sexta-feira, março 30, 2018

TRÊS POBRES NOTAS...



“O sofrimento é uno. Fala-se do sofrimento como se fala do prazer, mas fala-se deles quando não nos possuem, quando deixaram de nos possuir. De cada vez que entram em nós, causam-nos surpresa de uma nova sensação, e temos de reconhecer que ...o havíamos esquecido. São novos, visto que somos novos; damos-lhe cada vez uma alma e um corpo um tanto modificados pela vida. E contudo o sofrimento é uno. Dele apenas conheceremos, como também do prazer, algumas formas, sempre as mesmas, e somos suas presas.
Explicando melhor: a nossa alma, em meu entender, dispõe apenas de um teclado restrito, e por muito que faça, a vida nunca lhe consegue tirar mais de duas ou três pobres notas. (…)”

“Na vida as coisas não são exactas; pintá-las nuas é mentir, visto que só as vemos numa névoa de desejo. Não é verdade que os livros nos tentem; e tão pouco os acontecimentos o conseguem, visto que apenas nos tentam quando ...chegou a nossa vez, quando chegou a nossa hora em que nos teria tentado. Não é verdade que umas quantas verdades precisões brutais possam informar sobre o amor; não é verdade que seja fácil reconhecer, na simples descrição de um gesto, a emoção que ele depois produzirá em nós.”


In Alexis – Ou o tratado do vão combate – Marguerite Yourcenar

Sem comentários: