivo. Sim, ela diz bem as mulheres "Não têm nenhuma mística erótica." Essa mística erótica não é mais do que o poder magnético da mulher original, da mulher cujo corpo exprime a sua força interior como podemos ver ainda em algumas mulheres que estão a resgatar esse feminino através do seu corpo e da sua alma...Mulheres que resgatam todo o seu potencial e são magnificas e de uma dignidade antiga, como Deusas...e isso ela não vê, a autora...

Não concordo com a seguinte pergunta, mas gosto da resposta em parte; tão pouco concordo que agora a situação se inverta e as mulheres sejam felizes porque tem grandes famílias...

"- Onde elas deveriam buscar a felicidade?

Bem, achar que as mulheres profissionalmente bem-sucedidas são o ponto máximo da raça humana é ridículo. Vejo tantas delas sem filhos porque acreditaram que podiam ter tudo: ser bem-sucedidas e mães aos 40 anos. Minha geração inteira deu de cara com a parede. Quando chegarmos aos 70, 80 anos, acredito que a felicidade não estará com as ricas e poderosas, mas com as mulheres de classe média que conseguiram produzir grandes famílias."

Esta conclusão da escritora, mulher super culta sagaz e versátil e controversa, mostra porém o seu distanciamento da mulher mística, da mulher essencial, dessa mulher de dentro que tem como expoente do seu ser a opulência feminina de um corpo mágico e sedutor, um corpo magnético e evocativo de uma natureza transcendental que dá a força e a mística...O que não é de estranhar sendo ela a autora uma freudiana convicta e positivista, homossexual e sem duvida com um ego masculino acentuado, não fosse ela uma professora universitária formada nas escolas do patriarcado, não ser também feminista nem defender as minorias gay lésbicas e ter ainda uma consciência que não sendo ontológica, é profunda e analítica...mas de essencialmente feminino também  não tem nada...mas busca ela mesma - dentro ou fora - essa mulher mística e erótica...?

rlp

segunda-feira, agosto 07, 2017

um mesmo esquema



"Lá porque vivemos em erectos edifícios não quer dizer que não vivamos afinal em cavernas.
De resto cada homem vive mergulhado na penumbra da caverna que ele próprio é.
E somos todos primitivos porque como o futuro está constantemente a cumprir-se, para os que vierem depois de nós seremos sempre velhos, depois antigos e depois primitivos.
A essência do progresso consiste no eterno insistir sobre um mesmo esquema.
Mas que progresso é esse que se baseia na eterna repetição de si próprio?
A descoberta gradual da permanência do esquema. "



Ana Hatherly

in, "O Mestre"

sábado, agosto 05, 2017

CANTO-TE



IN MEMORIAM

(...)
Canto-te...
como quem pronuncia o Mantra esotérico do teu nome
Canto-te e grito
para que a poeira que se infiltra em todas as
coisas se erga de ti como um plâncton
Oh Madre
matriz das criaturas inferiores que rastejam
a teus pés cobertas de pó
esse pó que a cada momento ameaça submergir-nos
Oh aranha enorme tecendo tua teia de pó
Oh que desintegras tudo e tudo tu constróis
Ah como nós lambemos tuas duras mãos
Oh que fustigas nossos olhos com tua sombra
Enorme
Oh
que deixas tanto espaço para o silêncio
das mil pétalas
dos mil braços esplendorosos em seu abandono
dos murmúrios
dos afagos
sangue derramado sobre o mundo
Oh
Porque és sempre tão premente?
e sempre estás ausentemente
na tua constância em todas as coisas?



ANA HATHERLY

A Suprema magia



O SABER DO CORAÇÃO

“O coração não tem necessidade de diplomas para entender o que é o coração. Ele não precisa de recorrer a práticas mágicas porque ele é a Magia Suprema.” M.Givaudan

Hoje eu posso ver, mas antes não via e cometi os mesmo erros...achar que sabia...e que o que eu dizia vinha de uma fonte fidedigna, única, a minha...mas acabei por compreender que a vida é quem nos ensina e nós só sabemos e aprendemos aquilo que vivenciamos e nos passou pela pele. Até ao fim da vida estamos a aprender e não há nada fixo...nem definitivo. Não adianta pregar nem catequizar ninguém antes que cada uma passe pela experiência que é só sua...podemos sempre transmitir a nossa experiência, mas sem convencimento de uma verdade qualquer que não a nossa e que serve apenas quem está em sintonia connosco no momento…

A verdade para cada pessoa só pode ser uma coisa dinâmica e que muda constantemente, de acordo com a percepção e a consciência de cada um à medida que evolui de consciência.  Por isso não podemos estar convencidas que sabemos tudo logo a partida...e que podemos ministrar algum conhecimentos seguro aos outros porque isso é tão grave como o seguidismo cego e patético de quem se submete a essas pessoas ou o fazer a apologia de supostas/os facilitadores que se julgam superiores fazendo-se humildes - e que na prática são pessoas bem egoístas e quase maléficas diria - homens que espancam mulheres e as desprezam (isso eu não perdoou) e depois fazem cursos de tantra ou do "feminino sagrado" e as mulheres não são excepção, também as há e não são poucas as oportunistas que se evidenciam e que se servem da fraqueza e ingenuidade - ou da ignorância - de outras mulheres para se vangloriarem e dominarem os palcos em que se julgam rainhas ou sacerdotisas....

"A inteligência do coração, é o nosso coração oculto, centrado entre o coração físico e o plexo solar, mas toda a região cardíaca é uma esfera de expansão radiosa."*

Só há uma bitola para sermos humanas e verdadeiras - O CORAÇÃO...a vibração que vem do coração, pois só o coração sabe realmente quem é verdadeiro/a e quem é que tem ressonância connosco no momento. E o coração sabe sem saber e não afirma nem convence ninguém. Porque quando o coração é accionado não há rivalidade, nem antagonismo, nem confronto PORQUE SABEMOS QUE SOMOS TODAS O MESMO na essência, e que entre nós só diferem as ideias e os conceitos que temos da realidade, as experiências variadas, as culturas e os complexos etc. Podemos falar da nossa experiência exclusivamente mas não de teorias nem de informações vindas do cosmos e do além ou de crenças...desculpem as que são crentes, mas o que valida a nossa experiência na terra é o que AQUI VIVEMOS e não o que decoramos ou nos é revelado das esferas...e outras dimensões...
O que nos muda é aquilo que nos mostra quem somos a cada momento dentro da nossa verdade intrínseca, a nossa experiência, não a verdade ou a experiência do outro. 

No fim, tudo o que julgamos saber intelectualmente e toda a informação que temos, cada vez mais e mais superficial, passa-se toda é processada ao nível da mente e o que nos faz fazer  é repetir até à exaustão as mesmas palavras trocadas e decoradas de sempre por todas aquelas e aqueles que quiseram deixar teorias e teses, ou filosofias, para a posteridade, mas não passa de um jogo. O que dizemos são como que palavras cruzadas de um jogo viciado pela mente que se aproveita destes movimentos para criar novos servos e servas...da mente predadora!
Mas tão pouco podemos ficar só na intuição e na experiência mística...a sonhar com coisas que se não aplicam na nossa vida real. Não, não é fácil ficamos sozinhas e ter discernimento - agir por conta própria e sermos fieis a nós mesmas...sempre nos ensinaram a ir buscar no outro/a a informação e a dar o nosso poder ao homem e ao que tem mais força.

O que eu quero dizer, às mulheres sobretudo, é que apenas devemos ouvir e seguir o nosso coração e é no silêncio muitas vezes que ele fala e nos mostra o nosso caminho. Abrir o coração à vibração das palavras e não aos conceitos...

Perguntam-me se eu tenho esperança no mundo ou na raça humana, e por consequência nas mulheres? Nem sempre tenho, mas sei que ela acorda na mais profunda e sincera verdade que brota de dentro de cada ser, na impecabilidade com que nos vemos e encaramos sem medo a nossa sombra e na implacabilidade com que não nos consentimos nenhuma mentira ou engano ou simulacro...só assim o meu mundo e a partir de mim mesma, do fundo das minhas células, será melhor, porque transformado a partir de dentro! Não antes!

"Nós não aprendemos senão aquilo que sofremos na nossa própria pele e que provamos interiormente. (...) A experiência de um ser não pode transformar outro ser. Quem quiser realizar a sua unidade sobre humana tem de sair do grupo, e enfrentar sozinho a exploração de si mesmo, e através de si, do Universo"*

rlp
*L' ouverture du Chemin - Isha S. de Lubicz

ANA HATHERLY


(...)
Quando a lua vier em forma de lança vai trespassar um pássaro
para lhe ler nas entranhas a direcção tu partiste e a marca dos ...

teus passos consiste nos olhos abertos de um pássaro esventrado.
Ah, mas o luar é uma pluma do meu leito e a lua é o colo de
tu morreste para poderes enfim tocar-me o rosto.



Ana Hatherly, in “Poesia 1958-1978”

quinta-feira, agosto 03, 2017

É preciso salvar o mundo


O Regresso do Feminino Ontológico: a alma do mundo

"O feminino é a matriz da criação. Esta verdade é algo profundo e elementar, e toda mulher conhece desde as células do seu corpo, desde a profundidade de seu instinto. A vida surge da substância de seu próprio corpo. As mulheres podem engravidar e dar à luz, ser participantes do maior mistério, que é trazer uma alma para o mundo. E, no entanto, nos esquecemos, ou nos foi privado, da profundidade deste mistério, de como a luz ...divina do alma cria um corpo no seio da mulher, e de como as mulheres participam neste mistério, entregando O seu próprio sangue, o seu próprio corpo, aquilo que vai nascer. O foco de nossa cultura em um Deus desencarnado, transcendente, deixou às mulheres despojadas, negando-lhes o carácter sagrado deste simples mistério do amor divino.
O que não nos damos conta é de que esta negação patriarcal não só diz respeito a todas as mulheres, mas também a própria vida. Quando negamos o mistério divino do feminino, também estamos negando algo fundamental à vida. Estamos separando a vida de seu núcleo sagrado, da matriz que alimenta toda a criação. Separamos nosso mundo da única fonte que pode curar, alimentá-lo e transformá-lo. A mesma fonte sagrada que nos deu a vida para cada um de nós é necessária para dar sentido à nossas vidas, para alimentá-las com o que é verdadeiro, e para revelar o mistério, o propósito divino de estar vivos."

Llewellyn Vaughan-Lee

O FEMININO ESTÁ EM PERIGO




O Ódio à mulher e à mãe, é comum aos dois sexos...

" Os novos modos do Exercício da opressão sobre as mulheres pelos homens, é explorando um discurso libertário ". Em nome do amor e da liberdade de cada um...
"Como o Cro Magnon alias Eric Zemmour, alguns desses machistas querem decidir sobre o aborto [3], da contracepção de mulheres, uma vez que estas se mostram irresponsáveis. Os mesmos argumentos que quando as mulheres reclamaram o direito de voto ou o direito de ter a sua própria conta bancária e de gerir os seus próprios bens (1965 em França)... e para eles, um cônjuge violento continua a ser um bom pai .
Excepto que: mais de 95 % dos criminosos sexuais são homens (de acordo com os números oficiais um pouco por todo o lado), 90 % dos cônjuges violentos são homens. Em 1998, Martin Dufresne, membro do grupo masculino contra o sexismo, analisando o discurso machista nos Estados Unidos e no Canadá, constatou que o machismo coloca os homens em posição de vítimas e oprimidos para melhor justificar " novos modos de Exercício da opressão das mulheres pelos homens, explorando um discurso libertário ". mostra como a atividade de lobby e o discurso do movimento, centrado na esfera familiar, tem efeitos sobre os legisladores e sobre a criminalidade sexista."
Sim, a verdade é que sob "Sob a bandeira da modernidade estamos reconstruindo as bases de uma sociedade homossexual. Com o liberalismo, as campanhas por direitos e etc, mais e mais homens se sentem seguros para expressar sua verdadeira atração e cada vez mais homens o farão. E aqueles que não conseguem, ficam idolatrando o sexo anal, escondendo pela prática com a mulher, aquilo que gostariam de fazer com um homem. Nada disso tem a ver com as mulheres. Nós somos apenas coadjuvantes nesse processo, sempre fomos. Não é por causa do feminismo ou de qualquer outra coisa que as mulheres fizeram ou deixaram de fazer, que estamos caminhando, de novo, para uma sociedade no modelo greco-romano. Essa questão sempre foi uma questão entre eles. Foi a sociedade patriarcal que eles criaram que deu origem a essa misoginia. Filósofos gregos afirmavam que o amor superior, era o amor de um homem por outro homem.
A triste realidade é que com a sociedade se tornando cada vez mais homossexual, as mulheres correm o risco de regredir nas poucas coisas que conquistaram. Se o processo se concretizar, o que impedirá os homens que dominam a política, a economia, as mídias, as artes, o exército e a polícia, de recolocar a mulher na mesma condição da mulher grega?
Vejo o mundo dividido: naqueles países onde os governos são patriarcais e religiosos, a prática será heterossexual. Nos países patriarcais de estado laico, a prática será homo e as mulheres em ambas as sociedades, mero objeto de reprodução. Como sempre foi no patriarcado em geral."*


Realmente estremeço de indignação ao perceber como o ódio à mãe e à mulher - esse ódio à vida pela falta de amor da mãe - se reflecte nas causas obscuras que se abraçam com raiva - sejam extremismos ou os fanatismos, sejam todo o tipo de mutilações e violências feitas ao corpo, piercings e nalguns casos até tatuagens - ou a defesa de causas supostamente em nome da "justiça" e de direitos "iguais" na defesa cega de ideias e ideologias que apenas justificam o ódio e a separação...e até as guerras como expressão do ódio a si mesm@...
Cada dia que passa mais me convenço que o ódio a Mãe e a Mulher, bem lá no fundo, faz com que homens e mulheres se dividam e se digladiem entre facções que se opõem só porque não tiveram o amor nem o carinho de um Ente amoroso que os tenha recebido a nascença e por isso falta-lhes o reconhecimento da Mãe... Nas mulheres então isso é atroz no ódio às outras mulheres...mas não é menor nos homens que se reflecte no ódio a todas as mulheres...na misoginia, na impotência sexual e ou até na pedofilia...
O Ódio à mulher e à mãe, porém é comum aos dois sexos...e nasce da rejeição da mãe...
Até há pouco tempo eu não pensava que esse ódio à mãe era também partilhado pela mulher, desde logo e em criança educada a ser mãe...das bonecas...mas hoje vejo claramente que esse ódio da mulher à mãe é muito mais comum do que eu julgava e até mais nefasto que em muitos homens.
O nascimento, portanto e para ambos os sexos, como memória de abandono ou rejeição, baseado na falta de amor inicial e básico, torna o ser humano deficiente emocionalmente; faltando o apoio e o afecto maternal de inicio à criança, esta torna-se logo desde criança mas mais em adolescente completamente rebelde e violenta em sociedade (nas escolas e nas ruas) e tudo o que faz reflecte essa carência na busca da mãe e do amor- ódio em todas as suas actividades.
O homem quer luta por se afirmar e vai para a Guerra matar pessoas...matar é sinal de virilidade e a arma é um símbolo fálico - um conceito sobrevalorizado culturalmente nas sociedade patriarcais e que visam a tirar o papel às mães desde o inicio. Sim, no meio disto tudo o Pai é um Mito, o mito do herói e é esse herói ou bandido - por vezes a heroicidade não se distingue do crime - que o homem persegue e quer ser ao perseguir os modelos do Homem patriarcal e a sua História de guerras e conquistas, de crimes e violações.


rlp

(* quando descobrir darei o nome de quem escreveu o excerto citado)

MIRAGENS


O FOGO VIVO...

"O sentimentalismo é uma miragem na esterilidade de um deserto. O viajante que aceita esta miragem passa a sua vida a procurar um oásis ilusório, e morre de sede a alguns metros da fonte de cuja direcção ele se afastou. O sentimentalismo é uma imitação do Amor, mas o amor impessoal tem o poder de dissolver essa ilusão porque ele ultrapassa todos os valores destrutivos, sendo o Fogo vivo, que triunfa sobre todas as forças superiores e as inferiores ."


in L' ouverture du Chemin - isha S. de Lubiccz